sexta-feira, 13 de maio de 2011

Enem deve ser nos dias 22 e 23 de outubro; edital anunciará outra prova em maio de 2012

13/05/2011
Educação
Amanda Cieglinski
Repórter da Agência Brasil

Brasília
- O Ministério da Educação (MEC) confirmou hoje (12) que deve anunciar na próxima semana as datas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2011/2012. A edição deste ano será em outubro provavelmente nos dias 22 e 23. A outra prova deve ser marcada para maio de 2012, nos dias 5 e 6. Os técnicos do MEC trabalham nos últimos detalhes do edital que deverá ser publicado na próxima semana. Com uma prova marcada para o primeiro semestre de 2012, confirma-se a intenção do MEC em aplicar duas edições do Enem por ano.

Em 2009 o MEC deu início a um projeto de substituição dos vestibulares tradicionais pelo Enem. A partir do resultado da prova, os alunos se inscrevem no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e podem pleitear vagas em instituições públicas de ensino superior de todo o país. No ano passado, foram ofertadas 83 mil vagas em 83 instituições, sendo 39 universidades federais.

A participação no Enem também é pré-requisito para os estudantes interessados em uma bolsa do Programa Universidade para Todos (ProUni). Os benefícios são distribuídos a partir do desempenho do candidato no exame e podem ser integrais ou parciais, dependendo da renda da família. Para participar do programa é necessário ter cursado todo o ensino médio em escola pública ou em colégio privado com bolsa integral. Em 2010, mais de 4 milhões de candidatos se inscreveram para participar do exame.

Edição: Lílian Beraldo
****
Fonte:http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2011-05-13/enem-deve-ser-nos-dias-22-e-23-de-outubro-edital-anunciara-outra-prova-em-maio-de-2012

JOÃO PAULO: “ESTOU DE AVISO PRÉVIO NO PT”

13.05.2011
Da FOLHA DE PERNAMBUCO


Após dias de intenso mergulho, o deputado João Paulo (PT) emergiu com a língua afiada. De acordo com post publicado no Blog do Magno, do jornalista Magno Martins, em encontro com os prefeitos pernambucanos que estão em Brasília participando da Marcha dos Prefeitos, o ex-prefeito do Recife botou mais lenha na fogueira das especulações de que deixará o partido. No encontro, ao comentar os boatos de que poderia trocar de legenda, João Paulo acabou dizendo que está de “aviso prévio no PT”.

Há mais de seis meses, o ex-prefeito tem seu nome ventilado em especulações acerca da pretensão de partidos que estão na base governista e que pretenderiam apresentar candidato próprio na sucessão do Recife. PTB, PCdoB e PDT foram apontados como caminhos viáveis para João Paulo. Outra possibilidade, o PMDB - que faz oposição no Estado, mas que está alinhado com o projeto petista no âmbito federal - também figura nas bolsas de apostas sobre o futuro do deputado.

Desde que esses boatos começaram a circular, João Paulo tem se esquivado sobre o assunto. O parlamentar tem ressaltado que sua história política está sintonizada com a existência do Partido dos Trabalhadores, porém, não esconde de ninguém que não está satisfeito com o tratamento que recebe da legenda. Vez por outra, o ex-prefeito afirma que não é tratado como deveria pelo comando do PT.

O petista tam­bém voltou a dar estocadas no seu ex-afilhado político e hoje desafeto, o prefeito João da Costa (PT). O parlamentar desejou “sorte” aos gestores que não disputarão a reeleição, no pleito do ano que vem, e que tenham mais sorte do que ele com seus sucessores. “Pensei que havia elegido um amigo, mas na verdade ganhei um inimigo”, bateu.

Nos últimos meses, as críticas lançadas por João Paulo ao prefeito João da Costa foram rechaçadas e rebatidas, em algumas vezes de forma dura, por petistas de diferentes tendências. Antigos aliados de primeira hora, como o deputado Fernando Ferro (PT) e o dirigente Oscar Barreto, não economizam nos seus questionamentos ao ex-gestor. O deputado se sente desprestigiado, e chegou a dizer que se o partido não concorda com suas posições que o coloque no Conselho de Ética e abra processo de expulsão. Até o momento, essa possibilidade segue negada pela direção da sigla.

A situação de João Paulo no PT tem provocado, inclusive, brincadeiras de personagens do campo oposicionista. Em mais de uma oportunidade, o deputado federal Mendonça Filho (DEM) brinca que o seu partido trata o adversário melhor do que o PT. A reportagem tentou contato com o parlamentar, entretanto, ele não retornou nossas ligações.
****
Fonte:http://www.folhape.com.br/index.php/edicao-de-hoje/637233-joao-paulo-estou-de-aviso-previo-no-pt

Eles não gostam do povão: Sofro bullying e ameaças físicas, diz presidente da associação que não quer metrô na avenida Angélica

13.05.2011
Do UOL NOTÍCIAS
Por Rodrigo Bertolotto
Em São Paulo

"Recebo telefonemas e e-mails com ofensas e ameaças físicas. Falam que sabem meu endereço e que vão me agredir. Até minhas filhas e minha família já foram incomodadas.” Quem fala é o empresário Pedro Ivanow, que lidera a Associação Defenda Higienópolis, grupo que criou um abaixo-assinado para vetar uma estação de metrô na avenida Angélica, no coração do nobre bairro paulistano de Higienópolis.

Ele é a cara mais visível do grupo que pressionou para que a futura estação da linha 6-Laranja não se estabeleça na esquina da avenida Angélica com a rua Sergipe. O anúncio do governo paulista da desistência do projeto inicial gerou uma polêmica que incendiou principalmente em redes sociais da internet.

Na página do Facebook que mobilizou um protesto contra a decisão, o nome, telefone e endereço de Ivanow circularam entre as pessoas mobilizadas para a manifestação (chamada de “churrascão da gente diferenciada” e depois modificado para um ato beneficente).

“Estou sofrendo um verdadeiro bullying, invadindo minha privacidade . Esse pessoal não sabe que isso é uma atividade criminosa. Ligar para minha casa e falar gracinhas para minhas filhas não faz parte do jogo democrático”, afirma Ivanow.

A Associação Defenda Higienópolis foi a responsável pelo abaixo-assinado de 3.500 pessoas que pedia que a esquina da avenida Angéllica com a rua Sergipe não virasse estação de metrô. Ivanow argumenta que a questão é meramente técnica (a estação ficaria muito próxima da estação seguinte, Higienópolis-Mackenzie, cerca de 600 metros). “Sou usuário do metrô e defendo a linha Laranja, mas com a estação em outro local”, justifica o empresário.

O governo paulista afirma também que a mudança nos planos obedece a uma lógica técnica. O Metrô anunciou que está sendo avaliada uma nova localização para a estação. O governador do Estado, Geraldo Alckmin, negou que pressão dos moradores tenha influenciado.

“Não é porque alguns não querem que não vai ter estação de metrô, é uma escolha técnica. A questão é que a estação prevista ficava a 600 metros de outra. Então, o metrô perde velocidade porque é muito pequena a distância. A nova estação que está sendo estudada também será em Higienópolis”, disse Alckmin.

O presidente do Metrô, Sérgio Avelleda, reforçou que a decisão é técnica. “Nós não estamos retirando a estação da região de Higienópolis, nós estamos mudando de lugar. Teve um abaixo-assinado, mas isso não teve efeito na nossa decisão. É uma besteira não querer metrô.”

Isto é Higienópolis

Foto 10 de 10 - Vista aérea do bairro de Higienópolis, que sofreu forte verticalização. No centro está o Shopping Pátio Higienópolis Folhapress

Por seu lado, o Ministério Público de São Paulo solicitou à presidência do Metrô e à Secretaria de Transportes Metropolitanos informações sobre a mudança da estação, que agora deverá se localizar entre a praça Villaboim e o estádio do Pacaembu.

Ivanow, que vive do lado do local que seria originalmente a estação Angélica, disse que é secundária a questão sobre a valorização ou desvalorização dos imóveis da redondeza. “Durante a construção do metrô, o imóvel desvaloriza pelo barulho e transtorno da construção, depois ele valoriza.”

Boa parte da polêmica foi gerada por declarações de moradores contrárias ao metrô, publicadas na imprensa, motivadas pelo temor do aumento do comércio informal e da criminalidade na região.

******