Na próxima semana, o governador Eduardo Campos, presidente nacional do PSB, deve conversar finalmente com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Na pauta, um acordo para um possível apoio dos socialistas ao candidato a prefeito em São Paulo, Fernando Haddad, do PT. Embora seja mantido em sigilo, o cenário indefinido do Recife também fará parte das conversas. O prefeito João da Costa prefere não tecer comentários sobre a futura conversa dos aliados, mas reconhece que o governador é “fundamental” nesse processo. “É a maior liderança popular de Pernambuco e tem interesse de manter a frente unida. O Lula também tem interesse que as eleições municipais sejam favoráveis a esse campo político que vem governando o Brasil”, disse o petista ao Blog da Folha.
Com a recuperação do ex-presidente Lula, ainda convalescendo de um tratamento contra o câncer, João da Costa acredita que o correligionário deverá tomar as relações que sempre teve com a direção do PT. “Todo o processo interno do PT, pelo que eu sei, é tratado com Lula e com o nosso presidente Rui Falcão”, afirmou o prefeito. Enquanto aguarda posicionamento oficial do PT estadual, Costa lembra que a sigla precisa cosntruir o diálogo a partir das direções locais. Ainda sobre as críticas da cúpula petista às plenárias realizadas pela Executiva Municipal, o gestor disse não entender o motivo. ” Tem que perguntar aos companheiros porque eles não entendem o significado real das plenárias”, respondeu o prefeito. Nesta semana, o senador Humberto Costa criticou o direcionamento dos atos promovidos no Recife que, segundo ele, teriam mais “caráter eleitoral”, fato rebatido posteriormente por João da Costa.