terça-feira, 19 de julho de 2011

Denúncias derrubam mais seis funcionários do Ministério dos Transportes

19/07/2011 - 
Justiça
Da Agência Brasil


Brasília – O Diário Oficial da União publica hoje (19) a exoneração de mais três assessores do Ministério dos Transportes: José Osmar Monte Rocha, Estevam Pedrosa e Darcy Michiles. Os três eram ligados ao ex-ministro dos Transportes Alfredo Nascimento e ao deputado Valdemar Costa Neto (PR-SP), réu na ação penal que tramita no Supremo Tribunal Federal para apurar denúncias de irregularidades em um esquema de pagamento de propina que ficou conhecido como mensalão.


José Osmar Monte Rocha está envolvido no caso de um atestado que ajudou na contratação de uma empresa de fachada pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), segundo reportagem publicada hoje (19) pelo jornal O Estado de S. Paulo. Ele era assessor para assuntos administrativos do ministério.


Darcy Michiles é filiado ao PR e era secretário de Fomento para Ações de Transportes do Ministério dos Transportes e Estevam Pedrosa era um dos principais assessores do ex-ministro Alfredo Nascimento.


O contador Augusto César Carvalho Barbosa de Souza, que seria sabatinado no próximo dia 7 pela Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado, teve sua indicação cancelada, em função das denúncias.


Também tiveram a exoneração publicada hoje no Diário Oficial os servidores Maria das Graças de Almeida, do Ministério dos Transportes, e dois coordenadores do Dnit, Luiz Cláudio dos Santos Varejão, do cargo de coordenador-geral de Operações Rodoviárias, e Mauro Sérgio Fatureto, coordenador de Administração Geral.


Edição: Nádia Franco//A matéria foi ampliada às 13h08 e teve o título mudado
****
Fonte:http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2011-07-19/denuncias-derrubam-mais-seis-funcionarios-do-ministerio-dos-transportes

“Torcida” contra o emprego, não jornalismo.

19.07.2011
Do blog TIJOLAÇO
Por Brizola Neto


Não foi falta de paciência de esperar que os editores de  sites pensassem melhor e mudassem as chamadas sobre os dados divulgados hoje sobre criação de empregos. Nada feito. É só azedume.
Evidente que estas chamadas provocam no leitor a impressão que estamos vivendo uma crise de emprego, quando nunca, mesmo no ano passado, o Brasil esteve tão bem neste setor.
Junho, cujos números foram divugados hoje, foi o segundo melhor resultado da história deste mês, melhor inclusive que junho do ano passado e só inferior ao mesmo mês em 2008, com a economia mundial no auge do aquecimento que antecedeu a crise.
A diferença apontada sobre o primeiro semestre do ano passado está concentrada unicamente em um mês, o de março, quando o terror inflacionário e as previsões catastróficas da mesma mídia estavam no auge. Ali se registrou uma diferença de mais de 170 mil vagas (92 mil este ano, contra 266 mil em 2010).
Um fenômeno que não se repetiu, muito ao contrário. Hoje mesmo o IBGE divulgou o desemprego nas regiões metropolitanas: o menor já registrado.
Oss Estados Unidos, com todas as injeções de dinheiro feitas pelo Federal Reserve, em junho, só conseguiram gerar 18 mil empregos em junho. Aqui, você vê no gráfico, foram 215 mil, doze vezes mais, com uma economia muito menor e uma massa populacional inferior.
Nada do que é dito neste post é versão: são fatos, dados, números e comparações reais.
A nossa mídia, entretanto, não faz jornalismo informativo, faz campanha.
Não suporta ver o Brasil sem a “roda presa”.
É com ela que vamos contar para a comunicação entre Governo e o povo brasileiro?
*****
Fonte:http://www.tijolaco.com/torcida-contra-o-emprego-nao-jornalismo/

Mata Norte sofre com as chuvas

19.07.2011
Do jornal FOLHA DE PERNAMBUCO
Por WAGNER SANTOS


Municípios da região foram atingidos com as precipitações do fim de semana

VÁRIAS casas da área ribeirinha de Goiana foram encobertas pela água
VÁRIAS casas da área ribeirinha de Goiana foram encobertas pela água
Subiu para 12 o número de municípios com famílias desabrigadas e desalojadas em Pernambuco, de acordo com a Coordenadoria de Defesa Civil de Pernambuco (Codecipe). São elas: Abreu e Lima, Aliança, Araçoiaba, Camaragibe, Camutanga, Goiana, Jaboatão, Olinda, Paulista, Recife, Timbaúba e Vicência. Desta vez, a Zona da Mata Norte foi a região que mais sofreu com a precipitação pluviométrica dos últimos dias. Somente em Goiana, mais de 700 famílias tiveram que deixar suas casas depois da segunda enchente que o município sofreu neste ano, ocorrida no último fim de semana. A situação complicou devido ao transbordamento do rio Goiana, que chegou a encobrir a maioria das casas da área ribeirinha. Com isso, o município decretou, mais uma vez, a partir de ontem, situação de emergência.

Dessas famílias, 223 estão em abrigos mantidos pela prefeitura, onde estão recebendo apoio médico, alimentação e agasalhos. O nível da água subiu tanto que foi preciso interditar a principal ponte que corta o rio, na comunidade do Baldo do Rio, que foi reconstruída há seis meses. As principais rodovias de acesso ao município também foram afetadas, como a BR-101 Norte, que ficou alagada no trecho que dá acesso a João Pessoa. O problema foi mais grave na ponte da PE-75, no Engenho Uruaé, que liga Goiana a Itambé. A cabeceira de um dos lados da ponte foi totalmente destruída, dando lugar a uma enorme cratera, enquanto que, no outro lado, ficou somente o asfalto e a parte debaixo completamente oca, com um grande risco de desabar.

PRINCIPAIS rodovias, como a BR-101, ficaram alagadas e quase intrasitáveis
PRINCIPAIS rodovias, como a BR-101, ficaram alagadas e quase intrasitáveis
O sentimento de perda é enorme, principalmente porque a água subiu de repente, pegando todo mundo de surpresa. A dona de casa Caroline Lúcia Rocha da Silva, 26, que mora na comunidade Baldo do Rio há três meses, já presenciou duas enchentes. Ela tem um filho de 10 anos, que mora com a avó.

Assim como a maioria das pessoas que moram na comunidade, ela não tem outro lugar para ir, e pretende ficar. “Perdi tudo. Móveis, documentos, roupas. Só deu para retirar a televisão, o som, e agora vim buscar o botijão de gás”, contou. Ela disse ainda estar preocupada com furtos, que têm acontecido depois que as famílias deixaram suas casas.

Segundo os moradores, todos os anos a população sofre com enchentes. O ambulante José Maria Honorato, 49, contou que perdeu tudo que tinha, como os móveis, geladeira, camas e colchões. Mesmo depois de o nível ter descido bastante, até ontem, a água ainda cobria sua cintura. Ele contou que mora há 12 anos na beira do rio, mas não pretende sair de lá. “Assim que secar eu volto de novo, com minha esposa e meu filho. Fazer o que se eu não tenho para onde ir?”, questionou.

MESMO com água na cintura, José Maria não pretende deixar de morar no local
MESMO com água na cintura, José Maria não pretende deixar de morar no local
Para atender às famílias, o prefeito de Goiana, Henrique Fenelon, mobilizou as secretarias municipais de Políticas Públicas, a de Serviços Sociais e a de Saúde, com o objetivo de amenizar a situação da população. “Estamos dando toda assistência necessária para essas famílias que estão nesse sofrimento, assim como o Governo do Estado, que tem disponibilizado o Corpo de Bombeiros, Defesa Civil, Polícia Militar e Polícia Rodoviária do Estado. E o governador resolveu vir a Goiana por ter sido o município mais atingido com essa chuva, para assim, nos dar todas as condições de atender às necessidades da população”, ressaltou.


DESAPARECIDO

Diante de uma situação devastadora como esta, mesmo com seus prejuízos, alguns moradores ainda se empenham em ajudar as outras pessoas. Um exemplo disso, foi o ajudante de pedreiro e morador do Baldo do Rio, Gutemberg Correia da Silva, 33, que ao tentar resgatar dois animais de um vizinho, acabou se desequilibrando e caindo no Rio, por volta das 13h30 do último domingo. De acordo com a Codecipe, além dele também havia uma criança que estava desaparecida, contudo, esta já foi encontrada e Gutemberg é a única pessoa que o Corpo de Bombeiros ainda está procurando.



28042011_branco















































































































































Fonte:http://www.folhape.com.br/index.php/caderno-grande-recife/651962-mata-norte-sofre-com-as-chuvas

Dissidência do PR, o novo PDN já tem logomarca e manifesto

19.07.2011
Do BLGO DA FOLHA
Por Valdecarlos Alves



alt

Do IG

O deputado Diego Andrade (PR-MG) já tem pronto o manifesto de criação do Partido do Desenvolvimento Nacional (PDN), sigla lançada ontem. O iG conseguiu o documento que tem sido distribuído a simpatizantes da ideia. Uma logomarca provisória também foi criada.

Segundo Andrade, já existem 50 assinaturas de apoio à nova sigla. “É o movimento que começou na base. Não é coisa de político. É caminhoneiro, taxista que quer melhor condição das estradas e de infraestrutura em geral para o Brasil continuar crescendo”, afirmou o deputado à reportagem hoje.

Para ser criado, um partido precisa reunir 500 mil assinaturas com representação de nove unidades da Federação. Além disso, em cada uma delas é necessário a participação de 0,1% dos eleitores.

O deputado disse que o governo PSDB conseguiu melhorar a situação econômica do País e o PT a situação social. “Agora precisamos de um partido que brigue pelo desenvolvimento, pela infraestrutura”, afirmou. Andrade reconhece que será difícil criar o partido a tempo para se disputar a eleição de 2012.

Tio de Diego, o senador Clésio de Andrade (PR-MG) afirma que “está assistindo” à criação da sigla, mas não estará à frente da proposta. A criação do PDN surgiu no momento em que o PR, partido de Clésio e Diego, passa por uma crise por causa de denúncias no Ministério dos Transportes.

O PR surgiu a partir da fusão do Prona com o PL, sigla que comanda a pasta dos Transportes desde 2003. No começo deste mês, o senador Alfredo Nascimento (PR-AM) demitiu-se do cargo de ministro após denúncias de cobrança de propina na pasta e no Departamento de Infra Estrutura de Tranportes (Dnit), que é vinculado ao ministério.

Então diretor-geral do Dnit, Luiz Antonio Pagot foi indicado para o posto pelo senador Blairo Maggi (PR-MT). Com a saída de Nascimento, ele foi convidado para assumir os Transportes. Blairo, no entanto, recusou a oferta. Como é empresário e tem negócios ligados à pasta, alegou haver “impedimentos legais”.

Diante da recusa de Blairo, Dilma promoveu o então secretário-executivo Paulo Sérgio Passos a ministro dos Transportes. Num primeiro momento, a indicação causou desconforto no PR. Caciques do partido não veem Passos como um legítimo representante do PR. Isso porque ele é novato na sigla

*******
Fonte:http://www.blogdafolha.com.br/index.php/materias/22595-dissidencia-do-pr-o-novo-pdn-ja-tem-logomarca-e-manifesto

Armando Monteiro quer viabilizar implantação de novo campus da UFRPE, com 10 mil alunos, voltado para engenharia

19.07.2011
Do BLOG DE JAMILDO
Postado por Jamildo Melo



Por mais de uma hora, o senador Armando Monteiro teve na manhã desta terça-feira (19) uma reunião de trabalho com o reitor e dirigentes da Universidade Federal Rural de Pernambuco.
Na pauta, a implantação do novo campus no Cabo de Santo Agostinho, que permitirá ampliação significativa na oferta de engenheiros no Estado e no país, nos próximos anos. A unidade da UFRPE, segundo o reitor Valmar Corrêa de Andrade, que coordenou a reunião, poderá ficar pronta em 2013. Terá capacidade para 10 mil alunos e receberá investimentos estimados em R$ 145 milhões, incluindo obras e equipamentos.

Durante a reunião, o senador Armando Monteiro comprometeu-se com reforçar as gestões em Brasília em favor do projeto, principalmente no Ministério da Educação e com a presidente Dilma Rousseff. O projeto tem sido articulado pelo governador Eduardo Campos, que é o principal parceiro da UFRPE. Cabe ao Estado, em seu processo de implantação, a doação do terreno que irá abrigar o novo campus e a aplicação de recursos na montagem de um centro tecnológico que viabilizará a integração entre a universidade e empresas interessadas em pesquisas.

“Na verdade, este projeto é quase uma nova universidade”, ressaltou o reitor Valmar Corrêa, lembrando que a expansão abrirá vagas para 10 mil alunos, enquanto que a UFRPE tem hoje 22 mil, sendo 14 mil em cursos presenciais, 6 mil em cursos à distância e 2 mil em pós-graduações. Armando ressalta a importância de se ampliar os cursos de engenharia no Brasil: "Para que o País se posicione como potência no mundo, é preciso o fortalecimento das engenharias. Países como Índia e China formam mais de 300 mil engenheiros por ano, ao passo que o Brasil forma apenas 30 mil".

O novo campus da UFRPE oferecerá cursos sobretudo nas áreas de maior gargalo do mercado de trabalho hoje em Pernambuco e no país. Serão vagas de graduação e de tecnólogo nas engenharias química, elétrica, eletrônica, civil, mecânica e de materiais, além de licenciaturas em física, matemática, química, contabilidade e finanças. Nos cursos, os alunos terão ainda oito semestres de língua estrangeira (inglês, espanhol ou mandarim).

*******
Fonte:http://jc3.uol.com.br/blogs/blogjamildo/canais/noticias/2011/07/19/armando_monteiro_quer_viabilizar_implantacao_de_novo_campus_da_ufrpe_com_10_mil_alunos_voltado_para_engenharia_107157.php

Ditadura teve mais CPIs. Denúncia: “MG vive Estado de Exceção”

19.07.2011
Do blog de Rodrigo Vianna
Estado de Exceção em MG: comprovando a ditadura tucana!

Para muitos, falar em “Estado de Exceção” em Minas Gerais, constitui um exagero. Não porque os tucanos não o queiram, mas porque vivemos numa Federação e, mesmo que tenham tais pretensões, não poderiam atropelar a ordem constitucional, no plano nacional.

Mas, além da coerção econômica sobre veículos de imprensa comerciais, comprando a adesão (como denuncia o deputado Sávio Souza Cruz), e além dos mecanismos de cooptação de agentes de poderes e órgãos de fiscalização, vamos apresentar alguns indicadores que deixarão boaquiabertos os que acham exagerada a crítica ao “Estado de Exceção”.

Trata-se de uma comparação simples entre a realização de Comissões Parlamentares de Inquérito e Comissões de Sindicância (predecessoras das CPIs) na ALMG, desde os tempos do Regime Militar e nos oito anos de governo Aécio/Anastasia.

De 1965 até 1984 aqui foram realizadas 30 CPIs. Sobre os mais variados temas da administração pública direta, indireta, dos setores mais dinâmicos da economia (mineração), meio-ambiente, habitação, sistema prisional etc.

Do ano do famigerado AI5, 1968, até 1984 foram 26 CPIs. Ou seja, mais de uma por ano. 

Enquanto que nos dois governos de Aécio/Anastasia foram apenas duas durante os oito anos: ou  seja 0,25 CPI por ano!

Mesmo no governo do tucano Eduardo Azeredo (1995-1998) foram 10. No de Itamar Franco (1999-2002) foram 17.

Isso sem contar milhares de requerimentos solicitando informações aos poderes constituídos, coisa que no atual governo Anastasia é sumariamente vetado ao Bloco Minas Sem Censura.

Afirmamos claramente: em toda a história republicana da Assembleia Legislativa, os oito anos de governo Aécio/Anastasia foram os que menos investigaram e apuraram denúncias, indícios, suspeitas e irregularidades que dizem respeito aos interesses do povo mineiro.

Veja, no arquivo anexo, a lista das CPI´s desde 1965.

Leia outros textos de Outras Palavras
*****

Três mil pessoas foram atingidas pelas chuvas em Goiana e irão receber auxílios da prefeitura

19.07.2011
Do BLOG DA FOLHA
Postado por José Accioly  


Diego Nigro/Folha de Pernambuco
alt


Do Folha Digital

Em Goiana, 236 famílias estão desabrigadas e 700 estão desalojadas, segundo dados da Prefeitura. Na cidade, há quatro abrigos oficiais, além de Postos de Saúde da Família (PSF), igrejas e um ginásio municipal. Cerca de três mil pessoas foram atingidas pelas chuvas, do último final de semana, que inundaram o município. A assessora técnica de Secretaria de Políticas Sociais e Esportes de Goiana, Risomere Rezende, afirma que os números de desabrigados e alojamentos estão constantemente sendo levantados, devido aos novos pontos de abrigos que surgem na cidade.

De acordo com o Prefeito, estão sendo providenciados 2500 colchões, 3 mil cestas básicas, 3 mil kits de higiene, 2 mil fraldas e 2 mil botijões de gás para distribuir entre as famílias que estão desabrigadas. Às 11h, o prefeito Henrique Fenelon irá se reunir com deputados estaduais e federais e com o secretario da Defesa Civil, no Palácio das Princesas, no Recife, para discutir a situação da cidade e as possíveis medidas de emergência.

A equipe da Secretaria de Infraestrutura da cidade está fazendo um levantamento sobre os danos que as chuvas causaram na cidade e o relatório deve estar pronto em dois ou três dias. As principais ruas atingidas foram a Vila Operário, Baldo do Rio e da Empoeirada. O nível da água já baixou em Goiana, mas a cidade continua repleta de lama.
****
Fonte:http://www.blogdafolha.com.br/index.php/materias/22572-tres-mil-pessoas-foram-atingidas-pelas-chuvas-em-goiana-e-irao-receber-auxilios-da-prefeitura

Dilma liga para Eduardo e envia ministro dos Transportes para Pernambuco

19.07.2011
Do BLOG DA FOLHA
Postado por José Accioly


O ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, estará em Pernambuco amanhã (20) para vistoriar a BR-101 e a PE-60. A visita do ministro foi acertada durante telefonema da presidenta Dilma Rousseff (PT) para o governador Eduardo Campos (PSB) nesta terça-feira.


A conversa aconteceu logo no início da manhã e durou cerca de 20 minutos. A presidenta ligou para solidarizar-se com as vítimas das chuvas que atingiram Pernambuco no último final de semana e colocou o Governo Federal à disposição para colaborar no que for preciso.


Às 10h, governador e ministro farão um sobrevôo sobre a BR-101 até o entroncamento com a PE-60. Depois seguem para uma reunião no Palácio do Campo das Princesas e concedem entrevista coletiva por volta das 12h15.


A PE-60 vem sofrendo grande desgaste desde as chuvas do ano passado, quando parte do trânsito da BR-101 foi desviado para a rodovia estadual. Na ocasião, ficou acertado que a manutenção da rodovia estadual seria feita pelo DNIT.
*****
Fonte:http://www.blogdafolha.com.br/index.php/materias/22588-dilma-liga-para-eduardo-e-envia-ministro-dos-transportes-para-pernambuco

No New York Times, sobre a FIFA: “A cultura é a mesma de uma gangue”

19.07.2011
Do blog de Luiz Carlos Azenha,18.07.11
By DOREEN CARVAJAL
Published: July 17, 2011
New York Times


For FIFA Executives, Luxury and Favors [Para executivos da Fifa, luxo e favores]

Paris – Os titãs do futebol mundial estão acostumados às mordomias. Batedores. Proteção policial. Hotéis cinco estrelas. Jantares luxuosos. Diárias de 500 dólares por dia, e 250 dólares adicionais para suas esposas ou namoradas.
Os 24 integrantes do comitê executivo da FIFA — a associação que governa o futebol e organiza a Copa do Mundo — formam a elite de um clube masculino, faturando salários e bônus anuais de até  300 mil dólares, além de várias outras mordomias. Para isso, tudo o que precisam fazer é aparecer em alguns encontros privados, anualmente, para discutir regras, sanções e questões legais e, mais importante, para eventualmente votar no país que vai sediar o campeonato mundial.
Agora esta elite está sob pressão como nunca, com um deles, Mohamed bin Hammam, do Catar, acusado de pagar propinas para membros de escalões mais baixos na tentativa de derrubar o antigo presidente da FIFA, Sepp Blatter. Ao mesmo tempo, permanecem em aberto questões sobre como a Rússia e o Catar foram escolhidos para sediar as copas de 2018 e 2022.
Mas o topo da FIFA é um santuário tão dourado que poucos especialistas acreditam que a debatida investigação ética interna do caso Bin Hammam, marcada para os dias 22 e 23 de julho em Zurique, vai levar a mudanças fundamentais.
“Não é [um espaço] democrático, nem governado pela transparência”, disse Gunter Gebauer, um professor de filosofia esportiva da Universidade de Berlim, na Alemanha. “É uma cultura masculina de dar e receber e fazer e prestar favores. É uma cultura que em alguns aspectos é a mesma de uma gangue”.
De fato, enquanto Bin Hamman enfrenta uma investigação ética, ele é apenas um dos nove integrantes do comitê que foram acusados de receber propinas nos últimos dois anos, a maioria referentes a votos para escolher a sede da Copa do Mundo.
Na FIFA, parece ter havido nos últimos anos uma linha fina separando uma cultura de proteção mútua e outra de corrupção aberta. Essa ambiguidade assustou Graham Taylor, ex-jogador de futebol britânico que gerenciou uma das equipes nacionais do Reino Unido, quando ele serviu brevemente no comitê assessor técnico da FIFA, de 18 membros, no início dos anos 90. Durante um encontro do comitê na Suiça que foi aberto com “um jantar de cinco estrelas, seguido por um almoço de cinco estrelas” depois de uma reunião no dia seguinte, ele achou estranho o ritual pelo qual os integrantes do comitê formaram uma fila.
“Nós fizemos fila como meninos e recolhemos nosso dinheiro”, disse Taylor. “Um homem na fila me disse que eu deveria pedir a devolução do dinheiro da passagem aérea, embora ela já tivesse sido paga pela FIFA. Ele disse: ‘Peça tudo de volta e abra uma conta bancária na Suiça. Depois de alguns anos o dinheiro vai acumular’”.
Apesar das nuvens que se acumulam sobre a organização, alguns informantes na família FIFA insistem que a organização está limpando a casa. Chuck Blazer, um norte-americano no comitê executivo que denunciou Bin Hamman no caso da propina, disse que o trabalho do comitê de ética demonstra que ele é independente e tem “dentes reais”, já que confrontou Bin Hamman e outro poderoso executivo da FIFA, Jack Warner.
Nações que competem por eventos reclamam que os padrões éticos da FIFA são tão ambíguos que membros do comitê não conseguem distinguir entre fazer negócios ou fazer negociatas. Particularmente, eles citam o programa “legado” da FIFA, que encorajou nações-candidatas a sediar torneios a financiar projetos de desenvolvimento do futebol. A Austrália, por exemplo, contribuiu com cerca de 300 mil dólares para que o time sub-20 de Trinidad e Tobago disputasse um campeonato em Chipre. A contribuição foi dada através de Warner, que pediu demissão em conexão com as acusações contra Bin Hammam.
“Foi um grande erro quando eles falaram que, para se candidatar, era necessário deixar um legado e quando ‘legado’ foi definido”, disse Blazer. “As pessoas cairam em armadilhas ao lidar com essa questão”.
Embora Blazer tenha sido apontado como alguém que denunciou corrupção, no domingo ele enfrentou críticas por um arranjo pelo qual sua empresa num paraíso fiscal, a Sportvertising, recebeu 10% dos contratos de patrocínio e direitos de TV da Confederação de Futebol da América do Norte, Central e do Caribe (CONCACAF). O arranjo foi primeiro denunciado por Andrew Jennings, um jornalista investigativo do Reino Unido que tem trabalhado com a BBC. A companhia de Blazer, registrada nas ilhas Cayman, recebeu pagamentos de milhões de dólares anualmente, de acordo com Jennings.
Blazer disse que o contrato foi parte de seu “pacote de compensação” e uma fórmula bem sucedida para “dar incentivos e resultados”, quando a confederação ainda não tinha renda.
Durante sua campanha para ganhar para o Reino Unido a Copa do Mundo de 2018, Lord David Triesman disse que testemunhou pessoalmente pedidos óbvios de propina. Ele diz que está confuso pelo fato de a FIFA não investigar os integrantes do comitê executivo ou acusações feitas por ele.
“Não sei como isso é possível no mundo moderno, porque vivemos em um mundo transparente”, Triesman, o ex-presidente da federação de futebol britânica, disse em uma entrevista. “Para um conselho relativamente pequeno, houve suficientes críticas para você imaginar que ele se perguntariam ‘estamos fazendo direito?’”.
Ao testemunhar diante de um comitê parlamentar sobre esportes e cultura no Parlamento britânico, Triesman disse que foi pressionado por quatro integrantes do comitê executivo da FIFA em diferentes oportunidades, inclusive com um convite aberto: “Venha e me diga o que tem para mim”.
De acordo com Triesman, os pedidos foram de 2,5 milhões de dólares para a academia de uma escola em Trinidad — com o dinheiro entregue através de Warner — a direitos de televisão para um jogo amistoso entre Inglaterra e Tailândia para homenagear a coroação do rei da Tailândia.
Na semana passada, o comitê parlamentar britânico divulgou seu relatório final, declarando que estava chocado com as acusações de corrupção e alertando que “a FIFA tem dado a impressão de que pretende varrer as acusações para debaixo do tapete”.
Desde que foi fundada em 1904 em Paris, a FIFA se tornou uma organização extremamente rica, com reservas de cerca de 1,3 bilhão de dólares e lucro no ano passado de 1,2 bilhão de dólares em direitos de televisão e marketing em todo o mundo. Ela também se beneficia da isenção fiscal na Suiça para organizações esportivas, uma ajuda considerável que começa a levantar debate político nos cantões suiços à luz dos vários escândalos de corrupção.
“Eles tem as mesmas vantagens das associações de canto locais, mas são muito maiores”, disse Roland Buechel, um integrante do Parlamento suiço. “Não posso concordar com isso se eles não se comportarem adequadamente”.
Por causa das isenções fiscais, Buechel se disse particularmente preocupado com um item do mais recente relatório anual da FIFA, divulgado em junho, que incluia “benefícios de curto-prazo para executivos”, sem especificar quais. Um total de 32,6 milhões de dólares, 55% a mais que no ano anterior, foram pagos a integrantes-chaves do gerenciamento da FIFA, inclusive a membros do comitê executivo.
Como o dinheiro foi dividido, exatamente, é um segredo, o mesmo se aplicando a informações básicas da FIFA, como os salários dos executivos — mais um exemplo da falta de transparência da entidade, que trabalhou com a One World Trust, uma organização sem fins lucrativos, em 2007, para avaliar seus padrões de transparência mas não adotou muitas das recomendações do grupo.
“Há uma forte diferença entre o que a organização diz que está fazendo e a forma como ela funciona”, disse Michael Hammer, diretor-executivo da One World Trust, uma organização baseada em Londres que desenvolve padrões de governança e de decisões executivas.
Hammer disse que o dinheiro da FIFA “foi usado como forma de influenciar a maneira como a organização toma suas decisões”, começando com os salários do comitê executivo — criados por Blatter em 1998, logo depois de sua eleição. “As pessoas tinham incentivos para trabalhar com o presidente de forma a não perder sua renda”, ele disse.
Os lucros e as mordomias criaram uma atmosfera na qual a elite dos integrantes da família FIFA começaram a pensar em si como especiais, de acordo com especialistas e pessoas envolvidas com as nações que disputaram sedes de eventos de futebol.
Alguns integrantes do comitê executivo viajaram para países que disputavam eventos exigindo projetos de desenvolvimento, disse Bonita Mersiades, uma ex-chefe de assuntos corporativos para o projeto da Copa do Mundo na Austrália: “Este é um grande eufemismo para dinheiro. Você nunca sabe o que acontecerá com esse dinheiro”.
Os integrantes do comitê executivo viajam como dipl0matas, evitando as alfândegas e atravessando as cidades em caravanas protegidas pela polícia. As nações que disputam a Copa enchem estes homens de presentes: abotoaduras de pérola, bolsas Burberry e caixas de vinho fino.
“Eles são colocados nos hotéis mais luxuosos, transformados no que se chama de ‘clubes FIFA’”, disse Alan Tomlinson, um professor e diretor do Centro de Pesquisas em Esportes da Universidade de Brighton, na Inglaterra. “É uma versão moderna dos velhos castelos medievais, patrulhados por guardas do lado de fota. Quando vi os membros do comitê executivo da FIFA entrando e saindo destes clubes, eles pareciam muito desconfortáveis ao encarar o mundo real”.
Desde que foi suspenso do comitê executivo, Bin Hammam tem evitado entrevistas, justificando apenas com uma nota: “Não estou em posição de falar”. Mas ele publicou recentemente uma declaração em seu blog pessoal reclamando de vazamentos e de uma investigação comprometida.
Sua esperança, ele escreveu, é que qualquer decisão a respeito do caso fique dentro da família FIFA — o comitê de ética — e não seja baseada “na vontade das pessoas de fora”.
PS do Viomundo: Acabo de ler Jogo Sujo, de Andrew Jennings. Talvez por falta de conhecimento do mundo do futebol, fiquei estupefato.
PS do Viomundo2: Aos leitores-pesquisadores que procuram o relatório final da CPI do Senado sobre o futebol, em 2000, aqui.

****
Fonte:http://www.viomundo.com.br/denuncias/a-cultura-e-a-mesma-de-uma-gangue.html

SUS: A dificil situação dos servidores do Ministério da Saúde cedidos ao SUS

19.07.2011
Do site da CNTSS/CUT
Por Irineu Messias*
Postado por Clara Bisquola, jornalista


Crédito:  
Em 1993 a Lei 8689, de 27de julho, extinguiu o INAMPS. Os servidores desse Instituto outrora prestava assistência médica a milhões de brasileiros. Contudo, por não ter ainda o direito universal e gratuito á saúde, apenas aqueles que tinham contrato formal de trabalho tinham direito aos serviços de saúde prestados pelo INAMPS.

Com a Constituição de 88, sagra-se como direito, o acesso gratuito á saúde a todos os brasileiros. Com isso, o INAMPS perde sua razão de existir e dois anos depois tem início o processo de sua extinção com a criação dos SUDS ,mais tarde, SUS.

Com esta mudança, a Lei a que me referi no inicio deste artigo, deu a todos os servidores do agora ex-INAMPs o direito de ,por 180 dias, se redistribuírem para qualquer órgão da Administração Pública Federal. Entretanto,como muitos de seus dirigentes sindicais também, estavam na luta pela reforma sanitária, a maioria passou a defender a permanência de todos os servidores do ex-INAMPS nas unidades de saúde, agora descentralizadas e formadas por hospitais , postos de saúdes, pertencentes anteriormente ao INAMPS.

Pois bem, esses servidores poderiam ter se transferidos para outros ministérios; preferiram permanecer em seus locais de trabalho para dar suporte ao novo sistema de saúde, conquistado a duras penas pelos lutadores da reforma sanitária que ,articulados com os constituintes progressistas, inscreveram na Constituição a doutrina basilar do SUS; “ saúde, dever do estado, direito do cidadão”.

Hoje, porém, passados 21 anos, a situação funcional desses servidores, que dedicaram suas vidas profissionais à consolidação do Sistema Único de Saúde, está muito difícil em vários aspectos,a saber:

Profissional: Em que pese, o governo do presidente Lula ter começado a dar mais atenção a esses servidores , nos estados e munícipios onde estão cedidos são muitas vezes, discriminados do posto de vista do acesso aos processos de capacitação e requalificação profissional. Não estamos defendemos que deva haver privilégio, não. Mas defendemos que haja tratamento igual com todos os servidores que compõem os SUS: estaduais, municipais e federais. Isto, infelizmente não vem ocorrendo, sendo alijados muitas vezes, de cursos, treinamentos,etc, Com exceção dos profissionais de nível superior, notadamente, a área da medicina e enfermagem e mesmo, não em todas as gestões;

Salarial: Com a desresponsabilização do governo federal em não mais contratar servidores para as unidades descentralizadas, ficou em último plano a questão salarial desses servidores, cujos salários estão entre os mais baixo da Administração Federal, levando-os a repensar se ainda vale a pena permanecer ou não, cedidos ao SUS, diante dos prejuízos financeiros frente aos demais servidores federais;

Situação funcional: Sofrem perseguições políticas por parte de muitos gestores estaduais e principalmente municipais, visto que , muitos prefeitos das médias e pequenas cidades agem como verdadeiros imperadores ameaçando devolvê-los à sede do Ministério da Saúde. Acontece que, os núcleos estaduais do Ministério da Saúde ficam muitas vezes, muito distantes das cidades onde estão lotados, o que deixa esses servidores à mercê da vontade , muitas vezes, tirana, desses governantes.

Poderia escrever muito sobre a difícil situação desses servidores; contudo , a ideia desse pequeno artigo é chamar a atenção do governo federal, dos parlamentares federais para que se encontre uma solução justa para esses servidores que no passado ( e no presente) deram suas vidas para a consolidação do SUS.

Essa solução deve resultar na melhoria dos salários, de tal forma que sejam equivalentes ao dos servidores do INSS; na extinção de toda e qualquer discriminação nos estados e municípios onde estão cedidos ; na possibilidade concreta de redistribuição ( para aqueles que porventura quiserem).

Em suma, o governo federal, deve implementar uma politica de recursos humanos que melhores os salários, que dê tranquilidade aos que estão cedidos aos estados e municípios.

Reconheço, repito, que no governo Lula, foram tomada muitas iniciativas. Uma delas, o melhoramento do padrão salarial. Contudo, o achatamento salarial, foi tão severo nos dois governos de FHC, que mesmo os ajustes feito na tabela da Carreira da Saúde, da Previdência e do Trabalho,onde os mesmo se encontram inseridos, foram insuficientes para recuperar a perda sofrida ao longo de dez anos, sem reajuste nenhum.

Essas iniciativas devem ser apoiadas pelo Conselho Nacional de Saúde, Mesa Nacional de Negociação Permanente do SUS, Coordenação Geral de Recursos Humanos do Ministério da Saúde e a Secretaria de Relações do Trabalho, do Ministério do Planejamento.

A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Seguridade Social – CNTSS/CUT, sempre manifestou preocupação e esteve à frente das principais mobilizaçoes, articulações e negociações, no afã de melhorar a situação desse trabalhadores.

Faz-se necessário, contudo, para dar mais suporte a esta estratégia nacional, por parte da CNTSS, a mais perfeita articulação e mobilização dos sindicatos desses servidores para que, a curto e médio prazo, a situação funcional, salarial e profissional desses servidores seja definitivamente resolvida.

Eles merecem. Não se pode dar as costas a quem tanto fez e continua fazendo pelo SUS.

*Irineu Messias, é dirigente licenciado do SINDSPREV de Pernambuco.Foi presidente da Confederação Nacional Trabalhadores em Seguridade Social – CNTSS/CUT.(2004-2007).
***
Fonte:http://cntsscut.org.br/pagina.asp?pagina=noticia&acao=lerNoticia&id=3653

Clóvis Rossi acusa ‘petistas’ de apoiar concentração da mídia

19.07.2011
Do BLOG DA CIDADANIA
Por Eduardo Guimarães

A Folha de São Paulo passou a publicar “pornografia”. É literalmente indecente um artigo de um de seus principais pistoleiros publicado hoje (19/07) naquele antro de libidinagem intelectual. Se você não leu, tem que ler. Por penoso que seja ver um homem daquela idade se degradar tanto moralmente, o texto mostra a que ponto chegou essa gente.
Acredite quem quiser: ele escreveu um texto bradando contra a concentração da propriedade de meios de comunicação. Escreveu todos os argumentos que vimos escrevendo na blogosfera dia após dia, semana após semana, mês após mês, ano após ano. E colocou a culpa pela propriedade cruzada de meios de comunicação sabe em quem? No PT!
Leia e chore. Em seguida, um comentário final.
—–
FOLHA DE SÃO PAULO
19 de julho de 2011
Murdoch ou quando “Deus” fica nu
Clóvis Rossi
ED MILIBAND, líder do Partido Trabalhista britânico, tocou a tecla certa, em entrevista domingo ao “The Observer”: considerou “perigosa” a concentração da propriedade de meios de comunicação em poucas mãos, em alusão a Rupert Murdoch, o dono do império midiático hoje no centro de um imenso escândalo.
“Temos que ver o que fazer quando ocorrem casos em que uma pessoa controla mais de 20% do mercado de mídia”, disse Miliband durante a entrevista.
Bingo. Vale para o Reino Unido, vale para o Brasil, vale para o mundo. Aqui, tem sido “pouco saudável”, por exemplo, o domínio da família Magalhães sobre o principal jornal, a principal rádio e a retransmissora da Rede Globo na Bahia.
Diga-se o mesmo a respeito da família Sarney no Maranhão, bem como de outras famílias políticas em outros Estados, graças à farra de concessões de rádio e TV a políticos, tema de recente reportagem desta Folha.
É curioso que os petistas furibundos fizeram inúmeras tentativas de aprovar legislação sobre “controle da mídia”, mas que não tocavam no ponto chave que é a propriedade cruzada de meios de comunicação – capítulo que os Estados Unidos resolveram razoavelmente bem.
Controlar a mídia é tarefa do leitor/ouvinte/telespectador. Eu tenho horror ao sensacionalismo, mas sei muito bem que meu gosto é minoritário, no Brasil como no Reino Unido ou qualquer outro país.
Rupert Murdoch não tinha 2,7 milhões de capangas armados de metralhadoras para forçar os ingleses a esgotar a tiragem do “News of the World”.
Aliás, a propósito, vale reproduzir com uma ponta de orgulho corporativo a frase de Timothy Garton Ash, um dos intelectuais mais na moda na Europa, em seu artigo de ontem para “El País”: “O melhor jornalismo britânico pôs a nu o pior”, em alusão à incessante campanha do jornal”Guardian” para expor as indecências do “NoW”.
Pois é, deixado livre, o melhor jornalismo acaba se impondo, por muito que demore.
Se controle da mídia é função do público, o da concentração excessiva é, aí sim, tarefa da legislação.
Ainda mais se a concentração fica nas mãos de alguém sem escrúpulos, que acaba impondo o reino do medo, que paralisa o mundo político.
É o caso de Rupert Murdoch, assim retratado ontem, no “Guardian”, pelo colunista Charlie Brooker:”Poucas semanas atrás, Murdoch, ou, mais exatamente, as tendências mais selvagens da imprensa, representavam Deus. (…) Você nunca deve irritar Deus. Deus carrega imenso poder. Deus pode escutar tudo o que você diz. Você deve reverenciar Deus, e agradá-lo, ou Deus vai destrui-lo”.
Agora que “Deus” Murdoch está caindo em desgraça, o temor e as reverências deram lugar à constatações que deveriam ser óbvias há muito tempo, como a que fez Ed Miliband. E os “políticos britânicos fazem fila para denunciar Murdoch”, como completa Brooker.
O próprio “Guardian”, aliás, com o gostinho da vitória ainda fresco, pede a cabeça do primeiro-ministro David Cameron, por ter empregado Andy Coulson, ex-editor do “NoW”, como seu assessor de imprensa -típica atitude de quem queria comprar as graças de “Deus”.
—–
Sim, isso foi publicado no jornal que estampou, em sua primeira página, uma ficha policial falsa da hoje presidente Dilma Rousseff e que divulgou acusação ao ex-presidente Lula de ser um maníaco sexual.
Por que será que esse velhaco não citou a Globo, da família Marinho, pela maior concentração de propriedade de meios de comunicação em todo o mundo? Ou o próprio grupo Folha, detentor de uma quantidade imoral de jornais e do maior portal de internet do país, um “grupo” que, em qualquer país civilizado, não poderia existir.
Ele acusa “petistas furibundos” de não pregarem o fim da concentração de meios de comunicação. Se tivesse saído de seu escritório com ar condicionado e ido cobrir a Conferência Nacional de Comunicação, em 2009, não teria ouvido falar de outra coisa. Inclusive, teria lido esse pleito antigo no documento final da Confecom.
Rossi mente descaradamente dizendo que “petistas furibundos” pregam controle dos meios de comunicação em vez de veto à propriedade cruzada, quando qualquer um que já tenha lido o que se pede dia sim, outro também em espaços como este sabe que é a democratização da comunicação, ou seja, o fim da propriedade cruzada.
Há quanto tempo você vê a blogosfera se esfalfar pedindo o fim da concentração de meios de comunicação? Como lidar com gente assim? Com luvas de pelica? Será que este governo não tem ninguém com um mísero traço de coragem para dar uma resposta à altura a esse velhaco? Até quando este país será esbofeteado dessa forma?

*****
Fonte:http://www.blogcidadania.com.br/2011/07/clovis-rossi-acusa-%E2%80%98petistas%E2%80%99-de-apoiar-concentracao-da-midia-2/