sábado, 4 de junho de 2011

Sindsprev.PE: Eleições 2011, entrevista com José Bonifácio, Coordenador Geral

04.06.2011
Do site do SINDSPREV.PE
Postado por Edumundo Ribeiro


Em entrevista à TV Sindsprev, o coordenador José Bonifácio fala da importância da participação dos filiados nas eleições do sindicato.

E.

*****
Fonte:http://sindsprev.org.br/index.php?categoria=noticias_principais_01&codigo_noticia=0000001938&cat=noticias

Bin Laden morreu em 2001. O 11/9 foi serviço interno

04.06.2011
Do blog TUDO EM CIMA, 18.05.11
por Paul Joseph Watson, “False Flag Attack Theory”, Prisonplanet


O Dr. Steve R. Pieczenik[1] não pode ser acusado de servir a alguma “teoria conspiratória”. Foi assistente do Secretário de Estado de três presidentes (Nixon, Ford e Carter), trabalhou para os governos de Reagan e Bush pai, e ainda é consultor do Departamento de Defesa. Ex-capitão da Marinha dos EUA, Pieczenik recebeu duas vezes o prestigioso prêmio Harry C. Solomon da Escola de Medicina de Harvard, ao tempo em que completava seu doutoramento no MIT.

Recrutado por Lawrence Eagleburger para trabalhar como assistente do secretário de Estado para Assuntos de Administração, Pieczenik desenvolveu “os princípios básicos da guerra psicológica e do contraterrorismo, além de estratégicas e táticas para negociações transculturais para o Departamento de Estado, comunidades militares e de inteligência e outras agências do governo dos EUA”, ao mesmo tempo em que desenvolvia os primeiros fundamentos teóricos das estratégias para resgatar reféns, que são hoje itens de manuais usados em todo o mundo.

Pieczenik foi técnico sênior de planejamento de políticas públicas de Henry Kissinger, Cyrus Vance, George Schultz e James Baker e trabalhou na campanha eleitoral de George W. Bush contra Al Gore. É conhecido por ser dos nomes mais profundamente conectados com os círculos de inteligência nos EUA há mais de três décadas. (O agente Jack Ryan, personagem de vários romances de Tom Clancy, representado por Harrison Ford no filme “Jogos Patrióticos”, de 1992, foi inspirado na vida de Steve Pieczenik.)

Em abril de 2002, há mais de nove anos, Pieczenik disse, em entrevista ao programa Alex Jones Show[2] que Bin Laden “morreu há vários meses” e que o governo esperava ocasião mais politicamente importante para apresentar o cadáver. O depoimento de Pieczenik foi considerado verdadeiro, porque conhecia bin Laden pessoalmente, desde quando trabalhou em íntima associação com ele, na guerra contra os soviéticos no Afeganistão, no início dos anos 1980, quando bin Laden era aliado dos EUA.

Pieczenik disse, naquela ocasião, que Osama Bin Laden morrera em 2001, “Não por ação de forças especiais, mas de uma doença chamada Síndrome de Marfan, como sabem todos os médicos da CIA que trataram dele e todo o setor de inteligência que sempre soube de tudo isso”. Disse também que o governo dos EUA já sabia que bin Laden estava morto, desde bem antes de o país invadir o Afeganistão. A Síndrome de Marfan é doença genética degenerativa incurável, que encurta consideravelmente a expectativa de vida dos doentes.

“Morreu da Síndrome de Marfan. Bush Filho sabia disso, toda a comunidade de inteligência sempre soube”, disse Pieczenik, que lembrou também que vários médicos da CIA visitaram Bin Laden em julho de 2001 no Hospital Americano em Dubai.

“A Síndrome estava evoluindo e ele estava morrendo. Evidentemente ninguém o matou,” acrescentou Pieczenik. Disse também que Bin Laden morreu pouco depois do 11/9, no complexo onde vivia em Tora Bora.

“Se a pergunta é se a comunidade de inteligência e os médicos da CIA sabiam de tudo isso, a resposta é sim, categoricamente sim” disse Pieczenik, ao comentar as notícias de que bin Laden teria sido morto no Paquistão. “Aquela cena em que se veem várias pessoas olhando para uma tela de televisão, como se estivessem assistindo a cenas impressionantes, é completa loucura” – disse ele, sobre as imagens divulgadas pela Casa Branca, nas quais Biden, Obama e Hillary Clinton estariam assistindo ao assassinato de Bin Laden ao vivo, pela televisão.

“É total encenação, tudo encenado, vivemos hoje o teatro norte-americano do absurdo. Por que fazer tudo isso outra vez, nove anos depois de o homem ter morrido... Por que o governo dos EUA insiste sempre em mentir aos norte-americanos?”, pergunta Pieczenik.

“Osama Bin Laden está completamente morto há anos. Não há como acreditar que alguém atacou uma casa, que encontraram resistência e que, na troca de tiros, Osama Bin laden foi morto”. E concluiu, com ironia: “Só se as forças especiais atacaram um necrotério.”

Para Pieczenik, decidiu-se que agora seria boa hora para divulgar a morte de bin Laden, porque Obama alcançara o ponto mais baixo nas pesquisas de popularidade, continuava a cair e logo alcançaria um ponto tão baixo, que seria praticamente impossível recuperar-se.

“As coisas chegaram a tal ponto que Obama teve de provar que é mais do que apenas cidadão norte-americano. Os especialistas em Relações Públicas que já trabalham na campanha eleitoral devem ter decidido que, para recuperar popularidade, Obama, além de provar que é americano, teria de provar também que é agressivo”, diz Pieczenik. “E a farsa foi também um modo de isolar o Paquistão, como retaliação por o governo não estar reprimindo a oposição crescente no país contra o programa dos assassinatos seletivos, com os aviões-robôs pilotados à distância, os drones norte-americanos, que têm matado centenas de civis paquistaneses.[3]

“Foi tudo planejado, quero dizer, tudo foi encenado. O que se viu foi gente reunida olhando para uma tela em que não se sabe o que estava sendo mostrado, no centro de operações da Casa Branca; e, depois, o presidente, falando como zumbi, para dizer que acabavam de matar alguém que já está morto há nove anos”. Para Pieczenik, “jamais ouvi falar de mais absoluta falsificação. Tudo é absurdo.”

“O modo como o governo dos EUA está apresentando aos cidadãos o assassinato de bin Laden é uma piada doentia”. E Pieczenik continua: “Querem tão desesperadamente viabilizar o segundo mandato de Obama, precisam tanto torná-lo impermeável aos ataques que virão durante a campanha, que armaram essa encenação, para apresentar Obama como ‘firme e assertivo’, como líder capaz de tomar decisões, como ‘presidente de guerra’ e para, de fato, enganar os EUA mais uma vez.”

O que Pieczenik diz sobre Bin Laden estar morto há muitos anos começa a ser confirmado por vários agentes dos setores de inteligência e por autoridades em todo o planeta[4].

Para Pieczenik, Bin Laden “foi usado, exatamente como usaram o 11/9 para mobilizar as emoções e sentimentos dos norte-americanos, para que aceitassem ir a uma guerra que o país só aceitaria se fosse completamente envolvido na narrativa que Bush Filho e Dick Cheney criaram sobre o mundo do terrorismo.”

Ontem, na entrevista ao programa Alex Jones Show, Pieczenik disse que ouviu diretamente de um importante general que o 11/9 foi “serviço interno”. Disse também que, se for ouvido em tribunal legal, revelará o nome desse general. “Mas há outros envolvidos naquela ação e esses são do conhecimento de todos: além de Dick Cheney, Paul Wolfowitz, Stephen Hadley, Elliott Abrams e Condoleezza Rice estão todos diretamente envolvidos”.

“Foi um plano, um plano construído e executado aqui, para mobilizar o povo norte-americano. Ouvi isso, exatamente, de um general da equipe de Wolfowitz. Se for convocado por uma comissão federal de inquérito, revelarei esse nome, que é a chave para investigar toda a ação”. E continuou: “No Colégio Nacional de Guerra, eu ensinei a planejar e executar ações secretas, com vistas a alterar tendências de opinião pública. Ensinei a fazer, durante anos. Sei, portanto, o que foi feito e como foi feito. Depois fiquei sabendo também quem fez.”

Pieczenik repetiu que revelará o nome do general que lhe disse que o 11/9 foi serviço interno, em tribunal federal. “É o único modo legal admissível, para provar que o 11/9 foi serviço interno. A Comissão que deveria ter investigado o 11/9 nada investigou. Mais um absurdo.”

Pieczenik disse ainda que não é de esquerda, nem liberal, nem conservador nem simpatizante do Tea Party. Que é apenas um cidadão norte-americano profundamente preocupado com a direção em que os EUA estão andando.

NOTAS






***
Fonte:http://tudo-em-cima.blogspot.com/2011/05/bin-laden-morreu-em-2001-o-119-foi.html

Pessedistas acreditam que poderão estar entre as maiores bancadas da Câmara e do Senado

04.06.2011
Do DIÁRIO DE PERNAMBUCO

PSD quer entrar no "top five" 


Nancy Andrighi adverte: siglas não são "trampolins". Imagem: KLÉBER LIMA/CB/D.A PRESS
A Justiça apertou o cinto para a criação do PSD, mas abriu uma brecha que pode turbinar as adesões ao futuro partido. Ao responder a consulta do deputado federal Guilherme Campos (DEM-SP), o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) esticou a janela para que os políticos filiem-se à legenda sem perder o mandato. De acordo com os ministros, parlamentares poderão migrar para a nova sigla até um mês depois que o estatuto for registrado oficialmente na Corte — a previsão é que isso ocorra no fim de julho ou início de agosto. Com o prazo estendido, a previsão dos pessedistas, segundo Campos, é de que a legenda se aproxime do posto de terceira bancada da Câmara dos Deputados e quinta do Senado.

Desde que anunciou a criação do partido, em abril, o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), rodou 14 estados para articular a organização da legenda e comandar o processo de recolhimento de assinaturas — serão necessárias 500 mil para a fundação do PSD. Inicialmente, o partido teria 32 deputados federais, dois senadores e um governador. Todos assinaram oficialmente a ata de fundação. Depois, dezenas de outros políticos anunciaram a intenção de se filiar. O problema para angariar novas adesões, no entanto, estava exatamente na lacuna sobre a janela de filiação sem perda de mandato. Para alguns, ela duraria apenas o dia do recolhimento de assinaturas. Se prevalecesse essa interpretação, deputados e senadores que aderissem depois de 13 de abril perderiam os mandatos.

Como a Justiça decidiu que a janela será de até 30 dias depois da fundação oficial, o PSD planeja reunir cerca de 50 deputados federais e cinco senadores. Dois governadores estão confirmados. Na próxima semana, o PSD pretende divulgar a lista atualizada com os futuros integrantes.

A relatora da consulta, ministra Nancy Andrighi, entretanto, fez uma observação: caso os políticos utilizem a nova legenda como trampolim para um terceiro partido, perderão os mandatos. “Essa justa causa não acoberta a possibilidade de um político criar um partido a pretexto de se filiar a um terceiro”, advertiu a magistrada. (Do Correio Braziliense)

Explicações

Após pedido de registro d
e nova agremiação, é possível que a ela se filiem eleitores com e sem mandato eletivo?

Não. Ninguém pode se filiar a um partido que ainda não existe oficialmente.

A associação ao partido em fase de criação será considerada como filiação partidária após o deferimento do registro do estatuto partidário pelo TSE?

Não. Somente após o registro do partido pela Justiça Eleitoral é que a filiação será considerada.

O detentor de mandato eletivo que fizer o pedido de registro civil de uma nova legenda ou que a ela se associar durante o período de sua constituição estará acobertado pela justa causa para se desfiliar do                   partido pelo qual foi eleito?

Sim. Não há infidelidade partidária quando a sigla ainda não está criada.

No caso de o TSE aprovar o registro do estatuto do novo partido em prazo inferior a um ano da realização do pleito seguinte, os signatários poderão se candidatar em 2012?

Não. A Lei Eleitoral é clara ao fixar o prazo mínimo de um ano de filiação na sigla para que o político possa disputar uma eleição.

Após o registro do estatuto pelo TSE, qual prazo é possível se entender como razoável para filiação à nova legenda?

O TSE fixou prazo de até 30 dias após a criação oficial do partido.

****
Fonte:http://www.diariodepernambuco.com.br/2011/06/04/politica14_0.asp

Criação de municípios em análise

04.06.2011
Do DIÁRIO DE PERNAMBUCO
Por Aline Moura
Política

Projeto estuda novos desmembramentos, mas tem a constitucionalidade contestada


Odacy Amorim diz que a discussão é necessária. Imagem: RICARDO FERNANDES/DP/D.A PRESS
A criação de novos municípios depende de um projeto de Lei Complementar Federal que está pendente no Congresso Nacional desde 1996, mas os deputados estaduais ainda não desistiram de apresentar propostas que permitam a instituição de novas cidades. A mais nova é a do deputado Odacy Amorim (PSB), presidente da comissão permanente de Negócios Municipais. O socialista não sugeriu a criação de um outro município, além dos 17 que já foram propostos por colegas este ano. O projeto dele estabelece critérios para emancipação de novas cidades e solicita que a Assembleia banque os estudos de viabilidade municipal.

A proposta de Odacy Amorim saiu publicada no Diário Oficial de ontem e alguns já questionam a constitucionalidade da matéria. Ele argumenta, no entanto, que todas as assembleias do país estão se mobilizando para criar novos estados e pressionar o Congresso. No próximo dia 15, por exemplo, ele contou que deputados de todos os estados estarão em Brasília para discutir o assunto e tratar da regulamentação da Emenda Constitucional nº 15, que transfere para os estados o poder de criação, incorporação, fusão e desmembramentos de municípios.

Nos artigos 1º e 2º do projeto 305/11, Odacy diz que só pode haver instituição de novas cidades mediante a realização de plebiscito e estudos de viabilidade. Em seguida, o deputado exige que nenhum município seja criado sem a verificação da existência de requisitos como população superior a sete mil habitantes e centro urbano já constituído.

De acordo com Odacy Amorim, para conseguir eleger prefeitos e vereadores na próxima eleição, o prazo máximo para conclusão dos estudos e criação dos municípios é outubro. “O que a Assembleia puder fazer para isso ocorrer, vai fazer. E, a depender de como o Congresso se posicionar, vamos agilizar por aqui, permitindo que boa parte do processo seja encaminhado”, declarou o socialista.

Odacy Amorim rebateu os argumentos que condenam a criação de novos municípios, tratando como se fosse “ampliação da miséria”. “Há quase 20 anos não se criam novas cidades e o Nordeste está crescendo. O maior crescimento de poder de consumo está aqui. Grandes empresas têm ido para o interior, além de obras que credenciam esses distritos a terem independência financeira. Das cidades que se emanciparam, nenhuma está arrependida”, declarou.

Segundo o presidente da Comissão de Constituição, Legislação e Justiça (CCLJ), Raimundo Pimentel (PSB), a proposta deve enfrentar problemas, enquanto a emenda nº 15 não for regulamentada pelo Senado. Ele mesmo quer a emancipação de três distritos no Sertão de Pernambuco nos municípios de Araripina, Petrolina e Ipubi, mas as propostas permanecem sem análise da CCLJ, por não terem amparo da Constituição Federal. “A falta da regulamentação tira das Assembleias o poder de legislar sobre o assunto. Se isso não mudar, todas as propostas vão ser arquivadas, como aconteceu com a Legislatura passada”, observou.

Saiba mais

Distritos que podem virar municípios-sede

Ameixas
Cumaru
Caraibeiros           
Itacuruba
Cavaleiro
Jaboatão dos Guararapes
Curral Novo           
Águas Belas
Fátima               
Flores
Isacolândia           
Petrolina
Pão de Açúcar
Taquaritinga do Norte
Ponta de Pedra
Goiana
Ponte dos Carvalhos
Cabo
Rainha Isabel
Bom Conselho
Rajada
Petrolina
São Domingos
Brejo da Madre de Deus
Nascente
Araripina
Negras
Itaíba
Nossa Senhora do Ó
Ipojuca
Serrolândia
Ipubi

Fonte: deputado estadual Odacy Amorim
*****
Fonte:http://www.diariodepernambuco.com.br/2011/06/04/politica1_0.asp

Marina teve reunião com tucanos

04.06.2011
Da FOLHA DE PERNAMBUCO


AUTOR de livro narra encontro dela com Serra e FHC
AUTOR de livro narra encontro dela com Serra e FHC
RIO DE JANEIRO (AE) - Integrante da coordenação da campanha da ex-senadora Marina Silva à Presidência, o deputado Alfredo Sirkis (PV-RJ) conta, em livro sobre os bastidores da eleição, detalhes de uma “reunião secreta” entre dirigentes do PV e os tucanos Fernando Henrique Cardoso e José Serra, então governador de São Paulo. O encontro ocorreu em fevereiro de 2010, quando o PSDB tentava montar uma chapa com Marina vice de Serra. O livro “O efeito Marina” (editora Nova Fronteira, 276 páginas, R$ 39,90) será lançado na próxima segunda-feira, no Rio.

Segundo o autor, a reunião tratou apenas da aliança entre PV e PSDB no Rio de Janeiro, em torno da candidatura do deputado verde Fernando Gabeira para o governo do Estado. Sirkis revela os cuidados de Serra com um possível grampo em seu telefone. Verdes e tucanos se reuniram na casa do ex-presidente Fernando Henrique, em Higienópolis.

“Serra chegou à reunião muito desconfiado. Deixou seu celular em outro quarto, alegando que havia `grampos’ capazes de monitorar conversas até por aparelhos desligados. Começou a discussão comigo meio tenso, mas depois relaxou e, com a ajuda da contagiante simpatia do ex-presidente, virou uma conversa agradável”, escreve Sirkis. No final, diz o deputado, Serra, “já muito amável”, convidou-o para jantar no Palácio dos Bandeirantes. “Não falamos mais sobre a campanha eleitoral, mas sobre questões de gestão pública e lembranças dos tempos da ditadura e do exílio. Fiquei com uma dimensão mais humana dele”, diz Sirkis sobre Serra.

Em vários trechos, Sirkis reclama das especulações da imprensa sobre a possível chapa Serra-Marina, no início de 2010, e também das apostas no fracasso da campanha da ex-petista. O deputado verde conta que, dias depois da reunião com os paulistas, esteve com o outro tucano, o então governador de Minas Gerais Aécio Neves, que tentou, em vão, convencê-lo de que o PV não deveria ter candidato próprio no Estado. “Foi elegante na argumentação. Expliquei que Marina precisava de um candidato a governador em Minas para apoiá-la”, conta Sirkis. Depois da derrota no primeiro turno, os verdes conversaram com emissários de José Serra e Dilma Rousseff, mas Marina optou pela neutralidade.
*****
Fonte:http://www.folhape.com.br/index.php/caderno-politica/641706-marina-teve-reuniao-com-tucanos

PCdoB expulsa vereador

04.06.2011
Do DIÁRIO DE PERNAMBUCO
Por Ana Luiza Machado

Acusado de omissão, Vicente André Gomes é "convidado" a deixar o partido após dez anos de militância política


Vicente é acusado de não participar da vida partidária. Imagem: RICARDO FERNANDES/DP/D.A PRESS
“O PCdoB Recife, agora, com apenas um vereador”, esta foi a mensagem postada pelo vereador Almir Fernando, ontem, em seu Twitter, rede social. Após dez anos no PCdoB, a direção estadual resolveu “convidar o vereador Vicente André Gomes a sair do partido”. O motivo? Ausência. Segundo um dos dirigentes da sigla, George Braga, o respeito existe, mas não há mais ambiente político para Vicente, já que ele criou um “abismo” ao deixar de participar das atividades do PCdoB.

“Ele (Vicente) tem um jeito diferente de fazer política e, do ponto de vista da atividade partidária, está ausente há muito tempo. Não conseguimos mais incorporá-lo ele à nossa agenda. Para você ter uma ideia, ele mesmo confessou, quando conversamos, que não falava com a direção do partido desde as eleições”, comentou Braga. Justificando a decisão, o dirigente salientou que o PCdoB é um partido histórico, de 89 anos, que preza pela participação nas reuniões da legenda, nas articulações e no apoio às decisões coletivas.

Um episódio ocorrido nas últimas eleições evidencia que as insatisfações com o vereador são antigas. Na ocasião, o partido sugeriu que Vicente, candidato a deputado estadual, fizesse dobradinha com o correligionário Nelson Ferreira, que disputava a federal. Ele, no entanto, apoiou a candidatura de Ana Arraes (PSB). “Na época ele negou, mas a deputada estava presente no lançamento da candidatura dele, o que confirmava tudo. Nada contra a deputada, mas quando estamos em um barco temos que remar com ele e não contra”, argumentou.

Questionado pela reportagem se a condução do mandato de Vicente na Câmara do Recife, onde ele aparece como o vereador com maior número de faltas não justificadas influenciou na decisão de expulsão do partido, Braga, amenizou. “Não entramos na discussão sobre o mandato, mas sabemos que ele não frequenta a Câmara ao mesmo tempo que não frequenta as reuniões do partido”.

O anúncio do desligamento do vereador foi dado na reunião realizada na última quinta-feira, por George Braga, a alguns membros do partido. A conversa com Vicente André Gomes, no entanto, aconteceu há cerca de dez dias e a reação dele foi “tranquila”, de acordo com Braga. O vereador Almir Fernando, que dividia a bancada comunista com ele na Câmara, comentou que o partido tem buscado “pessoas comprometidas na luta” e, pelo o que soube, o colega não vinha cumprindo este pré-requisito.

O vereador Vicente André Gomes tem até o mês de setembro para se desfiliar do PCdoB e se filiar a outro partido, caso queira tentar a reeleição. O PCdoB, por sua vez, já está à disposição para assinar o divórcio do “casamento” que durou dez anos e pretende ampliar os horizontes. O partido possui quatro prefeitos no estado (Olinda, Camaragibe, Goiana e Sanharó) e 42 vereadores em Pernambuco. O vereador Vivente André Gomes não atendeu nem retornou as ligações
*****
Fonte:http://www.diariodepernambuco.com.br/2011/06/04/politica3_0.asp

Para PT olindense, hora de debater candidato chegou

04.06.2011
Da FOLHA DE PERNAMBUCO
Por Isabel França - Especial para a Folha
e Gilberto Prazeres Do Blog da Folha


Em nota, diretório municipal da legenda lembra que outras siglas levantaram o tema

Dois dias após a deputada estadual Teresa Leitão (PT) admitir movimentação partidária em prol do seu nome como candidata à Prefeitura de Olinda, em 2012, fato que se contrapõe candidatura natural do aliado e atual prefeito da cidade, Renildo Calheiros (PCdoB), a Comissão Executiva Municipal do PT divulgou uma nota de esclarecimento. No texto, o partido defende a candidatura da petista e concorda “plenamente” com a postura do líder do governo na Alepe, Waldemar Borges, que afirmou anteontem, em entrevista à Rádio Folha FM 96,7, que o que vale para um partido da Frente Popular vale para os demais.

De acordo com o documento, o Diretório Municipal de Olinda afirmou que segue as orientações do PT Nacional no sentido de considerar os cenários políticos-eleitorais para 2012 nos municípios com mais de 150 mil eleitores. “Isto quer dizer que o processo de debate em curso na vida de todos os partidos também é fato no PT”. O diretório municipal também afirmou que a hora do debate sobre a sucessão municipal “já chegou”, mas que os nomes serão definidos posteriormente.

As especulações de que um racha na Frente Popular está vez mais visível foi rechaçado no documento que, inclusive, classificou a gestão de Renildo como sendo uma gestão do PT, reforçando a tese ao afirmar que “muitos pensavam até que Luciana Santos era do PT”, em alusão à figura da ex-prefeita da cidade e correligionária do atual gestor, durante a administração da comunista, em 2000.

O diretório negou qualquer sinal de instabilidade na administração em virtude da declaração dos petistas e afirmou que a Câmara Municipal é “100% base governista”, defendendo que os recursos do Governo Federal, desde 2002, têm trazido “outro patamar para Olinda“. “Os nossos representantes na gestão são depositários de nossa confiança e credibilidade”, garante a nota.

PMN

A Executiva Nacional do PMN aporta no Recife, dia 13, para conhecer 15 pré-candidatos a prefeito da sigla. Na lista de prováveis postulantes, figura o ex-secretário de Administração de Olinda, Juvenal Alves, que deverá concorrer à Prefeitura em 2012. “É um nome muito bom que o PMN lançará para a disputa em Olinda. Apresentaremos ele e mais outros pré-candidatos a prefeito à nossa Executiva Nacional”, revelou o presidente regional da sigla, Silvio Barbosa. O líder do Governo em Olinda, Jorge Federal (PMN), no entanto, não quis comentar a possibilidade de um correligionário confrontar o prefeito Renildo Calheiros (PCdoB). “Prefiro não comentar. Sou líder do Governo, mas a decisão é da executiva estadual”, disse.
****
Fonte:http://www.folhape.com.br/index.php/caderno-politica/641709-para-pt-olindense-hora-de-debater-candidato-chegou

'Resolução aprovada pelo Conselho de Segurança chega a dar medo', diz Patriota

04.06.2011
Do Portal OPERA MUNDI,23.03.11
Por Thaís Romanelli | Redação

“O Brasil deve zelar pela manutenção da narrativa espontânea dos povos árabes e defender a busca autônoma pela resolução das questões internas”, disse o Ministro de Relações Exteriores, Antonio Patriota, sobre o papel do país nas atuais transformações do mundo árabe.

Para ele, a intervenção de países ocidentais na Líbia pode mudar o curso da história das mobilizações populares que tem ocorrido desde o início do ano no mundo árabe. O mesmo argumento, segundo o diplomata, poderia ser usado em casos como os do Iêmen e do Bahrein.

“A resolução aprovada pelo Conselho de Segurança da ONU na quinta-feira passada (17/03) chega a dar medo” afirmou Patriota em uma conferência realizada nesta terça-feira (22/03) na FEA-USP (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo). “Temo todas essas ‘medidas necessárias que podem ser tomadas‘ pelo Conselho de Segurança de acordo com o texto aprovado”, afirmou.

Além disso, o Ministro de Relações Exteriores se mostrou receoso com o número de civis mortos que as ofensivas internacionais podem provocar. “O objetivo não é exacerbar as tensões, ao contrário”, argumentou.

Segundo o chanceler, o principal ponto de descontentamento com o texto é o trecho que autoriza a utilização de "todas as medidas necessárias para proteger os civis”, já que isso inclui a realização de ataques aéreos como vem acontecendo há quatro dias.

“Primeiramente, a resolução submetia Kadafi ao TPI (Tribunal Penal Internacional), embargava as armas no país, limitava o movimento do governo e congelava os bens do líder líbio no plano internacional, o que até então era um consenso entre os membros do Conselho de Segurança”, relembrou.

Em um segundo momento, porém, o parágrafo que dava o aval para a ONU realizar as intervenções na Líbia conforme a necessidade determinada pelo próprio órgão causou discórdia entre os países, segundo Patriota.

“Não acredito que, se a resolução previsse apenas a zona de exclusão aérea, um consenso total seria fácil, nem que essa seja a solução. Mas acredito que o texto aprovado dá brecha para modificações e intervenções ocidentais maquiadas pelo pretexto de um motivo nobre: a proteção dos civis”, argumentou.

Questionado sobre a abstenção do Brasil na votação do Conselho, Patriota preferiu não se manifestar se teria optado por um voto contra.

O chanceler, porém, garantiu que o Brasil trabalhará para que as intervenções internacionais não interfiram no desenrolar das questões internas líbias, como foi defendido pela representante do Brasil nas Nações Unidas, Maria Luiza Viotti, durante a conferência que decisiu pela medida.

Ao justificar a abstenção, Viotti afirmou que a opção brasileira não deve ser interpretada como “endosso do comportamento das autoridades líbias ou como negligência”. Segundo ela, o governo brasileiro “não está convencido” de que o uso da força, como definido na resolução aprovada, levará ao fim da violência e garantirá a proteção aos civis.

Na ocasião, a embaixadora disse que o Brasil é solidário às manifestações populares, que ocorrem no Norte da África e também no Oriente Médio. Para ela, são movimentos que expressam “reivindicações legítimas por melhor governança".

O Ministro das Relações Exteriores, por sua vez, classificou como “legítima e necessária” a busca pelo progresso econômico, social e político reivindicado pelos manifestantes dos países árabes, mas alertou a importância do respeito aos direitos humanos e à realização de transições de poder pacíficas.

Governo Dilma

Durante a Conferência, que foi organizada em uma parceria entre o Itamaraty, a USP e a Bibliaspa, Patriota falou também sobre a política externa da atual gestão.

Para ele, a busca de “multipolaridade benigna” caracteriza o governo de Dilma Rousseff. “Estamos procurando amenizar cada vez mais as assimetrias do passado e dar voz a novos atores políticos, como o próprio Brasil”, disse.

Patriota acredita que, desta forma, processos multilaterais mais inclusivos possam se tornar fórmulas, ou pelo menos boas alternativas, para solucionar conflitos e caminhar no sentido de processos de paz, tanto nos países árabes quanto em todo o mundo.

Pensando nisso, o chanceler chegou a dizer que o Brasil poderia se colocar como um importante ator político no caso da Líbia e posteriormente do Bahrein e do Iêmen. “Considerando a importante posição que conquistamos com a política externa do governo Lula e com o crescimento econômico que o Brasil tem registrado, passamos a ter a oportunidade de exercer nossa interlocução em cenários conflituosos. No caso da Líbia, por exemplo, temos a vantagem de sermos autossuficientes na questão petrolífera, principal motivo de disputas na região, o que nos torna imparciais”, justificou.

O Ministro das Relações Exteriores citou o fato de o Brasil possuir a maior comunidade árabe fora da região como outro ponto vantajoso em uma possível interlocução nos conflitos atuais. Além disso, o Brasil foi o primeiro país da América Latina a tornar-se observador da Liga Árabe e tem estreitado laços comerciais com a região.

“Chega a parecer que o Brasil se antecipou em fortalecer os laços com o mundo árabe pouco antes de sua sublevação. Nos últimos tempos abrimos embaixadas em países daquela região, estabelecemos relações diplomáticas e intensificamos o comércio”, afirmou.

Para 2011, segundo ele, está previsto o estabelecimento de relações diplomáticas do Brasil com os 192 países membros da ONU. Restam, até o momento, apenas dez para que a meta seja atingida.
*****
Fonte:http://operamundi.uol.com.br/conteudo/noticia/RESOLUCAO+APROVADA+PELO+CONSELHO+DE+SEGURANCA+CHEGA+A+DAR+MEDO+DIZ+PATRIOTA_10655.shtml

Deputado Manoel Santos é internado às pressas em Serra Talhada

04.06.2011
Do BLOG DE JAMILDO 
Postado por Daniel Guedes

Foto: Alepe/Divulgação
O líder da bancada do PT na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), Manoel Santos, 59 anos, foi internado às pressas na noite de sexta-feira (3), sentindo fortes dores abdominais. O parlamentar teve que fazer cirurgia para retirada do apêndice e está internado. De acordo com nota enviada pela assessoria de Santos, ele passa bem.
O deputado estava em sua terra natal, Serra Talhada, no Sertão do Estado, quando começou a sentir as dores. Foi logo levado para o Hospital Santa Marta, no município a 410 quilômetros do Recife.
Manoel foi eleito no ano passado com 42.347 votos. Além de líder da bancada petista, ele é vice-presidente da Comissão de Agricultura, Pecuária e Política Rural e suplente das comissões de Cidadania e Direitos Humanos e de Redação Final (16ª).

Veja a íntegra da nota:


Informamos que o deputado Manoel Santos, líder da bancada do PT na Assembleia Legislativa, se encontra hospitalizado, em Serra Talhada, por conta de uma crise de apendicite. 

Durante a noite dessa sexta-feira, 03 de junho, Manoel sentiu fortes dores abdominais, onde em seguida, foi internado no Hospital Santa Marta, em Serra Talhada.

Após avaliazação médica, o deputado foi submetido a uma cirurgia para retirada do apêndice. 

Manoel Santos passa bem, a operação ocorreu com tranquilidade. 

O sertanejo segue em repouso, para recuperação, acompanhado de parentes e amigos.

*****
Fonte:http://jc3.uol.com.br/blogs/blogjamildo/canais/noticias/2011/06/04/deputado_manoel_santos_e_internado_as_pressas_em_serra_talhada_102852.php

Prefeitura lança concurso para eleger ideias para Parque da Tamarineira

04.06.2011
Do BLOG DE JAMILDO 
Postado por Daniel Guedes

O futuro do Parque da Tamarineira, onde funcionava o Hospital Ulisses Pernambucano, na Zona Norte do Recife, será decidido através de um concurso a ser lançado neste domingo (5) pelo prefeito João da Costa (PT), durante a cerimônia de abertura da programação comemorativa à Semana do Meio Ambiente. 

O objetivo do Concurso Público Nacional de Ideias para a Concepção Urbanística, Arquitetônica e Paisagística é eleger um projeto que englobe a nova configuração para o espaço, atendendo aos anseios da população. As alternativas a serem apresentadas deverão contemplar atividades de lazer, saúde, cultura, patrimônio e paisagem. Entre os trabalhos inscritos, um será escolhido pela Prefeitura para o desenvolvimento dos projetos básicos, executivos e complementares. O evento acontece na área do Hospital Ulisses Pernambucano, às 15h30.

» Veja a programação completa da Semana do Meio Ambiente

A Prefeitura definiu que a área verde da Tamarineira seria transformada num parque no ano passado, após grande polêmica envolvendo a Santa Casa e uma administradora de shopping centers, que planejava construir lá um centro de compras. O prefeito decretou a utilidade pública da área da Tamarineira para fins de desapropriação total, devido à necessidade de sua preservação e conservação. A decisão foi tomada após ouvir representantes dos diversos setores da sociedade envolvidos com a questão sobre o destino da área. Também foi levado em conta o resultado de uma enquete realizada no portal da PCR, que registrou a opinião de quase 12 mil internautas.

A programaçãoda Semana do Meio Ambiente, que segue até 10 de junho, ainda prevê uma série de atividades, como o plantio de mudas, inicio dos serviços de recuperação, implantação e expansão dos três parques do Capibaribe Melhor, assinatura da Agenda Ambiental na Administração Pública, peças teatrais e oficinas.

*****
Fonte:http://jc3.uol.com.br/blogs/blogjamildo/canais/noticias/2011/06/04/prefeitura_lanca_concurso_para_eleger_ideias_para_parque_da_tamarineira_102859.php

No Recife, presidente do Banco Mundial confirma que irá multiplicar por sete investimentos no Nordeste

04.06.2011
Do BLOG DE JAMILDO
Por Daniel Guedes

Foto: Roberto Pereira/SEI/Divulgação
 
Em visita ao Recife, para encontro com o governador Eduardo Campos (PSB) e demais gestores de Estados Nordestinos, o presidente do Banco Mundial, Robert Zoellick, confirmou que irá multiplicar por sete o valor dos empréstimos que a instituição faz para o Nordeste. Zoellick afirmou ainda que pretende promover um aumento nas parcerias público-privadas na Região. A reunião começou no final da manhã desta sexta-feira (3) e seguiu com um almoço.

O presidente não especificou a que valor quer chegar, mas garantiu que a IFC (Internacional Finance Corporation), setor privado do Grupo Banco Mundial, pretende aumentar os investimentos na Região. "O nosso setor privado investiu aproximadamente US$ 400 milhões no Nordeste e também queremos aumentar esse valor. Vou me reunir com representantes do setor privado, de infraestrutura e com o BNDES para conversarmos mais sobre parcerias público-privadas aqui no Nordeste", garantiu Zoellick em um pronunciamento à imprensa, na escadaria do Palácio. Campos diz que a intenção é passar de US$ 1 bilhão.

Para o setor público, Zoellick voltou a afirmar que vai proporcionar um considerável aumento no volume de empréstimos para os Governos. "Temos emprestados uma média de US$ 500 milhões por ano para o setor público, valor que deve subir para US$ 3,5 bilhões no próximo ano", reafirmou o presidente.

Os empréstimos para políticas de desenvolvimento (DPL na sigla em inglês) são feitos de uma maneira menos burocrática, pois os governos não precisam dizer especificamente as obras que serão realizadas. Nessa modalidade, escolhem-se áreas e governadores e Banco Mundial estabelecem metas que têm de ser cumpridas num período pré-determinado.

Eduardo vai estabelecer os projetos a partir das prioridades levantadas nos seminários do Todos Por Pernambuco, que terminaram esta semana. "Em princípio, o banco deixou aberto para as mais diversas áreas. Os governos vão fazer as suas escolhas. O que ficou claro é que eles têm urgência e nós temos urgência", explicou o governador, que garantiu que os nove governadores nordestinos irão discutir juntos os projetos para que os pedidos de empréstimos sejam feitos de forma consensual.

Os governadores devem se encontrar novamente na próxima semana, no Ceará."Nosso time vai conversar para ver se até sexta-feira (10), na reunião que vai ter no Ceará, já tem um número consensual. Vamos trabalhar também números guarda-chuva. Cada Estado deve mandar ao longo desta semana um número de referência para o projeto de lei, que é o primeiro passo, ao tempo que a gente entra em consenso sobre um número para cada Estado".

Eduardo Campos disse que a atitude do Banco Mundial é um reconhecimento da boa postura do governo federal. "Isso foi possível porque o governo brasileiro tomou um gesto de pagar integralmente de maneira antecipada as obrigações que tinha com o banco, no valor de US$ 3 bilhões. Esses US$ 3 bilhões voltam para o Brasil e voltam direcionados para o Nordeste. Isso é muito importante para a manutenção dos investimentos nos nove Estados, nas áreas estratégicas que trabalham com o banco", explicou o governador pernambucano.

Pernambuco tem uma carteira de mais de US$ 1 bilhão com o Banco Mundial. Três estão funcionando e outros dois aguardam aprovação. São empréstimos para combate à pobreza, educação, saneamento, além do Prometrópole.

Robert Zoellick fez questão de destacar várias vezes durante seu pronunciamento o papel de Eduardo na Região. "Esta foi uma parte importantíssima da minha visita ao Brasil porque eu tenho lido cada vez mais sobre o aumento na cooperação do banco com os governadores do Nordeste, onde o governador Campos desenvolve um papel fundamental e isso está mudando toda a natureza do nosso relacionamento com os Estados do Nordeste. Nós e muitos outros estamos reconhecendo que no espectro político do Brasil há uma nova geração de líderes no Nordeste e queremos apoiá-los. É a liderança deles e o povo do Nordeste que irão fazer a diferença".

*****
Fonte:http://jc3.uol.com.br/blogs/blogjamildo/canais/noticias/2011/06/03/no_recife_presidente_do_banco_mundial_confirma_que_ira_multiplicar_por_sete_investimentos_no_nordeste_102775.php

DONOS DE PADARIA SÃO EXECUTADOS

04.06.2011
Da FOLHA DE PERNAMBUCO

Dezenas de pessoas silenciaram diante da morte de um casal na rua Marechal Cândido Rondom, no bairro do Janga, em Paulista, na noite de ontem.

Ivonice de Oliveira, de 30 anos, e o companheiro dela, Hermes Costa da Silva, de 61 anos, foram assassinados no momento em que iriam fechar o estabelecimento comercial do qual eram proprietários, a padaria Pão da Hora Express. De acordo com informações repassadas pela Polícia Militar, testemunhas relataram ter visto dois homens em uma moto se aproximarem da padaria por volta das 20h. Um deles teria ficado na moto e o outro efetuado os disparos que vitimaram o casal. A mulher estava na entrada da padaria e foi a primeira a ser baleada. Os dois tiros atingiram a cabeça e o pescoço de Ivonice.

O companheiro dela chegou a correr para o outro lado da rua e conseguiu entrar no terraço de uma residência localizada em frente ao estabelecimento, mas foi atingido em seguida por dois disparos na cabeça e apresentou uma lesão na mesma região ocasionada pela queda, segundo a perícia do Instituto de Criminalística (IC). De acordo com testemunhas, antes do assassinato houve um princípio de confusão entre as vítimas e os suspeitos, momento em que Hermes chegou a ser atingido na cabeça por um capacete.

Entre as linhas de investigação levantadas pela Polícia Civil para o duplo homicídio, a mais forte é a dívida com agiotas, relatada pela comunidade também à Polícia Militar. “O que temos ainda são suposições, mas essa hipótese será investigada”, pontuou o delegado Flávio Pessoa, plantonista na Força Tarefa Norte do DHPP. Segundo o delegado, a hipótese de assalto foi descartada. “Todo o dinheiro do estabelecimento ainda estava dentro do caixa”, observou.

As vítimas eram proprietárias da padaria há cerca de seis meses e residiam em um imóvel no primeiro andar do estabelecimento há três meses. Segundo informações da comunidade, o casal não tinha filhos. Apenas Hermes teria um filho que mora na cidade de Olinda. Porém, nenhum familiar foi até o local do crime. Dentro da residência do casal, a polícia encontrou apenas documentos, mas nada que ajudasse a esclarecer a motivação para o duplo assassinato.
*****
FONTE:http://www.folhape.com.br/index.php/edicao-de-hoje/641714-donos-de-padaria-sao-executados

Urubólogos perdem mais uma aposta contra o Brasil: PIB no 1º trimestre cresceu 1,3%

04.06.2011
Do blog OS AMIGOS DO PRESIDENTE LULA

O fim-do-mundo previsto por amplos setores da imprensa oposicionista no início do ano, quando o governo Dilma anunciou a consolidação fiscal, passou longe do Brasil.

O Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todas as riquezas produzidas no país, cresceu 1,3% no primeiro trimestre deste ano na comparação com o trimestre anterior.

De acordo com o IBGE, o crescimento por setor foi:
- A agropecuária cresceu 3,3%
- A indústria, 2,2%
- os serviços, 1,1%

Em relação ao primeiro trimestre de 2010, o PIB registrou aumento de 4,2%. Nessa base de comparação, os serviços foram a atividade econômica com maior expansão (4%). A indústria cresceu 3,5% e a agropecuária, 3,1%.

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) havia exagerado no pessimismo e já começou a revisar para cima suas estimativas: aumentou a projeção para o crescimento do PIB de 3,5% para 3,8%. A expectativa de expansão do PIB industrial subiu de 2,8% para 3,2%. Até o fim do ano, os economistas ajustam sua bola de cristal descalibrada aos números que o IBGE irá apurar.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, recebeu bem os números. Eles mostram que as medidas do governo para conter a inflação funcionaram sem sacrificar a vitalidade da economia. O ritmo de crescimento manteve-se satisfatório e sustentável, para dar prosseguimento às políticas econômicas chamadas desenvolvimentistas.
******
FONTE:http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com/2011/06/urubologos-perdem-mais-uma-aposta.html

Eleição no Peru: no olho mecânico

04.06.2011
Do blog de Altamiro Borges
Por Antonio Luiz M. C. Costa, na revista CartaCapital:

A se confirmar que o Ministro Antonio Palocci vai falar, com exclusividade, para o Jornal Nacional, terá errado antes de começar a falar.

À esquerda e aos que conhecem o que representa a Globo no sistema de comunicações brasileiro, não evitará – ainda que não o seja – a impressão de que é uma “entrevista” combinada com alguém que é “amigo da casa”.

Para os formadores de opinião,qualquer explicação que o ministro dê será pouca. Porque ficará a impressão de que foi “combinado”.

Os apresentadores do Jornal Nacional foram mais espertos que Palocci. Perceberam isso e vão deixar a entrevista para um repórter em Brasília, como se noticia.

Ao mesmo tempo, por temperamento, por natureza, por posições políticas e, para culminar, pelo veículo escolhido, Palocci não poderá usar aquela antiquíssima máxima de que a melhor defesa é o ataque.

Não é apenas um erro político esta decisão. É um erro estratégico.

A Globo não tem amigos, tem interesses.

Se Palocci foi um interlocutor forte para ela no Governo Lula e, potencialmente, poderia vir a ser no Governo Dilma.

Mas, politicamente fraco, Palocci não é interlocutor para nada.

E a Globo será a primeira a usa-lo – sem piedade – em favor dos seus interesses: enfraquecer o Governo Dilma e criar intrigas entre ela e Lula.

Quem não entende isso está fadado a ser devorado pela Globo de quem um dia pensou ser amigo.
*****
Fonte:http://altamiroborges.blogspot.com/2011/06/eleicao-no-peru-no-olho-mecanico.html

Humala: “Há clara intervenção de García a favor do projeto autoritário de Fujimori”

04.06.2011
Do site da Revista Brasil Atual
Por: Redação da Rede Brasil Atual

Candidato à presidência do Peru demonstra confiança para equilibrada votação deste domingo e admite ter de ceder em parte de sua agenda em troca de governabilidade

Humala: “Há clara intervenção de García a favor do projeto autoritário de Fujimori”
Uma das principais bandeiras de Keiko Fujimori é colocar em liberdade o pai, Alberto, responsável por uma série de violações (Foto: Enrique Castro-Mendivil. Reuters)
São Paulo – As eleições peruanas deste domingo (5) transcorrerão sob clima de grande incerteza. O total equilíbrio entre os candidatos Ollanta Humala e Keiko Fujimori demonstrado por diversas pesquisas de opinião não deixa espaço para arriscar um favorito. O político nacionalista, no entanto, parece ser um dos poucos que não alimentam dúvidas. “Vou ganhar”, afirma em entrevista ao jornal argentino Página12.
Tanta confiança não se vê abalada nem mesmo pelas suspeitas, cada vez mais próximas de confirmação, de que o presidente Alan García colocou a máquina do Estado a favor da oponente. Escutas telefônicas de Humala e de seus familiares vazaram esta semana, no último episódio de uma campanha marcada por baixo nível e boataria. “Há uma clara intervenção do presidente García a favor do projeto autoritário de Keiko Fujimori”, dispara Humala.
A campanha foi marcada também pelo abrandamento das posições do político. Ele se afastou de Hugo Chávez, rechaçando qualquer declaração do presidente da Venezuela, e passou a apostar no modelo adotado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2002. No primeiro turno, publicou a “Carta de Lima”, nos mesmos moldes de “Carta ao povo brasileiro”, um compromisso assumido com a estabilidade econômica e a manutenção das parcerias com o setor privado.
“Do Brasil há que se resgatar o modelo prudente, adequado da política econômica, e um crescimento econômico que permitiu a inclusão social”, afirma o candidato. Inclusão social, por sinal, é o mote de seu eventual governo. 
Sem maioria no Congresso, ele aposta na aliança com o partido Peru Posible, do ex-presidente conservador Alejandro Toledo, para governar. Questionado sobre se isso significa ceder em parte de suas propostas ideológicas em prol da governabilidade, Humala evita falar quais pontos cairão por terra, preferindo indicar aquilo que não se verá afetado. “No que não vamos retroceder é em fazer com que o crescimento econômico seja acompanhado por inclusão social.”
A respeito da oponente, Keiko, ele lembra que a grande proposta de campanha dela é dar anistia ao pai, preso por inúmeras violações aos direitos humanos, e garante que, se eleito, vai acabar com os privilégios de que goza Fujimori no quartel militar em que está detido. “Ela leva consigo as mesmas pessoas que governaram com seu pai. Com ela está o doutor Aguinaga, que fazendo-nos recordar a época da Alemanha nazista, como ministro de Saúde de Fujimori esterilizava as mulheres a contragosto.”

*****
Fonte:http://www.redebrasilatual.com.br/temas/internacional/2011/06/humala-201cha-clara-intervencao-de-garcia-a-favor-do-projeto-autoritario-de-fujimori201d

Não só Strauss-Khan, mas o FMI deveria ser julgado


04.06.2011
Do blog TIJOLAÇO
Por Brizola Neto
Posto na seção Artigos o interessante e contundente texto do jornalista Johann Hari, publicado na edição de ontem do jornal The Independent, de Londres.
Sim, é cru, mas é um libelo corajoso contra a instituição de simboliza a dominação colonial do capital sobre o mundo pobre.
O fato de que Dominique Strauss-Kahn, ex-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI), estar enfrentando julgamento por supostamente estuprar uma arrumadeira em um quarto de hotel em Nova York é – e com toda a razão – uma grande notícia. Mas imagine uma figura proeminente assim sendo acusada não de estuprar uma arrumadeira, mas de matá-la através da fome, junto com seus filhos, seus pais, e milhares de outras pessoas. Isso é o que o FMI tem feito para pessoas inocentes, no passado recente. Isso é o que vai fazer de novo, a menos que o transformemos totalmente. Mas disso ninguém fala.
Para entender essa história, você tem voltar no tempo até o nascimento do FMI. Em 1944, os países que estavam prestes a vencer a Segunda Guerra Mundial se reuniram em um hotel na zona rural de New Hampshire para repartir os despojos do mundo.
Continue a ler em Artigos.

*****