segunda-feira, 25 de julho de 2011

Concurso Miss Brasil: Um país se torna soberano quando valoriza seu povo

25.07.2011
Do site da CNTSS/CUT
Por Raimundo Cintra*
Postado por Clara Bisquola


Raimundo Rodrigues Cintra SindsPrev-BA (3)
·         Raimundo Rodrigues Cintra 

Hoje, 25 de julho é o dia que se comemora o Dia da Mulher Negra Latino-americana e Caribenha e precisamos fazer uma reflexão.

Neste final de semana (23 de julho), depois de muitas disputas, silicones e ajustes foi anunciada a vencedora do 57ª edição do concurso de Miss Brasil. A eleita Priscila Machado, candidata do Rio Grande do Sul, é a grande vencedora da Miss Brasil 2011. Além da faixa e da coroa, ela levou 200 mil reais em contratos de trabalho, um carro, uma viagem a Lisboa e o direito de representar o Brasil na Miss Universo, que vai acontecer em setembro em São Paulo.

Para garantir que desta vez levaria a coroa, Priscila  já havia tentado por duas vezes; uma pelo Rio Grande do Sul e outra pelo Rio de Janeiro; recebeu também uma ajudazinha dos milagres da cirurgia estética: fez três plásticas, uma rinoplastia, lipoaspiração e silicone no peito. Tudo isso ainda passa. Foi se o tempo  em que a baiana Marta Rocha perdeu por causa de poucos milímetros a mais de quadril.

O insuportável e dilacerante é que, entre as 24 candidatas ao título, não tinha uma única jovem negra, em um país que , segundo dados do IBGE, nas últimas duas décadas, pela primeira vez o número de brancos não ultrapassou os 50% da população, ou seja, no mínimo teríamos que ter pelo menos 50% de candidatas senão negras pelo menos afrodescendentes.

Por mais que tenhamos avançado em políticas sociais, o Brasil ainda precisa aprender a incluir a diversidade de seu povo e permitir que ele seja representado por candidatas negras ou de etnia indígena.

Para ver o quando ainda estamos aprisionados em velhos conceitos, a brasileira Silvia Novais, modelo de 24 anos, foi eleita na semana retrasada Miss Itália no Mundo 2011.  Lembramos também que a Alemanha deu exemplo no ano passado ao escolher uma etíope como representante daquele país que já teve o nazismo como regime. Pelo visto estamos bem atrasados.

Parafraseando o blogueiro Adauto: “Eu tenho uma sugestão a fazer: que a partir do próximo ano o concurso de Miss Brasil seja realizado na Dinamarca, assim estará perfeitamente enquadrado e assegurado o perfil que sempre desejam e elegem”.  

* Raimundo Rodrigues Cintra , é Secretário  de Combate ao Racismo da CNTSS/CUT
*****
Fonte:http://cntsscut.org.br/pagina.asp?pagina=noticia&acao=lerNoticia&id=3677

Brasil terá excedente de petróleo exportável em 2015

25.07.2011
Do MSN NOTÍCIAS
Por KELLY LIMA E MÔNICA CIARELLI, estadao.com.br


A Petrobras terá excedente exportável em 2015, disse na tarde de hoje o presidente da estatal, José Sérgio Gabrielli, em apresentação do Plano de Negócios para a imprensa. Segundo ele, a empresa deverá chegar a 2015 produzindo 3,070 milhões de barris por dia (bpd). O mercado consumidor deverá ficar entre 2,536 e 2,643 milhões de bpd em 2015, dependendo dos cenários de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB).


O parque de refino, no entanto, deverá ainda ter um déficit em relação à produção total. A carga processada em 2015 deverá ser de 2,2 milhões de bpd. Para 2020, a companhia projeta mercado consumidor entre 3,095 milhões de bpd e 3,327 milhões de bpd, ante produção total de petróleo de 4,9 milhões de bpd e carga processada de 3,217 milhões de bpd.


Gabrielli não quis detalhar o desinvestimento de US 13,6 bilhões previsto no novo plano de negócios da estatal. Mas adiantou que na área operacional os desinvestimentos vão se concentrar no exterior, enquanto no lado financeiro, o corte será mais focado no Brasil.


O executivo revelou ainda que os desinvestimentos passam por um farm-out (venda em bloco de ativos de petróleo em áreas exploratórias), venda de participações em empresas onde a Petrobras está e também uma melhoria na gestão de capital de giro.


Segundo o diretor da estatal, Almir Barbassa, uma das possibilidades seria a estatal usar seguro garantia no lugar de deposito de garantia. Com essas estratégias, a companhia consegue arrecadar recursos e ainda diminuir investimentos necessários no setor. 'O plano é sólido, financiável e não compromete a saúde financeira da companhia', afirmou Gabrielli.


Gás


A diretora de Gás e Energia da Petrobras, Graça Foster, disse que a empresa decidiu postergar - ainda sem prazo definido - o projeto de instalação de uma unidade de liquefação de gás, mais conhecida como GNL embarcado, que seria utilizada para escoar o gás natural a ser produzido no pré-sal da Bacia de Santos.


Segundo ela, a companhia não descartou o projeto mas, por enquanto, optou por adotar um gasoduto para fazer o escoamento deste gás, passando pela chamada 'rota 3', que leva o combustível para o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). Segundo ela, o trajeto exato deste gasoduto não foi definido ainda. 'Deveremos ter uma decisão em outubro', disse.


Também em outubro, a companhia vai receber os estudos que estão sendo desenvolvidos por suas parceiras, a BG Repsol e Galp sobre a planta de GNL embarcado e poderá vir a reavaliar o projeto nos próximos anos. 'Teremos outras revisões do plano e poderemos rever este projeto quando ele estiver mais detalhado e ser mostrar viável', disse.
*****
Fonte:http://estadao.br.msn.com/economia/brasil-ter%c3%a1-excedente-de-petr%c3%b3leo-export%c3%a1vel-em-2015

Kassab muda o comando em nove subprefeituras de São Paulo

25.07.2011
Do MSN NOTÍCIAS
Por Felipe Frazão estadao.com.br

SÃO PAULO - prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (sem partido), trocou de uma só vez o comando de nove das 31 subprefeituras da capital paulista. A mudança começa a valer a partir do dia 8 de agosto. Seis subprefeitos vão assumir postos em outras subprefeituras; três foram afastados e passarão a ser assessores especiais da Secretaria de Coordenação das Subprefeituras (SMSP), cujo titular, Ronaldo Camargo, saiu nesta segunda-feira em férias.

Entre eles está o subprefeito da Mooca, coronel Rubens Casado. Kassab afastou especulações de que a saída dele tenha a ver com as suspeitas de cobrança de propina na Feirinha da Madrugada, na região administrada por Casado. 'Não (tem relação com a cobrança de propina). Ele continua na Subprefeituras.'

O prefeito ressaltou que a Prefeitura apenas colabora no combate ao crime, mas que a ação é trabalho para a polícia e não responsabilidade da administração municipal. Desde maio, no entanto, policiais militares pagos pela Prefeitura - através da Operação Delegada - atuam no feira, fiscalizando a venda de produtos ilegais, pirateados e a cobrança de taxas irregulares.

'Essa não é uma questão da Prefeitura. Ao contrário, ela foi convidada pelo governo federal
para assumir o local e ajudar a eliminar o crime. A Prefeitura tem uma ação de reurbanização do local,' disse Kassab, referindo-se ao projeto de shopping popular que promete levantar no espaço.

Para o prefeito, a troca de postos, publicada no Diário Oficial da Cidade sábado (23/7), é um procedimento normal na administração. 'É um processo natural e rotineiro de rodízio e mudança de funções,' disse.

DEIXAM O CARGO DE COMANDO Exonerados (e nomeados assessores especiais da SMSP)

Rubens Casado - Subprefeito da Mooca

Valdir Ferreira - Subprefeito de Capela do Socorro

Geraldo Mantovani Filho - Subprefeito de Pinheiros

NOVOS SUBPREFEITOS

Márcio de Campos Verde - Assume Pirituba/Jaraguá

Sérgio Carlos Filho - Deixa Pirituba/Jaraguá e assume Mooca


Marco Antonio Augusto - Assume Capela do Socorro

Ademir Aparecido Ramos - Deixa São Mateus e assume Ermelino Matarazzo

José Francisco Giannoni - Deixa Jaçanã/Tremembé e assume Santana

José Guerra Júnior - Deixa Ermelino Matarazzo e assume São Mateus

Izaul Segalla Junior - Deixa Perus e assume Jaçanã/Tremembé

Almir Gonçalves Albuquerque - Assume Perus

Sérgio Teixeira Alves - Deixa Santana, fica como
*****
Fonte:http://estadao.br.msn.com/ultimas-noticias/kassab-muda-o-comando-em-nove-subprefeituras-de-s%c3%a3o-paulo

Lula recebe três títulos de Doutor Honoris Causa em Pernambuco

25.07.2011
Do site do ex-presidente Lula, Istituto Cidadania, 22.07.11



Três universidades pernambucanas outorgaram títulos de Doutor Honoris Causa ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nesta sexta-feira (22). As deferências foram feitas pela Universidade de Pernambuco (UPE), pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE).
Durante a cerimônia, que ocorreu no teatro Santa Isabel, no Recife, Lula se revelou emocionado. “Vocês não podem imaginar o que ele significa para um pernambucano retirante como eu, que não teve as oportunidades escolares que todo jovem deveria ter, mas que sempre acreditou no potencial libertador da educação”, disse.
Assista a um trecho da fala de Lula na cerimônia:
Lula recebe título de Doutor "Honoris Causa" em Pernambuco. Foto: Roberto Pereira/SEI-PE
Lula mostra diploma de título Doutor "Honoris Causa". Foto: Passarinho/Ascom-UFPE.
Cerimônia ocorreu no histórico teatro Santa Isabel, no Recife. Foto: Passarinho/Ascom-UFPE.
Diploma de Doutor "Honoris Causa" da UFRPE. Foto: Instituto Cidadania.
Veja mais fotos da cerimônia no Facebook da Ascom/UFPE e no Flickr do governador Eduardo Campos.
O título de Doutor Honoris Causa é concedido por universidades a pessoas eminentes, que não necessariamente sejam portadoras de diploma universitário, mas que tenham se destacado em determinada área por sua boa reputação, virtude, mérito ou ações de serviço que transcendam famílias, pessoas ou instituições.
Com os três títulos recebidos nesta sexta-feira, Lula completa cinco Honoris Causa. O primeiro foi outorgado em janeiro pela Universidade Federal de Viçosa, em Minas Gerais. Em março, mais um diploma foiconcedido pela Universidade de Coimbra, em Portugal.
Reconhecimento
No documento que justifica a concessão do título, a UFPE destaca: “Com sua travessia política persistente e com o olhar voltado para o coletivo, Lula protagoniza uma ação instituinte na construção de alternativas para o nosso País, na reformulação de projetos, na comunicação dos saberes, dialogando com as experiências da vida, ressignificando a própria história nacional.”
Em nota divulgada pela UFRPE, o reitor Valmar Corrêa de Andrade diz que o título outorgado reconhece “o valor deste mérito ao cidadão pernambucano que, com  hombridade e competência soube reconstruir com honradez um novo Brasil.”
Na UPE, a decisão de homenagear Lula foi aprovada por unanimidade no Conselho de Gestão Acadêmico e Administrativo do campus da instituição em Garanhuns.
A mesa da titulação composta pelo governador Eduardo Campos; pelo ex-ministro da Ciência e Tecnologia e professor Emérito da UFPE, Sergio Rezende; pelo reitor eleito para a próxima gestão da UFPE, Anísio Brasileiro; pelo presidente da Assembleia Legislativa de Pernambuco, deputado Guilherme Uchôa; pelos senadores Humberto Costa e Armando Monteiro Neto; pelo vice-governador de Pernambuco, João Lyra Neto; pelo prefeito do Recife, João da Costa; e pelos reitores Amaro Lins (UFPE), Valmar Corrêa (UFRPE), Carlos Calado (UPE) e padre Pedro Rubens (Universidade Católica de Pernambuco – Unicap).

*****
Fonte:http://www.icidadania.org/2011/07/lula-recebe-tres-titulos-de-doutor-honoris-causa-em-pernambuco/

Falsificações da Revista Veja sobre a Universidade de Brasília

25.07.2011
Do blog "OUTRO OLHAR"
Por Ildeber Avelar



Sob o título “Madraçal no Planalto,” a última edição da Revista Veja publicou uma “reportagem” sobre a Universidade de Brasília (UnB) com uma série de erros factuais. A matéria, escrita para demonstrar que a UnB estaria tomada pela intolerância e por “perseguições” a quem pensa diferente de uma reitoria supostamente esquerdista, incorre em várias falsificações e demonstra desconhecimento básico acerca do funcionamento de uma universidade pública brasileira. Uma longa lista de personalidades, incluindo até mesmo o insuspeito Ministro Gilmar Mendes, desmentiu categoricamente a Veja nas últimas 48 horas.
A matéria afirma que o Reitor José Geraldo de Sousa Júnior foi eleito depois de uma “manobra” que deu aos alunos o mesmo peso eleitoral dos docentes e dos funcionários. Cumprindo o já conhecido papel de acadêmico amestrado da Veja, o historiador Marco Antônio Villa empresta outra citação para os propósitos da revista: ”Nenhuma universidade de ponta tem esse tipo de sistema eleitoral.” Acontece que a afirmação da revista é falsa. Não houve qualquer “manobra”. O Conselho Universitário, instância máxima de deliberação da universidade, no qual os professores representavam 70% dos votantes–e onde, portanto, os alunos nem de longe tinham o mesmo peso dos docentes–decidiu pela eleição paritária.
A afirmação atribuída ao Prof. Frederico Flósculo—e, tratando-se de Veja, há que se dizer “atribuída”, já que nunca se sabe se o entrevistado realmente disse o que está entre aspas—demonstra ainda mais desconhecimento, não só sobre a UnB, mas acerca de todo o sistema universitário público brasileiro. O Prof. Flósculo teria dito que na UnB “nos últimos anos, meus projetos de pesquisa têm sido sistematicamente rejeitados”. Ora, o financiamento da pesquisa feita em universidades públicas brasileiras vem de órgãos federais, como a CAPES e o CNPq, ou estaduais, como a Fapesp. Os projetos são enviados pelos docentes aos órgãos financiadores e depois avaliados por profissionais da área, sem qualquer participação ou interferência da universidade. Mesmo que ela quisesse, a UnB não poderia “rejeitar” projetos de pesquisa de um docente, posto que não é ela quem os financia. Isso é informação elementar sobre a universidade brasileira, que a Revista Veja não possui ou omite em má fé.
A outra inverdade publicada pela Veja se refere à Faculdade de Educação da UnB. Segundo a Revista, a Profa. Inês Pires de Almeida, da Faculdade de Educação, teria sido vítima de “represálias” por parte da Reitoria, perdido a chefia e sofrido “devassa” em seu trabalho . Sublinhe-se que não há qualquer declaração da professora na matéria e não se sabe se ela corrobora a versão da revista, mas o fato é que a Profa. Inês simplesmente perdeu uma eleição. A Faculdade de Educação realizou eleições internas em agosto e setembro de 2010, inclusive com debates públicos entre os candidatos. Venceu a professora Carmenísia Jacobina Aires, que hoje ocupa a direção da FE. A perda da condição de gestora de convênios com órgãos de governo adveio do fato de que … a Profa. Inês não era mais diretora! Simples assim.
Outra falsificação presente na reportagem diz respeito ao Prof. Ibsen Noronha, que teria dito que sua disciplina “desapareceu do currículo”. O Prof. Ibsen Noronha é conhecido por ter sido o advogado que acompanhou o DEM na ação contra as cotas no STF, ter levado uma reprimenda pública do Ministro Lewandowski e ter escrito um perfil elogioso de um príncipe da família real. Quanto ao teor da matéria, a realidade dos fatos é que Ibsen Noronha jamais foi professor concursado da UnB. Longe de “desaparecer do currículo”, o conteúdo em questão foi incorporado a uma disciplina obrigatória, “História do Direito” que, como tal, só pode ser ministrada por professores efetivos da instituição.
A matéria de Veja resvala na difamação pura e simples ao afirmar que o “único mérito acadêmico evidente” do atual Reitor, o Prof. José Geraldo de Sousa Júnior, “deriva de sua militância política”. O currículo do Prof. José Geraldo inclui: a autoria de quatro livros acadêmicos e a organização de 24 publicações, além de 56 artigos em periódicos e 43 capítulos de livros.
Curiosamente, a foto que ilustra a matéria da Veja traz como subtítulo “professores reclamam de controle ideológico”, mas é na verdade a imagem de uma livre manifestação dos estudantes pela aceleração das obras de extensão do campus. A ironia extra é que depois dessa manifestação, os estudantes foram recebidos pela reitoria para negociar.
A reação à “reportagem” da Veja foi contundente. O Diretório Central dos Estudantes publicou uma carta. O Reitor também. A respeitada Professora Barbara Freitag-Rouanet escreveu uma bela resposta, assim como o Prof. Aldo Paviani. Uma longa lista de testemunhos também contradisse a matéria. Veja ouviu seis professores.
É mais um capítulo na história da Revista Veja, que agora replica estratégias já adotadas em outras comarcas para desqualificar instituições públicas de ensino com objetivos que têm muito pouco a ver com a busca da verdade.
****
Fonte:http://revistaforum.com.br/idelberavelar/2011/07/06/falsificacoes-da-revista-veja-sobre-a-universidade-de-brasilia/

Lula dá boas-vindas aos internautas

25.07.2011
Do site do ex-presidente Lula,Instituto Cidadania, 15.07.11



O Instituto Cidadania lança hoje (15) este site para divulgar as atividades e projetos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.  Veja, abaixo, uma mensagem do ex-presidente para dar boas vindas aos internautas:



Sediado em São Paulo, o Instituto Cidadania foi onde Lula debateu e elaborou com toda a sociedade propostas de políticas públicas antes de ser eleito presidente em 2002. Hoje, ao sair da presidência, é o espaço onde está sendo criado o Instituto Lula, voltado para causas políticas e sociais no Brasil, África e América Latina.
“O Brasil vive um momento de ouro, continua vivendo um momento extraordinário, e eu espero poder conversar com vocês daqui para frente neste pequeno espaço.”, afirma Lula no vídeo.
Assim como o momento atual do instituto, o site é apenas o começo de novas iniciativas políticas e de comunicação.
“[Vamos] tentar trabalhar a questão da integração, tentar trabalhar as experiências de políticas sociais bem-sucedidas. Não que a gente vá querer ensinar aos outros o que eles têm que fazer, porque isso não deu certo em lugar nenhum do mundo. O que queremos é mostrar como fizemos as coisas no Brasil e, quem sabe, adequando à realidade deles, com a vontade cultural deles, com a vontade política deles, isso possa ser aplicado em outros países”, diz o ex-presidente.
****
Fonte:http://www.icidadania.org/2011/07/lula-da-boas-vindas-aos-internautas/

Noruega, Murdoch e o ódio racista

25.07.2011
Do blog de Altamiro Borges
Por Altamiro Borges


Dois assuntos foram destaque na semana passada: os sangrentos atentados na “pacífica” Noruega, que resultaram em 92 mortes confirmadas até agora; e as novas revelações sobre as iniciativas criminosas do império midiático de Rupert Murdoch. Ambos têm algo em comum: a perigosa atuação da extrema-direita que dissemina o ódio racial, o preconceito e a violência.

No caso da Noruega, já está confirmado que o autor dos disparos que mataram 85 jovens na Ilha de Utoeya, onde se realizava um acampamento com 600 jovens do Partido Trabalhista, foi o ultradireitista Anders Behring Breivik, um fazendeiro de 32 anos. Já o atentado à bomba em Oslo, que atingiu a sede do governo e causou sete mortes, ainda demandará investigações mais rigorosas.

Ódio aos imigrantes e aos marxistas

Segundo o advogado Geir Lippestad, famoso por defender grupos neonazistas, seu cliente já confessou a autoria da chacina: “Ele disse acreditar que as ações foram atrocidades, mas que eram necessárias”. A polícia encontrou um manifesto de 1.500 páginas em que Anders ataca a imigração muçulmana, prega o ódio aos “marxistas” e ao “multiculturalismo”, e ensina a fazer bombas.

O racista também confessou que planejava os atentados desde outubro de 2009. A mídia tenta vender a idéia de que a chacina foi algo individual, coisa de maluco. Mas a polícia investiga as ligações com grupos nazistas da Noruega e de outros países. A bomba utilizada em Oslo é parecida com a usada no atentado de direita em Oklahoma City (EUA), em 1995, que matou 168 pessoas.

Crise e ascensão dos neonazistas

Para o primeiro-ministro trabalhista Jens Stoltenberg, não está descartada a ação de grupos estrangeiros. “Espero que possamos manter a Noruega aberta e democrática”, afirmou o premiê, que estava na sede do governo na hora das explosões e que iria ao evento da juventude em Utoeya. Ele classificou os ataques como "a maior tragédia nacional desde a Segunda Guerra Mundial”.

Aproveitando-se da crise econômica que afeta a Europa, a direita norueguesa intensificou a propaganda racista. O ódio aos imigrantes é a sua principal bandeira. Atualmente, a extrema-direita é a segunda maior força política da Noruega, tendo obtido 23% dos votos nas eleições parlamentares de setembro de 2009. Esta ascensão abala a imagem de um país “pacífico” – apesar de manter tropas no Afeganistão –, rico exportador de petróleo e com um dos melhores índices de qualidade de vida do planeta.

Onda racista e violenta na Europa

Essa mesma onda racista cresce em toda a Europa. Em artigo neste sábado, o New York Times reconhece que “o ódio no discurso político encoraja indivíduos violentos... Os ataques em Oslo despertaram nova atenção em relação aos extremistas de direita não apenas na Noruega, mas em toda a Europa”. Com base no discurso do ódio, eles têm crescido na região e espalhado o medo.

Na Suécia, o partido direitista Democratas (lembra os demos brasileiros) ingressou pela primeira vez no parlamento após receber 5,7% votos nas eleições de setembro. Na Dinamarca, a extrema-direita tem 25 das 179 cadeiras do parlamento. Na Holanda, o partido neonazista de Geert Wilder obteve 15,5% doso votos nas eleições de 2010. Na Finlândia, o True Finns conquistou 19% dos votos em abril. A direita também é forte na Itália do midiático Berlusconi, na França de Sarkozy e na Alemanha de Angela Merkel.

Mídia dissemina o ódio

Esse crescimento tem razões objetivas – crise, desemprego, falta de perspectiva da juventude -, mas também subjetivas. Vários analistas não vacilam em criticar a mídia burguesa por disseminar o ódio. O império midiático de Murdoch, com seus tablóides sensacionalistas e também com seus veículos “sérios”, é um dos principais propagandistas do preconceito contra os imigrantes e um ativo cabo eleitoral dos partidos da extrema-direita.

Mantendo intimas relações com os sionistas de Israel, este australiano – que ganhou cidadania estadunidense em 1985 das mãos do direitista Ronald Reagan – sempre reforçou em sua mídia o ódio aos povos de origem palestina. Como aponta Gordon Duff, do jornal Veterans Today, Murdoch é hoje um dos sionistas mais influentes do mundo – “mais do que o próprio premiê de Israel”.

A quem serve o poder de Murdoch

“Murdoch tem poder para eleger e derrubar líderes nacionais, escolher políticas, aprovar leis. De onde vem tanto poder? Sabe-se hoje que ele vem da espionagem, de gravações clandestinas, de invasões de telefones e e-mails, subornos de autoridades e muita propaganda. Sim, mas a serviço de que agenda?”. Para ele, este império midiático serve aos interesses da extrema-direita.

“Quem Murdoch odeia acima de todos os demais ódios? Os muçulmanos, claro. Todos os muçulmanos são ‘do mal’. De todas as coisas que Murdoch toca, em todas as cenas que exibem, em todas as notícias que distorcem, o item que nunca falta, o que nunca essa gangue de degoladores deixa de reafirmar é, sempre, o ódio aos muçulmanos. Com isso, satisfazem os amigos em Israel”.

Jornalismo com sangue nas mãos

Essa onda preconceituosa, disseminada pelo império de Murdoch, mas também por outros conglomerados midiáticos, é que tem encorajado assassinos racistas como Anders Behring Breivik. Somada à carga explosiva da crise econômica, o ódio anti-islâmico provoca cenas como o da Ilha de Utoeya.

Entre outras resoluções previstas para serem votadas naquele acampamento da juventude, estava uma em defesa da paz, outra que solicitava ao governo trabalhista da Noruega o reconhecimento do Estado Palestino e outra que pedia o boicote ao governo sionista de Israel até a demolição do muro que separa os povos da região e o fim de suas agressões terroristas.

O “jornalismo” de Murdoch sempre foi contra estas bandeiras. O ódio racista ensangüentou a ilha e impediu a votação daquelas resoluções pacifistas. No dia dos atentados, alguns dos seus veículos ainda chegaram a divulgar que o ataque era “obra de grupos radicais islâmicos” – o que foi repetido por alguns jornais colonizados do Brasil. Murdoch está fragilizado, mas não está inativo!

******
Fonte:http://altamiroborges.blogspot.com/2011/07/noruega-murdoch-e-o-odio-racista.html

JORNALISMO: QUAL É O CRITÉRIO EDITORIAL?

25.07.2011
Do blog FAZENDO MEDIA, 24.07.2011
Por Gustavo Barreto


O comentário do ‘Jornal Nacional’ deste sábado 23 sobre morte da cantora Amy Winehouse: “Vai deixar muitos fãs, né?”


Nenhuma repercussão sobre o fato de uma cantora dependente química e alcoólatra ter perdido a vida tão cedo. Mas tudo bem, vão comentar bastante sobre isso. O que se segue é o problema.


Depois de um bloco inteiro (exclusivo) de Amy, continuaram com a confirmação de pelo menos 92 mortos na tragédia da Noruega. Demoraram bastante para dizer o que poderia ser a manchete: a motivação foi política e o assassino era da crescente extrema direita europeia que ameaça em todos os cantos – incluindo no Brasil – a democracia.


Por falar em barbárie, a crise humanitária na Somália continua matando diariamente. Pelo menos 720 mil crianças podem morrer de fome, segundo alerta do UNICEF, na região conhecida como ‘Chifre da África’ (Somália, Etiópia, Djibuti e Eritreia).


E o que saiu hoje sobre isso? Nada.


Qual é, afinal, o critério editorial que permite esse nível indecente de desprezo pela vida?
*****
Fonte:http://www.fazendomedia.com/qual-e-o-criterio-editorial/

O que disse a Dilma ? Folha e Estadão inventam

25.07.2011
Do blog CONVERSA AFIADA
Por Paulo Henrique Amorim



Saiu no Tijolaço, post de Fernando Brito: 

E o que Dilma disse mesmo? A gente não vai saber


Sexta-feira, em cima do lance, este blog criticou a política de que se promovessem “conversas exclusivas” da Presidenta Dilma, sem direito a gravação, imagens ou divulgação do conteúdo, com grupos de jornalistas, pois isso manietava-a ao que fosse interpretado ou pinçado do contexto, eventualmente, pelos jornalistas.


E usava como exemplo duas chamadas, na Folha e no Estadão, resultante delas.


Para manter crescimento, Dilma diz que não reduzirá já a inflação


Dilma descarta controle da inflação com crescimento zero


Entre os cinco jornalistas, ao que parece – não vi a lista – estava também a repórter Cláudia Safatle, do Valor.


Como o Valor não sai no sábado, Safatle publica a entrevista hoje. E sob que título?


‘Tenho compromisso com o controle da inflação’, afirma Dilma


E o texto deixa claro que tudo se passou como supúnhamos na própria sexta-feira: a Presidenta disse apenas que não ia fazer um pacote recessivo para tentar jogar ao solo de um golpe só a inflação. O que era sabido e ressabido de todos.


Leiam só o que diz a repórter do Valor:


“Ao determinar, no início do governo, que a economia teria que ter um “pouso suave”, com desaceleração paulatina do crescimento e manutenção de uma “razoável” oferta de emprego, a presidente Dilma Rousseff delimitou o raio de ação do Banco Central para o controle da inflação.


“Desde o início fizemos uma pauta clara: controlar a inflação e, para isso, fazer um ajuste na nossa política de gastos com custeio e investimentos e, também, cumprir o superávit primário que nós nos comprometemos a fazer”, disse a presidente, em conversa com um pequeno grupo de jornalistas.


“Fazer a convergência da inflação para a meta de 4,5% no curtíssimo prazo seria danoso. Derrubaria o crescimento econômico para zero e não resolveria a inflação”, argumentou a presidente, explicando que uma contração da atividade econômica para derrubar os preços acabaria por comprometer o aumento da oferta, necessário para que o país cresça sem pressões inflacionárias.


Ela chamou a atenção para o desempenho fiscal dos primeiros cinco meses do ano, quando o governo central produziu superávit primário de R$ 45,5 bilhões, mais da metade do compromisso para o ano -R$ 81,7 bilhões.


“Estamos com sobra e não vamos gastar essa sobra, porque tenho compromisso com o controle da inflação”, garantiu. “Estamos usando todos os instrumentos que todos concordam que têm ser usados para conter a inflação. E estamos tentando isso com algum sucesso.”


Como se vê, algo totalmente diferente do informado nas chamadas de sexta-feira.


E o que a Presidenta disse, mesmo? A lógica e a coerência do texto de Cládia Safatle, com muita citação e pouca interpretação do que disse a Presidenta, nos faz crer que é o que está escrito aí acima.


O que, em lugar de fazer as pessoas crerem que Dilma não pretende controlar a inflação, mostra exatamente o contrário.


Bem, mas um humilde blog não pretende dar lições a gente tão festejada na comunicação que acha que a voz da Presidenta pode ter dono.

Navalha
Este ansioso blogueiro também acha uma fria a Presidenta se trancar numa sala com representantes do PiG (*) sem gravador ou câmera.
Dá nisso.
Quem mandou levar o PiG (*) a sério ?
O PiG (*) é como Ringo: não perdoa !
Ou, como disse o Obama sobre a Fox News, do Murdoch: isso aqui não é uma instituição jornalistica, mas uma extensão do partido de oposição.
Em tempo: por que a Presidenta não dá uma entrevista ao Mino Carta, com gravador ?
Clique aqui para ler “Globo e Teixeira são o Murdoch brasileiro”.
aqui para votar na enquete “O que une Teixeira à Globo ?”.




Paulo Henrique Amorim


(*) Em nenhuma democracia séria do mundo, jornais conservadores, de baixa qualidade técnica e até sensacionalistas, e uma única rede de televisão têm a importância que têm no Brasil. Eles se transformaram num partido político – o PiG, Partido da Imprensa Golpista.

****
Fonte:http://www.conversaafiada.com.br/pig/2011/07/25/o-que-disse-a-dilma-folha-e-estadao-inventam/