Pesquisar este blog

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Euler Conrado: O arrocho salarial dos professores de Minas

10.06.2011
Do blog de Luiz Carlos Azenha,07.06.11
Por Euler Conrado, em comentário neste post

Caro Azenha, a situação de descaso com a Educação se repete em todos os estados e municípios do Brasil, com a omissão também do governo federal.

Em Minas Gerais, por exemplo, nos oito anos de gestão Aécio-Anastasia os educadores sofreram várias perdas, além de um enorme achatamento salarial. Em 2003, o governo mineiro cortou dos servidores novatos as gratificações como quinquênios (10% sobre o vencimento básico a cada cinco anos) e biênios (5% a cada dois anos, para os professores) e manteve os vencimentos básicos arrochados. Um professor com curso superior recebia, até 2010, um vencimento básico de R$ 550,00. E um professor com curso médio recebia de vencimento básico apenas R$ 369,00 – menos, portanto, que um salário mínimo.

Para escapar da Lei do Piso – aprovada em 2008 e suspensa pela ADI 4167 impetrada em seguida por cinco desgovernadores (SC, PR, RS, MS e CE), mas que foi finalmente considerada constitucional no dia 06 de abril deste ano pelo STF – o governo de Minas criou a Lei do Subsídio.

Esta lei incorporou todas as gratificações e vantagens adquiridas pela categoria ao vencimento básico, transformando-o em parcela única. Além disso, com esta lei o governo impôs uma redução dos percentuais de mudança de níveis. Por exemplo, um professor com curso médio quando fazia a graduação tinha direito, após cinco anos, a uma promoção de 22% sobre o vencimento básico. A Lei do subsídio reduziu este percentual para 10% apenas.

Além disso, a famigerada lei do subsídio confiscou o tempo de serviço de todos os servidores da Educação que foram (fomos) posicionados no grau inicial da carreira (grau A). Assim, quem ingressar hoje na carreira receberá o mesmo salário de quem já estava há mais de uma década no estado.

Isso constitui uma grosseira falta de respeito do governo mineiro para com os educadores, que já aprovaram (aprovamos) greve geral por tempo indeterminado, com início previsto para o dia 08 de junho. Neste mesmo dia, as polícias civil e militar e os bombeiros devem realizar manifestação de protesto contra essa realidade de confisco salarial praticada pelo governo mineiro.

Minas está entre os três estados mais ricos da federação, e cresce em proporções chinesas, segundo próprio governo. Mas, para onde vai este dinheiro? Seguramente, para as empreiteiras, banqueiros e grandes empresários e agentes da alta cúpula dos poderes constituídos, e não para a valorização dos servidores da Educação, da Saúde, da segurança, etc.

Infelizmente, o governo federal também dá a sua contribuição neste descaso geral com a dramática realidade dos educadores do Brasil. Primeiro, porque não realiza um reajuste digno para o piso salarial, hoje em apenas R$ 1.187,00 para uma jornada de 40 horas para o professor com ensino médio. Segundo, porque sequer obriga os governos estaduais e municipais a pagarem o piso do magistério, como manda a Lei Federal que o criou (Lei 11.738/2008). Esta lei prevê, inclusive, que os estados e municípios que não disponham de recursos em caixa para pagar os educadores poderão solicitar ajuda da União, desde que provem que não podem pagar.

Os estados e municípios, como usam mal os recursos da Educação (25% da receita, incluindo o FUNDEB), não podem provar que não podem pagar e por isso enrolam os educadores com mil artifícios. O governo federal, por sua vez, ao invés de exigir tal pagamento, faz vista grossa, pois sabe que uma fatia desta despesa poderá cair no seu colo (do governo federal). Há, portanto, uma cumplicidade entre as três instâncias de poder e quem paga o pato somos nós, educadores.

Uma vergonha nacional. No Rio e em Minas Gerais, por exemplo, um professor com curso superior recebe como salário para um cargo não mais que um ou dois salários mínimos. Isso sem falar nas péssimas condições de trabalho. Que presente e que futuro podemos oferecer para os 50 milhões de crianças, jovens e adultos que frequentam o ensino público do Brasil?

Para ler sobre a greve dos professores em Santa Catarina, clique aqui.
*****
Fonte:http://www.viomundo.com.br/denuncias/euler-conrado-a-cumplicidade-dos-poderes-e-os-professores.html

Acesso a internet como direito humano

10.06.2011
Do blog de Luís Nassif
Por Nilva de SouzaDo Envolverde

A Organização das Nações Unidas (ONU) publicou, na última semana, um novo relatório sobre promoção e proteção do direito à liberdade de opinião e expressão. No documento, a instituição ressalta que desconectar as pessoas da Internet é um crime e uma violação dos direitos humanos.
Impedir o acesso à informação pela web infringe, segundo a ONU, o Artigo 19, parágrafo 3, do Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos, de 1966. De acordo com o Artigo, todo cidadão possui direito à liberdade de expressão e de acesso à informação por qualquer tipo de veículo.
O parágrafo 3 até considera a hipótese de aqueles que tiverem transgredido algum tipo de lei, envolvendo meios de comunicação, possam sofrer restrições específicas. No entanto, não totais e apenas se as transgressões colocarem em risco os direitos e reputações de outras pessoas ou a segurança nacional.
A produção do relatório, feita pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU e o siteMashable, foi motivada por novas leis aprovadas na França e na Inglaterra que excluem da Internet pessoas consideradas como infratoras de direitos autorais.
O documento também explica que outros países já bloqueiam conteúdos específicos na rede para seus cidadãos. Em alguns casos, os denominados infratores foram excluídos totalmente do acesso à Internet. Mas, para a ONU, não importa qual o crime cometido – violação de direitos autorais ou intelectuais –, todo ser humano ainda deve ter o direito de continuar com acesso à informação e à Internet.
Por meio do relatório, a ONU pede aos países que revejam suas leis contra pessoas que tiverem cometidos violações de direitos autorais ou intelectuais e as punições adotadas, para que elas não contrariem as diretrizes divulgadas no documento da organização.
Estado e Internet
Uma empresa de monitoramento da Internet identificou, na última semana, que dois terços do acesso à rede na Síria está bloqueado, segundo o site da revista Wired.
O relatório da ONU destaca que nenhum Estado pode interromper o acesso à Internet, nem mesmo em situações de crises políticas, sejam internas ou externas. A web tem sido utilizada para a livre expressão da sociedade a favor ou contra determinados assuntos.
Um fato de grande manifestação popular via web que ganhou repercussão mundial ocorreu em 2009, durante as eleições no Irã, quando o presidente Mahmud Ahmadinejad foi considerado reeleito. No período, os meios de notícias foram proibidos de trabalhar no país. Então, as denúncias de repressão aos eleitores favoráveis ao opositor Mir Hussein Mousavi e de fraude nas eleições passaram a surgir na Internet.
* Com informações do blog Oceanogeek e da Unesco.
** Publicado originalmente do Portal Aprendiz

****
Fonte:http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/acesso-a-internet-como-direito-humano

Que desenvolvimento queremos?

10.06.2011
Do blog ACERTOS DE CONTAS
Por Heitor Scalambrini Costa, para o Acerto de Contas 





No Nordeste, as referências de desenvolvimento apontam para o Sul, Sudeste. Somos induzidos a pensar que o desenvolvimento está ligado a eventos como à chegada de novas empresas que vêm aqui se instalar, a vinda de capitais de fora que para cá se dirigem atraídos por diversos fatores (recursos naturais, posição geográfica, oferta de mão de obra barata, incentivos fiscais, frouxidão na aplicação da legislação ambiental) ou ainda pela realização de grandes investimentos públicos em obras ou instalações.

Atualmente, o termo desenvolvimento é usado como um sinônimo para crescimento Mas afinal o que é crescimento? O que é desenvolvimento? Crescimento e desenvolvimento não é a mesma coisa. Crescer significa “aumentar naturalmente em tamanho pela adição de material através  e assimilação ou acréscimo”. Desenvolver-se significa “expandir ou realizar os potenciais de; trazer gradualmente a um estado mais completo, maior ou “melhor”. Quando algo cresce fica maior. Quando algo se desenvolve torna-se diferente.

O objetivo prioritário da economia dominante é o crescimento econômico, cujo critério de avaliação da medida do crescimento de um país é o PIB (Produto Interno Bruto). Quanto mais produzir, quanto mais vender, melhor é o país, melhor está sua economia. Crescimento tornou-se sinônimo de aumento da riqueza. Dizem que precisamos ter crescimento para sermos ricos o bastante para diminuirmos a pobreza.

Mas o crescimento não é suficiente. Nos Estados Unidos há evidência de que o crescimento atual os torna mais pobres, aumentando os custos mais rapidamente do que aumentando os benefícios.


Não devamos nos iludir na crença de que o crescimento é ainda possível se apenas o rotularmos de “sustentável” ou o colorirmos de “verde”.

Apenas retardaremos a transição inevitável e a tornaremos mais dolorosa. Crescimento, para que constitua base de um desenvolvimento sustentável, tem de ser socialmente regulado, com o controle da população e com a redistribuição da riqueza.

Já o conceito de desenvolvimento sustentável propõe uma maior igualdade com justiça social e econômica, e com preservação ambiental. Espera-se que a progressiva busca da igualdade force a ruptura do atual padrão de consumo e produção capitalista, visto que a perpetuação deste modelo contemporâneo não é sustentável. Pois, se caso o padrão de consumo dos países ricos fosse difundido para toda a humanidade, seria materialmente insustentável e impossível. Este padrão de consumo para existir, alcançado e propagandeado pela economia capitalista contemporânea, requer a exclusão e a profunda desigualdade entre os mais ricos e os mais pobres.

O progresso desejado não é fazer obras em detrimento de comunidades e ecossistemas. Há que mudar o paradigma do lucro para a qualidade de vida da população. Enquanto isso não ocorrer, nossas cidades continuarão a serem entupidas de carros, pois a indústria automotora paga substancial tributo ao governo, sem que seja oferecido à população transporte coletivo de qualidade.

Pernambuco é um exemplo de que estamos caminhando na contra mão de oferecer melhor qualidade de vida ao seu povo. A opção adotada pelo atual governo, o chamado “crescimento predatório”, utiliza argumentos do século passado de que o “novo ciclo de desenvolvimento (?)” é a “redenção econômica do Estado (?)” exigindo assim “sacrifício ambiental”.

A mais nova investida contra a natureza é a implantação do Estaleiro Construcap S.A. Para a implantação desta planta naval, que ira ocupar 40 ha, a Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH) concedeu a licença de instalação autorizando a supressão de 28 ha de mangue (berçário natural de centenas de espécies) na ilha de Tatuoca.  Sendo que as atividades típicas desse tipo de empreendimento poluem em todas as suas formas, e a mão de obra necessária não é na sua grande maioria, oriunda da comunidade, e seu entorno, com vêm falando os interessados e o governador.

Em meio a posições conservadoras e atrasadas frente os desafios atuais, os atuais dirigentes e gestores públicos do Estado, buscam justificar o crescimento a qualquer custo, se utilizando do oportunismo político e uma má fé inquestionável. O discurso do desenvolvimento econômico nada mais é do que a negação dos direitos fundamentais da pessoa, do meio ambiente e da natureza. Contra esta visão devemos sim estar alertas, principalmente para aqueles que se auto denominam de “novo”, e que dizem que estão trilhando “novos caminhos”. Na verdade são meros representantes do antigo, do arcaico, do conservadorismo; e ao mesmo tempo em que desrespeitam a natureza e o meio ambiente, desmerecem a própria vida.

Logo, a estratégia escolhida ao buscarmos o desenvolvimento mais humano, precisa responder às necessidades sociais de alimentação, habitação, vestuário, trabalho, saúde, educação, transporte, cultura, lazer, segurança. Não basta fazer coleta seletiva de lixo, evitar o desperdício de água, substituir os carros a gasolina por carros elétricos. Na verdade, o que é preciso mudar, para interromper a destruição, é o tipo de desenvolvimento. Também o que não se pode perder de vista são os limites da natureza e a nossa responsabilidade em preservá-la para as gerações futuras. 
____________________ 
Heitor Scalambrini Costa é professor associado da Universidade Federal
de Pernambuco (UFPE), graduado em Física pela Universidade Estadual de
Campinas (UNICAMP/SP), Mestrado em Ciências e Tecnologias Nucleares na
Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e Doutorado em Energética,
na Universidade de Marselha/Comissariado de Energia Atômica
(CEA)-França.  E-mail: 
hscosta@ufpe.br

****
Fonte:http://acertodecontas.blog.br/artigos/que-desenvolvimento-queremos/

Ativista do Irã que desafiou Dilma é patrocinada por EUA e Israel

10.06.2011
Do blog ONIPRESENTE

De passagem por Brasília, a ativista iraniana e Nobel da Paz (2003) Shirin Ebadi, de 63 anos, fracassou em seu intento de obrigar a presidente Dilma Rousseff a recebê-la. Irritada, recusou ser recebida no Palácio do Planalto por Marco Aurélio Garcia, assessor especial da Presidência para assuntos internacionais.

Flavio Rassekh, coordenador da visita de Ebadi no Brasil, afirmou que a ativista “veio a Brasília para encontrar Dilma Rousseff e se sentiu muito mal com a recusa”. Só não explicou por que uma estrangeira deve pautar a agenda da presidnete República, que raramente inclui reuniões com personalidades que não sejam chefes de Estado e de governo.

Ebadi chegou ao Brasil no meio da semana com declarações desafiadoras ao governo brasileiro e afirmações nada diplomáticas. “Ela me receberá se for defensora dos direitos humanos”, declarou, em tom ameaçador — e inútil — contra Dilma.

Direitista convicta, ex-colaboradora do governo do xá Reza Palhevi, do Irã, Sharin Ebade, é hoje a principal porta voz dos grupos mais conservadores com atuação em todo o mundo, apoiados principalmente pelos governos dos Estados Unidos e Israel. Sua atuação é repudiada por outros dissidentes iranianos, como o jornalista Ali Mechem Derkay, residente em Paris e membro de um grupo que não aceita a interferência dos Estados Unidos nem de Israel nos negócios do Irã

Além de não falar pela comunidade iraniana de oposição, Ebade é desqualificada para tal ação devido justamente a suas ligações com os governos imperialistas e por sempre viajar protegida por agentes da CIA e do Mossad. Sajjad Saharhiz, também jornalista iraniano independente, muito respeitado nos meios políticos internacionais, escreveu um artigo especificamente sobre a viagem de Ebade ao Brasil. Não faltam críticas à ativista.

Sajjad Saharhiz lembra que, no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o Brasil mostrou altivez e soberania ao “apoiar o pacífico programa nuclear do Irã, baseado nos princípios de justiça e independência”. Segundo o jornalista, o Brasil também “fez esforços para tentar resolver a disputa sobre o programa nuclear iraniano de forma pacífica, o que resultou na Declaração de Teerã”.

O que Sharin Ebade deseja — diz o artigo é “enfraquecer a forte posição adotada pelo Brasil em relação ao programa nuclear iraniano. Talvez a missão dada a ela pelos seus senhores ocidentais seja pressionar o Irã acerca de seu programa nuclear com alegações de violação de direitos humanos. (...) Utilizando sua fama de ganhadora do prêmio Nobel e seguindo sua missão especial, ela tentará convencer as autoridades brasileiras a se distanciarem do Irã”.

Saharhiz lembra que a ativista, “tão leal à sua missão”, chegou a chamar Lula de “traidor”, apesar de o ex-presidente “ser extremamente popular e respeitado pelo povo brasileiro e por tantas outras nações, e embora suas políticas tenham feito do Brasil um país avançado”. O jornalista indaga: “Por que uma figura independente e popular como Lula, que fez grandes esforços para aumentar o desenvolvimento e prosperidade em seu país e em outros países do Sul, deveria ser atacada por uma pessoa tendenciosa como Shirin Ebade?”.


www.vermelho.org.br, com Mídia Latina
******
Fonte:http://blogdoonipresente.blogspot.com/2011/06/ativista-do-ira-que-desafiou-dilma-e.html

Câmara rejeita moção dos TUCANOS contra a presidente Dilma Rousseff

10.06.2011
Do blog ONIPRESENTE

Os tucanos não se emendam em seu reacionarismo e entreguismo. Em seu afã de prestar serviços ao imperialismo tentaram aprovar na Câmara dos Deputados moção contra a presidente Dilma, numa provocação para indispor o Brasil com o Irã. Foram fragorosamente derrotados

A Câmara dos Deputados rejeitou por 293 votos contra 60 e 8 abstenções, o requerimento do PSDB que propunha a aprovação de moção de repúdio à presidente Dilma Rousseff por não ter recebido em audiência Shirin Ebadi, Prêmio Nobel da Paz e advogada iraniana de direitos humanos, em visita ao Brasil.

O líder do governo, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), argumentou que a presidente não dispunha de agenda para receber Shirin Ebadi, uma vez que ela é marcada com antecedência e muito concorrida. Todos os líderes dos partidos da base governista recomendaram a rejeição do requerimento, que foi apresentado pelo líder tucano, deputado Duarte Nogueira (SP).
*****
Fonte:http://blogdoonipresente.blogspot.com/2011/06/camara-rejeita-mocao-dos-tucanos-contra.html

Aeroportuários ameaçam greve contra privatização de aeroportos

10.06.2011
Do blog de Rodrigo Vianna
Por Juliana Sada

A ameaça de privatização dos Aeroportos de Guarulhos, Campinas e Brasília mobilizou o Sindicato Nacional dos Aeroportuários (Sina) a realizar assembleias nestas unidades, nos dias 7, 8 e 9. Em todas, os trabalhadores sinalizaram entrar em greve, caso o governo federal siga com a iniciativa de privatização. Também foi discutido o aumento do piso salarial, a revisão do Plano de Carreira e melhoria nas condições de trabalho da categoria.

O filé e o osso


De acordo com o Sindicato, entre essas unidades estão as que apresentaram os melhores resultados econômicos entre as 67 administradas pela Infraero. Em 2008, Guarulhos teve R$ 340,7 milhões e Campinas, R$ 108,3 milhões. A maioria dos demais aeroportos tem resultados insuficientes para remunerar o capital que seria investido pela iniciativa privada.

A Federação Nacional dos Trabalhadores na Aviação Civil (Fentac) também já se manifestou contrária à privatização. De acordo com seu presidente, Celso Klafke, o governo tem condições e dinheiro para seguir administrando esses aeroportos que são “muito rentáveis”. Ele criticou o modelo de privatização proposto pela Agência Nacional de Aviação Civil pois o Estado ficaria com as unidades não-rentáveis: “privatiza o filé e estatiza o osso?”.

Entidades cobram Governo

Klafke endureceu a crítica ao lembrar do período eleitoral: “Um dos grandes discursos nas eleições foi, mais uma vez, a questão das privatizações, a diferença entre a posição do governo que aí está e da oposição, que defendia claramente a privatização. Para nós é dolorido fazer essa discussão, mas temos que fazer e vamos discutir (…) Para isso teria sido legal ter elegido o Serra, com todo respeito, porque isso a gente sabe que o Serra ia fazer”.

Tanto o Sina quanto a Fentac são filiados à CUT. O presidente da Central, Artur Henrique, já se declarou contra a privatização: “privatizar o que já está pronto, e dando lucro, é crime”. De acordo com ele, a diretoria da entidade se reunirá em breve para tirar um posicionamento em relação à questão.
*****
Fonte:http://www.rodrigovianna.com.br/plenos-poderes/aeroportuarios-ameacam-greve-contra-privatizacao.html

Governo Dilma: não basta ser mulher

10.06.2011
Do blog BALAIO DO KOTSCHO
Por Ricardo Kotscho


dilma miriam ideli 450 Governo Dilma: não basta ser mulher
Dilma e as ministras Miriam Belchior e Ideli Salvatt
Após acertar na mosca com sua solitária decisão de convocar a senadora Gleisi Hoffmann para chefiar a Casa Civil no lugar de Antonio Palocci, a presidente Dilma Rousseff está bem perto de cometer enorme erro se for confirmada a substituição do "garçom" Luiz Sérgio pelo "fio desencapado" da ex-senadora Ideli Salvatti, atual ministra da Pesca, na articulação política do governo.
Ou Salvatti estava no ministério errado ou agora está indo para o ministério errado. Pesca e
Relações Institucionais, como sabemos, não são exatamente a mesma coisa.
Por várias razões, seria um desastre esta escolha. Se Luiz Sérgio só anotava os pedidos e não resolvia os problemas da freguesia, Ideli pode mais criar do que resolver pendências na articulação política.
Assim que foi anunciado o nome de Gleisi, houve uma quase unanimidade nos elogios à presidente Dilma, ao contrário do que está acontecendo agora. Ninguém gostou da idéia. O PT até parou de brigar com o PT e se uniu ao PMDB na desaprovação do nome.
Dilma conseguiu, ao mesmo tempo, desagradar o PMDB do Senado, onde ela ficou marcada por sua atuação de pit-bull na defesa do governo durante a crise do mensalão, e o PT da Câmara, por onde nunca passou e não tem qualquer apoio.
Para colocar uma pessoa da sua irrestrita confiança na Casa Civil, Dilma não precisava mesmo ouvir ninguém e deu uma demonstração de autoridade política, que para muitos representou o verdadeiro início do seu governo.
Desta vez, porém, como se trata de dar um rumo à destrambelhada coordenação política do governo, a presidente deveria, sim, conversar com os líderes dos partidos políticos, os principais interessados em manter um bom canal de diálogo com o governo.
Tudo bem, não tenho nada contra abrir mais espaço para as mulheres no governo, mas também não precisava exagerar. Não basta ser mulher. A questão não deveria ser de gênero, mas apenas de competência e afinidade com o cargo para o qual se escolhe alguém.
Já tivemos diferentes predominâncias de perfis nos governos pós-1964, todos eles majoritariamente masculinos: na ditadura, militares, tecnocratas e políticos conservadores; com Sarney, subiram os chamados políticos profissionais, preponderantes também nos governos Collor, Itamar e FHC, que incorporou ainda os doutores da academia; com Lula, ficou a mesma turma e vieram também os sindicalistas; agora, com Dilma, a cara do governo está cada vez mais feminina.
Com a bela Gleisi Hoffman, dona de formação e personalidade próprias para o cargo de gerente do governo, Dilma deu até uma melhorada estética no seu ministério.
Sei que não será fácil encontrar alguém para o posto vital de articulador político, que na segunda metade do seu governo foi exercido pelo próprio presidente Lula.
Não seria bom para o governo Dilma, porém, se a presidente fizesse mais uma escolha sem ouvir ninguém só para mostrar quem manda. Quem de fato manda não precisa provar isto.
O colega Heródoto Barbeiro até me perguntou no "Jornal da Record News" na noite de quinta-feira (9) que nome eu indicaria, e fiquei sem resposta.
Além de Ideli, nenhum dos nomes cogitados durante a semana - Vacarezza, Paulo Teixeira, Arlindo Chinaglia, todos do PT paulista, e Pepe Vargas, do PT gaúcho -  chegou a causar grande entusiasmo na arquibancada.
Ao voltar do trabalho, lembrei-me de uma longa conversa com a então candidata Dilma Rousseff durante um almoço aqui em casa, no começo do ano passado, quando ela estava encontrando dificuldades para montar sua equipe de campanha. "Bons quadros estão em falta, meu caro", lembro-me de ela ter se queixado.
O mesmo dilema, em muito maior proporção, Dilma deve ter enfrentado na montagem do seu ministério, e encontra agora na reforma da cozinha do Palácio do Planalto. É hora de sair da toca e conversar mais com os políticos, cara presidente, falar com mais gente fora do governo, fazer algumas concessões, distribuir agrados, sorrisos.
Não tem outro jeito. É assim que a nossa política funciona desde 1808, quando D. João VI criou o Brasil que conhecemos hoje, tão bem desnudado no livro de Laurentino Gomes. E deu no que deu.

******
Fonte:http://noticias.r7.com/blogs/ricardo-kotscho/2011/06/10/governo-dilma-nao-basta-ser-mulher/

Eduardo e Monica: como fazer uma bela ação publicitária na internet

10.06.2011
Do blog ACERTO DE CONTAS
Por Pierre Lucena



Quando abri o Twitter hoje, fiquei surpreso ao ver o título de uma das músicas do Rock BR mais populares da década de 80: Eduardo e Monica, do Legião Urbana.

Fui ver do que se tratava, e percebi que era uma ação publicitária da operadora de celular Vivo, que aparece de maneira muito discreta no fim do trailler, onde aparentemente seria um filme a ser exibido.

Mas é apenas uma criação da Agência Africa para a internet, visando o Dia dos Namorados. A ação ganhou milhares de links no dia de hoje.

Ensinaram que um pouco de criatividade e bom gosto não fazem mal a ninguém.
O filme é muito bom.
*******
Fonte:http://acertodecontas.blog.br/atualidades/eduardo-e-monica-como-fazer-uma-bela-ao-publicitria-na-internet/

STF pode garantir reajustes anuais ao funcionalismo

10.06.2011
Do BLOG DO JOSIAS DE SOUZA


Folha
O STF iniciou nesta quinta (9) o julgamento de uma ação que pode resultar na garantia de reajustes anuais para servidores federais, estaduais e municipais.

Relator do processo, o ministro Marco Aurélio Mello reconheceu odireito do funcionalismo à reposição das perdas impostas pela inflação.

Disse que a correção monetária anual dos contracheques dos servidores públicos está prevista no inciso 10o do artigo 37 da Constituição.

A despeito disso, realçou o ministro, estabeleceu-se um “círculo vicioso” nas esferas “federal, estadual e municipal”.
No dizer do ministro, os governantes mantêm “os olhos fechados” para o texto constitucional, descumprindo-o.

A ação é movida por servidores públicos de São Paulo. Está submetida, porém, ao princípio da “repercussão geral”.
Significa dizer que a decisão do Supremo valerá para todos os servidores do país, inclusive os do Poder Judiciário. Coisa de 10 milhões de pessoas.

O julgamento não foi concluído porque a ministra Cármen Lucia, primeira a se pronunciar depois da leitura do voto do relator, pediu vista dos autos.

Os servidores de São Paulo, Estado governado pelo PSDB há 16 anos, reivindicam no STF uma indenização pelos reajustes que não receberam nos últimos anos.

Marco Aurélio não se limitou a deferir o pedido. Decidiu que a indenização terá de ser paga com juros e correção monetária.

Para ele, ao sonegar ao funcionalismo a reposição dos indices de inflação, o Poder Público aufere “vantagem indevida”.

Algo que, diante do poderio do Estado, aproxima-se do “fascismo”. O ministro acrescentou:
“Não se pode adotar entendimento que implique supremacia absoluta do Estado, em conflito com o regime democrático e republicano”.

O Judiciário não tem poderes para obrigar União, Estados e municípios a conceder reajustes salariais.

Porém, o ministro fez uma distinção entre reajuste e reposição inflacionária.
“Correção monetária não é acréscimo, não é ganho, é mera reposição com o escopo de preservar o valor” do salário, disse ele.

Marco Aurélio serviu-se de emenda aprovada sob FHC para justificar a concessão do pedido feito pelos servidores do Estado governado pelo tucano Geraldo Alckmin.

Lembrou que a redação do inciso 10o do artigo 37 da Constituição, que prevê os reajustes anuais, foi fixada por uma reforma administrativa de 1998.

O ministro reproduziu trecho da justificativa enviada ao Legislativo por Clóvis Carvalho, à época o chefe da Casa Civil de Fernando Henrique Cardoso.

O auxiliar de FHC escreveu que os objetivos da reforma eram: “recuperar o respeito e a imagem do servidor público perante a sociedade; estimular o desenvolvimento profissional dos servidores e; por fim, melhorar as condições de trabalho”.

E Marco Aurélio: “Vê-se, então, que a reforma administrativa veio para melhorar as condições do servidor”. Daí a sua interpretação do texto constitucional.

O julgamento será retomado quando Cármen Lucia devolver o processo ao plenário do Supremo. Não há, por ora, data prevista.

ServiçoAqui, a íntegra do voto de Marco Aurélio Mello.


*****
Fonte:http://josiasdesouza.folha.blog.uol.com.br/arch2011-06-01_2011-06-30.html#2011_06-10_07_01_59-10045644-0

Os 5 milhões do Enem. Prazo é hoje. Cadê a crise ?

10.06.2011
Do blog CONVERSA AFIADA
Por Paulo Henrique Amorim


Termina hoje prazo para inscrição no Enem

Brasília – O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) espera para hoje (10) – último dia de prazo – um grande número de inscrições no Exame Nacional do Ensime Médio (Enem). Muitos estudantes devem acessar o site www.inep.gov.br, que suporta até 300 conexões simultâneas. O prazo se encerra às 23h59, e o processo é todo feito pela internet. Até o fim da tarde de ontem (9), o número de candidatos chegava a quase 5 milhões.

As provas serão aplicadas nos dias 23 e 24 de outubro e, para fazer o exame, é necessário o pagamento da taxa de inscrição no valor de R$ 35. Apenas alunos que cursam o 3° ano em escola pública estão isentos da taxa.

A participação no Enem é pré-requisito para os estudantes interessados em bolsas do Programa Universidade para Todos (ProUni). Quem faz a prova também pode disputar vagas em instituições públicas de ensino superior de todo o país ao se inscrever no Sistema de Seleção Unificada (Sisu).

Navalha
Pelo jeito, a Folha (*), e o Padim Pade Cerra não conseguiram desmoralizar o ENEM.
Procura-se uma crise, não é isso, Bessinha ?

Paulo Henrique Amorim




(*) Folha é um jornal que não se deve deixar a avó ler, porque publica palavrões. Além disso, Folha é aquele jornal que entrevista Daniel Dantas DEPOIS de condenado e pergunta o que ele achou da investigação; da “ditabranda”; da ficha falsa da Dilma; que veste FHC com o manto de “bom caráter”, porque, depois de 18 anos, reconheceu um filho; que matou o Tuma e depois o ressuscitou; e que é o que é,  porque o dono é o que é; nos anos militares, a Folha emprestava carros de reportagem aos torturadores.******
Fonte: http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2011/06/10/os-5-milhoes-do-enem-prazo-e-hoje-cade-a-crise/

Berlusconi, o patético, ataca o Brasil

10.06.2011
Do blog de Altamiro Borges, 09.06.11
Por Eduardo Guimarães, no Blog da Cidadania:

Em 29 de dezembro do ano passado, 48 horas antes de deixar a Presidência da República, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, como um de seus últimos atos de governo, concedeu asilo político ao ex-ativista italiano Cesare Battisti, de quem a Itália pôs a cabeça a prêmio por envolvimento nas guerrilhas daquele país nos anos 1970.

Chegou-se àquele ponto após intensa campanha da grande imprensa brasileira para que o governo Lula cedesse às exigências, ameaças e insultos que a Itália vinha fazendo ao Brasil. Cada manchete que a “nossa” mídia publicava era no sentido de mostrar que estaríamos nos desmoralizando diante do resto do mundo ao não atendermos à cosmopolita Itália.

O governo italiano e autoridades do judiciário do país europeu, além da imprensa local, estavam do mesmo lado. Falavam do Brasil como país subdesenvolvido que contrariaria os seus interesses por deficiências não só de sua cultura, mas de seu povo. Na imprensa italiana não faltaram referências racistas ao nosso país.

Isso sem falar nas ameaças. Por conta da decisão de Lula, as autoridades italianas recorreriam à Corte Internacional de Haia, promoveriam retaliações em acordos militares, votariam sistematicamente contra o Brasil nos fóruns internacionais e proibiriam a todos nós de comer pizzas e lasanhas para todo o sempre.

A grande imprensa golpista e entreguista, ao contrário da italiana, que ficou ao lado das demandas nacionais e passou a tratar o Brasil como um escravo insolente, correu para o lado dos detratores da pátria, escandalizada com a falta de “primeiro-mundismo” do governo do operário abusado que desacatara a “metrópole”.

Após alguns dias de abusos verbais e perda de controle por parte de autoridades e imprensa italianas, o premiê Silvio Berlusconi, um dos que mais “botaram pilha” nas ameaças e desqualificações ao Brasil, veio dizer que não era bem assim, que o caso Battisti não afetava, de fato, as rentáveis e desejáveis relações comerciais com o paiseco atrasado de pouco antes.

Agora, o STF enterra as reportagens da “stampa brasiliana” que previam virada da decisão de Lula no STF, com a entrega de Battisti ao seriíssimo país que deu a espetacular prova de maturidade política ao eleger o “estadista” Silvio Berlusconi, que anda tendo que explicar danças de bunga-bunga com garotas pouco mais do que adolescentes.
****
Fonte:http://altamiroborges.blogspot.com/2011/06/berlusconi-o-patetico-ataca-o-brasil.html

Escola pública de fazer inve

10.06.2011
Do DIÁRIO DE PERNAMBUCO
Por MIRELLA MARQUES
Vida Urbana

Unidade em Abreu e Lima é exemplo de excelência, segundo números do Idepe. Estado superou metas


Alunos da Escola Estadual Maria Vieira Muliterno: números impressionantes.
Imagem: MARCELO SOARES/ESP. DP/D. A PRESS
Dezesseis alunos aprovados na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), dois na Universidade de Pernambuco (UPE) e 16 no Instituto Federal de Pernambuco (IFPE). O saldo de dar inveja a muito colégio particular foi alcançado por uma escola pública. Na verdade, pela melhor escola pública do estado, segundo a Secretaria Estadual de Educação (SEE). A Escola Estadual Maria Vieira Muliterno, em Abreu e Lima, tirou a melhor nota no Índice de Desenvolvimento da Educação de Pernambuco (Idepe) referente ao ano passado. A unidade alcançou a média de 5,39, numa escala de 0 a 10, na qual a nota 6 é considerada “excelência em ensino”. Os dados completos foram divulgados ontem pelo secretário de Educação do estado, Anderson Gomes. Todas as metas de Pernambuco foram alcançadas ou superadas.

“Aqui nós fazemos avaliações de todas as nossas atividades para saber onde estamos indo bem e onde estamos precisando melhorar. Sem falar que muitos professores da escola têm especialização e alguns têm até mestrado”, explicou a diretora da escola com a maior nota no Idepe 2010, Miriam da Paz. Estudam na unidade cerca de 700 alunos do ensino médio. No último Idepe, a Maria Vieira obteve média 3,8. “Trabalhamos para melhorar esse índice. Mas não esperávamos superar a meta”, admitiu a gestora. A unidade com a segunda melhor nota foi a Escola de Referência Arnaldo Assunção, de Caruaru, com 5,34. Em terceiro lugar ficou a Escola de Referência de Bezerros, com 5,14.

A Escola de Referência Silva Jardim, no bairro do Monteiro, foi a melhor colocada do Recife, com a quinta melhor nota (4,96). As 20 primeiras escolas do ranking do Idepe fazem parte do sistema integral de ensino. Isso significa que as aulas acontecem em dois turnos: manhã e tarde. Entre os alunos do 5º ano do ensino fundamental (antiga 4ª série), a média de 4,0 foi maior que a prevista para 2011, que era de 3,9. Para o 9º ano (antiga 8ª série), o índice 3,4 está acima da meta esperada para 2013 pelo governo federal, que era de 3,3.

Já no ensino médio, a meta ficou igual à proposta para este ano, que é de 3,0. O Idepe foi criado tendo como base o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), criada pelo Ministério da Educação (MEC). Por isso, as notas dos dois índices podem ser comparadas entre si. A rede estadual tem 1.112 escolas e 839.209 alunos matriculados. Desse universo, o estudo avaliou apenas 125.043 estudantes e 931 escolas. Os alunos fizeram provas de português e matemática. Não participaram do Idepe as escolas indígenas, quilombolas e que não têm as séries avaliadas.

Bônus

Os servidores e professores que trabalham nas escolas que atingiram totalmente ou parcialmente as metas estipuladas pelo governo do estado têm direito a um bônus no salário. Na próxima semana, a SEE vai divulgar o total de educadores que ganhará o incentivo financeiro. Nas unidades que atingiram ou ultrapassaram as metas, os professores e funcionários receberão uma espécie de 14º salário. “Esses profissionais podem ganhar até mais que o salário. Como incentivo, o governo reserva todos os anos o valor de uma folha salarial completa. Quando o Idepe sai, ele contempla as escolas que melhoraram. O dinheiro guardado para aquelas escolas que não atingiram a meta é rateado com as demais unidades que mostram bom desempenho”, explicou o secretário de Educação.

 

*****
Fonte:http://www.diariodepernambuco.com.br/2011/06/10/vidaurbana8_0.asp

DIÁRIO URBANO: Moto é transporte público? Por Tânia Passos

10.06.2011
Do DIÁRIO DE PERNAMBUCO
Diário Urbano
Por Tânia Passos, interina

Moto é transporte público?

Aonde vamos parar? Quando a moto torna-se o principal veículo de transporte público das cidades do interior do estado, é difícil vislumbrar uma mobilidade urbana com qualidade e segurança. O fenômeno das mototáxis é um caminho sem volta. O poder público simplesmente lavou as mãos. Elas, de fato, cobrem um déficit gigantesco na área do transporte público. É o mesmo que acontece com as toyotas e os caminhões paus de arara, de todos os dias. Querer dar um aspecto de “legalidade” a um sistema que ninguém consegue evitar é um dos desafios dos municípios.

E a bomba ficou para eles mesmos. Com a municipalização do trânsito, cada um define o que é melhor, mesmo não sendo, nesse caso. Em Caruaru, o sistema de mototáxi já funciona há mais de uma década e a regulamentação do modelo foi levada ontem para ser votada na Câmara Municipal. É aquela história: ruim com ela, pior sem ela. Na verdade, o melhor seria investir na qualidade do transporte público. Mas talvez seja mais fácil acreditar que a moto faz aquilo que nenhum município conseguiu fazer: oferecer deslocamentos rápidos a um preço acessível. Só não se pode esquecer, que somente no Nordeste, em média 36 pessoas são internadas por dia, vítimas de acidente de moto, uma epidemia ainda invisível aos olhos das autoridades. Melhor não ver.

Estrada

Os moradores da Zona Rural de Barreiros estão com dificuldades para se deslocar até o centro da cidade. A principal estrada vicinal que liga cerca de 15 engenhos ao centro urbano está praticamente intransitável. E para piorar, os estudantes que não podem assistir aula no Centro Educacional Antenor Guimarães, que está com problemas estruturais, precisam ir para o salão paroquial no centro da cidade, mas estrada que é bom…

Caruaru

Os problemas de estacionamento nos centros urbanos é uma situação recorrente em praticamente todas as cidades. E não é diferente em Caruaru. No centro da cidade, na Praça Henrique Pinto, e na Avenida Rio Branco, há estacionamento nos dois sentidos. O resultado é um fluxo lento principalmente no mês de junho.

Quem apaga?

Alguém já se perguntou quem apaga as luzes da cidade? Na Praça do Brum, em frente ao Forte, no Bairro do Recife, passava do meio-dia de ontem e todas as luzes dos postes da praça ainda estavam acesos. Talvez tenha sido em razão do tempo ruim e um céu nublado…

Ciclofaixa

A ciclofaixa da Avenida do Forte, no bairro do Cordeiro, está recebendo pintura e recuperação do pavimento. Para quem não sabe, a Avenida do Forte ficou alagada nas chuvas de maio. A recuperação agora faz sentido, se o problema de drenagem tiver sido resolvido.

Passarela

A passarela do Aeroporto Internacional dos Guararapes, que pretende fazer ligação com a estação do metrô de Boa Viagem, até hoje não saiu do papel. Antes dela, outra passarela está prestes a ser construída. O Shopping Costa Dourada, no Cabo de Santo Agostinho, aguarda licença do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) para construir o equipamento. Bom para os pedestres que fazem a travessia pela PE-60.

Libras

Nunca é demais aprender. Quatro cursos de Libras (Língua Brasileira de Sinais), estão sendo promovidos gratuitamente pela Prefeitura do Recife no Centro de Formação de Professores Paulo Freire, na Rua Real da Torre, e no Centro Administrativo Pedagógico (CAP), na Rua Matias Teves, Ilha do Leite. Os cursos têm como público-alvo: professores de rede pública e familiares de crianças com problemas surdez.
******
Fonte:http://www.diariodepernambuco.com.br/2011/06/10/vidaurbana3_0.asp

País que elegeu Berlusconi diz que Brasil não é serio

10.06.2011
Do BLOG DA CIDADANIA, 09.06.11
Por Eduardo Guimarães

Em 29 de dezembro do ano passado, 48 horas antes de deixar a Presidência da República, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, como um de seus últimos atos de governo, concedeu asilo político ao ex-ativista italiano Cesare Battisti, de quem a Itália pôs a cabeça a prêmio por envolvimento nas guerrilhas daquele país nos anos 1970.
Chegou-se àquele ponto após intensa campanha da grande imprensa brasileira para que o governo Lula cedesse às exigências, ameaças e insultos que a Itália vinha fazendo ao Brasil. Cada manchete que a “nossa” mídia publicava era no sentido de mostrar que estaríamos nos desmoralizando diante do resto do mundo ao não atendermos à cosmopolita Itália.
O governo italiano e autoridades do judiciário do país europeu, além da imprensa local, estavam do mesmo lado. Falavam do Brasil como país subdesenvolvido que contrariaria os seus interesses por deficiências não só de sua cultura, mas de seu povo. Na imprensa italiana não faltaram referências racistas ao nosso país.
Isso sem falar nas ameaças. Por conta da decisão de Lula, as autoridades italianas recorreriam à Corte Internacional de Haia, promoveriam retaliações em acordos militares, votariam sistematicamente contra o Brasil nos fóruns internacionais e proibiriam a todos nós de comer pizzas e lasanhas para todo o sempre.
A grande imprensa golpista e entreguista, ao contrário da italiana, que ficou ao lado das demandas nacionais e passou a tratar o Brasil como um escravo insolente, correu para o lado dos detratores da pátria, escandalizada com a falta de “primeiro-mundismo” do governo do operário abusado que desacatara a “metrópole”.
Após alguns dias de abusos verbais e perda de controle por parte de autoridades e imprensa italianas, o premiê Silvio Berlusconi, um dos que mais “botaram pilha” nas ameaças e desqualificações ao Brasil, veio dizer que não era bem assim, que o caso Battisti não afetava, de fato, as rentáveis e desejáveis relações comerciais com o paiseco atrasado de pouco antes.
Agora, o STF enterra as reportagens da “stampa brasiliana” que previam virada da decisão de Lula no STF, com a entrega de Battisti ao seriíssimo país que deu a espetacular prova de maturidade política ao eleger o “estadista” Silvio Berlusconi, que anda tendo que explicar  danças de bunga-bunga com garotas pouco mais do que adolescentes.

******
Fonte:http://www.blogcidadania.com.br/2011/06/pais-que-elegeu-berlusconi-diz-que-brasil-nao-e-serio/

DENÚNCIA: Paço tenta burlar lei das vagas grátis

10.06.2011
Da FOLHA DE PERNAMBUCO

Mesmo depois de a Justiça ratificar em primeira instância a gratuidade das vagas nos estacionamentos de estabelecimentos privados no Recife, o shopping Paço Alfândega providenciou uma forma de não cumprir a Lei 17.657/2010 e continuar lucrando com clientes mensalistas. Aos clientes credenciados do estacionamento, a administração enviou, na noite da última quarta-feira, um e-mail informando que, “com o intuito de agilizar o acesso dos credenciados ao interior do edifício garagem do complexo Paço Alfândega, estamos disponibilizando um corredor de acesso através da rua Mariz e Barros (com foto explicativa no e-mail) até uma cancela exclusiva para os credenciados. Desta forma, estaremos garantindo, além da vaga já disponibilizada, um maior conforto e agilidade”.

A postura é discriminatória, segundo a presidente da Adeccon, Rosana Grinberg. “Em hipótese alguma o estabelecimento pode continuar cobrando de alguns em troca de benefícios e vantagens. Não pode haver distinção de clientes, já que o estabelecimento não possui vagas excedentes às gratuitas exigidas na solicitação da licença da prefeitura para funcionar”, explica. “A atitude é contra a lei e inconstitucional”, garante.

A indicação de Rosana Grinberg é que usuários que se sentirem prejudicados ou discriminados com o procedimento do estabelecimento devem reclamar à adminitração do local e denunciar aos órgãos de fiscalização para o cumprimento da lei. “A prefeitura deve ser comunicada da infração. Trata-se de um constrangimento ao consumidor. Além disso, a delegacia do consumidor e os órgãos de defesa do consumidor devem ser acionados”, explica.

Para os usuários mensalistas, e cabe também para quem usa cartões de recarga de créditos para acesso aos malls, a recomendação é que não renovem seus contratos, não paguem os valores cobrados de taxa mensal (R$ 300 no caso do Paço Alfândega, sem incluir sábados, domingos e feriados) e exijam a gratuidade. “Quem já investiu no estacionamento deve parar de usar o cartão para não ter créditos debitados e, posteriormente, aguardar a indicação da Justiça para reaver o dinheiro pago ou recarregado em cartões de acesso”, disse.

Para o promotor de Justiça do Consumidor, Ricardo Coelho, é clara a situação do poder da população em denunciar. “A gente conta com a ajuda da população que, além de exigir seu direito, deve denunciar qualquer situação adversa ou diferente ao cumprimento da lei”, garante. A administração do shopping informou à reportagem que não vai se pronunciar sobre o assunto.
*****
Fonte:http://www.folhape.com.br/index.php/edicao-de-hoje/643077-denuncia-paco-tenta-burlar-lei-das-vagas-gratis

Deputado mais rico do Brasil é acusado de trabalho escravo

10.06.2011
Do BLOG DE JAMILDO
Por Edson Sardinha, do site Congresso em Foco
Postado por Ana Laura Farias

O deputado João Lyra (PTB-AL) é o mais rico entre todos os 594 parlamentares, segundo informações prestadas à Justiça eleitoral. Dono de uma invejável fortuna declarada de R$ 240,39 milhões, o petebista responde a uma acusação nada lisonjeira no Supremo Tribunal Federal (STF). Ele é réu num processo por trabalho escravo, acusado de ter submetido 53 trabalhadores a condições degradantes e jornada exaustiva em uma de suas usinas de cana-de-açúcar em Alagoas.

A investigação chegou ao Supremo, onde tramitam os processos contra parlamentares, em março, pouco depois da posse do empresário como deputado. Um parecer enviado à corte no último dia 15 pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel, ratifica a denúncia aceita anteriormente pela Justiça Federal de Alagoas e abre prazo para que o deputado apresente sua defesa. O caso está nas mãos agora do ministro Marco Aurélio Mello, relator da Ação Penal 589, à qual o Congresso em Foco teve acesso. Esse tipo de crime é passível de dois a oito anos de prisão.

Um flagrante realizado entre os dias 20 e 26 de fevereiro de 2008 pelos integrantes do Grupo Móvel de Combate ao Trabalho Escravo identificou mais de 40 irregularidades trabalhistas nos canaviais e na sede da usina Laginha Agroindustrial, uma das empresas do Grupo João Lyra, no município de União dos Palmares (AL), localizado a 75 quilômetros de Maceió. Algumas das pessoas resgatadas chegavam a trabalhar seis horas extras por dia sem receber por isso, de acordo com a denúncia.

Segundo os relatos feitos pelos auditores do trabalho, o cenário encontrado na propriedade era de “violência contra a dignidade da pessoa humana”. Um contraste com a imagem de empresa compromissada com a responsabilidade social, difundida pelo grupo em sua página na internet. Na apresentação de seus negócios, o Grupo João Lyra diz que reserva R$ 17,6 milhões todos os anos para investimentos com o seu “compromisso social”. O grupo gera 17 mil empregos diretos no Brasil, 12 mil deles diretos apenas em Alagoas. Em sua página na internet, o grupo se apresenta como um dos maiores empregadores do estado.

Na defesa enviada ainda à Justiça Federal, o advogado do deputado contesta a denúncia por trabalho escravo. Ele argumenta que “não se pode confundir eventual descumprimento de norma trabalhista com trabalho escravo” e que, mesmo que fosse verdadeira a acusação, Lyra não poderia ser responsabilizado “somente por ser o representante legal da empresa e nada mais”.

Sem colchão

A precariedade das condições do local onde dormiam os 53 trabalhadores resgatados chamou a atenção dos fiscais. O alojamento estava muito sujo e exalava mau cheiro. No lugar de janelas, havia buracos de um metro acima das camas superiores dos beliches, feitos de cimento, de modo que quase nenhuma ventilação chegava aos trabalhadores. O ambiente abafado fazia com que muitos deixassem seus quartos, em plena madrugada, em busca de ar fresco.

Em vez de colchões, os trabalhadores recebiam espumas envelhecidas, sujas e rasgadas, com espessura entre cinco e dez centímetros, sem condições para higienização e repouso, segundo o relatório do Grupo Móvel, principal peça de acusação. Não eram fornecidas roupas de cama nem travesseiros.

Também não eram oferecidas instalações sanitárias nem abrigos contra intempéries nas frentes de trabalho, de acordo com a denúncia. Para se protegerem das chuvas, os trabalhadores tinham de se refugiar sob pequenos toldos de lona plástica fixados em alguns dos ônibus, que mal podiam cobrir uma dezena de pessoas.

“No lugar de instalações sanitárias, ofereciam-se aos trabalhadores arremedos compostos de choças improvisadas mediante o uso de lonas plásticas que, ironicamente, durante a inspeção, vimos o vento derrubar um deles”, contaram os auditores. “Ao vê-la no chão, vimos que não caíra somente uma pseudo instalação sanitária; fora ao chão mais do que isso: caíra a farsa, pois aos olhos de todos se apresentou um amontoado de lona ao lado de uma cadeira higiênica daquelas utilizadas por doentes em hospitais sobre o chão natural sem vaso e sem nenhuma espécie de fossa”, emendaram.

Leia íntegra aqui
*****
Fonte:http://jc3.uol.com.br/blogs/blogjamildo/canais/noticias/2011/06/10/deputado_mais_rico_do_brasil_e_acusado_de_trabalho_escravo_103356.php

Encontro de Governadores do Nordeste discute Agenda Tributária

10.06.2011
Do BLOG DA FOLHA,09.06.11
Postado por José Accioly

O Ceará é sede nesta sexta-feira (10) do Encontro de Governadores do Nordeste para a discussão e definição da proposta da Agenda Tributária da Região que será apresentada ao ministro da Fazenda, Guido Mantega. O encontro terá início às 9h30, quando o governador Cid Gomes (PSB) recepcionará os demais chefes do Executivo do Nordeste no Palácio da Abolição.

Em seguida, às 10h, a reunião será iniciada na Sala de Reuniões do Palácio da Abolição. Além dos governadores do Nordeste, os secretários da Fazenda da Região também participarão do encontro. Às 13h30, a proposta dos governadores será apresentada durante coletiva no auditório do Abolição.

Na última segunda-feira (6), os secretários da Fezenda do Nordeste se reuniram em Fortaleza, para discutir uma proposta tributária para a Região. No encontro, os secretários defenderam a proposta do destino puro, ou seja, cobrar 17% do ICMS apenas no estado de destino, já que a proposta apresentada pelo Governo Federal propõe a redução da alíquota interestadual do ICMS para 2% a partir de 2015, nas operações entre os estados.

Aliada a essa orientação, os secretários sugeriram a criação do Fundo de Desenvolvimento Regional com parcelas a serem repassadas para cobrir as eventuais perdas. As duas sugestões serão discutidas durante o Fórum de Governadores. Além delas, deverão entrar na pauta a cobrança diferencial de alíquota do ICMS nas compras feitas pela internet e o Fundo de Participação dos Estados (FPE).

Serviço:

Fórum de Governadores do Nordeste

Dia: 10/06/2011
Horário: 9h30min
Local: Palácio da Abolição
*****
Fonte:http://www.blogdafolha.com.br/index.php/materias/21205-camara-municipal-de-caruaru-aprova-pl-que-regulamenta-profissao-de-mototaxista

ENTREVISTA - DILSON PEIXOTO: "O PT só vai debater eleição na hora certa”"

10.06.2011
Do Jornal do Commércio
Política
Por Franco Benites fbenites@jc.com.br


O ano era 1988 e o PT disputava a Prefeitura do Recife com Humberto e Dilson Peixoto. Vinte e três anos depois, o PT está no poder, mas os ex-companheiros de chapa traçaram caminhos opostos. Hoje, Humberto é líder do PT no Senado. Já Dilson está no 2º escalão do governo estadual como presidente da Empresa Pernambucana de Transporte Intermunicipal (EPTI). Em entrevista ao JC, ele diz que está satisfeito com a tarefa e evita polêmica ao comentar a crítica que fez à gestão João da Costa, semana passada, na internet.


JORNAL DO COMMERCIO - Recentemente, o senhor externou pelo Facebook uma insatisfação com o trânsito do Recife. Foi uma crítica ao prefeito João da Costa (PT)?


DILSON PEIXOTO - Não foi uma crítica à gestão e sim uma crítica pontual (Dilson reclamou da demora da CTTU em retirar um caminhão quebrado no viaduto Capitão Temudo). Reclamei da ausência de iniciativa de quem estava ali. O caminhão tinha que ser retirado. Bastava afastar o gelo baiano e levar o veículo mais para o canto que o trânsito fluiria melhor.


JC - O senhor disse que ficava difícil “defender a gestão”. Recebeu algum puxão de orelha por isso?


DILSON - Ninguém me criticou ou chamou a atenção. Se alguém falou, não chegou até mim. Mas repeito: não reclamei do governo. A questão da mobilidade é um problema presente em todo o País. Resolver essa questão não depende de uma empresa municipal. Um órgão como a CTTU muitas vezes é cobrado, pois é ele que dá conta das ações na rua. Ter mais agentes nas vias ou promover a sincronização dos semáforos são medidas necessárias, mas não é isso que vai resolver a mobilidade.


JC - O candidato do PT para a Prefeitura será João da Costa novamente?


DILSON - Acho que a primazia é sempre de quem está no cargo. É assim em todo o País. Mas qualquer discussão sobre nomes agora só irá atrapalhar a gestão e o partido vai abrir a discussão no momento certo.

JC - Caso as pesquisas indiquem que o prefeito não está bem avaliado qual seria sua aposta?


DILSON - Não quero falar de nomes, trabalhar com especulação. Esse é um debate que não envolve apenas o PT, pois fazemos parte de uma frente que inclui outras legendas.

JC - No Facebook, o senhor publicou fotos da época em que disputou a Prefeitura junto a Humberto. Pensa em disputar uma eleição novamente?


DILSON - A princípio não penso. Tenho uma missão a cumprir no governo. Meu trabalho está começando e não haveria tempo hábil de conclui-lo até abril, época em que teria que deixar o governo caso quisesse me candidatar. Primeiro, farei a minha parte no governo. Depois, penso em eleição de novo. Em 2012, não.

JC - A oposição está cumprindo o seu papel corretamente?


DILSON - Esse povo não foi vocacionado para fazer oposição e muitas vezes exagera na dose. A atuação na Câmara de Vereadores muitas vezes se perde em denúncias, ficam dizendo que todo mundo é ladrão. Fui oposição e não era assim. Tem que haver debate para contribuir com a sociedade. O DEM sofreu um baque grande com a perda de André de Paula.

JC - Se ele lhe convidar para o PSD o senhor vai?


DILSON - Estou muito bem no PT. Gosto muito de Andrezinho, sou amigo dele, mas meu lugar é no PT.

JC - Como está o seu trabalho no governo?


DILSON - O trabalho ainda não começou para valer. Estou conhecendo outros sistemas, mas vamos dar um salto grande no transporte no interior do Estado. Estou superbem no governo e em sintonia com o governador Eduardo Campos (PSB).

JC - O senhor e Humberto foram companheiros de chapa. Como avalia a atuação dele no Senado?


DILSON - Humberto foi competente por onde passou. No Senado, só tem feras, mas ele está fazendo um excelente trabalho. Não é surpresa. Com a experiëncia de vida, a gente vai errando menos. É um orgulho para mim e para o PT estadual ver Humberto ter o trabalho reconhecido.

JC - E o trabalho do deputado federal João Paulo?


DILSON - Acompanho também. Tenho conversado bastante com João. Na Câmara é mais difícil se destacar, porque são 513 parlamentares, você está no meio de uma multidão.
****
Fonte:http://digital.jc.com.br/