quarta-feira, 1 de junho de 2011

Motoristas e Pedestres Pedem Melhoria em Via que Liga os Bairros da Alameda a Jaguarana em Paulista

01.06.2011
Do blog PAULISTA EM PRIMEIRO LUGAR




Os Moradores dos Bairros da Alameda Paulista e Jaguarana pedem a prefeitura uma melhoria na via que liga os dois bairros, pois segundo moradores a empresa de ônibus que faz o transportes na área, já ameaçou que se nenhuma melhoria for feita os ônibus vão deixar de circular no local, o que prejudicaria toda a população que teria de andar quase 2 km, para pegar uma condução para ir trabalhar, a situação fica pior para os moradores da Alameda que necessitam de ir até a jaguarana para ser atendido em um posto de saúde, pois no bairro não tem nenhuma unidade de Saúde. 

A Nossa equipe do Blog vai na manhã desta terça-feira a secretária de serviços públicos para saber quando a prefeitura vai resolver esse problema.

****
Fonte:http://www.paulistaem1lugar.com/2011/05/motoristas-e-pedestres-pedem-melhoria.html

Comissão da Agricultura da Câmara aprova convocação de Palocci

01.06.2011
Do MSN NOTÍCIAS
Por Jair Stangler, estadao.com.br

Deputados batem boca na Comissão de Agricultura da Câmara.

Denise Madueño, de 'O Estado de S.Paulo'

A Comissão de Agricultura da Câmara aprovou no final da manhã desta quarta-feira, 1º, um requerimento de convocação do ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci, para que ele compareça à comissão para explicar o aumento do seu patrimônio.

A base governista tenta, neste momento, reverter a convocação do ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci, para que ele explique o aumento de seu patrimônio e fale sobre os serviços de consultoria prestada pela empresa de sua propriedade, a Projeto.

A reunião está suspensa porque os governistas não se conformam com o resultado e pressionam o presidente da Comissão, deputado Lira Maia (DEM-PA), para refazer a votação. A reunião deve ser retomada no início da tarde.

A aprovação da convocação de Palocci foi resultado de uma ação esperta da oposição e de um cochilo dos governistas. Pelas contas do governo, a base tinha 12 deputados contra 12 da oposição na reunião da comissão. A votação foi simbólica, sem o registro dos votos, seguindo as normas regimentais. Minutos antes, por estratégia da oposição, a comissão já havia realizado uma votação nominal. O regimento estabelece o prazo de uma hora entre esse tipo de votação.

Segundo o site da Câmara, a comissão tem 40 membros, dos quais 28 são de partidos da base aliada e 12 são de partidos de oposição.

O requerimento aprovado há pouco foi apresentado pelo deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS). Se for efetivado, o ministro não poderá se negar a comparecer à Câmara, sob risco de cometer crime de responsabilidade. O requerimento não fixa data para a audiência.

Governo faz força para salvar Palocci

A tática de esperar algum cochilo nas comissões para convocar Palocci já havia sido anunciada pela oposição na semana passada. Mas nas primeiras tentativas, a oposição não obteve sucesso, em função de uma 'operação abafa' deflagrada pelo governo. Ainda na semana passada, Dilma cedeu à pressão da bancada evangélica e suspendeu a distribuição o kit anti-homofobia para salvar Palocci. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também foi acionado para socorrer Palocci.
******
Fonte:http://estadao.br.msn.com/ultimas-noticias/comiss%C3%A3o-da-agricultura-da-c%C3%A2mara-aprova-convoca%C3%A7%C3%A3o-de-palocci

Eleições do Peru: OLLANTA VAI PRA INTERNET

01.06.2011
Do blog de Rodrigo Vianna



A eleição no Peru entra na reta final. Ollanta Humala, nacionalista de cento-esquerda, enfrenta a filha de Fujimori, Keiko. Entre os mais pobres e no interior, Ollanta lidera. Mas Keiko leva a melhor na classe média e na capital Lima. Ollanta usa a rede pra falar diretamente com os jovens, para encurtar diferença em Lima… Os dois estão empatados nas pesquisas, com ligeiríssima vantagem para Keiko. Confira.
****
Fonte:http://www.rodrigovianna.com.br/

Crivella e Marta chegam a acordo sobre criminalização da homofobia

01.06.2011
Do blog OS AMIGOS DO BRASIL
Por Zé Augusto

Os senadores Marta Suplicy (PT-SP), Marcelo Crivella (PRB-RJ) e Demóstenes Torres (DEM-GO) e o presidente da Associação Nacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros (ALGBT), Toni Reis, reuniram-se e chegaram a um consenso sobre o texto do projeto de lei que criminaliza a homofobia.

Para atender aos grupos religiosos, representados na reunião por Crivella, Marta concordou em mudar algumas palavras do texto e incluir um trecho que esclarece a punição para quem induz à violência contra homossexuais. A proposta garante a liberdade de expressão e, ao mesmo tempo, prevê punição quando ficar comprovado que houve estímulo à violência contra homossexuais. “Será necessário comprovar que se induziu à violência. Falar que [o homossexualismo] é pecado, não é induzir a violência.”

Agora, Crivela vai levar os pontos acordados na reunião para as lideranças evangélicas. Caso haja consenso sobre o projeto, ele será encaminhado por Demóstenes, que está ajudando na formulação do texto para evitar que ele fira a Constituição. O presidente da ALGBT também deverá ser novamente consultado antes da redação final. (Com informações da Agência Brasil)
****
Fonte:http://osamigosdobrasil.com.br/2011/06/01/crivella-e-marta-chegam-a-acordo-sobre-criminalizacao-da-homofobia/

Jornal virou "máquina de propaganda" Vargas Llosa rompe com PIG peruano: “mentiras e calúnias” contra Ollanta

01.06.2011
Do blog de Rodrigo Vianna
Por Juliana Sada


Jornal virou "máquina de propaganda"



Carta Vargas Llosa. Clique na imagem para vê-la maior
A disputa presidencial peruana se acirra e a sociedade está cada vez mais envolvida. Nesta terça-feira, o escritor Mario Vargas Llosa tomou mais uma atitude nesta disputa e anunciou o fim de sua coluna no jornal “El Comercio”, um dos principais do país e apoiador de Keiko Fujimori, a candidata da direita.

Apesar de ser conhecido por suas posições políticas conservadoras, o escritor e prêmio Nobel de literatura já havia declarado apoio ao candidato Ollanta Humala, identificado com a esquerda nacionalista.

De acordo com Llosa, em carta enviada ao diretor do jornal, o veículo se converteu em uma máquina de propaganda de Keiko – que “em seu afã de impedir, por todos os meios, a vitória de Ollanta Humala, viola diariamente as mais elementares noções de objetividade e ética jornalística”. O escritor acusa o jornal de manipular informações e “abrir suas páginas a mentiras e calúnias que possam prejudicar o adversário”.

Em sua carta, Llosa afirma que não pode permitir que sua coluna “‘Pedra de Toque’ siga aparecendo nesta caricatura do que deve ser um órgão de expressão genuinamente livre, pluralista e democrático”.

O jornal teria se tornado “uma máquina de propaganda de Keiko” quando Martha Miró Quesada e “um punhado de acionistas” tomou controle do grupo midiático. A família Miró Quesada fundou o jornal “El Comercio” em 1839 e até hoje controla o veículo.

O grupo midiático “El Comercio” possui cinco jornais, um canal de televisão a cabo e é acionista majoritário do canal América TV. Vargas Llosa denuncia que em todo o grupo, ocorrem intimidações aos jornalistas independentes.

Disputa Eleitoral

O segundo turno da eleição presidencial ocorre neste domingo e as pesquisas indicam empate técnico entre os dois candidatos. A vitória de Ollanta Humala pode causar uma grande mudança nos rumos do país, que há anos é governado pela direita. Além de impactar no resto da América Latina, como explica nosso colunista Marcelo Salles, em seu artigo de hoje – que pode ser lidoaqui.

*****
Fonte:http://www.rodrigovianna.com.br/vasto-mundo/vargas-llosa-retira-sua-coluna-de-jornal-que-apoia-keiko-fujimori.html

Estatal aparelhada: Cemig contratou ex-prefeitos em período de eleições

01.06.2011
Do blog OS AMIGOS DO PRESIDENTE,30.05.11


Cerca de 30 políticos foram terceirizados pela Cemig para coordenar as ações do programa Energia Inteligente
Os amigos do Aécio na Cemig.
Especializados no ofício de arrecadar votos, um grupo seleto de 30 ex-prefeitos ganhou uma nova missão. Foram terceirizados pela Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) para implementar nas bases eleitorais o Energia Inteligente. Trata-se de um programa para combater o desperdício e aumentar a eficiência energética nos municípios mineiros. Entre as funções dos contratados nesse exílio de luz estão a troca de lâmpadas incandescentes por fluorescentes, mais econômicas, e a instalação de equipamentos movidos a energia alternativa, como a solar. Como o trabalho exige um mínimo de capacitação técnica, os ex-prefeitos tiveram de gastar a própria energia na realização de eventos para o eleitorado que prometem, por exemplo, a distribuição de geladeiras mais econômicas.

Os encontros foram realizados em cidades como Carmo do Rio Claro, Betim, Catuti, Pavão, Caraí, entre outras. Um dos coordenadores do programa da Cemig, Higino Zacarias de Sousa, admite que os ex-prefeitos foram contratados no segundo semestre de 2010, ano eleitoral, por um período de seis meses. O próprio coordenador do programa é ex-prefeito de Ritápolis, na Região Central de Minas, e tem cargo de assistente da presidência da Cemig. “Não há nenhuma relação com as eleições. O programa existe há muitos anos e vai continuar sendo executado em Minas”, afirma.

Para implementar o programa Energia Inteligente, os ex-prefeitos receberam salários que chegaram a R$ 5 mil por mês. Segundo Higino, que comanda o programa desde o ano passado, as contratações levaram em conta critérios técnicos e não houve nenhum tipo de apadrinhamento. “Não é certo discriminar a pessoa somente porque ela já ocupou a prefeitura. O importante, neste caso, é conhecer a cidade e as necessidades da população. E eles têm condições para isso”, defende Higino.

Rodolfo de Souza Monteiro, também coordenador do programa, destaca o poder de articulação dos ex-prefeitos como trunfo para o sucesso do Energia Inteligente. “O principal objetivo é conscientizar os moradores dos municípios. E ex-prefeitos sabem falar para a população, conhecem as pessoas. Isso pode ser uma arma importante. Agora, não tenho conhecimento sobre esta situação (campanha), mas sei que o Higino contou com a ajuda de outras pessoas”, disse.

As outras pessoas, no caso, são os ex-prefeitos que, na sua maioria, são filiados ou concorreram em eleições anteriores a cargos públicos sob a bandeira do PSDB, partido do governador Antonio Anastasia. É bem provável que esses ex-prefeitos voltem à ativa em 2012, ano de eleições municipais, o que de certa forma transforma o Energia Inteligente em uma espécie de palanque eleitoral.

Prefeito de Caraí de 1997 a 2004 quando era filiado ao PMDB, Leopoldino José Ribeiro mudou-se para o PSDB e, ano passado, foi um dos nomeados para implantar o programa no município da Bacia do Mucuri. “Nós acompanhamos a execução dos projetos e também organizamos os eventos”, conta.

Leopoldino admitiu ter recebido cerca de R$ 3.500 por mês para participar do Energia Inteligente Em vez dos referidos eventos, a missão do ex-prefeito era coordenar a implantação de programas da Cemig junto a entidades filantrópicas, hospitais e a população carente do município. O ex-prefeito de Caraí desconversa quando o assunto é a eleição em 2012. “Estamos conversando e ainda não há nada certo. Mas pode acontecer.”

Gestores aguardam licitação para trabalhar

O contrato dos ex-prefeitos com o Energia Inteligente terminou no fim de 2010. Diante da série de eventos e dos bons resultados obtidos, na avaliação da coordenação, a Cemig já garantiu o retorno dos ex-gestores ao programa a partir deste ano com vigência até 2012. Os ex-prefeitos aguardam apenas o resultado de licitação, que teve de ser alterada pela companhia energética, para assegurar aos políticos salários de R$ 5 mil e, certamente, prestígio com os eleitores.

Segundo os próprios ex-prefeitos, em alguns casos, a duração do novo vínculo com o programa Energia Inteligente pode chegar a quatro anos. O ex-prefeito de Caraí Leopoldino José Ribeiro (PSDB) confirma a possibilidade da renovação dos contratos para os próximos anos. Ribeiro não esconde a ansiedade de voltar.
“Não deve demorar não. Assim que sair a licitação deve sair o anúncio. Estamos só esperando o desfecho da situação”, disse.

Em Pavão, no limite entre as bacias do Rio Jequitinhonha e do Rio Mucuri, o ex-prefeito Walter Villamid Chaves (PSDB) é quem esteve à frente do programa Energia Inteligente no ano passado. Ele reconhece ter recebido R$ 5 mil por mês pela função. Agora, aguarda penas a definição da licitação para voltar ao quadro de “refugiados” no programa.

“A informação que temos é de que durante a licitação houve problemas e isso acabou atrasando. Porém, eles já estão acertando a papelada”, diz Chaves.


Deputados pedem audiência

A Assembleia Legislativa quer esclarecimentos sobre o Energia Inteligente e sobre todas as atividades desenvolvidas pela Cemig que contam com a participação de ex-prefeitos e ex-vereadores. O assunto deve ser tratado durante audiência pública na Casa. O requerimento já foi aprovado e a discussão vai acontecer na Comissão de Minas e Energia. Porém, ainda não há uma data definida.

Autor do requerimento, o deputado estadual Rogério Correia (PT) levanta suspeitas de que “crimes eleitorais” foram cometidos no interior do Estado, onde o programa da Cemig contou com a participação de ex-agentes públicos. “Já pedi os esclarecimentos. Se isso realmente aconteceu, principalmente no período eleitoral, configura um crime. Ainda vamos encaminhar o caso para o TRE (Tribunal Regional Eleitoral). Este é um exemplo claro do coronelismo à moda antiga”, afirmou.

O deputado também fez críticas ao envolvimento de ex-prefeitos na coordenação do programa. “Na minha visão, a aplicação do programa deveria ser feita por técnicos capacitados. Será que todos são especialistas ou é apenas uma ação entre amigos? Isso (o programa) não pode ser conduzido desta maneira. Temos de investigar e discutir a questão”, ressaltou.

Já o presidente da Comissão de Minas e Energia, deputado Sávio Souza Cruz (PMDB), confirmou que nos próximos dias vai marcar a data da audiência. O deputado aguarda apenas o levantamento de mais material para sustentar a denúncia. “Vamos averiguar a situação e ver se há alguma irregularidade. É no mínimo suspeito a participação desses ex-prefeitos num programa que distribui geladeiras em pleno período eleitoral”, afirmou.

Para o encontro devem ser convidados o presidente da Cemig, Djalma Morais, o secretário de Desenvolvimento Social, Wander Borges (PSB), a presidente do Serviço Voluntário de Assistência Social (Servas), Andrea Neves da Cunha e o diretor do Sindieletro, Jairo Nogueira Filho. A intenção é esclarecer como funciona o programa, os critérios para atendimento das entidades e a escolha dos funcionários, entre outros pontos. “Além disso, será feita uma análise das atividades já desenvolvidas”, explica Souza Cruz.Do Hoje em dia


******

Fonte:http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com/2011/05/estatal-aparelhada-cemig-contratou-ex.html

Blogueiros sujos: Debates polêmicos no segundo encontro nacional

01.06.2011
Do blog de Luiz Carlos Azenha
Por por Luiz Carlos Azenha


Foi num clima de intensa cordialidade que, de forma acalorada, concordamos em discordar sobre absolutamente tudo. A única unanimidade foi na tarefa de organizar o Segundo Encontro Nacional de Blogueiros Sujos, que o  Centro de Mídia Alternativa Barão de Itararé  promoverá em Brasília nos próximos dias 17, 18 e 19.

Eduardo Guimarães, do Blog da Cidadania, ficou encarregado de fazer o relato oficial, nas próximas horas.

Porém, como repórter diante da notícia, não poderia deixar de adiantar algumas informações.

O balanço dos encontros regionais foi extremamente positivo, com mais de 1.400 blogueiros/internautas reunidos em 11 estados (antes dos encontros da Bahia e de Minas Gerais).

Para o encontro nacional de Brasília, já confirmamos que as mesas de abertura ficarão por conta do ministro Paulo Bernardo, seguido por um debate entre a deputada Luiza Erundina e os professores Fábio Konder Comparato e Venício Lima. Isso na sexta-feira, 17, a partir das 19 horas.

No dia seguinte, a partir das 9 da manhã, uma série de mesas paralelas resultarão de um esforço autogestionado.

Na oficina de Partidos e Blogosfera, por exemplo, debaterão José Dirceu, Renato Rabelo, Brizola Neto, Jean Wyllys e João Arruda (PMDB-PR).

Para o debate sobre Política na internet e neutralidade na rede, estão confirmadas as presenças de Marcelo Branco, Sergio Amadeu e Ricardo Poppi.

No debate sobre Judicialização da Censura, as presenças do Falha de S. Paulo, Esmael e Paulo Henrique Amorim.

Deverei organizar uma das mesas: Como enfrentar o Facebook?

Se tudo der certo, o professor Hariovaldo deverá abrilhantar um debate sobre o Humor na Rede, com presenças do Porra, Serra! e do Cloaca.

A lista de atividades é enorme e será em breve divulgada detalhadamente.

A confirmar, ainda, um debate sobre o Cinema Nacional entre o Cloaca e o Ali Kamel; outro, sobre Financiamento de Campanha, entre Paulo Henrique Amorim e o ministro Antonio Palocci; e um terceiro, sobre Cultura & Civilização, reunindo Renato Rovai e a ministra Ana de Hollanda. Estamos em dúvida sobre quem convidar para o debate “Teoria da Dependência Revisitada: Adorno e a Larica”; sugestões?

O Rodrigo Vianna cuidará de elaborar a minuta de um projeto para criar uma cooperativa para financiar e organizar a defesa de blogueiros que sofrem ações na Justiça.

E o Diego Casaes criará, no estilo do Otoridades e do Threatened Voices, o mapa dos Blogueiros Perseguidos, sob ameaça física ou jurídica, em todo o Brasil.

Nosso objetivo é financiar a hospedagem e a alimentação dos primeiros 400 inscritos que pagarem a taxa. Em breve, o Eduardo Guimarães divulgará detalhes não só da programação, como do tremendo esforço para cobrir os custos do evento. Da parte do Viomundo, assumimos o compromisso de repetir a dose de 2010, com a compra de uma das cotas dos Amigos da Blogosfera. Agradecemos antecipadamente ao Ricardo Negrão, da Rede Brasil Atual, e à Rosane Bertotti, da CUT, pela ajuda neste esforço. E à Força Sindical, a primeira a comprar uma das cotas.

Os sindicatos dos Bancários e dos Metalúrgicos bancarão a transmissão ao vivo, pela TVT.

O que mais nos anima, de qualquer forma, é a possibilidade de repetir, de forma ampliada, os contatos pessoais que tanto enriqueceram nosso primeiro encontro.

Contamos, como sempre, com a razão de ser da blogosfera, que são todos os nossos 14 leitores, para as tarefas de divulgação no twitter, no facebook e em outros espaços.

PS do Viomundo: Ah, sim, já temos 211 inscritos.

PS2: Revelado no encontro que, em Washington, um repórter perguntou ao ministro Patriota, especulando sobre uma possível visita de Dilma Rousseff aos Estados Unidos, algo assim: “A saúde dela vai permitir a viagem?”. É o assim-chamado PIG internacional em ação. Leia, aqui e aqui, relatos sobre essa tendência homicida.
******
Fonte:http://www.viomundo.com.br/politica/blogueiros-sujos-debates-polemicos-no-segundo-encontro-nacional.html

Santayana e a matança de ativistas na Amazônia

01.06.2011
Do blog CONVERSA AFIADA
Por Paulo Henrique Amorim


João Claudio e Maria do Espírito Santo receberam muitos avisos de que iam morrer

Conversa Afiada republica artigo de Mauro Santayana no JB online:

Urgência amazônica


por Mauro Santayana


Se os estados amazônicos são incapazes de impor a lei nos territórios de sua jurisdição, cabe ao governo federal neles intervir, como prevê a Constituição e aconselha a  necessidade de que se salve a República. O que está ocorrendo no Pará e em Rondônia é um desafio aberto à sociedade brasileira. Jagunços, a serviço dos grandes proprietários (o chamado agronegócio) e dos devastadores das matas para a exploração das madeiras nobres e o fabrico de carvão, estão matando, impunemente, pequenos lavradores e líderes extrativistas, que se opõem aos crimes cometidos contra a natureza e defendem suas pequenas posses contra os grileiros.


Não cabem eufemismos nem subterfúgios. A realidade demonstra que os mandantes contam com a cumplicidade explícita de algumas autoridades locais, não só do poder executivo, como, também, do sistema judiciário. E, ao lado dos pistoleiros, atuam parcelas da polícia militar e civil da região. Se houvesse dúvida dessa teia de interesses que protegem os criminosos, bastaria a manifestação de regozijo de parte dos parlamentares da bancada ruralista e de sua claque, quando, no plenário da Câmara se ouviu a denúncia dos assassinatos mais recentes, feita pelo deputado Zequinha Sarney.


A repetição dos assassinatos no campo  é, em si mesma, intolerável afronta à sociedade brasileira, em qualquer lugar que se dê. Mas, no caso da Amazônia, é muito mais grave, porque, ali se acrescenta a questão da soberania nacional. A inação do Estado alimenta a campanha que, nos países europeus e nos Estados Unidos, se faz contra a nossa jurisdição histórica sobre a maior parcela da Hiléia, sob o argumento de que não temos condições de  exercê-la e mantê-la. Se não somos capazes de impedir o assassinato da floresta e de seus defensores, os que cobiçam as nossas riquezas se sentirão estimulados a intrometer-se em nossos assuntos internos, sob o estribilho que precedeu a invasão de muitos países, o da defesa dos direitos humanos.


Há décadas que vozes sensatas têm clamado para que a questão amazônica seja vista como a mais exigente prioridade nacional. O Brasil é convocado a ocupar a Amazônia – ocupar, mesmo, embora sem destruí-la – criar  sistema eficiente de defesa das fronteiras, proteger sua população civil e promover o desenvolvimento sustentado da área. Trata-se de uma guerra que estamos perdendo, porque não a enfrentamos como é necessário. As nossas forças armadas, destacadas na região, lutam com todas as dificuldades. Faltam-lhes equipamentos adequados às operações na selva e nos rios; os contingentes não conseguem ocupar todos os pontos táticos e estratégicos da região e, em alguns casos, não há suprimentos para a manutenção das tropas.


Nos últimos vinte e cinco anos, de acordo com relatório da Comissão Pastoral da Terra, 1581 ativistas foram assassinados na luta contra grileiros, agronegocistas e madeireiras – a imensa maioria na nova fronteira agrícola do norte. Não bastam as declarações do governo, nem  a convocação de grupos de estudos. O bom senso indica que o governo federal terá que convocar as três forças nacionais, a fim de ocupar a Amazônia, identificar e prender os criminosos e mandantes. É crucial criar  sistema de controle da exploração madeireira, o que hoje é fácil, graças ao GPS e outros instrumentos eletrônicos.


Há centenas de brasileiros, ameaçados de morte, porque estão fazendo o que não fazem as autoridades locais: defendem a natureza e a soberania do Brasil sobre os seus bens naturais e a vida dos indígenas e dos caboclos, reais desbravadores da região.


Para que não sejamos obrigados a uma guerra externa, contra prováveis invasores estrangeiros – que aqui virão em busca dos recursos naturais que lhes faltam – temos que travar e vencer a guerra interna contra os bandidos, pistoleiros e os que lhes pagam.


******
Fonte:http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2011/06/01/santayana-e-a-matanca-de-ativistas-na-amazonia/

Estudantes de escolas públicas representarão o Brasil em Amsterdã

01.06.2011
Do site da Secretaria de Comunicação da Presidência da República - SECOM, 31.05.11

Cada país pode enviar seis alunos do ensino médio à Olimpíada Internacional de Matemática
Três estudantes, pertencentes a escolas públicas de Belo Horizonte e Pirajuba (MG) e de Brasília, vão representar o Brasil na Olimpíada Internacional de Matemática, em Amsterdã, Holanda, de 16 a 24 de julho. Esses estudantes ganharam medalhas de ouro na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep) em 2010.

Maria Clara Mendes Silva, 16 anos, cursa a terceira série do ensino médio noturno na Escola Estadual Coronel Oscar Castro, em Pirajuba, no Triângulo Mineiro. Ela participa de competições desde o quinto ano do ensino fundamental e, entre suas conquistas, estão seis medalhas de ouro na Obmep; duas de ouro, uma de prata e uma de bronze na OBM. Já Henrique Gasparini Fiúza do Nascimento, 15 anos, estudante do Colégio Militar de Brasília e André Macieira Braga Costa, 16, do Colégio Militar de Belo Horizonte, cursam o segundo ano do ensino médio. O estudante brasiliense participa da Obmep desde 2005 e já conquistou seis medalhas de ouro. Na OBM, foi medalha de prata em 2010.

Na olimpíada internacional, cada país pode enviar seis alunos do ensino médio. Completam a equipe brasileira nesta competição três estudantes de escolas particulares, medalhistas de ouro na Olimpíada Brasileira de Matemática (OBM) — Deborah Barbosa Alves, de São Paulo; Gustavo Lisboa Empinotti, de Florianópolis, e João Lucas Camelo Sá, de Fortaleza.
Estudantes de aproximadamente cem nações participam da olimpíada.
*****
Fonte:http://www.secom.gov.br/sobre-a-secom/nucleo-de-comunicacao-publica/copy_of_em-questao-1/em-questao-do-dia/estudantes-de-escolas-publicas-representarao-o-brasil-em-amsterda

Desempregado, Serra passa o dia se lamentando no Twitter

01.06.2011
Do blog OS AMIGOS DO PRESIDENTE LULA

O ex-governador de São Paulo José Serra (PSDB) afirmou em sua página no Twitter que "o esmagamento de grupos do PSDB por outros grupos do PSDB só existe no mundo virtual" e que é "um erro grave trazer as eventuais disputas de 2014 para 2011".

No sábado, após um impasse que se estendeu por mais de três horas, Serra aceitou presidir o Conselho Político do PSDB - órgão que será criado para acomodá-lo em um cargo de comando da sigla. O tucano demorou a aceitar a oferta, mas acabou convencido depois que o grupo do senador Aécio Neves (PSDB-MG) insistiu na manutenção do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) na presidência do Instituto Teotônio Vilela (ITV).

Serra insistia em presidir o ITV, depois de ter recusado a indicação para o cargo no início do ano. O grupo de Aécio convidou Tasso para a função e não se mostrou disposto a abrir mão da indicação - o que irritou o ex-governador. Na tentativa de demonstrar unidade do partido, Serra acabou aceitando a oferta de presidir o Conselho Político.

"O esmagamento de grupos do PSDB por outros grupos do PSDB só existe no mundo virtual. Se não fosse virtual, seria vitória de Pirro", disse ele no microblog. "Tenho insistido muito nisso: é um erro grave trazer as eventuais disputas de 2014 para 2011. Para a oposição, é o popular "tiro no pé"", continuou. "Não podemos deixar a mentira e a intriga prosperarem, nos dividirem. Quem faz isso trabalha pelos adversários."

Na convenção, o deputado federal Sérgio Guerra (PE) foi reconduzido à presidência do PSDB. Assim, o mandato dele à frente do partido vai até 2013.

Na nova configuração da executiva nacional do PSDB, o grupo de Serra conseguiu emplacar o ex-governador de São Paulo Alberto Goldman na primeira vice-presidência da sigla. Já o grupo ligado a Aécio manteve o deputado Rodrigo de Castro (MG) na secretaria-geral do partido.
******
Fonte:http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com/2011/06/desempregado-serra-passa-o-dia-se.html

Assaltante invade escola e rende educadora

01.06.2011
Da FOLHA DE PERNAMBUCO
Por Moab Augusto
Polícia

Coordenadora pedagógica ficou o tempo todo com uma faca no pescoço

A violência vem ultrapassando os muros das escolas do Recife. O clima de insegurança e impotência foi sentido por uma educadora de uma escola particular do Recife, por volta das 18h30, de anteontem, quando o assaltante entrou na unidade de ensino pela janela e tentou roubar e estuprar a vítima.

O caso aconteceu no Colégio Souza Leão, localizado na rua Rondônia, no bairro do Cordeiro, Recife. A coordenadora pedagógica, que preferiu não revelar o nome, estava no alojamento da escola - onde mora atualmente - quando foi surpreendida por Rodrigo Fernando da Silva, 25 anos. Armado com uma faca ele rendeu a mulher e pediu dinheiro, queria R$ 350. Imobilizada e com uma faca apontada para o pescoço ela passou vários minutos de tensão até a chegada da polícia. Como o bandido aparentava estar bêbado ou drogado a vítima ainda entrou em luta corporal com ele, que fugiu quando notou a chegada da polícia. Os PMs do 13º batalhão foram acionados através do serviço 190 do Ciods por uma vizinha do colégio que viu o exato momento da entrada do assaltante.

Depois de ter a ponta da faca quebrada durante a briga com a vítima, Rodrigo tentou pular o muro das casas vizinhas, mas logo foi alcançado. “Recebemos várias ligações sobre a tentativa de sequestro nesta escola. Quando chegamos lá soubemos que ele havia entrado para assaltar. A vítima nos disse que ele queria R$ 350 e ainda ameaçou estuprar a mulher. Quando chegamos no local ele notou a presença da nossa viatura e tentou fugir por outras casas vizinhas, mas, conseguimos pegá-lo”, detalhou o soldado Leonardo Mafra.

Rodrigo foi levado para o plantão da delegacia da Várzea onde se descobriu que ele já tinha passagem pela polícia por roubo, tentativa de sequestro e de estupro. Após ser autuado em flagrante, ele foi encaminhado ao Centro de Triagem e Observação Criminológica Professor Everardo Luna (Cotel), em Abreu e Lima.
******
Fonte:http://www.folhape.com.br/index.php/caderno-policia/640879-assaltante-invade-escola-e-rende-educadora-

Sarney desiste de excluir impeachment de Collor

01.06.2011
Da FOLHA DE PERNAMBUCO
Política


Painéis com imagens do período ficarão expostos na Casa


BRASÍLIA (Folhapress) O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), recuou, ontem, da decisão de excluir o impeachment do ex-presidente Fernando Collor de Mello (PTB-AL) do corredor “túnel do tempo” da Casa painéis com imagens que contam os principais fatos históricos da instituição. Sarney chegou a classificar anteontem o impeachment de “acidente”, mas recuou um dia depois diante da repercussão negativa da retirada. Em vídeo postado no blog do Senado, Sarney afirma que não era o curador da exposição de fotos que integram os painéis, por isso não foi sua responsabilidade excluir o impeachment do local.

A galeria, com 16 painéis, fica em um corredor entre os gabinetes dos senadores e o plenário. É um dos lugares mais visitados da Casa. O espaço passou por reforma, sem custos, segundo a Secretaria de Comunicação do Senado. Em 2007, às vésperas da posse de Collor no Senado, a Casa já havia retirado as referências ao caso, mas recuou e algumas imagens acabaram inseridas no túnel do tempo. O painel que retrata a gestão Collor mostra, por exemplo, a aprovação de projetos como o tratamento gratuito de HIV e o “Estatuto das Micro e Pequenas Empresas”.

Collor renunciou momentos antes do Senado decidir pelo impeachment, em 1992. Mesmo assim, os senadores aprovaram a perda do cargo. Em nota, a Secretaria de Comunicação do Senado disse que a ideia dos painéis era “a partir da Constituição de 1988 destacar os fatos marcantes da atividade legislativa”, com “foco na produção legislativa do Congresso Nacional”.

Líder estudantil e do movimento dos caras pintadas, o hoje senador Lindberg Farias (PT-RJ) rebateu as declarações de Sarney. O petista disse que o fato é uma “página da história que orgulha” os brasileiros. “É um erro tremendo. Não se apaga as páginas da história”, disse.
******
Fonte:http://www.folhape.com.br/index.php/caderno-politica/640956?task=view

Quais são as vidas que valem mais?

01.06.2011
Do site da Revista Carta Maior
Larissa Ramina (*)



Bin Laden provocou a morte de cerca de duas mil e seiscentas pessoas nos EUA, audácia que foi punida com seu assassinato. O sérvio Radko Mladic ordenou a morte de oito mil europeus brancos e será julgado no Tribunal Penal Internacional. Bernard Munyagishari, um dos líderes do genocídio de Ruanda (foto), levou a cabo a execução de 800 mil negros africanos, numa das mais tristes tragédias do século XX. De sua captura nem se ouviu falar. Atentados no solo da potência hegemônica, genocídio de brancos na Europa e genocídio de negros na África são crimes muito diferentes? Quais são as vidas que valem mais? O artigo é de Larissa Ramina.

Por ocasião do assassinato de Bin Laden, muitas declarações de autoridades ao redor do globo atestaram que a justiça fora feita. Evidente inverdade. Não se trata de defender o terrorismo, a Al Qaeda ou o próprio Bin Laden. Por óbvio, ninguém poderá ser insensível à tragédia de 11 de setembro, nem tampouco desejar que os culpados não sejam julgados e condenados. Entretanto, para condenar é necessário julgar.

Não é possível falar em justiça quando um homem é assassinado por um comando em um país estrangeiro ao seu, ainda que seja um terrorista do calibre de Bin Laden. Trata-se da aplicação da Lei de Talião: olho por olho, dente por dente, ou em outras palavras, vingança. Ao contrário da justiça, a vingança não impõe uma investigação que confronte os fatos, a produção de provas, o trabalho de advogados e promotores, com respeito ao princípio da legalidade, da ampla defesa e do contraditório. A vingança não exige uma condenação com circunstâncias atenuantes ou agravantes, e uma pena dela resultante. Assassinar um terrorista não é, portanto, fazer justiça. É assassinato. Podemos ponderar que mesmo o julgamento de Nuremberg seria mais legítimo do que a morte de Bin Laden.

A operação norte-americana que assassinou o terrorista em Abbottabad faz lembrar a tentativa de resgate dos reféns da Embaixada dos EUA em Teerã, por ocasião da Revolução Islâmica comandada pelo Aiatolá Khomeini em 1979. Jimmy Carter, na época, orquestrou uma operação militar audaciosa que foi mal-sucedida, fazendo com que perdesse a reeleição para Ronald Reagan. Provavelmente Obama não amargará sorte semelhante, apesar de ter violado a soberania do Paquistão e princípios fundamentais do direito internacional e dos direitos humanos.

Poucos dias depois da operação em Abbottabad, a Sérvia anunciou a prisão de Radko Mladic, que será levado a julgamento perante o Tribunal Penal Internacional sediado em Haia. Provavelmente a localização de Bin Laden fez com que a Sérvia, que pretende abrir caminho para uma futura adesão à União Europeia, perdesse argumentos para continuar acobertando o “Açougueiro da Bósnia” ou o “Átila dos Balcãs”.

Mladic é responsabilizado pelo massacre de Srebrenica de julho de 1995, o pior extermínio étnico perpetrado em solo europeu após a 2ª Guerra Mundial. Oito mil homens e meninos bósnios-muçulmanos foram exterminados num campo de refugiados sob proteção de trezentos soldados das Nações Unidas. Falha inexplicável, agravada pela lentidão da reação ocidental, que veio somente após três dias de matança.

Nesse mesmo dia, foi anunciada a prisão no Congo de Bernard Munyagishari, líder da milícia hutu Interahamwe e um dos responsáveis pelo genocídio de Ruanda, em 1994. Na ocasião, oitocentos mil tutsis e hutus moderados foram assassinados, e milhares de mulheres tutsis foram estupradas sob os olhos inertes da comunidade internacional. O acusado será julgado no Tribunal Penal Internacional para a Ruanda, com sede na Tanzânia, mas a notícia não mereceu a devida atenção da mídia ocidental.

Quais são as razões para tratamentos tão diferentes? Bin Laden provocou a morte de cerca de duas mil e seiscentas pessoas em solo norte-americano, audácia que foi punida com seu assassinato. Mladic ordenou a morte de oito mil europeus brancos, será julgado no Tribunal Penal Internacional, e sua captura foi festejada no Ocidente como o fim do isolamento internacional da Sérvia. Munyagishari, um dos líderes do genocídio na Ruanda, levou a cabo a execução de oitocentos mil negros africanos, numa das mais tristes tragédias do século XX. De sua captura nem se ouviu falar. Atentados no solo da potência hegemônica, genocídio de brancos na Europa e genocídio de negros na África são crimes muito diferentes? Quais são as vidas que valem mais?

(*) Doutora em Direito Internacional pela USP, Professora da UniBrasil e do UniCuritiba.

******
Fonte:http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=17857

Brasil sem miséria requer reforma agrária

01.06.2011
Do blog de Altamiro Borges

Do sítio Repórter Brasil:

Nas próximas semanas, o país deve conhecer o "Brasil Sem Miséria", programa do governo federal que pretende beneficiar cerca de 16,3 milhões pessoas atadas à extrema pobreza, na mais completa exclusão social. O público-alvo é formado por famílias com renda mensal de até R$ 70 per capita. Trata-se de uma das prioridades anunciadas pela presidenta Dilma Rousseff.

Sabe-se que mais de 7,5 milhões de pessoas que sobrevivem nessas condições estão no meio rural. A cada 20 pessoas no meio urbano, uma pode ser considerada miserável. Quando se toma apenas o meio rural, a cada quatro indivíduos, um é miserável. Ou seja, parte substantiva do desafio de acabar com a miséria no Brasil está diretamente associada a ações que possam impedir a continuidade do ciclo perverso que não só exclui e vulnerabiliza a população pobre das áreas rurais, como também tende a aumentar a pressão e o inchaço nos conglomerados urbanos.

Em declarações a imprensa, ministros têm abordado a novidade de diversas perspectivas. Tereza Campello, que comanda o Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), disse a um jornal paulista que serão adotadas "rotas diferentes para tratar da inclusão produtiva na cidade e no campo".

"A escolaridade no campo é baixíssima, mas, por outro lado, as pessoas têm seu meio de produção, que é a terra. Vamos potencializar esse meio, facilitando o acesso à informação e à assistência técnica. Estamos trabalhando com o apoio do Ministério da Agricultura, da Conab e, sobretudo, da Embrapa, que talvez seja a instituição mais importante do mundo nessa área. Posso adiantar que a Embrapa vai fornecer sementes de qualidade para essa população. Queremos que eles melhorem a produção com o que existe de melhor no mundo em termos de agricultura tropical. Não queremos fazer um programa rebaixado. Como são famílias com pouca terra, a meta é melhorar a produção, garantir a segurança alimentar e também obter excedentes para comercializar", completou a ministra em questão que associava a miséria aos assentamentos rurais. Os grifos, que encobrem a injustiça na distribuição de terras no Brasil, são do Blog da Redação.

Sobre a multidão de sem-terras que se espalha por acampamentos improvisados e precários à espera de um pedaço de chão, nada se disse. Apenas entre as famílias ligadas ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), são mais de 100 mil nessa situação. Sobre os altíssimos índices de concentração fundiária e a permanência dos conflitos agrários - que agravam ainda mais o sofrimento dos pobres do campo -, nenhuma palavra sequer. Como se fosse possível combater a miséria rural sem reforma agrária.

Essa contradição vem ganhando cada vez maior evidência. Na semana passada, a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) realizou a mobilização anual do Grito da Terra 2011 e sublinhou a necessidade de "ações emergenciais de combate à pobreza rural", especialmente a ampliação e qualificação dos assentamentos de reforma agrária. Paralelamente, o MDS e a Secretaria-Geral da Presidência da República convidaram representantes de movimentos sociais do campo e também de vários outros segmentos para que tomassem conhecimento de algumas das linhas gerais que estão sendo trabalhadas no Brasil Sem Miséria.

Em reação às mobilizações camponesas ocorridas neste primeiro semestre, o governo anunciou na semana passada que está destinando R$ 530 milhões para a aquisição de terras. Ao longo dos primeiros meses de 2011, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) confirmou ter desembolsado apenas R$ 600 mil em desapropriações.

Em outra entrevista, o ministro Gilberto Carvalho, da Secretaria-Geral da Presidência da República, disse que o governo ainda não tem uma posição firmada sobre metas de reforma agrária.

Em tempos de contingenciamento, a autorização para os gastos não deixou de ser bem recebida pelos movimentos sociais. Todavia, José Batista Oliveira, que faz parte da coordenação nacional do MST, já comentou que os recursos são insuficientes. Segundo ele, se forem contabilizadas as terras com processo já pronto para desapropriação no Incra, seria preciso algo em torno de R$ 800 milhões a R$ 1 bilhão. Procedimentos correm o risco de "caducar" caso não haja providências no curto prazo, advertiu.

Mesmo que amaldiçoada e tida como ultrapassada por muita gente, a reforma agrária, especialmente em um país continental e abundante em recursos naturais como o Brasil, continua sendo apontada por organizações sociais populares do campo e da cidade como uma das políticas com maior potencial de inclusão social e combate às desigualdades.

Seria muito importante, portanto, que o Brasil Sem Miséria incorporasse metas efetivas para a ampliação, qualificação e consolidação de assentamentos. Se a miséria aflige inclusive parte dos que usufruem de um pequeno imóvel rural, é certamente mais dolorosa a penúria para quem continua acampado, sem nada muito além da esperança. É bastante inglória - para não dizer vã - a tarefa de negar que a lógica estrutural de multiplicação de desassistidos dificilmente será interrompida sem o aprofundamento da reforma agrária.

Tráfico de pessoas

O Blog da Redação também destaca a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Tráfico Humano no Senado Federal. A CPI pretende mapear algumas das principais rotas nacionais e internacionais, além de identificar obstáculos ao enfrentamento da atividade criminosa que chega a movimentar, em nível mundial, cerca de US$ 32 bilhões ao ano.

De acordo com a autora do requerimento e relatora da CPI, senadora Marinor Brito (PSol/PA), cidades escolhidas como sedes da Copa do Mundo de 2014 que fazem parte de rotas conhecidas de tráfico - como Rio de Janeiro (RJ), Goiânia (GO), Fortaleza (CE) e Manaus (AM) - merecerão cuidado especial. Segundo ela, essas cidades deverão ficar ainda mais suscetíveis ao crime com a chegada de grande número de turistas durante o evento.

Com duração de 120 dias (sujeitos à prorrogação), a CPI será presidida por Vanessa Grazziotin (PCdoB/AM) e terá como vice-presidente Randolfe Rodrigues (PSol/AP). Integram a CPI Ângela Portela (PT-RR), Gleisi Hoffman (PT-PR), Paulo Davim (PV-RN) e Waldemir Moka (PMDB-MS).
*****
Fonte:http://altamiroborges.blogspot.com/2011/06/brasil-sem-miseria-requer-reforma.html

Governo Alckmin desqualifica provas da Folha e mantém contratos suspeitos

01.06.2011
Do blog de Luiz Carlos Azenha, 25.05.11

Governo Alckmin ignora a denúncia da Folha e a apuração pela Justiça, e mantém contratos suspeitos para a construção da Linha 5 – Lilás, do Metrô: prejuízos aos cofres públicos estimados em R$ 304 milhões.
Em outubro do ano passado, o jornal Folha de S. Paulo (http://www1.folha.uol.com.br/poder/820054-resultado-de-licitacao-do-metro-de-sao-paulo-ja-era-conhecido-seis-meses-antes.shtml) a suspeita de fraude na licitação de R$ 4 bilhões de reais para a linha 5 do Metrô.
A denúncia se baseou num vídeo e documento, com firma reconhecida em cartório, que anunciavam seis meses antes da conclusão da licitação os vencedores de seis lotes (3 a 8) da linha 5 – Lilás.
Após a denúncia o então governador de São Paulo, Alberto Goldman (PSDB), suspendeu a contratação das empresas vencedoras da licitação porque a Corregedoria do Estado também achou indícios de irregularidades. (www1.folha.uol.com.br/cotidiano/827663-metro-de-sp-suspende-contratos-da-linha-5-lilas-apos-denuncia.shtml) .
Vale aqui relembrar que, em 2008,  ainda na gestão de José Serra, o ex-deputado estadual Vanderlei Siraque (PT-SP) ingressou com ação popular na 9ª Vara da Fazenda Pública contestando o edital dessa licitação.
Entre as empresas que participariam do esquema está a Camargo Corrêa, curiosamente investigada pelo Ministério Público Federal na Operação Castelo de Areia por pagar propina para ganhar licitações públicas, entre as quais as das linhas 4 e  2 do Metrô paulista.
Outras empresas do esquema também são velhas conhecidas e participaram da construção do Rodoanel Trecho Sul, em esquema que seria operado por Paulo Preto, tal como vem sendo divulgado pela revistaÉpoca e Veja Online.
O portal R7, da Rede Record, divulgou matéria que “empresas suspeitas de fraudar a licitação pagaram R$ 5,8 milhões da campanha de Alckmin”. Doações de seis construtoras correspondem a 17% do que foi arrecadado por tucano. Só a Camargo Corrêa, que participa do consórcio vencedor do lote 3, doou R$ 2,5 milhões ao comitê financeiro de Alckmin. OAS (R$ 1 milhão), Andrade Gutierrez (R$ 500 mil), Mendes Junior (R$ 1,2 milhão), Triunfo (R$ 215 mil) e Carioca (R$ 400 mil) completam a lista de construtoras que contribuíram para Elegê-lo governador de SP.
Há também as chamadas “doações ocultas”, quando as empresas doam ao partido e estes, por sua vez, repassam às campanhas. Só ao PSDB de São Paulo foram quase R$ 6,5 milhões de empreiteiras suspeitas de fraude na licitação da linha 5. Nestes casos, porém, não há como identificar quanto desse valor foi usado na campanha de Alckmin.
Governo Alckmin mantém contratos suspeitos de causar prejuízo de R$ 304 milhões.
Apesar de todos os fatos, o governo Geraldo Alckmin, precipitadamente, validou as licitações dos sete lotes ( 2 a 8) da Linha-5 e os contratos daí decorrentes, que serão feitos por sete consórcios suspeitos de terem repartido a obra.
A decisão anunciada no dia 19 de maio de 2011  foi baseada em laudos do Instituto de Criminalística que concluíram que o documento impresso da Folha e o vídeo não são provas irrefutáveis do conhecimento prévio do resultado.
Acontece que:
1) O modelo da licitação encareceu a obra em R$ 304 milhões, informa O Estado de S. Paulo
2)  A Folha de S. Paulo também contratou peritos que comprovaram a autenticidade do vídeo e que colocou o original a disposição do Metrô.
3) O Instituto de Criminalística (IC), que valida a licitação suspeita de fraude da Linha 5 do Metrô, com prejuízos estimados em R$ 300 milhões, é investigado pelo Ministério Público em diversos episódios, em razão de parcela de seus peritos serem suspeitos de venda de laudos encomendados (http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20080716/not_imp206700,0.php;  http://sergyovitro.blogspot.com/2010/04/peritos-do-ic-sao-suspeitos-de-vender.html
De acordo com informações da operação Castelo de Areia, noticiada pelo jornal Folha de S. Paulo, houve pagamento de propina para funcionários do Instituto de Criminalística para fornecer laudos favoráveis ao consórcio Via Amarela (composto pela Alston e construtoras CBPO, OAS, Queriroz Galvão, Andrade Gutierrez e Camargo Correa) no caso do acidente do metrô em Pinheiros, que matou sete pessoas. Devemos lembrar, que a linha 4 do metrô deveria ter sido entregue em março de 2007 e só ficará pronta 4 anos e seis meses do seu prazo inicial.
Tucanos pedem até nomes de jornalistas para aprovar licitação suspeita
O governo paulista criou uma comissão para averiguar os fatos. Essa comissão, sem poder polícia, chamou vários funcionários públicos e as empresas para depor.
Em publicação no Diário Oficial Empresarial, de 12 de fevereiro de 2011, página 31, se encontra a publicação de aviso à companhia do Metrô, em que pede ao jornal Folha de São Paulo:
Diante dessas solicitações a pergunta inevitável: o que o governo queria com os nomes dos jornalistas responsáveis pela matéria? Será que os perseguir? Será que essa solicitação não é a tentativa de cercear a liberdade de  a  imprensa fazer o seu trabalho?
Outras perguntas ainda ficam no ar:
*  Se o jornal ofereceu o original do vídeo, como afirma em reportagem, porque o governo paulista não foi buscá-lo para avaliar?
* Como o Instituto de Criminalística não aceitou o vídeo como prova, sem ter o original?
* E como ainda, sem analisar a vídeo original disponibilizado pela Folha, afirma que o vídeo não é prova definitiva e permite que uma licitação suspeita seja viabilizada?
* E se Justiça mandar suspender a licitação como fica o governo do Estado?
* O poder público vai ter de pagar indenização a essas empresas, já que o contrato foi homologado?
O governo paulista dias depois retificou esta publicação, retirando o pedido dos nomes dos jornalistas, mas o estrago já estava feito. O fato demonstra cabalmente os métodos autoritários empregados para calar a imprensa paulista.
O questionamento do vídeo é um ataque à reputação de um dos principais veículos da imprensa paulista, em pese a nossa discordância com a sua linha editorial. É inadmissível o ato de pedir nomes de jornalistas e desqualificar provas sem analisar o seu original, para viabilizar uma licitação com graves indícios de ilicitudes e que está sendo investigada pela justiça.
Alckmin para dar satisfação aos seus financiadores de campanha e evitar críticas da oposição à expansão tartaruga do Metrô disse em discurso, na inauguração da estação Butantã, que o metrô deve ser o dobro do tamanho atual, como se não tivesse sido governador anteriormente. Deste modo, os interesses imediatos do governo paulista se sobrepõem a investigação da justiça e da liberdade da imprensa.
Por tudo isso, propomos um movimento para que o processo de investigação da linha 5 do Metrô seja de domínio público. Todo o processo deve ser disponibilizado na internet para conhecimento do cidadão paulista que paga diariamente o preço da superlotação do metrô e das suas precárias condições de manutenção.
Que tal começarmos, comendo pizza em frente a sede do Metrô, para protestar contra a decisão do governador que prejudica o povo paulista?
Esperamos que o Ministério Público e Tribunal de Contas cumpram a sua obrigação constitucional e impeçam que este contrato seja assinado, sem que a Justiça conclua a sua investigação e de o seu posicionamento, visto que o Diário Oicial de21 de maio, página 40, publicou a validação da licitação.
Esperamos que ante o denunciado o TCE, a Justiça e o Ministério Público se manifestem sobre a ilegalidade do que se está fazendo e ainda esperamos que os que bradam pela liberdade de imprensa, como associações empresariais e o Instituto Milenium se manifestem, condenando o Governo do Estado.

*****
Fonte:http://www.viomundo.com.br/denuncias/governo-alckmin-desqualifica-provas-da-folha-e-mantem-contratos-suspeitos-do-metro.html