Pesquisar este blog

sábado, 7 de janeiro de 2012

Lula passa por primeira sessão de radioterapia

07.01.2012
Do blog ESQUERDOPATA,04.01.12
Por iG São Paulo
Ex-presidente terá de comparecer diariamente ao Sírio-Libanês por um período de seis a sete semanas


O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva passou nesta terça-feira pela primeira sessão de radioterapia, dando início à segunda fase do tratamento a que se submete contra um câncer na laringe. Lula chegou ao hospital às 10h42 e evitou a imprensa ao optar por uma entrada reservada, fora do alcance dos jornalistas.

Após a sessão, Lula permaneceu no hospital para descansar por algumas horas. A expectativa é de que ele seja liberado para voltar para casa por volta das 15 horas.

A sessão, segundo assessores, teve duração de 20 minutos. Desta vez, o ex-presidente não teve a companhia da ex-primeira-dama Marisa Letícia. Ele deve comparecer diariamente ao hospital por seis a sete semanas para o tratamento.

A equipe responsável pela radioterapia de Lula é coordenada pelo médico João Luís Fernandes, coordenador do Serviço de Radioterapia do hospital. Para evitar o agravamento dos efeitos da radioterapia na boca e na garganta, Lula também será acompanhado por dentistas.
****
Fonte:http://esquerdopata.blogspot.com/2012/01/lula-passa-por-primeira-sessao-de.html

Sertanejo Universitário com Pós no Exterior é A Cara do Brasil

07.01.2012
Do blog DoLaDoDeLá,05.01.12
Por Tico Santa Cruz



O sucesso de Michel Teló me chamou atenção.
 
Tudo começou quando ouvi minha filha de 3 anos cantando essa musica que virou febre na Europa e que já vinha fazendo estrondoso barulho pelo Brasil.
 
Não entrarei nas questões relacionadas ao gosto musical, estilos e etc, porque acredito que isso seja perda de tempo. Cada qual tem suas peculiaridades e musica é estado de espírito.
 
Não saberia cantar mais do que o Refrão do “Ai, delícia, assim você me mata...”
 
Por que o negócio é tão absurdamente contagiante que mesmo sem nunca ter parado para ouvir a musica, sei cantar essa parte.
 
Sou simpático a Teló, mesmo sem conhecer a sua trajetória como artista.
 
Não gosto de Sertanejo Universitário porque não me identifico com as letras.
 
Todavia, entendo que estas falem ao coração e ao estilo de vida de muitos Brasileiros, daí todo este estardalhaço. O Sertanejo Universitário, nada mais é do que uma mescla de vários estilos populares como Axé, Pagode, Sertanejo e até pitadas de forró, com um personal stylist cuidado da imagem do cantor, um bom investidor que disseminará centenas de milhares de discos em todos os lugares que você possa imaginar, de igrejas a puteiros, e como todo bom negócio, tentar retirar o lucro depois nas apresentações.

O Sertanejo Universitário é um produto como outro qualquer. Ele tem metas, tem pessoas inteligentes trabalhando nas estratégias de marketing, tem um público sedento para consumir e data de validade para acabar. Inclua nesta Formula: Mulheres bonitas, álcool, badalação, a alma festeira do povo Brasileiro e tudo se encaixará perfeitamente.
 
Mas não estou aqui para fazer a análise da construção de um produto de sucesso. Como observamos em outros estilos, inclusive no Rock, isso é uma realidade há tempos e aquele papinho de artista que se junta e passa anos e anos na estrada procurando seu caminho, batendo de porta em porta por um espaço, tocando por horas e horas em garagens para construir uma carreira, parece não fazer mais parte do cenário atual. Não há mais tempo para isso. A velocidade do consumo deve ser proporcional a velocidade das novidades, porque o tempo de duração de um “artista” é cada vez mais volátil. O Dinheiro sempre mandou e agora manda ainda mais.
 
 
Arrebata toda atenção.
 
 
Tem uma musica tocada nos principais países europeus, dançada por Soldados Israelenses, vídeos com recordes de acessos no Youtube e  o mais interessante...
 
Espontaneamente.
 
Ao transcender as barreiras do Brasil, independente do que diga a letra ou do que represente como arte ou não a elite intelectual desse país em que o sucesso é pecado, como dizia Tom Jobim, , Michel Teló vira reportagem de uma super revista influente do MUNDO e pega todos os holofotes para si.
 
O mais legal?
 
Sem que ninguém enfiasse a musica dele goela abaixo dos Gringos.
 
Sem que tivesse uma assessoria de imprensa moldando a imagem dele como garanhão, ou mesmo criando personagens para agradar menininhas pré-menstruadas, para o mercado INTERNACIONAL.  Por mais interessante e relevante que seja o trabalho de marketing desses importantes profissionais que constroem a imagem dos ídolos teens desse país, sabemos que isso em 99% das vezes acaba por só funcionar por aqui mesmo, e minha simpatia por Teló vem de justamente conseguir transcender isso e comprovar o quanto é extraordinário o poder da internet e a
 
Imprevisibilidade ao programar certas ações.
 
 
 
 
Achei divertido a forma como se disseminou e simpático com um artista que provavelmente nunca imaginou que isso pudesse acontecer, enquanto outros já estavam com milhares de estratégias montadas para atacar o mercado internacional, cheio de regras e com especialistas programando tudo minuciosamente, conseguiu chegar lá.
 


 
 
 
 
Ta sendo divertido acompanhar isso tudo.

*****

DIREITA MEDÍOCRE: Para ofender Lula e as esquerdas, Ferreira Gullar recorre à mediocridade plena

07.01.2012
Do blog PRAGMATISMO POLÍTICO, 05.01.12
Por Juremir Machado da Silva, Correio do Povo


Nada mais conservador do que um ex-comunista. É a síndrome do ex-fumante ou do ex-drogado, o cara que cria uma fundação para pregar a moral que não viveu

ferreira gullar lula direita conservador
O triste fim de um poeta


Ano-Novo, vida velha. Ferreira Gullar foi um baita poeta. O seu "Poema Sujo" é arte das grandes. Foi artista engajado, mas a sua poesia conseguia ir muito além dos clichês bem-intencionados dos revolucionários. Hoje, certamente para ganhar a vida ou sentir-se vivo, escreve "crônicas" na Folha de S.Paulo. O seu primeiro texto de 2012 mostra o grande poeta transformado num cronista de meia pataca destilando lugares-comuns conservadores para felicidade de leitores conformistas que se acham cult ou muito críticos. Um mingau azedo polvilhado de certezas sem amparo dos fatos. Por exemplo: "A América Latina vive hoje, por determinadas razões, a experiência do neopopulismo, que tem como principal protagonista o venezuelano Hugo Chávez. É um regime que se vale da desigualdade social para, com medidas assistencialistas, impor-se diante do povo como seu salvador. Lula seguiu o mesmo caminho, mas, como o Brasil é diferente, não conseguiu o terceiro mandato. A solução foi eleger Dilma para um mandato tampão". Como prova? Apenas o seu ranço.

Leia também:

Nada mais conservador do que um ex-comunista. É a síndrome do ex-fumante ou do ex-drogado, o cara que cria uma fundação para pregar a moral que não viveu. Para ser colunista nos jornalões brasileiros, é preciso, em geral, ser muito conservador ou transferir capital de um bolso para outro, usando a fama de uma atividade como base para o exercício de outra. A direita domina amplamente os chamados espaços de formação de opinião na imprensa. Há jovens que sobem logo ao trono, adotando ideias reacionárias e velhas que, enfim, conquistam novos prêmios, espaços e adulações repetindo fórmulas gastas pela mídia soberana. Ao não buscar um terceiro mandato, Lula frustrou os seus críticos, tirou-lhes - para adotar o atual tom clichê de Ferreira Gullar - o pão da boca e deixou-os por aí a jogar conversa fora. Aquele que foi um poeta maior, de imagens desconcertantes, agora termina suas análises mal-iluminadas com uma frase formalmente constrangedora: "Temo pelo que possa acontecer à Argentina, nas mãos de uma presidente embriagada pelo poder". Pobre poeta, embriagado pela sua mediocridade. Embriagado pela mediocridade do poder da mídia. Enquanto isso, na mesma Folha de S.Paulo, um cronista de ofício, Carlos Heitor Cony, depois de algumas temporadas sentenciosas, faz o caminho inverso: termina de envelhecer bem, disseminando um ceticismo levemente irônico de dar inveja a um Machado de Assis. Assim: "Que venham as tempestades da natureza, contra a qual pouco podemos. Quanto às tempestades provocadas pelos escândalos e pela corrupção da qual estamos fartos, não custa apelar para o fervor de nossas preces". 

Como cronista, Ferreira Gullar é um Neymar improvisado de lateral. Há quem confunda ter criticado o stalinismo, na época da queda do muro de Berlim e das ditaduras do Leste europeu, com louvação ao capitalismo sem regulação, esse que quebrou a Europa e parte da economia dos Estados Unidos. 

Leia mais:

Pois é, o poeta Ferreira Gullar perdeu-se em corsos, comícios, discursos a granel. Vai ver que é a coincidência do nome com outro maranhense: José Ribamar.
******
Fonte:http://www.pragmatismopolitico.com.br/2012/01/para-ofender-lula-e-as-esquerdas.html

MANIPULAÇÃO DA MÍDIA: Jornal Nacional erra até cálculo do IR

07.01.2012
Do blog OS AMIGOS DO PRESIDENTE LULA, 05.01.12


Mais uma "videocassetada" no Jornal Nacional (JN) da TV Globo, na terça-feira (3).


http://g1.globo.com/videos/jornal-nacional/t/edicoes/v/imposto-de-renda-de-2012-tera-mudancas-no-desconto/1754183/




O JN contratou um "perito" (deve ser da equipe do Molina, da bolinha de papel), que errou feio no cálculo do Imposto de Renda.

O telejornal fez uma matéria com a missão de jogar a classe média contra Dilma, e usar esse público alvo como bucha de canhão visando fazer lobby contra impostos dos ricaços.

Fez um artifício mais para confundir do que para informar.

O objetivo era induzir os incautos a pensarem que a correção de 4,5% na tabela do imposto de renda, que entrou em vigor neste ano, seria "ruim" para o trabalhador.

Ora, quem ganhava até R$ 1.566,61 era isento em 2011.
Agora quem ganha até R$ 1.637,11 ficou isento em 2012.
Isso é ruim?

Mas... o jornal quis forçar a barra, e quis "provar" que um aumento de R$ 150,00,  passando a pagar R$ 7,19 a mais de imposto, portanto sobrando um aumento líquido de R$ 142,81 por mês, seria ruim para o trabalhador.

Para buscar um argumento para falar mal, simulou um caso onde o trabalhador que tiver aumento igual ao da inflação (estimada em 6,5%), pagaria menos imposto, caso a correção da tabela fosse também 6,5% (o que é verdade, mas a diferença é bem pequena para esse drama todo).

O pior foi que o JN errou feio nas contas, na ânsia de atacar o governo.

Disse que essa diferença no IR seria POR ANO R$ 58,00.

O valor correto é R$ 43,00 POR ANO (R$ 3,58 por mês de IR a menos).

É claro que seria melhor para o contribuinte se a correção fosse sempre pelo maior índice, mas não justifica esse drama  todo feito pelo JN por causa de uma diferença que seria de R$ 3,58 de IR para alguém que ganha R$ 2.470,00 (líquido, depois do desconto para a previdência).

Melhor faria o JN se mostrasse que os irmãos Marinho (donos da TV Globo), pagam só 27,5% de Imposto de Renda no Brasil, e pagariam 39,6% se morassem nos EUA.

Isso sim vale uma matéria de mais de 2 minutos, pois se os ricaços pagassem uma alíquota maior, a classe média poderia pagar uma menor.

A Receita Federal adverte: JN informa alíquota manipulada
Clique na imagem para ampliar
http://www.receita.fazenda.gov.br/Aplicacoes/ATRJO/Simulador/simulador.asp?tipoSimulador=M
Outra desinformação do JN (e recorrente na imprensa manipuladora e lobista) é dizer que a alíquota é 15%. Não é porque existe a parcela a deduzir.

15% sobre o salário base R$ 2.470,00 daria R$ 370,50 de imposto por mês.

No entanto, pela tabela da Receita Federal, o valor do imposto é R$ 63,70 o que corresponde a 2,58% do salário base.

Isso ocorre porque o salário é "fatiado" em cada faixa.

Assim, no exemplo do salário base de R$ 2.470,00:
- Só a fatia de R$ 16,50 paga 15%
- Só a fatia de R$ 816,39 paga 7,5%
- A fatia de R$ 1.637,11 não paga nada de imposto.

****
Fonte:http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com/2012/01/jornal-nacional-erra-ate-calculo-do-ir.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+blogspot%2FEemp+%28Os+Amigos+do+Presidente+Lula%29

Justiça de São Paulo inventou a ‘jurisprudência’ da impunidade

07.01.2012
Do BLOG DA CIDADANIA, 05.01.12
Por Eduardo Guimarães

Se qualquer um de nós, cidadãos comuns, sofresse a acusação que o hoje desembargador Francisco Orlando de Souza sofreu em 10 de outubro do ano passado de parte do então delegado da Polícia Civil de São Paulo Frederico Costa Miguel, estaria em maus lençóis.
Dirigir sem habilitação e embriagado, desacatar, desobedecer, ameaçar, difamar e injuriar a autoridade policial são os crimes dos quais o delegado acusou oficialmente (via Boletim de Ocorrência) o então juiz de Direito após ele se envolver em uma briga de trânsito.
No último fim de semana, um amigo do delegado entrou em contato comigo pelo Facebook pedindo repercussão do caso. Passou-me seu telefone. Liguei e após longa conversa decidi pesquisar mais o assunto. O que descobri me surpreendeu, indignou e preocupou.
As acusações contra o magistrado estão no Boletim de Ocorrência nº 13.913/2011. De acordo com o registrado, o juiz e outro motorista começaram brigar no trânsito. Quando passaram pela porta da delegacia, o outro motorista teria parado por sentir-se ameaçado pelo juiz.
Investigadores, de dentro da delegacia, ouviram a confusão e saíram à rua. Viram o juiz esmurrando o vidro do carro do motorista com quem discutia. Segundo relatam, quando se aproximaram o juiz passou a agredi-los verbalmente.
O delegado chega e determina que todos entrem na delegacia. Diante de várias testemunhas, Orlando de Souza se identifica como juiz e passa a fazer ameaças enquanto se recusa a colaborar com a elaboração do Boletim de Ocorrência. O delegado lhe dá voz de prisão.
Dois dias depois (12 de outubro), o presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, José Roberto Bedran, em sessão especial daquela Corte defende a nomeação de “delegados especiais” para cuidar de casos que envolvam magistrados.
Cerca de uma semana mais tarde, o mesmo Tribunal de Justiça de São Paulo decide promover a desembargador o juiz acusado de tudo isso. Com o novo cargo, ele terá foro privilegiado para ser processado e julgado.
Paralelamente, no mesmo período o Conselho da Polícia Civil se reúne rotineiramente para a última avaliação do delegado Costa Miguel, que como todo delegado em início de carreira estava em experiência. Apesar de ter tido a sua efetivação recomendada pela Corregedoria da Polícia, o Conselho delibera pela sua exoneração.
Em questão de dias após a confusão em que o juiz suspeito de embriaguês ao volante se envolveu, o Tribunal de Justiça toma medidas para fortalecê-lo e a cúpula da Polícia Civil dá início a um processo que culminaria com a demissão do delegado que tentou cumprir a lei.
Esse caso cria uma espécie de “jurisprudência” da impunidade. O agora ex-delegado Costa Miguel está literalmente desempregado. Tudo o que fez para chegar ao cargo (faculdade, concurso etc.), foi jogado fora. Que outro delegado – ou mesmo policial – incomodará juízes que infrinjam a lei?

*****