Pesquisar este blog

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Biblioteca digital reúne imagens do 11 de setembro na TV

09.09.2011
Do BLOG DE JAMILDO
Postado por Daniel Guedes 



O drama vivido por todo o mundo durante os ataques às torres gêmeas do World Trade Center, em 11 de setembro de 2001, está registrado em imagens de TVs de todo o mundo. Foi possível ver ao vivo, em todo o planeta, um avião lotado atingir um dos prédios. Neste momento em que não se fala em outra coisa que não os dez anos dos atentados, o Internet Archive, uma biblioteca digital sem fins lucrativos reuniu vídeos que foram ao ar em 20 emissoras de TV nos Estados Unidos, México, China, França, Canadá, Japão e Rússia.

O site não se restringe ao dia 11 e oferece vídeos de toda a semana. São 3 mil horas de imagens. O Internet Archive traz os vídeos em uma linha do tempo de cada dia, desde momentos antes aos ataques. Os clipes formam uma narrativa linear, o que permite a comparação do que cada emissora exibia no mesmo momento.

Vale a pena dar uma olhadinha no material.

****
Fonte:http://jc3.uol.com.br/blogs/blogjamildo/canais/noticias/2011/09/09/_biblioteca_digital_reune_imagens_do_11_de_setembro_na_tv_112077.php

Francês é condenado a pagar 10 mil euros por não fazer sexo com a mulher

09.09.2011
Do portal OPERA MUNDI, 05.09.11
Por Redação | São Paulo



Um francês de 51 anos, identificado apenas como Jean-Louis B., foi condenado a pagar 10 mil euros (cerca de 23,2 mil reais) à ex-mulher, que o acusou de não ter tido relações sexuais suficientes com ela durante o casamento. As informações são do jornal britânico Telegraph.

De acordo com a publicação, o juiz condenou o réu com base no artigo 215 do código civil francês, que determina que casais têm "deveres matrimoniais", como o sexo. Apesar de ter tido dois filhos ao longo dos 21 anos de casamento, a mulher alegou que as relações sexuais eram raras.

Leia mais:
De pernas cruzadas: colombianas fazem greve de sexo para exigir manutenção de estrada
Sobrevivente de massacre na Noruega escreve para atirador: 'Você fracassou'
Sem privilégios: filho do primeiro-ministro da Suécia irá trabalhar em rede de fast-food 

O advogado de Jean-Louis justificou que os problemas no trabalho e uma doença não especificada impediram seu cliente de ter as relações. O homem que vive em Nice, no sudeste da França, alegou que "as relações simplesmente se espaçaram com a passagem do tempo".

Considerando que a abstinência sexual de um casal, junto com a violência e infidelidade, são citados regularmente em centenas de reclamações de divórcio na França, é extremamente raro para um marido ou esposa pagar uma indenização financeira por não satisfazer sexualmente o parceiro ou parceira. 



*****
Fontehttp://operamundi.uol.com.br/conteudo/noticia/FRANCES+E+CONDENADO+A+PAGAR+10+MIL+EUROS+POR+NAO+FAZER+SEXO+COM+A+MULHER_14957.shtml

UE considera 'uma vergonha' que EUA ainda não tenham fechado Guantánamo

09.09.2011
Do portal OPERA MUNDI
Por  Agência Efe | Bruxelas


A comissária de Interior europeia, Cecilia Malmström, afirmou nesta sexta-feira (09/09) que a União Europeia considera "uma vergonha" que os Estados Unidos ainda não tenham fechado a prisão de Guantánamo, uma das promessas do presidente Barack Obama no primeiro ano de mandato.

Leia mais:
Wikileaks: preso de Guantánamo revelou informações sobre Bin Laden após tortura 
Wikileaks: Para EUA, tradicional relógio Casio é indício de terrorismo 
Para Julian Assange, Guantánamo é "monstruosidade" 
Mais da metade dos presos que passaram por Guantánamo são inocentes, revela Wikileaks 

"Estamos muito descontentes. Já manifestamos nossa opinião em muitas ocasiões em nossos contatos com os EUA", disse a comissária em entrevista coletiva. Malmström também considerou vergonhoso que os presos ainda não tenham tido direito a um procedimento judicial.

Bruxelas e Washington mantêm uma estreita cooperação para o combate ao terrorismo. A comissária apresentou à imprensa o início de uma nova rede, formada por profissionais de todos os países da UE, que pretende combater o extremismo e o recrutamento de pessoas para atos terroristas. 

*****
Fonte:http://operamundi.uol.com.br/conteudo/noticia/UE+CONSIDERA+UMA+VERGONHA+QUE+EUA+AINDA+NAO+TENHAM+FECHADO+GUANTANAMO_15059.shtml

Em duas décadas, Constituição produz 'municipalização' do Estado

09.09.2011
Do site da Revista Carta Maior, 08.09.11
Por André Barrocal



Proteção social criada em 1988 leva setor público cada vez mais para dentro do país e para perto do cidadão. Prefeituras transformam-se nos principais patrões públicos e já empregam mais de 50% dos servidores. Municipalização não evita, porém, que funcionalismo perca espaço no mercado de trabalho. Alta do PIB estimulou seis vezes mais contratações privadas desde 2003.

BRASÍLIA – A Constituição criou uma rede de proteção social aos brasileiros, com ações em saúde, educação e assistência, que, com o tempo, vem produzindo capilaridade e enraizamento cada vez maiores do Estado. O cumprimento daquelas políticas exige que o setor público esteja próximo do cidadão. Por isso, nos últimos 15 anos, as prefeituras tornaram-se o ente federado que mais emprega e, hoje, já respondem por mais da metade do funcionalismo do país. 

O feito municipal foi alcançado apesar de, na última década, a retomada do crescimento econômico ter feito o serviço público perder espaço no total de empregos formais, dado o aumento das contratações pelas empresas privadas.

No fim do ano passado, as prefeituras tinham 4,9 milhões de trabalhadores, o equivalente a 52% do total de 9,3 milhões de servidores em atividade em todo o Brasil. Em 1995, o quadro municipal era inferior à metade do atual (cerca de 2,1 milhões). Representava 39% do funcionalismo no país (5,5 milhões). E perdia para a folha de pagamentos estadual, até então a maior no setor público (mais ou menos 2,5 milhões).

Os dados fazem parte de pesquisa divulgada nesta quinta-feira (08/09) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Segundo o estudo, que usa dados do Relatório Anual de Informações Sociais (Rais) do ministério do Trabalho, houve “um forte processo de municipalização” do setor público. “É normal porque a Constituição delegou uma série de serviços aos municípios”, disse o pesquisador Roberto Nogueira. 

Ao explicar a que serviços se referia, mencionou saúde, educação e assistência social. Daí ter havido, simultaneamente, a ampliação da presença feminina no serviço público, subindo de 56% para 59% no total dos servidores do país. E de 61% para 64% apenas no caso das prefeituras. De acordo com Nogueira, as mulheres têm perfil melhor do que os homens para trabalhar na área social.

Perda de espaço
Durante a “forte municipalização” do Estado, o governo federal aumentou a folha de 800 mil para 950 mil pessoas (descontados aposentados e militares, era de cerca de 600 mil nas duas datas, 1995 e 2010), mas viu cair de 15% para 10% sua fatia no bolo geral do funcionalismo. 

O mesmo aconteceu com os governos estaduais. O quadro deles passou de 2,5 milhões para 3,5 milhões trabalhadores e, no entanto, a proporção recuou de 45% para 37%.

O crescimento do emprego nas prefeituras não foi suficiente, porém, para impedir que o serviço público perdesse espaço no conjunto do mercado de trabalho formal no Brasil.

Em 2003, o Estado brasileiro (governo federal, estados, prefeituras e estatais) tinha 8 milhões de funcionários. Esse número representava 28% do total dos postos de trabalho com vínculo formal no país. Os outros 72% (20 milhões de pessoas) estavam na iniciativa privada.

Em 2010, a fatia estatal diminuiu para 24%, apesar da entrada de duas millhões de pessoas em algum cargo público. É que as empresas admitiram seis vezes mais (12 milhões) e passaram a responder por 76% do emprego formal..

“Estamos numa fase benéfica da atividade econômica, e o setor privado está crescendo mais”, disse Nogueira. “A administração pública cresce num ritmo bem menor, mais lento. E esse ritmo não pode ser considerado exorbitante.”

Para sustentar a afirmação, o pesquisador destacou que o tamanho do gasto com funcionalismo público em geral (União, estados e municípios) tem se mantido mais ou menos constante quando comparado ao produto interno bruto (PIB) - sempre abaixo de 15% desde 2002. Com a massa salarial geral (em torno de 35% desde 2003). E com a arrecadação (cerca de 40% desde 2002).

*****
Fonte:http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=18430

Turismo nas favelas cariocas

09.09.2011
Do blog SOMOS ANDANDO, 14.08.11
Por Cris Rodrigues



Esta matéria foi feita por uma grande amiga e baita jornalista, Paula Bianchi, que tem esse blog aqui – vale ler os “bastidores” da matéria – e emplacou uma capa na Folha de S.Paulo, joranal para o qual ela está trabalhando. Pra provar que gente boa também passa por esses lugares. Os exemplos são muitos, aí vai um.

Favelas pacificadas atraem turistas no Rio

PAULA BIANCHI
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA, DO RIO
A concepção tradicional de favela vem sendo subvertida no Rio. De lugares simples e muitas vezes miseráveis, elas passaram a ponto de encontro de turistas e cariocas descolados que sobem o morro sem preconceito atrás da cidade maravilhosa além do cartão postal.
O morro Dona Marta, em Botafogo, zona sul, cenário do clipe de “They Don’t Care About Us”, de Michael Jackson, hoje está na agenda graças aos eventos realizados quase que semanalmente pela comunidade –sede da primeira UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) do Rio.
Um dos mais famosos é o “Pôr do Samba”, que acontece no primeiro sábado do mês.
No dia em que a Folha visitou o local havia alemães e franceses arriscando passos de samba ao lado de cariocas que entraram na favela pela primeira vez e entoavam clássicos de Cartola e Zé Kéti.
Vitor Lira Adão, 30, já levava turistas para passear pelo morro antes da pacificação. Ele é um dos monitores do Rio Top Tour, projeto criado há um ano pelo governo do Estado para incentivar moradores a atuar com turismo.
“Os estrangeiros sempre tiveram curiosidade, mesmo conscientes do perigo de antes”, lembra ele, que diz nunca ter tido problemas graves nos passeios –apesar de, na folga, já ter corrido para se esconder dos tiros.
“Muitos amigos meus morreram aqui, alguns porque trabalhavam para os traficantes e outros, atingidos por balas perdidas”, conta.
BUFÊ E FEIJOADA
Do outro lado da lagoa Rodrigo de Freitas, outras favelas usufruem da nova fase: no Cantagalo, Pavão e Pavãozinho é comum ver turistas que trocam as praias de Ipanema por um passeio.
“Já recebi um grupo de 35 japoneses”, conta Jailton do Santos, 35, dono do bar e restaurante Bela Vista. O local brinda os visitantes com uma vista de Copacabana e um bufê caprichado, com direito a feijoada no sábado e galinha caipira no domingo.
Já no Chapéu Mangueira, no Leme, é Vítor Hugo Medina, 32, que abre um sorriso ao falar dos novos visitantes. Barraqueiro na praia do bairro, ele se tornou ainda guia turístico e dono de albergue.
Medina promove tours pela favela, mostrando os projetos sociais do local e a área de preservação ambiental vizinha. E cresce sem deixar de lado a comunidade, que recebe uma parcela do lucro.
“Comunidade pacificada é febre. O turista que vem aqui e ainda não foi ao Pão de Açúcar e ao Cristo não vai mais. Aqui, ele vê tudo”.

*****
Fonte:http://somosandando.wordpress.com/2011/08/14/turismo-nas-favelas-cariocas/

Chile: O outro 11 de setembro

09.09.2011
Do blog de Altamiro Borges
Por Valter Pomar, em seu blog:


A grande imprensa vem dedicando grande espaço para falar do 11 de setembro de 2001, quando ocorreu o ataque contra as torres do World Trade Center, em Nova Iorque.

Nós da esquerda devemos analisar aqueles fatos e suas repercussões.

Mas devemos, também, analisar o 11 de setembro de 1973, quando um golpe militar derrubou o governo da Unidade Popular chilena.

Hoje, em diferentes países da América Latina, as forças de esquerda enfrentam dilemas estratégicos parecidos com aqueles enfrentados pela “via chilena para o socialismo”.

Por exemplo:


1. Os Estados Unidos (e seus aliados) continuam se opondo a governos que busquem democracia, bem-estar social, soberania nacional e integração da região. E não têm compromisso efetivo com a legalidade institucional e eleitoral, nem tampouco com a soberania e autodeterminação dos povos;

2. A grande burguesia segue alérgica a pagar os “custos sociais” de uma elevação constante na qualidade de vida do povo. E, por isto mesmo, está sempre disposta a financiar e participar de movimentos oposicionistas, desestabilizadores e golpistas;

3. As camadas médias seguem tratadas como massa de manobra, ideológica, social, política e eleitoral, dos setores conservadores. Os que têm algo a perder, mesmo que seja relativamente pouco, são mobilizados contra os que têm menos ainda, em defesa dos que têm muito mais do que necessitam;

4. As forças armadas e a alta burocracia estatal não são neutras. Sua origem social, seu processo de seleção, treinamento e funcionamento resultam num comportamento geneticamente conservador;

5. Na política, a indústria de cultura e comunicação equivale ao papel da indústria de armamentos para a guerra. O controle das televisões, rádios, jornais, revistas, editoras de livros, provedores e sítios eletrônicos ajuda na mobilização de hoje e forja as mentes de amanhã;

6. Não adianta pintar-se de ouro. Mesmo que a esquerda abra mão, na teoria e na prática, do socialismo e da revolução, ainda assim a direita vai enxergar intenções comunistas por trás de cada política compensatória. E agirá conforme esta visão;

7. A Europa demonstrou que não é possível a coexistência de longo prazo entre capitalismo, bem-estar social, democracia e paz. Na América Latina, os limites da social-democracia e do reformismo são ainda maiores;

8. É decisivo não confundir estratégia com tática, assim como medir a correlação de forças faz toda a diferença. Mas correlação de forças não é pretexto para a imobilidade. Correlação se altera. E se não a alteramos em nosso favor, eles a alteram em favor deles.

A “via chilena” não desembocou no socialismo. E, até hoje pelo menos, não conseguimos construir uma “via eleitoral” para sair do capitalismo.

Por outro lado, a combinação entre luta ideológica, mobilização social, auto-organização das classes trabalhadoras e disputa eleitoral produziu uma situação política inédita na América Latina e em muitos dos países da região.

E isto está ocorrendo numa situação internacional também inédita: ampla hegemonia das relações capitalistas e, por isto mesmo, uma brutal crise do capitalismo neoliberal.

Nessas condições, a América Latina pode ser não apenas território de resistência ou de um capitalismo não-neoliberal. Pode ser, também, espaço de construção de uma alternativa ao capitalismo.

Motivos de sobra para estudar e aprender com a experiência da Unidade Popular chilena.

****
Fonte:http://altamiroborges.blogspot.com/2011/09/chile-o-outro-11-de-setembro.html?spref=tw

Vídeo:" Triste Bahia" Gregório de Matos

09.09.2011
Do Youtube
Por 


 
*****
Fonte:http://www.youtube.com/watch?v=Ef8ZRrbYnkw

Hora do contra-ataque: PT repudia Veja e convoca protesto contra a revista

09.09.2011
Do blog PRAGMATISMO


Partido dos Trabalhadores revê postura e reage após calúnias e difamações sistemáticas



Cerca de duas semanas após a revista Vejaestampar em sua capa uma reportagem acusando o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu de confabular contra a presidenta Dilma Rousseff com ministros, senadores e deputados em um hotel de Brasília, o PT reagiu com uma campanha em seu site Linha Direta, administrado pelo diretório do partido em São Paulo.

No portal, a legenda destaca um banner com as frases: “Você quer um jornalismo de mentira e falta de ética? Não seja manipulado. Não leia a Veja”. No link, há uma nota de convocação para um protesto contra a revista no sábado 17, na Avenida Paulista.

Leia mais:

“Essa é uma campanha de blogueiros que pediram a divulgação do partido, então estamos dando espaço. Mas fazemos o mesmo com outros movimentos sociais, justamente por considerar essa ação um movimento social”, diz o presidente do PT paulista, Edinho Silva.

A reportagem sobre Dirceu causou polêmica e gerou uma investigação da polícia, pois o repórter da revista teria tentado invadir o quarto do petista no hotel.

A publicação da Editora Abril reservou mais um espaço para o PT na mesma edição. Em outra matéria, apontou que o partido apoiou um projeto de lei do deputado estadual Campos Machado (PTB-SP) para retirar a Corregedoria da Polícia Civil do gabinete do secretário de Segurança Pública de São Paulo, Antônio Ferreira Pinto. O projeto era criticado pela revista, já que,  após a mudança da instituição, em 2009, houve melhora significativa na fiscalização de oficiais corruptos, com mais de dois mil inquéritos abertos e a exoneração de 223 policiais em 2010, contra 67 do ano anterior.

No entanto, o partido apoia a autonomia da Corregedoria e as investigações, explica Silva, mas questionava o fato da mudança ter sido realizada por meio de um decreto do governo. “Isso deveria ter sido feito por um projeto de lei, mas o governo tem usado cada vez mais o decreto e não se governa desta forma”, afirma. “Não somos contrários à mudança, mas não se pode passar por cima da Assembleia Legislativa, o Executivo não pode legislar e não podemos impor atos administrativos.”

A campanha petista ocorre no momento em que o partido lidera no Congresso uma proposta para regular a mídia. No 4º Congresso Nacional do PT, realizado na última semana, o assunto foi debatido com foco na proibição da propriedade cruzada de meios de comunicação.  Uma medida que deve desagradar a parlamentares donos de rádios, jornais e emissoras de televisão simultaneamente.

No Congresso, o presidente nacional do PT, Rui Falcão, disse que o domínio midiático “por alguns grupos econômicos tolhe a democracia” e criticou a “parcialidade” dos veículos de comunicação. O ex-presidente Luíz Inácio Lula da Silva e a presidenta Dilma Rousseff mostraram-se a favor de Dirceu no caso e também alfinetaram a imprensa.

Leia também:

O projeto apresentado pelo PT não menciona censura, mas pede a responsabilização da mídia quando houver falseamento ou distorção dos fatos e aponta o domínio midiático de grupos econômicos como “silenciadores de vozes” e “marginalizadores de multidões”.

No entanto, a ideia da regulação não foi bem recebida pela oposição, para a qual a medida poderia acabar com a liberdade de imprensa. “Toda vez que algum malfeito petista aparece nas páginas dos jornais e das revistas, a cúpula do PT se apressa em ressuscitar o chamado ‘marco regulatório da mídia’”, alfinetou o senador Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE).

Contudo, ele recebeu o apoio do presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Ophir Cavalcante.
****
Fonte:http://pragmatismopolitico.blogspot.com/2011/09/hora-do-contra-ataque-pt-repudia-veja-e.html

O Globo que serviço público sem servidor público?

09.09.2011
Do blog TIJOLAÇO
Por Brizola Neto

A manchete de O Globo – Governo Lula contratou três vezes mais servidores do que Fernando Henrique – serve para fazer “onda”, mas não serve para os leitores entenderem coisa alguma sobre a política do Governo Federal em relação ao funcionalismo.
Não conta que Lula deixou o Governo com menos funcionários que FHC recebeu de Itamar. Nem que gasta menos com eles do que FHC gastou no último ano de seu, digamos, governo. Quatro e meio por cento do PIB, contra 5% do último ano de FHC, como você vê no gráfico
Postei, no blog Projeto Nacional , uma análise dos números da pesquisa divulgada ontem à tarde pelo IPEA, de onde tirou a sua manchete.
Lá, pergunto o que aconteceria se a redução do número de funcionários fosse como FHC fazia e O Globoaplaudia:
“Imagine o caro leitor que a notícia fosse dada da seguinte forma: Polícia Federal tem menos agentes que em 2003 ou Universidades federais dobram matrículas mas não contratam professores ou Número de ações duplica, mas União tem os mesmos advogados que em 2003.”
O número de servidores públicos no Brasil, em relação ao número de trabalhadores no setor privado, apresentava, em 2006, proporção menor até do que os EUA e da maioria dos países latinoamericanos; 12,5%, contra 14,8% dos americanos.E como o número de funcionários federais crescei à modestíssima taxa de 1,5% ao ano no Governo Lula, enquanto o de trabalhadores em geral cresceu quase 3%, essa proporção ainda deve ter se reduzido ainda mais.
Mas o leitor de O Globo, não precisa saber disso, não é mesmo? Basta acreditar no dogma neoliberal de que não precisamos de serviços públicos. Só de um Banco Central para pagar juros à turma da grana.

****
Fonte:http://www.tijolaco.com/o-globo-que-servico-publico-sem-servidor-publico/

MP não consegue provar a "imaginada compra de votos", diz Dirceu

09.09.2011
Do BLOG DA FOLHA, Do R7
Postado por Valdecarlos Alves



Em defesa apresentada ao Supremo Tribunal Federal (STF) na Ação Penal do mensalão, o ex-ministro José Dirceu refutou as acusações e disse que o Ministério Público não conseguiu provar a existência da compra de apoio da base parlamentar durante o governo Luiz Inácio Lula da Silva. Seus advogados sustentam que ele não tinha poder de comando sobre o PT e que não sabia das atividades do ex-tesoureiro da sigla Delúbio Soares.


 “A análise do processo demonstra que também não foi provada a existência da imaginada compra de votos ou mesmo a participação de José Dirceu nos repasses de valores que a denúncia tipifica como corrupção ativa”, diz trecho da defesa. Alegando que o Ministério Público o acusou com base em “prova alguma”, a defesa de Dirceu sustenta que ao longo do processo um “conjunto probatório se revelou (...) para comprovar cabalmente a inocência do ex-ministro”. 


 Rebatendo ponto a ponto cada uma das acusações, Dirceu disse que o depoimento do presidente do PTB Roberto Jefferson, que revelou o caso do mensalão, foi desmentido pelos demais envolvidos no processo. 


Alegou que o Ministério Público não conseguiu apontar relação entre saques de recursos e as votações do Congresso. Disse ainda que a base de apoio sempre foi a favor dos projetos do governo e que parte dela foi montada ainda em 2002, visando as eleições presidenciais. Leia mais aqui. 
 ****
Fonte:http://www.blogdafolha.com.br/index.php/materias/24433-mp-nao-consegue-provar-a-qimaginada-compra-de-votosq-diz-dirceu

Urariano Mota comenta pérola global: Negro caolho vira loiro de olho azul

09.09.2011
Do blog PRAGMATISMO POLÍTICO,08.09.11
Por Urariano Mota

Sammy Davis Jr.

No último quatro de setembro, em pleno Domingão do Faustão, o ator Rodrigo Lombardi expôs esta maravilha, para elogiar uma dupla de dançarinos:

Tem um cara que eu acho sou muito fã desde que sou criancinha, acho que foi ele que me fez ser artista, juntamente com o meu pai. Era um cara que na sua época era assim negro, caolho, um metro e cinquenta, chamado Sammy Davis Júnior, que quando entrava no palco saía com dois metros de altura, louro, de olho azul” (risos na plateia).  

O vídeo dessa verdadeira pérola brasileira está aqui

De imediato, caiu na web com uma série de comentários, desde os que chamavam de racista o ator aos que o defendiam, deitando panos mornos.

Olha, tenho muita pena das pessoas que encararem isso como preconceito... São pessoas que estão querem se vitimar!!! Ele deixou bem claro na referencia dele que Sammy Davis Junior se transformava em outra pessoa no palco, alguém totalmente diferente do que  ele era... Se ele fosse branco, alto, loiro, de olho verde se transformaria em negro, baixo, de olhos negros... por favor, parem de achar chifre em cabeça de cavalo e prestem atenção? no contexto....

Leia mais:

Nossa,  estava dando uma lida nisso tudo e é impossível não escrever algo. Racismo seria falar que ‘caolho é feio’ ‘negro é horrível’ ‘e um metro e cinquenta é ridículo’. Em nenhum momento? foi dito isto pelo ator. Geennnnteeee!!!! qual o problema em admitir que algumas pessoas são mais bonitas que outras exteriormente, vamos ser hipócritas então???? Algumas pessoas estão ficando cheias de dedos quando o assunto é racismo...

A discussão levantada não é pela citação da palavra `negro`,e sim, que o ator falou que Sammy se tornava branco quando dançava, ou seja, `apesar dele ser um preto (credo), ele dançava como branco`. É racismo!!! As escolas não ensinam as pessoas? a compreenderem falas, textos, nada? Não, não ensinam”.


É claro que o comentário do patinho feio, Samy Davis Jr.,  que virou cisne branco, louro e de olho azul por força do talento, é claro que isso  não significa que o ator da Globo seja racista. Que horror, isso não. Ele apenas deu corda à veia poética, que não tem outra. Rodrigo Lombardi lembrou um artista negro até na melhor das boas intenções. De um modo muito elogioso, para os louros, of course. Ele quis dizer que os nascidos com o acidente da pele branca já entram no mundo com o mesmo valor dos negros talentosos. Pois o sol nasceu para todos, para brancos e queimadinhos de sol. Mas é inegável que o comentário de Lombardi foi claro, alto de dois metros como a formação cultural do Brasil.

Desde os bancos escolares todos aprendemos um Brasil ideal para as sinhazinhas prendadas. Lá na sala de aula, em todos os trezes de maio, nos virávamos para os negros, para os de pele mais escura que a nossa. Os meus colegas, os meus amigos, incapazes de uma resposta plena da rebeldia dos quilombos, baixavam os olhos. Os meus irmãos de pele e coração às vezes sorriam, sorriam com o seu riso mais branco que os detergentes da televisão, sorriam só com os dentes brancos, quando ouviam, “hoje é teu dia, negão”.  

Mas não só. Aos males da escola todos recebemos a formação nas ruas, no trabalho, no cinema, na televisão,  de um país envergonhado de sua mestiçagem, dos seus negros. É como se vivêssemos numa Europa do Norte com algumas manchas de território.  É uma coisa tão visceral, que mesmo o grande Joaquim Nabuco chegou a escrever revoltado, do exterior, porque os jornais haviam lembrado, na morte do amigo Machado de Assis, que o nosso maior gênio era mulato. Palavras de Nabuco: “para mim, ele sempre foi um grego”.    

Lembro que em 1977, quando um senhor de cabelos grisalhos entrou sozinho no Teatro do Parque, no Recife, todos pensaram que o homem era um operário.  Parecia um operário, porque era negro. Camisa dupla face. Ele iria, deveria ir cuidar de algum fio solto, ou rever a iluminação do teatro, pensaram todos. Então os que esperavam na fila, notaram os seus grandes óculos escuros, o seu nariz, o seu rosto oval, de um Modigliani na África. Então perceberam que o eletricista era o operário de almas Angenor de Oliveira, o compositor amigo de Noel Rosa, o homem a quem Nelson Sargento não ousava pedir parceria, por vergonha, diante do "compositor finíssimo". Cartola!

Depois do show, ninguém pensou que aquele negro saíra do palco na pele de um branco, louro, de olhos azuis. Saiu como Cartola, “apenas”.
******
Fonte:http://pragmatismopolitico.blogspot.com/2011/09/urariano-mota-comenta-perola-global.html