Pesquisar este blog

sábado, 17 de dezembro de 2011

Portugueses 'redescobrem' o Brasil atrás de oportunidades profissionais

17.12.2011
Da BBC BRASIL, 16.12.11
Paulo Cabral, em São Paulo


Salvador S. Almeida, português que trabalha no Brasil
Salvador S. Almeida tem recebido o CV de amigos portugueses que querem vir ao Brasil
Estudos em consultoria em golfe já haviam levado o português Miguel Palhota à Espanha e aos EUA, mas ele nunca imaginou que encontraria suas melhores oportunidades profissionais no país do futebol.
No Brasil desde janeiro, Miguel e seu irmão, Paulo, que chegou há três meses, estão entre os portugueses que desembarcaram aqui atraídos por um mercado de trabalho aquecido, num momento de grave crise econômica em Portugal.
“Nunca pensei em vir trabalhar na América do Sul; sempre achei que meu caminho seria trabalhar em Portugal, em outro país europeu ou nos Estados Unidos", diz Miguel, de 30 anos, à BBC Brasil.
"(Mas) grande parte dos investidores está olhando para o Brasil como destino de investimentos. Isso pode abrir oportunidades que no momento não temos em Portugal."
Depois de se formar em educação física em sua terra natal e cursar consultoria em campos de golfe na Espanha e nos Estados Unidos, ele acabou se tornando gerente de um clube de golfe em São Paulo.
"Atualmente, o Brasil pode me oferecer o que Portugal não pode: estabilidade", diz ele.
Seu irmão Paulo, geógrafo de 27 anos, está trabalhando em uma operadora de turismo.
"O Brasil nos dá uma oportunidade de evoluir e crescer, e ainda há a vantagem de, em breve, podermos presenciar a Copa do Mundo (de 2014) e as Olimpíadas (de 2016)", diz. "A piadinha sobre portugueses é inevitável, mas a receptividade brasileira é maior do que isso."

Crise e adaptação

Um dos países mais afetados pela atual crise europeia, Portugal precisou recorrer neste ano a um pacote de resgate financeiro externo para conseguir pagar suas dívidas e enfrenta riscos de recessão econômica em 2012.
Miguel Palhota
Consultor em golfe, Palhota nunca pensou que encontraria oportunidades no país do futebol
Os altos índices de desemprego e as duras medidas de austeridade – exigidas pelos credores europeus em contrapartida ao pacote de resgate – têm aumentado os impostos, cortado benefícios e estimulado parte da população a buscar oportunidades fora do país.
O Brasil é um destino lógico por conta da expansão de sua economia e do mesmo idioma, o que facilita o processo de adaptação.
O português Salvador Simões Almeida, de 27 anos, morou pela primeira vez no Brasil em 2006, quando ainda era estudante. Hoje trabalha como corretor de um banco de investimentos em São Paulo.
"Em Portugal, as conversas, as histórias que me contam e as notícias giram em torno da crise, e por aqui o clima é totalmente oposto", afirma.
Segundo Almeida, os salários que as empresas portuguesas se propõem a pagar não são bons para pessoas bem qualificadas, ao contrário do que está acontecendo no Brasil. "Todos os dias eu recebo currículos de amigos que querem vir para cá", diz.
Além do idioma, "o bom clima do Brasil e atmosfera alegre atraem estrangeiros ao país", afirma o headhunter Robert Wong. "O Brasil é um país em crescimento, mas há falta de especialistas, especialmente em áreas técnicas, informática e até marketing. Para pessoas com esse perfil, vir para cá é uma grande oportunidade."
Robert Wong, headhunter
Para headhunter, país tem atrativos para mão de obra estrangeira
Para ele, há espaço para a vinda de estrangeiros sem que se crie um clima de "disputa por empregos" com a população local - "se o brasileiro souber entender que (o estrangeiro) vem para complementar, e não para agredir", agrega.

Caminho de volta

Wong destaca que o bom momento político e econômico do Brasil também tem trazido brasileiros de volta ao país – alguns deles vindos justamente de Portugal.
A publicitária Larissa Kitahara, 28 anos, morou quatro anos em Portugal e voltou em dezembro de 2010.
"Percebi que lá dificilmente haveria uma projeção de crescimento salarial ou profissional, o que me desmotivava", conta. "No Brasil, vejo como as pessoas estão numa fase mais empreendedora, porque têm ambição e pensam em tirar proveito dessa situação boa."
*Colaborou Jessica Fiorelli, da BBC Brasil em São Paulo
*****
Fonte:http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2011/12/111215_imig_portug_texto_pc.shtml

INSS abre concurso com 1.875 vagas para técnicos e médicos

17.12.2011
Do DIÁRIO DE PERNAMBUCO
PorRedação do DIARIODEPERNAMBUCO.COM.BR 

O tão esperado edital do concurso do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), previsto para sair no dia 23 de dezembro, foi publicado nesta sexta-feira (16/12). Serão 1.875 oportunidades imediatas em todo o Brasil para técnicos (nível médio) e peritos médicos previdenciários (nível superior). As informações estão no Diário Oficial da União, na página 220 da terceira seção. 


O certame será organizado pela Fundação Carlos Chagas (FCC) e contará com provas objetivas para todos os candidatos, além de avaliação de títulos para graduados. As remunerações variam entre R$ 4.496,89 e R$ 9.070,93 para uma jornada de trabalho de 40 horas semanais. Interessados podem se inscrever dos dias 19 de dezembro a 11 de janeiro de 2012, pelo sitewww.concursosfcc.com.br. A taxa varia de R$ 51,70 a R$ 61,70. 

O Ministério da Previdência Social publicou hoje a redução do prazo entre a publicação do edital e da realização da primeira prova, marcada para 12 de fevereiro de 2012. De acordo com o Decreto 6.944 de 2009, a divulgação do concurso deve ser feita com antecedência mínima de 60 dias; portaria do Poder Executivo permitiu, neste caso, 45 dias.

Do Correioweb
*****   


Desapropriações x obras viárias

17.12.2011
Do BLOG MOBILIDADE URBANA, 15.12.11
Por Jailson da Paz
Diario Urbano


Os dois viadutos de Prazeres, em Jaboatão dos Guararapes, servem de aviso ao que pode ocorrer na Avenida Agamenon Magalhães. Durante meses, uma barraca vermelha impediu o avanço das obras do viaduto destinado ao tráfefo no sentido Recife-Cabo. Estava ali, um proprietário descontente com o valor a receber do estado.

E que, por tal motivo, recorreu ao Judiciário. O destino dos 31 imóveis listados para serem removidos, alguns em parte, por conta dos elevados na Agamenon, como mostram outros episódios recentes, deve ser o mesmo da barraca vermelha: dar lugar ao crescimento que pede passagem. Mas os 31 imóveis não são pequenos empreendimentos. São prédios e terrenos de alto valor comercial e até histórico. Não, uma barraca.

O que exigirá dos governos municipal e estadual o emprego não só de argumentos jurídicos e da necessidade imediata de se implantar um grande projeto de mobilidade na avenida, considerada a artéria principal do Recife. Será preciso habilidade dos negociantes. Proprietários dos imóveis afetados sinalizaram ontem, nesse sentido, marcando uma reunião para hoje. A peleja em torno do assunto pode se arrastar por anos, se a negociação falhar. E a promessa à Fifa de que o projeto estará pronto antes da Copa pode não se cumprir.
*****

Vídeo mostra impressionante método de cálculo japonês

17.12.2011
Do blog TECHNINJA, 24.12.2010

calculo Vídeo mostra impressionante método de cálculo japonês
Lembra-se das inúmeras vezes que você quebrou a cabeça tentando resolver as mais complexas operações matemáticas no Ensino Fundamental e Médio? Pois este impressionante método de multiplicação japonês facilitaria e muito a sua vida se você soubesse dele.
Ele utiliza apenas riscos para saber o resultado da multiplicação. Pode ser uma conta simples ou uma mais complexa – ele resolve e tem sua eficácia garantida. Confira o vídeo abaixo.
(Via Gizmodo US)

****
Fonte:http://www.techninja.com.br/ciencia/video-mostra-impressionante-metodo-calculo-japons/

Como o livro do Amaury leva o FHC para a cadeia

17.12.2011
Do blog CONVERSA AFIADA, 09.12.11
Por Paulo Henrique Amorim
Como diz o Amaury Ribeiro Junior, no “Epílogo” de “A Privataria Tucana”:

No México, o presidente Carlos Salinas de Gortari, santo padroeiro das privatizações (ele entregou o México ao Slim) fugiu para Nova York num jatinho.

O presidente da Bolívia, Gonzalo Sánchez Lozada, que entregou até a água do país, fugiu para Miami aos gritos de “ assassino !”.

Fujimori, o campeão das privatizações peruanas, admitiu pagar propinas ou “briberization” – expressão do Joseph Stiglitz, que o Amaury gosta de usar – no valor de US$ 15 milhões.

Na Argentina, ninguém, mais fala “Menem”.

Quando é para se referir ao herói da privatização argentina, “el saqueo”, o presidente Carlos Menem, se diz “Mendéz”, para não dar azar.

Menem fugiu para o Chile atrás de uma starlet e voltou para a Argentina munido de um mandato de Senador, para não ir em cana.

Aqui, levam o Fernando Henrique a sério.

Cerra, Ministro do Planejamento, e o Farol de Alexandria presidiram à maior roubalheira das privatizações latino-americanas.

Não há o que se compare !

O Daniel Dantas lavou e deslavou dinheiro.

O Carlos Jereissati e Sergio Andrade compraram a Telemar com ajuda de uma “briberization” ao Ricardo Sérgio.

A Vale também teve “briberization”, ofertada ao mesmo chefe da Tesouraria das campanhas de Cerra e Fernando Henrique.

O Ricardo Sergio lavou, deslavou, cuidou da filha do Cerra e do genro do Cerra.

O Farol de Alexandria entra no diálogo com o André Lara Rezende a tramar um lance da privatização.

Entre o Ministério das Comunicações e o BNDES entrava consorcio por uma porta, saía outro pela outra, entrava a Previ por um lado, o dinheiro do Banco Brasil por outro, a Elena saía por uma porta, o Arida entrava pela outra – tudo no limite da “irresponsabilidade !”.

“Se der m …”

Com o Amaury, deu, amigo navegante !

Deu “m…”

Roubaram em todos os tempos e modos, diria o Vieira.

Segundo o Aloysio Biondi, que analisou o papel das “moedas podres” e dos empréstimos do Mendonção no BNDES, O BRASIL DO FHC E DO CERRA PAGOU, PAGOU PARA VENDER AS EMPRESAS ESTATAIS.

O Amaury cita o Bresser Pereira: “só um bobo dá a estrangeiros serviços públicos como as telefonias fixas e móveis”.

“Um bobo ou esperto”, ponderou o Amaury.

Espertíssimo !

O Delfim costuma dizer que o Cerra e o FHC “venderam o patrimônio e endividaram o país !”.

Dois jenios !

E espertos !

(Para dizer pouco !, não é isso Rioli, Preciado ?)

E o FHC com isso ?

Nada ?

Presidiu a roubalheira e não vai parar na Justiça ?

Todo mundo roubava e ele ali, a ler Max Weber …

A roubalheira no primeiro andar e ele na cobertura a tomar vinho francês.

O Fujimori na cadeia, o Sanchez Lozada em Miami, o Salinas escondido num bunker na cidade do México, o Mendéz refugiado no Senado, e o Farol de Alexandria no Roda Morta e a pregar a Moralidade !

Como é que é Zé (clique aqui para ler como os amigos do Dantas se referem ao Zé, com carinho e afeto) ?

E o brindeiro Gurgel: vai encarar o FHC ?

Ele não sabia de nada, brindeiro ?

O pau comia solto lá embaixo e ele ouvia Wagner !

Viva o Brasil !

(Só o Visconti …)


Paulo Henrique Amorim
****
Fonte:http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2011/12/09/como-o-livro-do-amaury-leva-o-fhc-para-a-cadeia/

Novo método permitirá aprender ao estilo Matrix

17.12.2011
Do BLOG TECHNINJA, 15.12.11

xlarge c9f0c7f9ab1c3c04fc48039b1b22b805 Novo método permitirá aprender ao estilo Matrix
O encantamento do mundo fantasiado no filme Matrix está mais perto do que imaginávamos:cientistas do Estados Unidos e Japão desenvolveram um novo método de aprendizagem instantânea ao estilo do famoso filme. O estudo foi publicado na Science e segundo os cientistas, tarefas que demandam tempo e um alto nível de desempenho visual poderão ser prontamente aprendidas.
Chamado de Neurofeedback Methodo experimento é o pontapé inicial para o aprendizado de atividades dificultosas e para a recuperação de pessoas com graves lesões na coluna, por exemplo, em um curto espaço de tempo. Contudo, a intervenção esbarra em questões éticas, sendo que seria viável a indução e o direcionamento de conhecimento às pessoas, sem o devido controle.
O método- desenvolvido na Universidade de Boston e na Universidade de Kyoto- usa, basicamente, uma máquina de ressonância magnética para estimular a criação de padrões já pré-conhecidos dentro do cérebro. Seria possível gravar um padrão de conhecimento e, posteriormente, implantá-lo em outras pessoas.
Embora preliminar, a possibilidade dessa nova forma de aprendizado ter, futuramente, uma utilidade plausível e ética é grande. E querendo ou não, já temos pessoas e instituições manipulando e conduzindo comportamentos há muito tempo, portanto, que esse método, se chegar até nós, chegue para o bem.
via io9)

****
Fonte:http://www.techninja.com.br/noticias/novo-metodo-permitira-aprender-ao-estilo-matrix/

Eugênio: pesquisa reflete postura firme de Dilma

17.12.2011
Do BLOG DA FOLHA, 16.12.11
Postado por José Accioly
 
Em meio a um cenário de dificuldades, com quedas de ministros e controle da crise econômica internacional, o crescimento na avaliação popular do governo Dilma Rousseff (PT) é reflexo de uma gestão que tem postura própria para enfrentar os percalços e pulso firme na hora de tomar decisões. Essa foi a observação feita pelo presidente estadual do PT, o deputado federal Pedro Eugênio.

“É uma melhora de avaliação em meio a um momento de dificuldade, tanto político, por conta das quedas de ministros, quanto econômico, devido à turbulência na economia internacional. O fato é que a presidente Dilma conseguiu, no primeiro ano, firmar a imagem de uma governante que tem pulso e comando e que está trabalhando na direção, embora seja no mesmo do de Lula, que é o combate a desigualdade social, mas com personalidade própria”, avaliou o petista, em entrevista ao Blog da Folha.

Veja também

Avaliação de Dilma sobe para 56%, diz CNI/Ibope
Segundo Eugênio, medidas de proteção a economia nacional contribuíram na melhora da imagem da chefe do Executivo nacional. “No caso da crise, o governo agiu rapidamente ao se ajustar a crise que vem da Europa. Saímos de uma política restritiva para expansionista, liberando créditos, fazendo renúncias fiscais, derrubando a queda na taxa de juros, embora seja uma decisão do Banco Central”, enumerou. “A população tem sentido que o governo tem pulso”, acrescentou o dirigente.

Num momento de descontração, Pedro Eugênio até brincou com o bom índice de avaliação popular da presidente Dilma, quando questão se a “faxina” nos ministérios poderia interferir, negativamente, na imagem do governo. “Imagina se não atrapalhado (risos). Atrapalhado tem, mas o lado positivo disso é que ela está firme, decisiva e agindo rápido, não permitindo que os problemas dificultem o governo”, comentou.
*****
Fonte:http://www1.folhape.com.br/blogdafolha/?p=1731

Secretaria de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento retoma negociações sobre reestruturação da CPST com a CNTSS

17.12.2011
Do site do SINDSPREV/PE,14.12.11
Por  Wanja Borges-Assessoria de Comunicação do SINTFESP-GO/TO

Dirigentes da CNTSS/CUT, com o secretário de Relações do Trabalho do Ministério do Planejamento.
Da esquerda para direita: Luis Carlos, Terezinha Aguiar, Duvanier Paiva, Sandro Cezar( Secretário de Comunicação) e Joaquim , Coordenador da Coordenação dos Federais da CNTSS e dirigente do SINDIPREV/SE.


Com o objetivo de retomar o canal de negociação sobre o processo de reestruturação e modernização da Carreira da Previdência, Saúde e Trabalho (CPST) com o Governo Federal, a vice-presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Seguridade Social (CNTSS), Terezinha Aguiar, juntamente com o secretário de comunicação da entidade, Sandro Alex, e os diretores do Sindicato dos Trabalhadores em Saúde, Trabalho e Previdência Social no Estado de Sergipe (SINDIPREV-SE) e membros da direção da CNTSS, Joaquim Souza e Luiz Carlos Vilar, esteve na tarde de ontem (13), em Brasília, em reunião com o secretário de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (SRH/MPOG), Duvanier Paiva Ferreira.
 
Na ocasião, Terezinha, que também é diretora de Assuntos Jurídicos do Sindicato dos Trabalhadores Federais em Saúde e Previdência do Estado de Goiás e Tocantins (SINTFESP-GO/TO), ressaltou a contribuição da CNTSS no processo de discussão e negociação sobre a reestruturação da Carreira com o Governo Federal, independente de sua posição contrária ao termo de acordo proposto pela SRH/MPOG. “Sempre estivemos presentes nas negociações. Valorizamos a discussão e não o confronto. Mesmo com o fim desta primeira etapa, temos buscado conhecer melhor o Projeto de Lei 2203 e outros documentos com a perspectiva de dar continuidade às conversas sobre as demandas da CPST. Reconhecemos que houve avanços em alguns pontos. Não assinamos o termo de acordo, mas temos total interesse em prosseguir com esta discussão”, salientou.
 
O termo de acordo nº 10/2011, que dispõe sobre o processo de reestruturação e modernização de diferentes carreiras e planos de cargos, é resultado das negociações entre o Governo Federal e entidades e foi assinado no dia 30 de agosto apenas pela Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (CONDSEF) e pela Central Única dos Trabalhadores (CUT). A CNTSS se recusou a assinar o documento por entender que a proposta não contemplava toda a categoria.
 
Durante a reunião, Duvanier questionou a decisão da confederação em não assinar o termo de acordo proposto. O secretário de comunicação da CNTSS explicou a posição da entidade. “No nosso caso, o acordo não evoluiu. A proposta beneficiou apenas parte da categoria. Fizemos consultas a alguns sindicatos e tivemos muitos retornos negativos. Reconhecemos a importância do processo negocial, mas ficamos em uma situação complicada e, por isso, tivemos que tomar uma decisão diferente das outras entidades. Defendemos o interesse da categoria. Se ela não aprova, também não podemos concordar. Nosso foco agora é as negociações dos próximos anos”, ressaltou Sandro.
 
Esclarecido sobre o mal entendido que havia acerca da posição da CNTSS sobre o termo de acordo, Duvanier concordou em retomar as discussões com a entidade e já agendou um próximo encontro para o dia 02 de fevereiro de 2012 às 15 horas, na SRH/MPOG, reforçando que nunca houve qualquer tipo de rompimento nas negociações com a confederação.
 
Os diretores da CNTSS, que estiveram presentes na reunião, consideraram o encontro positivo e de extrema importância para a categoria, pois avaliam a postura de Duvanier decisiva para retomar as negociações previstas para os anos de 2013 e 2014 e dar continuidade no processo de nivelamento das estruturas remuneratórias com a estrutura especial prevista na Lei 12.277/2010, bem como de todo o processo de reestruturação dos planos de cargos e carreiras.
****
Fonte:http://www.sindsprev.org.br/index.php?categoria=noticias_principais_01&codigo_noticia=0000002187&cat=noticias

Não, “privataria” não é o novo dossiê Cayman

17.12.2011
Do portal BRASIL 247, 16.12.11
Por Leonardo Attuch _247

Não, “privataria” não é o novo dossiê Cayman
Foto: Divulgação

POR MAIS QUE DESQUALIFIQUEM O LIVRO DE AMAURY RIBEIRO, FHC, SERRA E OS PRINCIPAIS LÍDERES DO PSDB PERDERAM A BATALHA DA PRIVATIZAÇÃO. O MOTIVO É UM SÓ: RICARDO SÉRGIO DE OLIVEIRA VIROU SINÔNIMO DE CORRUPÇÃO NO BRASIL; ARTIGO DE LEONARDO ATTUCH

Leonardo Attuch _247 – “Lixo, lixo”, disse José Serra. “Literatura menor”, emendou Aécio Neves. “Infâmia”, completou Fernando Henrique Cardoso.
Com a declaração de FHC, os três principais líderes do PSDB finalmente emitiram sua opinião sobre “Privataria tucana”, livro lançado na última semana pelo jornalista Amaury Ribeiro Júnior, que tem realimentado a guerra política entre PT e PSDB – dois partidos que, na vida real, têm muito mais semelhanças do que diferenças.
Polêmico por natureza, o trabalho de Amaury dividiu a crítica em dois grupos: a turma do “não li e não gostei”, tucana, e a dos que “não leram e gostaram”, petistas.
Pouca gente realmente se deu ao trabalho de atravessar as duzentas e poucas páginas do livro. Eu fui um deles. E ainda que haja eventuais erros de apuração e de análise, o livro não pode ser comparado ao “dossiê Cayman” e à “lista de Furnas”, como querem os tucanos. Aliás, abre parêntese, não deve ter sido coincidência o fato de Veja ter dedicado sua capa desta semana à suposta montagem da lista de Furnas – era uma vacina.
O que diferencia “privataria” dessas “infâmias”, como diria FHC, tem nome e sobrenome. Trata-se de Ricardo Sérgio de Oliveira, um personagem que se transformou em sinônimo de corrupção no Brasil – e à prova de falsificações. Flagrado nos grampos do BNDES, Ricardo Sérgio se vangloriava por trabalhar “no limite da irresponsabilidade”.
FHC sabe que Ricardo Sérgio é indefensável. Tanto que o demitiu tão logo os grampos do BNDES vazaram.
José Serra também sabe que Ricardo Sérgio é indefensável. Tanto que jamais deu ou dará qualquer declaração a favor do personagem.
E quem foi Ricardo Sérgio? Simplesmente, o principal arrecadador de campanha do PSDB na era FHC. E que caiu de paraquedas no Banco do Brasil, na diretoria internacional, com poderes absolutos sobre o cofre dos fundos de pensão, na época da privatização.
Um personagem que não estava ali por acaso. Estava ali para fazer o que fez. E como fez...
No livro, Amaury traz fatos novos, mas também requenta muito do que já havia sido publicado na imprensa – inclusive por mim (leia, no fim deste artigo, a reportagem “Um roteiro de propina”, publicada na Istoé Dinheiro, sobre o esquema montado na venda da Telemar).
Entre as novidades de Amaury, estão os documentos que mostram como a Petros, fundo de pensão da Petrobras, adquiriu edifícios adquiridos por Ricardo Sérgio e seu “laranja” Ronaldo de Souza, logo após a privatização. Ou ainda as transações financeiras entre Ricardo Sérgio e Gregório Marin Preciado, “primo” de José Serra. Ou, quem sabe, as transferências entre Ricardo Sérgio e Carlos Jereissati, um dos donos da telefonia no Brasil.
Se os tucanos estão tão indignados com o livro, deveriam processar o autor, tratado por eles como “falsário”, e periciar os documentos apresentados.
Mas eles não vão se mexer.
Se o fizerem, descobrirão que Ricardo Sérgio é exatamente aquilo que todos sempre souberam que é.
E se os petistas estão tão eufóricos com o livro, deveriam também sugerir ao autor uma suíte chamada “Privataria petista”.
Vão acabar descobrindo que há muitos Ricardos Sérgios também do seu lado.
(Clique aqui para ler a reportagem "Um roteiro de propina", publicada em 2002)
****

Furioso com sucesso de 'A Privataria Tucana', FHC ataca publicamente Amaury Ribeiro

17.12.2011
Do blog PRAGMATISMO POLÍTICO, 16.12.11
Por Blog de Altamiro Borges

Os fatos documentados que revelam o maior esquema de corrupção da história tiram o sono do ex-presidente FHC



O livro “A privataria tucana”, de Amaury Ribeiro, deixou FHC irritadíssimo. O “eminente”, “notável” e “ilustre” ex-presidente do Brasil privatizado e de joelhos para o FMI sentiu o baque. Ele está uma fera. Uma semana após o lançamento do livro, ele divulgou hoje uma nota dura contra o premiado jornalista e exigiu medidas urgentes do seu partido, o entreguista PSDB, para silenciá-lo:

Reproduzo alguns trechos da nota (quem quiser ler a íntegra procure no sítio do PSDB) com breves e carinhosos comentários entre colchetes:

A infâmia, infelizmente, tem sido parte da política partidária [que o digam alguns líderes do seu partido, como o senador Álvaro Dias e o rejeitado Arthur Virgílio, a mídia demotucana e alguns “calunistas” adoradores de FHC]. Eu mesmo, junto com eminentes homens públicos do PSDB [eminentes e derrotados nas urnas], fomos vítimas em mais de uma ocasião...

Leia também:

Na mesma tecla da infâmia, um jornalista indiciado pela Polícia Federal por haver armado outro dossiê contra o candidato do PSDB na campanha de 2010, fabrica agora "acusações", especialmente, mas não só, contra José Serra [mas o seu ex-ministro da privataria não é conhecido exatamente por contratar arapongas e montar dossiês; até o mineiro Aécio Neves sabe disto]...

Na audácia de quem já tem experiência em fabricar "documentos" [mas o Amaury não ganhou vários prêmios de jornalismo, não trabalhou para os principais veículos da imprensa?se peja em atacar familiares, como o genro e a filha do alvo principal, que, sem ter culpa nenhuma no cartório, acabam por sofrer as conseqüências da calúnia organizada, inclusive na sua vida profissional [na campanha presidencial de 2010, os tucanos é que ficaram famosos por difundirem que Dilma matava criancinhas, que Lula intentara um estupro e inúmeros outras baixarias].

Por estas razões, quero deixar registrado meu protesto e minha solidariedade às vítimas da infâmia e pedir à direção do PSDB, seus líderes, militantes e simpatizantes que reajam com indignação [não vai ser fácil! O partido está rachado, com penas voando para todos os lados. Aécio, Serra e Alckmin não se entendem. Alguns tucanos, inclusive, já abandonaram o ninho bichado].

Chega de assassinatos morais de inocentes [mas não é FHC que está numa jornada insana, acusando Lula de “corrupto” e exigindo que Dilma rompa com a herança do seu antecessor]. Se dúvidas houver, e nós não temos, que se apele à Justiça, nunca à infâmia.

Leia mais:

[Nesse ponto eu concordo. A Justiça deve se pronunciar. Deve abrir todos os documentos do processo de privatização em seu governo. Deve exigir os dados sobre as contas secretas nos paraísos fiscais. Deve acionar os que violaram o sigilo de milhões de brasileiros, como a filha de José Serra. Chega de infâmias e de cinismo!].

****