domingo, 1 de abril de 2012

Jorge Lourenço: As vassouras anticorrupção varreram o próprio dono

01.04.2012
Do blog de Luiz Carlos Azenha,31.03.12
PorJorge Lourenço, no Jornal do Brasil

Vassouras de protesto anticorrupção foram compradas pelo senador Demóstenes Torres (DEM-GO)
A cada dia que passa, o senador Demóstenes Torres (DEM-GO) se enrola mais. Em vias de ser expulso do partido, conforme publica a colunista Anna Ramalho,  o político ainda teve mais conversas suas divulgadas na mídia. Desta vez, ficou bem claro que Demóstenes sabia sim das atividades ilícitas do contraventor Carlinhos Cachoeira e, mais grave ainda, dedicou sem mandato a defendê-las.
Deixa comigo
Numa das conversas gravadas pela Polícia Federal, Demóstenes é flagrado fazendo lobby para Carlinhos Cachoeira junto a um desembargador para agilizar seu processo. Noutra, o senador garante ao contraventor apoio a um projeto de lei para liberar alguns jogos de azar.
“Se você quiser votar, tudo bem, eu vou atrás”, diz Demóstenes.
Telhado de vidro
Para refrescar a memória: no final do ano passado, o ativismo na web disparou uma série de protestos anti-corrupção pelo Brasil. Num deles, a ONG Rio de Paz espalhou vassouras em Brasília e no Rio de Janeiro para simbolizar a tão desejada limpeza ética dos políticos brasileiros . Advinha quem comprou as vassouras? Demóstenes Torres.
*****

Terror confessado por Ernesto Geisel

01.04.2012
Do DIÁRIO DE PERNAMBUCO
Por  CARLOS FRANCO
carlosfranco.df@dabr.com.br

Entrevista inédita concedida pelo quarto presidente militar revela torturas e crimes do regime


Durante o regime militar, milhares de pessoas foram sequestradas e mortas. Entre elas, o jornalista Vladimir Herzog e o operário Manuel Fiel Filho.
Imagem: TADASHI NAKAGOMI/CB/D.A PRESS
A poucos dias do anúncio dos nomes da Comissão da Verdade responsáveis por desvelar os segredos guardados no porões da ditadura militar (1964-1985), um pouco das histórias escondidas pela repressão foram trazidas à luz por uma entrevista concedida em 1993 pelo general Ernesto Geisel ao Centro de Documentação e Pesquisa (CPDOC) da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Quarto presidente a ocupar o Palácio do Planalto depois do golpe de 31 de março de 1964, o “Alemão” confirmou que o regime à época não só praticava a tortura, como foi o responsável direto pelas mortes do jornalista Vladimir Herzog, em 1975, e do operário Manuel Fiel Filho, em 1976. Geisel chegou a confirmar aos historiadores Maria Celina D’Araújo e Celso Castro que, ao contrário da versão oficial difundida à época, Fiel Filho foi, sim, morto por militares: “Num fim de semana, ele (o então comandante do Exército em São Paulo, general Ednardo D’Ávila Mello) não estava em São Paulo e mataram o operário”.

O material recolhido pelos pesquisadores, e que deve ser analisado pela Comissão da Verdade, reúne mais de 36 horas de gravações que traçam um panorama da história recente do país. Parte já foi publicada no livro Dossiê Geisel, mas vários trechos permanecem inéditos — como a confissão do assassinato de Fiel Filho pelo Exército. Maria Celina diz ao Correio Braziliense/Diario que, mais importante do que os depoimentos dos comandantes militares coletados pela instituição — que encerram um ciclo até porque muitos morreram —, é avançar na reconstituição dos aparelhos de terror do Estado. “Os militares, inclusive Geisel, defenderam a repressão, mas o regime de terror de Estado teve participação ativa da mídia e de empresários. Essa é a história que falta levantar. Espero que a Comissão da Verdade avance nesse sentido”, pressiona Celina. Geisel, explica ela, tentou driblar e desmantelar a esquerda e a extrema direita durante o seu governo. “Teve êxito no primeiro combate, pois a esquerda se desmantelou, mas a extrema-direita se manteve ativa e operante até o atentado no RioCentro, em 30 de abril de 1981, durante o show do 1º de maio”, esclarece. 

Faltaria ouvir, portanto, empresários que estão vivos e podem esclarecer o funcionamento das masmorras. “A sociedade que participou dessa repressão precisa e deve ser ouvida, como ocorreu na Alemanha pós-Hitler e como ocorre hoje na Espanha em relação à ditadura de Franco”. Celina está convencida de que, assim, a história será resgatada e de que a anistia estará em xeque e poderá ser revista. “O governo do general João Baptista Figueiredo foi o governo dos órgãos de inteligência e o texto da Lei de Anistia levou em conta essa realidade”. 

Os depoimentos de generais, almirantes, brigadeiros, coronéis e tenentes tomados pelos pesquisadores do CPDOC/FGV deram origem aos livros Visões do golpe: a memória militar sobre 1964; Os anos de chumbo: a memória militar sobre a repressão e A volta aos quartéis: a memória militar sobre a abertura, todos coordenados e organizados por Maria Celina com Celso Castro e Gláucio Soares. 


****

É "Fantástico": anúncio da Assembléia Legislativa de MT cala-a-boca da reportagem de Faustini

01.04.2012
Do blog OS AMIGOS DO PRESIDENTE LULA, 31.03.12


ONG Moral divulga:
Carta aberta à Rede Globo de Televisão

O Movimento Organizado pela Moralidade Pública e Cidadania – Moral, vem manifestar seu apoio à campanha da Rede Globo com denúncias sobre corrupção apresentadas no programa Fantástico.

A importância desse tipo de denúncia vem compensar a falta de atividade legislativa no país, onde em todos os níveis não existe fiscalização dos atos do executivo. Assim, as propinas azeitam as milionárias campanhas políticas e as trocas de favores por cargos são tão comuns que o povo vive desesperançado.

No estado de Mato Grosso a grande mídia faz um silêncio pavoroso quando o assunto são as denúncias de quem ordena despesas para campanhas publicitárias que são um escândalo. Só a Assembléia legislativa em 2010 usou de 18 milhões do erário para comprar o silêncio da maioria dos veículos.

Por isso vimos pedir que a Rede Globo esclareça ao povo de Mato Grosso e do Brasil,porque em dezembro de 2010 deixou de levar ao ar uma reportagem feita pelo “repórter sem rosto” Eduardo Faustini sobre os processos que envolvem o presidente da Assembléia Legislativa, deputado José Riva, acusado pelo Ministério Público de desviar, em valores atualizados, cerca de meio bilhão de reais dos cofres públicos.

O repórter da Globo, acompanhado de um militante da Ong Moral, com veículo locado pela entidade, foi a Campo Verde onde entrevistou os contadores que montaram as empresas fantasmas. No cemitério em Várzea Grande filmou o túmulo do homem que depois de morto assinou cheques recebidos da Assembléia. O repórter conversou com promotores que promoveram as ações e reuniu-se também com um grupo de dirigentes do Moral, quando as informações foram complementadas.

Porém, na noite do domingo quando todos sentaram à frente da televisão para assistir a reportagem do Fantástico, o que se viu foram quatro inserções de propaganda da Assembléia Legislativa e nada sobre as acusações ao deputado. A reportagem nunca foi ao ar.

O repórter Faustini passou a não atender as ligações em seus telefones, não dando nenhuma explicação para o silêncio da Rede Globo ante as graves denúncias. Enquantoos boatos nos meios jornalísticos e políticos davam conta que a negociação do silêncio envolveu a soma de 10 milhões de reais.

Não acreditando nos boatos, a direção da Ong Moral enviou uma carta ao Diretor de Jornalismo da emissora no Rio de Janeiro, Carlos Henrique Schroder, sem obter resposta. A falta de esclarecimento é um desrespeito inclusive aos profissionais sérios do jornalismo desta emissora que atuam em todo o país.

Como é sabido, o deputado José Riva responde a mais de cem processos, entre ações civis públicas e ações penais, que patinam nos meandros do nosso Poder Judiciário. Para se manter no comando do legislativo local por 17 anos, gasta em média 1,5 milhão de reais por mês com propaganda, emprega fantasmas e loteia favores para acomodar a maioria do seus pares calados e acovardados.

A Rede Globo de Televisão e o repórter Eduardo Faustini devem uma explicação à sociedade matogrossense. O melhor seria a apresentação a reportagem guardada, cujo assunto continua atual. Se aqui em nosso estado uma reportagem sobre corrupção, carregada de provas robustas foi engavetada, quantas mais pelo Brasil terão o mesmo destino?

Cuiabá, 30 de março de 2012.

Assinam os diretores da Ong Moral:

Ademar Adams
Cláudio Fim
Roberto Vaz da Costa
Gilmar Brunetto

*****

Novas gravações mostram lobby de Demóstenes para bicheiro e empresário Fernando Cavandish

01.04.2012
Do blog OS AMIGOS DO PRESIDENTE LULA,31.03.12


Trechos de novas  gravações de ligações telefônicas entre o senador Demóstenes Torres (DEM-GO) e o bicheiro Carlos Augusto de Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira, preso pela Polícia Federal e investigado por suspeita de explorar ilegalmente jogos de azar, mostram o empresário pedindo ajuda ao político. Em gravações obtidas pelo jornal Folha de S.Paulo, Cachoeira pede a ajuda de Demóstenes para impedir a convocação do empresário Fernando Cavandish, dono da construtora Delta, para depor numa comissão da Câmara, em maio de 2011. A Delta se destacou fazendo negócios com o Governo Federal e vários Estados e Cachoeira tinha interesse em promover negócios da construtora com o governo de Goiás. "Manda ele retirar o requerimento", pediu Cachoeira.

Ainda de acordo com o jornal, em setembro do ano passado, Demóstenes ajudou a abrir portas na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para representantes de um laboratório farmacêutico controlado por Cachoeira. De acordo com os registros da Anvisa, o senador pediu uma audiência para tratar de um "protocolo sobre o câncer", mas usou a reunião para discutir pendências do laboratório Vitapan, incluindo pedidos de renovação dos registros de seus produtos. O advogado do senador, Antonio Carlos de Almeida Castro, afirmou que não vai comentar o teor dos grampos da PF. "Ainda não tive acesso a essas gravações", disse. Castro afirmou que as gravações não têm valor jurídico e que elas são totalmente nulas.

Leia a matéria completa da Folha

O senador Demóstenes Torres (DEM-GO) usou o cargo para atender pedidos do bicheiro Carlos Augusto de Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira, preso pela Polícia Federal e investigado por suspeita de explorar ilegalmente jogos de azar.

Em setembro do ano passado, Demóstenes ajudou a abrir portas na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para representantes de um laboratório farmacêutico que é controlado por Cachoeira, segundo a polícia.

De acordo com os registros da Anvisa, o senador pediu uma audiência para tratar de um "protocolo sobre o câncer", mas usou a reunião para discutir pendências do laboratório Vitapan, incluindo pedidos de renovação dos registros de seus produtos.

Gravações cujo conteúdo foi publicado pelo jornal "O Globo" ontem também mostram Demóstenes discutindo com Cachoeira um projeto de lei que transforma em crime a exploração de jogos de azar, nomeações de funcionários do Senado e o andamento de um processo judicial de interesse do empresário em Goiás.

Outras gravações, cujas transcrições foram obtidas pela Folha, mostram que Cachoeira pediu a ajuda de Demóstenes para impedir a convocação do empresário Fernando Cavendish, dono da construtora Delta, para depor numa comissão da Câmara, em maio do ano passado.

Cachoeira tinha interesse em promover negócios da construtora com o governo de Goiás, de acordo com a investigação da PF.

Figura proeminente da oposição, Demóstenes caiu em desgraça após a revelação de suas relações com Cachoeira, que serão investigadas por inquérito aberto nesta semana pela Procuradoria-Geral da República.

As conversas gravadas pela PF mostram que o senador tinha intimidade com Cachoeira. Demóstenes chamava o empresário de "professor" e era tratado como "doutor".

No diálogo em que os dois discutem a convocação de Cavendish na Câmara, o senador procura tranquilizar o empresário, dizendo que não havia possibilidade de o pedido ser aprovado.

"Manda ele retirar o requerimento", pediu Cachoeira. O senador do DEM respondeu: "Não, isso não aprova não, professor, isso tem uns 300 requerimentos aqui também no Senado, isso não aprova de jeito nenhum, não precisa nem preocupar".

O requerimento que propôs a convocação de Cavendish foi apresentado pelo deputado Delegado Waldir, do PSDB de Goiás, que atuou como suplente no ano passado, por quatro meses.

Demóstenes e bicheiro derrubaram Palocci

Em outro momento da mesma conversa, Demóstenes e Cachoeira discutem a situação do então ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, que estava prestes a sair do governo por causa do embaraço criado pela revelação de seu enriquecimento como consultor de empresas.

"O Palocci mandou todo mundo atrás de mim aqui, para você ver. Todo tipo de proposta", diz Demóstenes. "Tem tudo, tudo o que você pensar. Cada hora vinha um. Muito, muito sem vergonha. Esse não aguenta nem mais um bafo na nuca, viu?"

******

DITADURA MILITAR NO BRASIL: O Cordão da Mentira

01.04.2012
Do blog ESQUERDOPATA, 


Depois de torturadores, apoiadores da ditadura são alvos de protesto em São Paulo 

Depois dos assassinos e torturadores, agora é a vez dos apoiadores do golpe civil-militar de 1964 serem alvos de protestos. Passando por jornais, empresas e lugares simbólicos do apoio civil à ditadura, o Cordão da Mentira irá desfilar pelo centro da cidade de São Paulo para apontar quais foram os atores civis que se uniram aos militares durante os anos de chumbo.

Os organizadores - coletivos políticos, grupos de teatro e sambistas da capital - afirmam ter escolhido o 1º de abril, Dia da Mentira e aniversário de 48 anos do golpe, para discutir a questão "de modo bem-humorado e radical".
Ao longo do trajeto, os manifestantes cantarão sambas e marchinhas de autoria própria e realizarão intervenções artísticas que, segundo eles, pretendem colocar a pergunta: “Quando vai acabar a ditadura civil-militar?”.

TRAJETO (confira resumo, no fim do texto)
A concentração acontecerá às 11h30, em frente ao cemitério da Consolação.
Em seguida, o cordão passará pela rua Maria Antônia, onde estudantes da Universidade Mackenzie, dentre eles integrantes do CCC (Comando de Caça aos Comunistas), entraram em confronto com alunos da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da USP. Um estudante secundarista morreu.

Dali, os foliões-manifestantes seguem para a sede da TFP (Sociedade Brasileira de Defesa da Tradição, Família e Propriedade), uma das organizadoras da “Marcha da Família com Deus, pela Liberdade”, que 13 dias antes do golpe convocava o exército para se levantar “contra a desordem, a subversão, a anarquia e o comunismo”.

Depois de passar pelo Elevado Costa e Silva - que leva o nome do presidente em cujo governo foi editado o AI-5, o mais duro dos Atos Institucionais da ditadura - o bloco seguirá pela alameda Barão de Limeira, onde está a sede do jornal Folha de S.Paulo. Segundo Beatriz Kushnir, doutora em história social pela Unicamp, a Folha ficou conhecida nos anos 70 como o jornal de “maior tiragem” do Brasil, por contar em sua redação com o maior número de “tiras”, agentes da repressão.

A ação da polícia na Cracolândia, símbolo da continuidade das políticas repressivas no período pós-ditadura, bem como o Projeto Nova Luz, realizado pela Prefeitura de São Paulo, serão alvos dos protestos durante a passagem do cordão pela rua Helvétia.

Finalmente, será na antiga sede do Dops (Departamento de Ordem Política e Social), na rua General Osório, que o Cordão da Mentira morrerá.

CORDÃO DA MENTIRA
Quando: Domingo, 1º de abril de 2012, a partir das 11h30
Onde: concentração no Cemitério da Consolação

TRAJETO

  • R. Maria Antônia – Guerra da Maria Antônia
  • Av. Higienópolis – sede da TFP
  • R. Martim Francisco
  • R. Jaguaribe
  • R. Fortunato
  • R. Frederico Abranches
  • Parada no Largo da Santa Cecília
  • R. Ana Cintra – Elevado Costa e Silva
  • R. Barão de Campinas
  • R. Glete
  • R. Barão de Limeira – jornal Folha de S.Paulo
  • R. Duque de Caxias – Cracolândia/Projeto Nova Luz
  • R. Mauá

Dispersão: R. Mauá com a R. General Osório – antigo prédio do Dops 

****

José Agripino Maia (DEM) é citado em depoimento de esquema ilegal milionário

01.04.2012
Do blog PRAGMATISMO POLÍTICO, 31.03.12

Depois do senador Demóstenes Torres, agora é o presidente nacional do Democratas, Agripino Maia, que pode enfrentar problemas. Seu nome é mencionado em depoimento de empresário sobre esquema de corrupção na inspeção veicular do RN: teria recebido R$ 1 milhão em dinheiro para campanha

agripino maia corrupção demO presidente nacional do DEM, José Agripino Maia (RN), assumiu a liderança do partido no Senado nesta semana, depois da renúncia de Demóstenes Torres (GO) da posição. Mas, assim como Demóstenes, que abriu mão de liderar o partido depois que suas relações com o bicheiro Carlinhos Cachoeira foram expostas, Agripino também pode ficar sem clima para representar a legenda no Congresso Nacional. Em termo de interrogatório publicado na última quarta-feira por um site de Natal (www.blogdoprimo.com.br), o senador é mencionado por um empresário como beneficiário de uma doação de R$ 1 milhão em dinheiro vivo para sua campanha de 2010. O repasse o ligaria ao esquema desbaratado pela Operação Sinal Fechado no Rio Grande do Norte.

Leia mais

O depoimento, prestado pelo empresário José Gilmar de Carvalho Lopes aos promotores de Justiça Eudo Rodrigues Leite e Rodrigo Martins da Câmara, faz parte de uma apuração sobre “supostas irregularidades em contratos e convênios do Detran/RN, especialmente acerca de inspeção veicular”. José Gilmar de Carvalho Lopes se apresenta como sócio da empresa Montana – é conhecido como “Gilmar da Montana” – e diz que o empresário e lobidta George Olímpio distribuiu um percentual de 40% de sua parte nos futuros lucros do consórcio INSPAR, contratado para realizar a inspeção veicular no Rio Grande do Norte, para os ex-governadores do estado Iberê Paiva Ferreira de Souza e Wilma Maria de Faria.
A doação de R$ 1 milhão em dinheiro de George Olímpio para Agripino Maia e a Carlos Augusto Rosado (marido da governadora Rosalba Ciarlini - DEM) surge, no depoimento, como contraponto para as doações que o mesmo Olímpio teria feito a Iberê Paiva e Wilma Faria – uma espécie de garantia para, no caso de o esquema dar errado, os opositores do governo não se manifestarem. De acordo com José Gilmar de Carvalho Lopes, o valor de R$ 1 milhão “foi acertado no sótão do apartamento de José Agripino em Morro Branco”.
A quantia não foi declarada pelo senador na prestação de conta de sua campanha – pelo menos como sendo proveniente de George Olímpio. O empresário José Gilmar de Carvalho Lopes não apresenta provas sobre o que diz, portanto não se pode, ainda, julgar Agripino Maia ou cravar sua participação no esquema. Mas, num DEM já enrolado com o envolvimento de seu grande expoente com um bicheiro, Agripino podia passar sem essa.
Brasil 247

*****

A história será a prisão perpétua dos criminosos da ditadura

01.04.2012
Do BLOG DA CIDADANIA,31.03.12
Por Eduardo Guimarães

Em 31 de março de 1964 teve início um dos períodos mais infames da história da humanidade. Eu tinha cinco anos. Meu pai abandonara a minha mãe havia pouco tempo e por isso eu e ela fomos viver com seus pais. Como o meu avô estivesse definhando devido a um câncer nos pulmões a família optou por uma prática comum à época, em São Paulo: residir em hotel.
Vivíamos no elegante hotel Danúbio, na avenida Brigadeiro Luiz Antonio, com suas termas que atraíam a nata da elite paulistana. Lembro-me de mãe e avó acendendo velas e rezando naquela tarde que ficou cravada em minha memória. Lembro-me de que estavam assustadas. Lembro-me do som dos tiros do lado de fora e de como a tensão delas me aterrorizou.
Lembro-me de como a minha família, que repudiava o golpe, só falava do assunto em privado. E de como, mesmo estando dentro de casa, só conversava aos sussurros. Pequeno como era, durante ainda alguns anos acreditei que “os generais” – como mamãe chamava a ditadura – poderiam ver o que eu fazia até quando estivesse no banheiro.
Alguns poucos anos depois, a minha família foi expulsa de um restaurante porque,  por minha mãe ter me negado uma sobremesa ou um refrigerante – não me lembro bem –, como bom moleque pirracento comecei a repetir, uma vez após outra – e em alto e bom som –, a palavra proibida: “comunista”.
Oito anos depois, em 1972, ainda residindo no mesmo hotel e agora adolescente, fizera amizade com Daniel,  que residia na rua Major Diogo.  Tinha quatro anos a mais do que eu e se tornara companheiro de pedaladas pela cidade. Nossas bicicletas se encontraram uma vez e não se separaram mais…
Até que fossem separadas.
Daniel era negro. Vivia em um cortiço com a família. Quando nossas bicicletas se encontravam ali na rua Martiniano de Carvalho e saíamos pedalando pela cidade, ele sempre me falava de um movimento em que se engajara para “lutar contra a repressão”, a qual, apesar de então estar diminuindo, ainda era intensa.
Uma vez, fui com Daniel ao colégio Equipe participar de um encontro de conspiradores contra a ditadura. Ouvi falarem em tortura, em mortes. Fiquei apavorado. Era um adolescente. Tinha 13 anos. Tive muito medo. Contei para a minha família, que ficou furiosa com o convite que recebi e me proibiu de ver meu amigo.
Por algum tempo, obedeci. Depois acabei me revoltando com a proibição. Fui procurá-lo, mas sua família havia se mudado e o próprio Daniel nunca mais fora visto. O dono da adega na rua Humaitá, onde Daniel sempre tomava “um goró” antes de sairmos pedalando, disse-me, aos sussurros, que “os homens” o tinham levado…
Era, então, 1973. Agora, tinha 14 anos. Não entendia, ainda, o por que de tudo aquilo. Como era hábito da família ler o Estadão, que assinávamos, comecei a buscar nas páginas do jornal alguma informação mais inteligível sobre por que acontecia tudo aquilo no país. Todavia, nada encontrava. O fato é que o Brasil que aparecia no jornal era um país de mentira.
Nunca mais parei de ler jornal. Percebi, tão jovem, que é preciso estar informado, ainda que mal informado, porque da informação distorcida pode partir a busca da verdade. E  nunca parei de me sentir culpado por ter me omitido, mesmo sendo um mero adolescente à época em que tantos deram as suas vidas pela democracia.
Chegou 1989, ano da verdadeira redemocratização, com a primeira eleição direta para presidente desde o início dos anos 1960. Haviam se passado quase 30 anos desde que este país pudera votar. Finalmente havíamos nos libertado do jugo daqueles vermes que colocaram o país de joelhos.
Vi os mesmos jornais e televisões que jogaram o país na ditadura agora tentando manipulá-lo por outros meios. Quando Collor surgiu e aqueles veículos começaram a bombardear Lula, logo percebi que estavam ajudando a dar outro golpe no país.
Todavia, estava empenhado em sustentar mulher e três filhos. Com dificuldade, porque aqueles foram anos terríveis para o Brasil. Assisti à farsa montada pela Globo e companhia e que redundou na eleição de alguém cuja palavra picareta eu podia ler na testa, quando ele aparecia na tevê.
Durante a campanha eleitoral de 1989, comecei a discutir política no trabalho. Entretanto, logo recebi recado da gerência da empresa de que esta não aceitava “agitação política” e que não tolerava empregados “petistas”. Vejam só. Como precisasse do emprego, calei-me de novo.
Mas, desta feita, foi por pouco tempo. Logo percebi que precisava ser livre e ousei dar um passo: pedi demissão e fui trabalhar por conta própria. Uma coisa levou a outra. Ganhei até mais dinheiro do que quando era empregado e acabei fundando o meu próprio negócio, com mais dois sócios, em 1991.
Livre, comecei a escrever ao jornal que me introduziu nas grandes questões de interesse público. E o que me surpreendeu foi que começou a publicar algumas de minhas cartas de leitor. Mas percebi, também, que o Estadão só me publicava quando não batia muito de frente com as suas idéias reacionárias de ex-mural de recados da ditadura.
Quando a internet chegou ao Brasil, em meados da década de 1990, e o Estadão começou a publicar os endereços de e-mail dos leitores, tive a ideia de ir formando uma lista com esses endereços, aos quais escrevia textos contrariando a linha editorial do jornal ultraconservador. Minha lista de emails chegou a ter mais de mil pessoas.
Em 2005, tive a idéia de criar este blog. Dois anos depois, com leitores desta página fundei o Movimento dos Sem Mídia. Mais dois anos e o jornal Folha de São Paulo esbofeteia o país publicando um editorial que afirmou que a ditadura militar brasileira não teria sido uma ditadura, mas uma ditabranda.
Chegara a hora de fazer o que não fizera na juventude. Agora quarentão, resgataria aquele menino de treze anos assustado com o regime dos generais.
Através do blog, convoquei o primeiro ato de protesto do pós-redemocratização das vítimas da ditadura contra um dos jornais que ajudaram a jogar o país nela. Em 7 de março daquele ano, através de convocação deste blog, pelo menos meio milhar de cidadãos se reuniu diante do jornal Folha de São Paulo para protestar contra aquele editorial indigno.
O ato foi tão forte, tão significativo, com presença maciça de movimentos sociais, da UNE, da CUT, do Fórum de Presos Políticos, do Tortura Nunca Mais etc., que, no dia seguinte, a Folha reconheceu, em nota, o equívoco de seu editorial.
—–
Folha de São Paulo
8 de março de 2009
Manifestação contra Folha reúne 300 pessoas em frente ao jornal
Militantes fazem desagravo a professores, que não comparecem a evento
DA REPORTAGEM LOCAL
Cerca de 300 pessoas participaram ontem pela manhã de manifestação contra a Folha em frente à sede do jornal, na região central de São Paulo.
O ato público tinha o duplo objetivo de protestar contra editorial publicado pelo jornal no dia 17 de fevereiro, que usou a expressão “ditabranda” para caracterizar o regime militar brasileiro (1964-1985), e prestar solidariedade aos professores Maria Victoria Benevides e Fábio Konder Comparato. Nenhum dos dois estava presente.
A Folha publicou no “Painel do Leitor” 21 cartas sobre o assunto, 18 delas críticas aos termos do editorial, entre as quais as assinadas por Benevides e Comparato. Segundo escreveu este último, o autor do editorial e o diretor de Redação que o aprovou “deveriam ser condenados a ficar de joelhos em praça pública e pedir perdão ao povo brasileiro”.
Em resposta, o jornal classificou a indignação dos professores de “cínica e mentirosa”, argumentando que, sendo figuras públicas, não manifestavam o mesmo repúdio a ditaduras de esquerda, como a cubana.
Desde então, além de cartas, o jornal vem publicando artigos a respeito da polêmica, alguns dos quais com críticas ou reparos à própria Folha.
O protesto de ontem foi organizado pelo Movimento dos Sem-Mídia, idealizado pelo blogueiro Eduardo Guimarães. O público era composto na sua maioria por familiares de vítimas da ditadura, estudantes e sindicalistas ligados à CUT.
*
Folha avalia que errou, mas reitera críticas
DA REDAÇÃO
O diretor de Redação da Folha, Otavio Frias Filho, divulgou ontem as seguintes declarações:
“O uso da expressão “ditabranda” em editorial de 17 de fevereiro passado foi um erro. O termo tem uma conotação leviana que não se presta à gravidade do assunto. Todas as ditaduras são igualmente abomináveis.
Do ponto de vista histórico, porém, é um fato que a ditadura militar brasileira, com toda a sua truculência, foi menos repressiva que as congêneres argentina, uruguaia e chilena -ou que a ditadura cubana, de esquerda.
A nota publicada juntamente com as mensagens dos professores Comparato e Benevides na edição de 20 de fevereiro reagiu com rispidez a uma imprecação ríspida: que os responsáveis pelo editorial fossem forçados, “de joelhos”, a uma autocrítica em praça pública.
Para se arvorar em tutores do comportamento democrático alheio, falta a esses democratas de fachada mostrar que repudiam, com o mesmo furor inquisitorial, os métodos das ditaduras de esquerda com as quais simpatizam.”
Otavio Frias Filho
—–
Quando assisti ao vídeo dos jovens que, em São Paulo e no Rio de Janeiro, durante esta semana foram apupar os velhacos torturadores que foram comemorar os próprios crimes nos clubes militares, senti que ao ter criado este blog, o Movimento dos Sem Mídia e ao ter convocado o ato contra a Ditabranda, de alguma forma me redimi de minha omissão pretérita.
Será aplicada à ditadura e aos seus integrantes vivos e mortos uma pena da qual jamais conseguirão se evadir. Com o empenho tardio de pessoas como eu, com a Comissão da Verdade e, acima de tudo, com a disposição desses jovens valentes que o vídeo acima mostra, a história será a prisão na qual os criminosos da ditadura cumprirão pena para sempre.

******

Na íntegra, 'O Dia que Durou 21 anos', documentário que mostra que nacionalismo dos golpistas de 64 era 'made in USA'

01.04.2012
Do BLOG DO MELLO, 31.03.12
Postado por Antônio Mello



*****

Um "cemitério" de 12 carros

01.03.2012
Do DIÁRIO DE PERNAMBUCO
Por Tânia Passos
taniapassos.pe@dabr.com.br

No estacionamento do Aeroporto Internacional do Recife há veículos deixados desde 2003


Maior dívida acumulada pelo proprietário de carro deixado no local chega a R$ 60 mil.
Imagem: ALCIONE FERREIRA/DP/D.A PRESS
Onde há mais carros abandonados por metro quadrado no Recife? Se você pensou em algum ferro velho, provavelmente errou. O estacionamento do Aeroporto Internacional do Recife/Guararapes-Gilberto Freyre vem se transformando em um verdadeiro cemitério de carros. Abandonados, esquecidos ou deixados propositalmente à própria sorte, eles acumulam poeira, se deterioram e escondem a história dos seus donos. Um levantamento feito pela Infraero identificou 12 carros em situação de abandono. O mais antigo foi deixado no local em 2003, antes da reforma do aeroporto, e já acumula um débito de mais de R$ 60 mil, pelo menos cinco vezes o valor do carro, um gol placa CDA-5429, de São Paulo. 

A preocupação da Infraero é identificar os proprietários para tentar reaver o valor das dívidas e desocupar os espaços. O estacionamento tem 2020 vagas e uma rotatividade de cerca de mil veículos por dia. “Do ponto de vista operacional, os 12 carros não interferem em nada. Mas é importante localizar os donos para que eles façam a remoção do carro”, explicou o gerente comercial da Infraero, Sidrak Braz. 

Segundo a Infraero nenhum dos carros deixados no estacionamento têm registro de roubo na Delegacia de Repressão ao Roubo e Furto de Veículos. A esperança agora é conseguir chegar aos proprietários com ajuda do Detran. “O nosso jurídico está em contato com o Detran para que o órgão de trânsito possa nos repassar informações dos proprietários para chegarmos até eles ou à família”, revelou Sidrak Braz. 

Identificação

A identificação pelo registro do estacionamento é praticamente impossível. Segundo a Infraero o registro é feito com um código com o número da placa, mas não há nenhuma identificação do motorista. “Só com o código não podemos chegar ao dono do carro”, afirmou Sidrak.

O tempo estimado pela administração do aeroporto para considerar um carro em situação de abandono é de cerca de 60 dias. A partir desse prazo, a administração do estacionamento começa a monitorar. “Há pessoas que viajam e passam até nove dias fora. Isso já aconteceu, mas após dois meses a gente começa a fazer o monitoramento”, revelou o gerente comercial da Infraero. 

Entre os carros deixados, o mais recente é de 2010 e já acumula uma dívida entre R$ 12 e R$ 13 mil. “O valor do estacionamento é cobrado em horas e os valores vão se acumulando”, ressaltou Braz. A hora no aeroporto é R$ 4 e o pernoite R$ 30. No térreo, um Toyota modelo Camry, placa HVO-6664, de Fortaleza, deixado em 2006, apresenta um retrovisor quebrado e se encontra coberto de poeira. No segundo piso, uma Pagero placa KIK-0123, de João Pessoa, na Paraíba, desde de 2007. Dos 12 carros, três são do estado de Pernambuco, quatro de São Paulo, dois da Paraíba, um do Ceará, um do Rio Grande do Norte, um do Rio de Janeiro e outro de Santa Catarina. O que mais intriga é não saber se as pessoas viajaram e simplesmente abandonaram o carro ou se houve alguma coisa que as impediu de retornar. A quem interessar possa, os 12 procurados aguardam identificação. 

******