Pesquisar este blog

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Wikileaks: o saque do petróleo no Iraque

21.04.2011
Do blog de Altamiro Borges
Por Altamiro Borges
Documentos vazados pelo WikiLeaks nesta terça-feira (19) comprovam, mais uma vez, que a "guerra" no Iraque foi uma grande farsa - tramada pelas potências capitalistas e amplificada pela mídia corporativa.

Eles mostram que o governo britânico, em conluio com o dos EUA, discutiu a partilha do petróleo do país invadido um ano antes da invasão. A história da existência de armas de destruição em massa foi mais uma mentira abjeta e descarada das nações imperialistas.

Partilha combinada um ano antes

Conforme notícia publicada no jornal inglês The Independent, os documentos vazados pelo WikiLeaks revelam que "os planos para exportar as reservas de petróleo do Iraque foram discutidos por ministros do governo britânio e as principais petroleiras internacionais um ano antes da Grã-Bretanha aceitar, junto com os Estados Unidos, invadir o solo iraquiano".

O jornal lembra que a grave denúncia sobre a existência do plano prévio já havia sido feita em março de 2003. Na época, tanto Shell com a BP negaram que tivessem se reunindo às escondidas em Downing Street, sede do governo britânico, para discutir a partilha do petróleo. O primeiro-ministro na época, o capacho Tony Blair, também qualificou as denúncias de "totalmente absurdas".

Saqueadores e criminosos

Agora, porém, os documentos vazados pelo WikiLeaks confirmam a trama e desmascaram os mentirosos - que deveriam ser processados pela morte de milhares de pessoas no Iraque. Os memorandos publicados no The Independent, datados de outubro e novembro de 2002, dão detalhes sobre as reuniões.

Num deles, de cinco meses antes da invasão, Elizabeth Symons, ministra de Comércio, afirma à BP que o governo queria que as companhias energéticas britânicas recebessem parte dos enormes benefícios do petróleo e do gás do Iraque como recompensa pela ajuda militar dada por Blair aos Estados Unidos para a mudança do regime iraquiano.
****

Petista volta a sugerir a sua expulsão

21.04.2011
Da FOLHA DE PERNAMBUCO
Por Carol Brito

As duras críticas do Fernando Ferro (PT) não foram bem digeridas pelo deputado federal João Paulo (PT). Ele reagiu e disparou que, se suas declarações forem consideradas “um crime” pelo partido, eles devem abrir um processo para expulsá-lo. “Que crime pode haver de responder a uma pergunta de um repórter sobre a minha gestão na cidade? Eu não tenho controle das manchetes que sai no outro dia nos jornais. Se é crime dizer que, durante épocas de chuvas, eu nunca me ausentei na cidade, é só eles montarem um processo na Comissão de Ética do partido e me expulsarem”, rebateu.

Para João Paulo, faltou respeito e sensibilidade a Ferro nas declarações. Em seguida, cobrou respeito à sua história de militância política. “Eu não sou qualquer um. Eu tenho uma história de 40 anos de militância que antecede ao PT. Eu nunca tratei ele com falta de respeito. Não é humano ele me tratar como oportunista, ele conhece a minha história. Se ele tivesse algum comentário para fazer, me procurasse antes e não a Imprensa. Ele não me perguntou absolutamente nada”, afirmou. O petista revelou que tentou entrar em contato com Ferro por duas vezes, mas que o celular estava desligado.
João Paulo também voltou a tocar na polêmica ausência do prefeito João da Costa (PT), durante o período de chuvas, tentando justificar as suas declarações. “Eu acho que o gestor tem um compromisso com a população e com seu sofrimento. É muito importante a cidade ter um prefeito à sua frente em períodos como este”, analisou.

Indagado se estaria isolado no partido, como afirmou Fernando Ferro, João Paulo desviou do assunto e adiantou que espera o posicionamento do presidente estadual do partido, Pedro Eugênio, sobre sua situação. “Eu não posso dizer que estou isolado e nem que cheguei à situação-limite. Cabe a eles agora responder. Se o sentimento deles é esse, resta agora tomarem as providências necessárias”, analisou.

Esta não é a primeira vez que João Paulo insinua a abertura de um processo para expulsá-lo da legenda, após receber críticas de correligionários. Na anterior, foi devido às críticas recebidas após afirmar que João da Costa não cumpriu o acordo para homenagear o engenheiro Luiz Arnaldo (já falecido) no Parque Dona Lindu.
*****
Fonte:http://www.folhape.com.br/index.php/caderno-politica/632963?task=view

Fernando Ferro aponta saída inevitável

21.04.2011
Da FOLHA DE PERNAMBUCO
Valdecarlos Alves - do Blog da Folha


Um dia após o deputado federal João Paulo (PT) censurar publicamente a viagem do prefeito João da Costa à Espanha - enquanto o Recife sofria com as fortes chuvas -, o parlamentar recebeu do deputado federal Fernando Ferro um dos mais duros ataques. “João Paulo usa de um oportunismo político e desnecessário. Ele faz coro com a oposição ao atacar João da Costa”, disparou Ferro, em entrevista exclusiva ao Blog da Folha. Questionado se o melhor caminho para João Paulo seria fora do PT, Ferro disse que esse desfecho será inevitável se chegar a uma situação-limite nos próximos meses. “Ele mesmo vai seguir o seu caminho. É um grande quadro político, uma grande liderança, mas Pelé parou de jogar e nem por isso o Santos fechou”, sentenciou o parlamentar.

A voz em defesa do gestor recifense sai de um dos quadros que já foi muito próximo do ex-prefeito, mas hoje integra a ala de apoio a João da Costa. Para Ferro, João Paulo é o principal responsável pela eleição do sucessor e “não vai se livrar disso nunca”. “Para o bem ou para o mal, ele é o responsável. Não esperava isso dele. Está querendo aprofundar o desgaste do prefeito e faz oposição ao PT, sendo do PT”, lembrou o deputado.

Ferro vê como uma “jogada política” a postura do correligionário, nos últimos meses, desde que rompeu politicamente com o seu sucessor. “João Paulo deveria construir outra candidatura (fora do PT). O candidato do partido é João da Costa. Se ele quer aniquilar o prefeito, é porque tem mesmo interesse em se candidatar”, afirmou o deputado petista. O parlamentar vê o ex-prefeito como uma voz isolada no PT pernambucano, pois nenhum quadro do partido segue a linha de desconstrução ao atual gestor.

“Vale lembrar que um fracasso de João da Costa é um fracasso do PT. João Paulo se dizia um homem de projeto, mas tem provado o contrário. Ele está antecipando uma discussão que deveria muito bem ser evitada”, afirmou Ferro, reforçando que o ex-prefeito não tem falado com mais ninguém dentro da legenda e procurado se afastar cada vez mais. “Se eu fosse oposição, hoje, estaria muito feliz com essa atuação de João Paulo”, emendou. Como “conselho” ao ex-prefeito, Fernando Ferro destaca que a saída seria “ouvir mais os companheiros” de partido, numa conversa mais “coletiva e menos solo”.
*****
Fonte:http://www.folhape.com.br/index.php/caderno-politica/632962-fernando-ferro-aponta-saida-inevitavel

Dilma entra na lista das 100 pessoas mais influentes da ''Time''

21.04.2011
Do BLOG DE JAMILDO

Da Folha de São Paulo

A presidente Dilma Rousseff foi escolhida uma das 100 pessoas mais influentes do ano pela revista americana "Time".O texto de apresentação é da ex-presidente do Chile, Michelle Bachelet.

"A nova presidente do Brasil é uma lutadora corajosa que se levantou contra a ditadura militar e que dedicou sua vida a construir uma alternativa democrática para o desenvolvimento, a igualdade social e os direitos das mulheres", afirma Bachelet.

A chilena diz que não é fácil ser a primeira mulher a governar seu país. "É ainda mais difícil governar um país tão grande e globalmente relevante como o Brasil."

Para Bachelet, o Brasil vive um momento único da sua história, que exige um "líder de sólida experiência e firmes ideais."

"Dilma oferece precisamente essa combinação virtuosa de sabedoria e convicção que seu país precisa", completa.

A oitava edição da lista inclui políticos como o presidente da França, Nicolas Sarkozy; atletas como o atacante argentino Lionel Messi e artistas como o cantor Justin Bieber.

No ano passado, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi colocado como um dos mais influentes. Ele também já tinha aparecido na mesma lista em 2004.

*****

Em Minas, Dilma faz o que Aécio não fez: Vale vai ter que dividir mais a riqueza da mineração com o povo

21.04.2011
Do blog OS AMIGOS DO PRESIDENTE LULA

Em discurso hoje (21) na cidade de Ouro Preto (MG), capital do ciclo do ouro no século 17, a presidenta Dilma Rousseff fez o que os tucanos, que governam Minas há anos, não se mexeram para fazer.

Se comprometeu a enviar ao Congresso Nacional o marco regulatório do setor de mineração, fazendo com que empresas como a mineradora Vale deixem uma parcela maior da riqueza para o povo.

“Não é justo e não contribui para o desenvolvimento do Brasil que os recursos minerais do país sejam daqui tirados e não haja a devida compensação. Essa compensação é condição para que nossas reservas naturais tenham um sentido, que não se concentrem na mão de poucos”, disse a Presidenta.

Atualmente, os royalties sobre o ferro e outros minerais extraído pela Vale, é uma porcentagem muito menor do que os royalties sobre o petróleo pago pela Petrobras. Também é muito menor do que o que se cobra em países como a Austrália.

Só a mineradora Vale e seu maior acionista privado (o Bradesco), através de empresas ligadas, injetaram pelo menos R$ 7,25 milhões nas campanhas eleitorais tucanas de Aécio Neves e Anastasia, em 2010.

Coincidentemente, o senador Aécio, em seus discursos, se posiciona contra o governo federal e a favor dos interesses privados na empresa, em vez de defender que a mineradora pague mais royalties para o povo mineiro.

Dilma recebe a maior homenagem de Minas

A celebração do 21 de abril, dia de Tiradentes, é a data política mais importante do governo Mineiro, e a Presidenta foi a principal convidada e homenageada com a Medalha da Inconfidência.

Outros ministros e governadores também ganharam a comenda, como os ministros da Saúde, Alexandre Padilha; da Cultura, Ana de Holanda; da Integração Nacional, Fernando Bezerra Coelho; do Planejamento, Miriam Belchior; e da Justiça, Jose Eduardo Cardozo; o presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT/SP); e os governadores da Bahia Jaques Wagner (PT), do Espírito Santo, José Renato Casagrande (PSB); e do Rio Grande do Norte, Rosalba Ciarlini (DEMos).

O grande ausente foi o senador Aécio Neves (PSDB/MG), ainda de "ressaca" com o escândalo do bafômetro, e com um comportamento no senado quetem mais a ver com Joaquim Silvério dos Reis do que com Tiradentes.

Dilma e o governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia, acompanharam o sepultamento dos restos mortais de três inconfidentes, no Museu da Inconfidência. Mortos há mais de 200 anos no degredo na África, as ossadas de Domingos Vidal Barbosa, João Dias da Mota e José de Resende Costa foram identificadas pela Universidade de Campinas (Unicamp) após 10 anos de estudo e agora se juntaram aos 13 inconfidentes já sepultados no monumento. (Com informações da Agência Brasil)

Leia também:
- Aécio Neves repete Joaquim Silvério dos Reis, ao defender a derrama da Vale nos royalties de Minas
*****

Debate sobre avaliação de desempenho no HBL

21.04.2011
Do site do SINDSPREV/PE, em 20.04.11

O Sindsprev realiza, nesta quarta, 20/04, às 11:30h, no auditório do Hospital Barão de Lucena (HBL), debate sobre a avaliação de desempenho e informes jurídicos. Essa discussão já foi realizada em várias unidades de saúde e nas gerências do INSS do Recife e do interior.Na semana passada, o tema foi debatido com os servidores do Hospital Geral de Areias (dia 12/04) e na Agência da Previdência Social (APS) de Jaboatão (dia 14/04).

Fotos da avaliação
Clique aqui e veja mais fotos

*****

Mais um sobrevivente do massacre de Realengo deixa o hospital

21/04/2011
Nacional
Paulo Virgilio
Repórter da Agencia Brasil

Rio de Janeiro
- Teve alta na tarde de hoje (21) do Hospital Albert Schweitzer, em Realengo, na zona oeste do Rio, o adolescente Carlos Matheus, de 13 anos, um dos quatro alunos feridos no massacre da Escola Municipal Tasso da Silveira que permaneciam internados. A informação foi dada pela Secretaria de Saúde e Defesa Civil estadual. Carlos Matheus tinha retornado ao hospital no último dia 19, queixando-se de fortes dores no braço esquerdo, atingido por dois tiros disparados pelo assassino Wellington Menezes de Oliveira.

No mesmo hospital permanece internado em estado estável o aluno Edson, de 14 anos. No Hospital Estadual Adão Pereira Nunes, em Saracuruna, na Baixada Fluminense, se recuperam os outros dois adolescentes, Luan Vitor, de 13 anos, e Thayanne, da mesma idade, que está em observação rigorosa, pois o estado de saúde dela ainda inspira cuidados.

No dia 7 de abril, Wellington Menezes de Oliveira, de 23 anos, entrou em uma sala de aula da Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, e começou a atirar nos alunos. Doze crianças morreram no massacre, sem precedentes na história do país. O assassino se matou, depois de ser atingido por tiro disparado por um policial militar.

Edição: Vinicius Doria.
****
Fonte:http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2011-04-21/mais-um-sobrevivente-do-massacre-de-realengo-deixa-hospital

Educação a Distância - 10 Motivos para Estudar




Motivo 1Rápido e Práticomotivo 1

Fazer Cursos Online é uma forma rápida e prática de aprender. É possível iniciar um curso em qualquer dia, não é necessário apresentar documentos ou participar de processos burocráticos para iniciar as aulas.

Motivo 1Valores Acessíveismotivo 2

Nossos cursos variam entre R$ 20,00 e R$ 60,00. Um treinamento parecido em outras instituições pode custar mais de R$ 500,00. Nossa eficiência e alto volume de alunos possibilitam oferecer cursos de alta qualidade por valores reduzidos. Além disso, não há nenhuma cobrança de mensalidade em nossos cursos, eles são pagos uma única vez.

Motivo 1Flexibilidademotivo 3

O processo é totalmente flexível: Flexibilidade de Local, Flexibilidade de Horário, Flexibilidade de Duração do Curso. Estude de onde preferir, da sua casa, trabalho, faculdade, lan-house ou de qualquer computador, faça nos seus horários disponíveis e conclua os cursos em quanto tempo desejar. Tudo é feito de acordo com seu ritmo, sem compromisso com prazos e horários fixos.

Motivo 1Não necessita se locomovermotivo 4

Fazendo nossos Cursos Online você não gasta com locomoção até uma escola presencial, não perde tempo no trânsito. Isso significa mais tempo livre para estudar, resultando em um melhor aproveitamento.

Motivo 1Banco de Currículosmotivo 5

Diversas empresas contatam-nos e solicitam indicações de alunos para vagas de emprego. Ao estudar conosco, você pode incluir seu currículo no Banco de Currículos e ser indicado para vagas relacionadas aos cursos feitos.

Motivo 1Certificado Válido em Todo o Brasilmotivo 6

O Certificado é válido em todo o Brasil e em vários outros países, ele pode ser utilizado em faculdades, empresas públicas e privadas, concursos e provas de título, entre outros.

Motivo 1Empresa Mantenedora da ABEDmotivo 7

O Cursos 24 Horas é uma empresa mantenedora da ABED - Associação Brasileira de Educação a Distância. Nosso nome e logo é exibido na página de Mantenedores da ABED.

Motivo 1Funcionários treinados conoscomotivo 8

Outra prova de qualidade do sistema de ensino é o número de empresas que já tiveram funcionários treinados conosco. Veja na imagem ao lado algumas dessas empresas.

Motivo 1Seu Currículo fica Atualizadomotivo 9

Todos os cursos podem ser incluídos em seu currículo. As pesquisas comprovam que manter o currículo atualizado é uma das formas mais eficientes para ser promovido, conseguir um novo emprego, ou até mesmo evitar uma demissão do emprego atual.

Motivo 1Professores Altamente Qualificadosmotivo 10

Uma equipe de professores altamente qualificados fica à disposição para atender aos alunos, corrigindo exercícios, enviando material adicional e tirando todas as dúvidas que possam surgir durante o curso.


Mais Informações

*****

MP/MG vê indício de corrupção no governo de Minas, favorecendo amigo de balada do Aécio

21.04.2011
Do blog OS AMIGOS DO PRESIDENTE LULA, em 16.04.11

Uma licitação de mãe para filho, do aluguel da antiga sede do IPSEMG (Instituto de Previdência de Minas Gerais) para um hotel, tornou-seescândalo de corrupção no governo demo-tucano de Minas Gerais.

O enorme edifício com 12 andares e 12 mil metros quadrados de área construída, localizado em área nobre e privilegiada de Belo Horizonte, foi alugado por apenas R$ 15 mil reais ao mês, um valor praticamente simbólico de tão irrisório quando comparado aos preços de mercado.

Para piorar, o contrato é de 35 anos, podendo ser renovado pelo mesmo período.

A licitação contém sérios indícios de direcionamento: apesar do preço irrisório, o consórcio vencedor (Hotel Fasano) acabou sendo o único habilitado.

Coincidentemente, os Hotéis Fasano tem entre seus sócios notórios companheiros de baladas e amigos de Aécio Neves (PSDB/MG): Alexandre Accioly e Rogério Fasano.

Os sinais de corrupção no negócio chamaram atenção da oposição ao governo Anastasia (PSDB/MG) no governo de Minas.

Os deputados do Bloco Minas Sem Censura, de oposição, denunciaram ao Ministério Público, e os promotores recomendaram ao IPSEMG a imediata suspensão do processo de aluguel do prédio enquanto durar a ação civil pública.

Aliás, foi em uma festa no Hotel Fasano do Rio, que aconteceu o polêmico episódio noticiado como uma briga entre o demo-tucano e a acompanhante, com tapa e empurrão.
****

CURSOS 24 HORAS



Petrobras já é a oitava maior empresa do mundo

21.04.2011
Do BLOG DE JAMILDO

Do iG

A Petrobras já é a oitava maior empresa de capital aberto do mundo, segundo a nova versão do ranking dos conglomerados globais elaborado pela revista "Forbes". Na versão mais recente do levantamento, divulgada nesta quinta-feira, a estatal brasileira ficou dez posições acima de sua colocação em 2010, quando ela apareceu no 18º lugar.

O banco norte-americano JPMorgan Chase, que já tinha figurado como a maior empresa do mundo em 2010, mais uma vez liderou o ranking. Atrás deles aparece outro conglomerado financeiro, o HSBC, que no ano passado estava em oitavo lugar.

O ranking da publicação, que lista as duas mil maiores empresas do mundo, distribuídas em 62 países, é elaborado com base em critérios que levam em conta vendas, lucro líquido, ativos e valor de mercado. Na listagem de 2011, por exemplo, a Petrobras aparece com valor de mercado de US$ 238,8 bilhões, acima dos US$ 182,2 bilhões do líder JP Morgan. O banco, no entanto, tem ativos que somam mais de US$ 2 bilhões, montante muito superior aos US$ 313 bilhões em ativos da estatal brasileira.

Com o avanço no ranking, a Petrobras ficou empatada em oitavo lugar com a Berkshire Hathaway, a empresa de investimentos de Warren Buffett, o terceiro homem mais rico do mundo - a Berkshire, que apareceu em 15º lugar em 2010, também cresceu na listagem de um ano para outro. Completam a lista das dez maiores empresas do mundo a General Electric (terceiro), ExxonMobil (quarto), Shell (quinto), PetroChina (sexto), o banco estatal chinês ICBC (sétimo) e o Citigroup (décimo).

Bradesco, Banco do Brasil e Vale, que ficaram, respectivamente, nas posições de número 46, 51 e 53, foram as outras três empresas brasileiras entre as 100 maiores no levantamento. Delas, o Bradesco subiu cinco posições de um ano a outro e o BB caiu um. A Vale foi a que mais avançou entre as três - no ano passado, ela apareceu em 80º lugar.

Completam a lista das dez maiores empresas brasileiras no ranking da Forbes, do quinto ao décimo lugar, pela ordem: Itaúsa (122º lugar no ranking geral), Oi (445º), CSN (551º), Usiminas (579º), Eletrobrás (614º) e Cemig (671º).

****

Sindicato convoca ato público em defesa do PCCS

20.04.2011
Do site do SINDSPREV/PE
Por Edmundo Ribeiro

O Sindsprev convoca os servidores ex-celetistas do ex-Inamps, constantes no Processo 1562/89, 5ª Vara do Trabalho, para participarem de ato público em defesa do precatório e das RPVs do PCCS. A manifestação será realizada nesta segunda, 25/04, às 8 horas da manhã, em frente ao Tribunal Regional do Trabalho (TRT), no Cais do Apolo, ao lado da Prefeitura do Recife.

O Sindicato orienta que todos os participantes compareçam vestidos de branco para se manifestarem de forma pacífica contra a possibilidade de revisão dos valores inscritos em precatório. O objetivo do ato é agilizar a liberação da verba para pagamento do processo que já se arrasta no Poder Judiciário há 22 anos.

Durante essa tramitação de mais de duas décadas, já faleceram cerca de 400 servidores. Vale ressaltar que a maioria dos reclamantes têm idade superior a 60 anos, inclusive mais de 70% são aposentados e aguardam ansiosos pela conclusão do processo.

É importante frisar também que todos os recursos interpostos pela União Federal foram negados pela Justiça, inclusive pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST). A própria Advocacia Geral da União (AGU) concordou expressamente com os valores homologados. Sua participação é essencial para garantir a vitória. Compareça!
*****
Fonte:http://www.sindsprev.org.br/index.php?categoria=noticias_principais_01&codigo_noticia=0000001896&cat=noticias

Culto religioso reúne mais de 50 mil pessoas no Rio

21/04/2011
Nacional
Flávia Villela
Repórter da Agência Brasil

Rio
Um show evangélico no Aterro do Flamengo, zona sul do Rio, reuniu mais de 50 mil pessoas neste feriado de Tiradentes, segundo estimativa da prefeitura. Por volta das 8h, a orla do Flamengo e as ruas internas do bairro já estavam tomada por centenas de ônibus. O show gospel foi marcado para comemorar os 13 anos da Igreja Mundial do Poder de Deus.

O culto chegou a ser proibido, ontem (20), pela Secretaria de Segurança do estado, devido aos problemas que poderia provocar no trânsito dos bairros da zona sul. No ano passado, no vizinho bairro de Botafogo, um evento similar dimensionado para 100 mil pessoas acabou recebendo mais de 1 milhão de fieis. Mas, diante da atual expectativa de público, a prefeitura garantiu a realização do show com a promessa de manter a ordem no local.

A vice-presidente da associação dos moradores do bairro, Leila do Flamengo, disse que, no ano passado, a entidade chegou a pedir ao Ministério Público a proibição de grandes eventos na enseada de Botafogo e no Parque do Flamengo, com exceção de concertos musicais e da festa de réveillon. “Estamos falando de cartões postais do Rio que precisam ser cuidados e preservados. Um lugar como esse não tem condições de receber tanta gente”. Segundo ela, é necessário criar um espaço específico para esses megaeventos, em um local mais conveniente para os fieis.

Edição: Vinicius Doria.
******
Fonte:http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2011-04-21/culto-religioso-reune-mais-de-50-mil-pessoas-no-rio

Gilberto Carvalho diz que, ao contrário dos partidos, movimentos sociais amadureceram

21.04.2011
Da Agência Brasil
Luciana Lima e Ivanir José Bortot
Repórteres da Agência Brasil

Brasília - Responsável por estabelecer a proximidade do governo de Dilma Rousseff com os movimentos sociais, o ministro Gilberto Carvalho, chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, disse que os movimentos sociais acabam compreendendo mais as demandas do país do que os próprios partidos políticos. Para o ministro, os movimentos amadureceram no Brasil nas últimas décadas e, ao contrário dos partidos políticos, investiram da formação de seus quadros. Carvalho defendeu a necessidade de uma reforma eleitoral no Brasil e apontou o voto em lista e o financiamento público de campanha como forma de mudar a atual realidade, que na sua avaliação induz à corrupção.

Confira mais um trecho da entrevista de Gilberto Carvalho à Agência Brasil.

Agência Brasil - O governo tem limitações para atender às demandas do movimento social por questões orçamentárias. Como administrar esse conflito?

Gilberto Carvalho - Essa tensão é inevitável. Eu brinco com eles dizendo que nós estamos sentados agora nesse lado da mesa, antes estávamos no outro lado com eles, o que faz de todos nós, oriundos do movimento social esperarmos de novo estar sentados do outro lado. Nosso destino é voltar para os movimentos sociais. Nosso papel aqui é tentar forçar a barra ao máximo dentro das limitações orçamentárias e institucionais para atender a essas demandas. Quando se faz o Orçamento é preciso levar em conta esses aspectos. Aí é que está o jogo de governar, que é passar em grande parte pela sua filosofia, e por aquilo que se estabelece como prioridade.

ABr - E qual é a prioridade do governo?

Carvalho - Quando a presidenta escolhe como prioridade a superação da miséria ela está dando um indicativo de que parte importante do Orçamento irá para esse destino. Isso, do ponto de vista ético, para nós todos que temos uma história política, é muito confortável. É também muito estimulante participar de um governo que estabelece essa prioridade. Há que se pensar em reproduzir, em espelhar no Orçamento essa opção. É claro que o Orçamento não é infinito e há gastos correntes que não se pode deixar de pagar. Mas tem que se reservar de fato um quinhão importante para isso. Isso não significa que vamos atender a todas as demandas, mas significa que muitas das demandas podem ser atendidas e, com isso, estabelecer pelo menos um compromisso, uma percepção da parte do movimento de que o governo tem a famosa vontade política de contribuir.

ABr - O senhor já observou essa compreensão?

Carvalho - O movimento amadureceu muito. Eu fiquei emocionado esses dias quando o pessoal da Fetraf [Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar] veio trazer uma pauta para a gente, o discurso da Elisângela [Elisângela Araújo, presidenta da Fetraf], companheira que hoje representa a Fetraf, que é um dos movimentos do campo de maior expressão. É um discurso que deixa emocionado de ver a maturidade. Eles não vieram reivindicar apenas terra, conforto nos assentamentos. São pautas muito mais amplas que dizem respeito, por exemplo, ao direito da mulher, à questão da criança, diz respeito fortemente à questão ambiental. Enfim, a cidadania foi apropriada em grande parte, de forma muito intensa pelo movimento social. Isso é o resultado desse novo processo que a gente vive no Brasil, de amadurecimento dos movimentos. Acho isso muito bom. Isso facilita o diálogo. Eles passam a compreender também melhor.

ABr - Em que outros momentos o senhor conseguiu enxergar esse amadurecimento?

Carvalho - A conversa que o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) teve com a presidenta foi extraordinária. Eles vieram discutir como que podem ajudar no programa de alfabetização e no programa de reflorestamento do país, coisa que há 20 anos a gente que é de movimento sabe que não era assim.

ABr- O senhor diria que os movimentos se tornaram, por excelência, fóruns importantes de discussão dos mais variados assuntos ligados à cidadania?

Carvalho - Os movimentos fizeram uma coisa que os partidos não fazem. Eles qualificaram e seguem qualificando seus quadros. O MST tem uma escola que já funciona há muito tempo. Eles tomaram esse cuidado. A própria militância é um grande ensino. O velho método do bom Paulo Freire diz que se reflete a prática. Cada luta que se trava, se amadurece na cabeça. Os movimentos se tornaram verdadeiras escolas de cidadania. Ao se falar hoje em consciência ambiental, por exemplo, podemos considerar que, se Juscelino fosse construir Brasília hoje, não construiria porque o pessoal não iria deixar passar máquina nesse Cerrado. É um amadurecimento benéfico do conjunto da sociedade.

ABr - O senhor comparou os movimentos sociais com os partidos. Fale um pouco mais sobre isso.

Carvalho - O que eu acho em relação aos partidos é que eles não cuidaram da formação de seus quadros da mesma forma que os movimentos fizeram. Isso é grave, mais do que grave, é gravíssimo. Nós temos uma estrutura política e eleitoral que é quase uma indução à perda de teor ideológico e político. Ela é uma indução, eu diria, até à corrupção, se nós falarmos da eleição. Qualquer cidadão hoje para ser candidato precisa de recursos para ser eleito. Onde é que ele busca esses recursos? Eu fui candidato em 1986 e ganhava três salários mínimos. Naquele tempo, a gente mantinha esquema de que dá para ser candidato com festinha, com lista entre amigos, com bingo, deitava e rolava de se trabalhar nessas coisas e se conseguia. Hoje não, a campanha ficou cara. Eu fico pensando que às vezes se joga a pessoa nesse meio sem que haja uma preparação.

ABr - Era diferente em outros tempos?
Carvalho - Eu tenho a impressão que o enfrentamento à ditadura e aos governos neoliberais nos deram teor ideológico e nos fizeram mais resistentes a essas chamadas, entre aspas, tentações. Acho muito perigoso pegar um jovem hoje e colocá-lo em um partido, sem que haja uma preparação, o risco de ser cooptado por essa mentalidade é enorme. Não adianta a gente, hipocritamente, ficar condenando uma pessoa dessa se a gente não a preparou.

ABr - O senhor acha então que os movimentos conseguem compreender melhor as demandas do país que os partidos?

Carvalho - Não quero fazer aqui uma dicotomia simplista. Tem muita gente nos partidos que tem essa visão generosa. Graças a Deus, temos ótimas referências. Mas em termos de tendência é exatamente isso. Os militantes dos movimentos são levados a uma visão mais generosa, porque é uma visão mais coletiva, nos movimentos, não se é induzido a uma carreira mais pessoal. A questão do poder não visualizada de uma maneira tão pessoal. Nesse sentido sim, dá para dizer que hoje os movimentos são laboratórios de gente de maior generosidade, de maior ação cidadã, no sentido mais amplo, do que nos partidos. Dadas as regras atuais.

ABr - O que é preciso fazer para mudar isso?

Carvalho - Pode ser diferente. Se, por exemplo, na reforma política a gente fizer um processo de eleição por lista e com financiamento público, vai se fazer uma indução ao contrário, uma indução ao coletivo. O sujeito para ser candidato terá que ter militância em partidos sérios. Em partidos picaretas, haverá pessoas que vão comprar lugar na lista também, não vamos ser anjos aqui, mas pelo menos, permite aos partidos que são sérios trabalharem internamente de tal maneira que o sujeito para ter o lugar dele na lista vai ter que trabalhar na militância, vai ter que ter base. Na regra atual, cada vez mais se vai induzindo para ser eleito os que têm mais alcance de mobilização financeira, o que é muito grave.

ABr - O senhor acredita que o financiamento público de campanha seria o antídoto contra práticas como o caixa 2?

Carvalho - É o antídoto. Não vamos ser ingênuos, pois sempre pode se ter abuso, mas pode também se ter uma fiscalização muito mais fácil. Primeiro, a pessoa não vai fazer campanha para ele e sim para a chapa dele. Isso já muda completamente a lógica. Se o teu partido tiver mais votos, você terá mais chances de ser eleito, portanto você vai fazer campanha pelo seu partido e o financiamento será coletivo também e não individualizado. Eu acho isso muito importante para dar um choque na atual mentalidade.

Edição: Rivadavia Severo

*****

CHUVAS :Defesa Civil realiza ações de vistoria e colocação de lonas na Cidade

21.04.2011
Do BLOG DE JAMILDO


Na manhã desta quinta-feira (21), a Prefeitura do Recife, por meio da Coordenadoria de Defesa Civil (Codecir), deu continuidade às ações de prevenção e minimização dos riscos em diversas localidades da cidade. Cerca de 50 profissionais da Codecir, Emlurb, URB, e do Programa Parceria nos Morros, atuaram no trabalho de orientação à população, realização de vistorias técnicas e colocação de lonas plásticas em áreas de risco. As ações fazem parte da Operação Inverno 2011, lançada em março último, pelo prefeito João da Costa, e foram reforçadas nos últimos dias por ocasião das fortes chuvas que ocorreram na cidade.

De acordo com a coordenadora da Codecir, Keila Ferreira, a Defesa Civil no Recife tem ações permanentes e integradas com vários parceiros, que se intensificam no período chuvoso, com o intuito de prezar pela segurança da população que vive nas áreas mais frágeis da cidade. "Realizamos atividades de vistoria, colocação de lonas plásticas, desobstrução e limpeza de canaletas, além da comunicação de risco e relocação de famílias para abrigos ou casa de parentes. É importante atuar na prevenção para que possamos, com êxito, ajudar a salvar vidas e viver com maior tranqüilidade no período de inverno", afirmou Keila.

As equipes, compostas por assistentes sociais e engenheiros, estiveram em áreas da zona Norte, Sul e Oeste da cidade. Foram realizadas vistorias técnicas nas localidades de 27 de novembro e Jardim Monte Verde (Ibura); Alto do Pascoal e Bomba do Hemetério; além do Córrego da Joselha (Nova Descoberta), Alto Santa Tereza (Brejo da Guabiraba) e Jardim Teresópolis II (Várzea). Já o trabalho de colocação de lonas plásticas foi realizado nas localidades de 27 de novembro (Ibura), Córrego da Joselha e também no Córrego do Eucalipto (Nova Descoberta).

A Codecir reforçou o seu plantão nos próximos dias do feriado prolongado, com o objetivo de atender a quaisquer demandas que venham a surgir, devido às previsões de chuva até o próximo domingo (24). Para evitar acidentes, a Codecir orienta a população para que não ocupe áreas já identificadas como de risco; não faça cortes nas barreiras; não plante árvores de grande porte e troquem as bananeiras por árvores frutíferas, medicinais e de jardim; não joguem lixo nas barreiras e não façam construções ou reformas antes de consultar a Prefeitura. No caso de alguma ocorrência, a população deve ligar para o número 0800-081-3400, que é gratuito e funciona 24 horas por dia.
****
Fonte:http://jc3.uol.com.br/blogs/blogjamildo/canais/noticias/2011/04/21/defesa_civil_realiza_acoes_de_vistoria_e_colocacao_de_lonas_na_cidade_98605.php

Brasil tem menor índice de população com diploma universitário entre os emergentes

21.04.2011
Do BLOG DE JAMILDO
Da Agência Estado


Para concorrer em pé de igualdade com as potenciais mundiais, o Brasil terá que fazer um grande esforço para aumentar o percentual da população com formação acadêmica superior. Levantamento feito pelo especialista em análise de dados educacionais Ernesto Faria, a partir de relatório da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), coloca o Brasil no último lugar em um grupo de 36 países ao avaliar o percentual de graduados na população de 25 a 64 anos.

Os números se referem a 2008 e indicam que apenas 11% dos brasileiros nessa faixa etária têm diploma universitário. Entre os países da OCDE, a média (28%) é mais do que o dobro da brasileira. O Chile, por exemplo, tem 24%, e a Rússia, 54%. O secretário de Ensino Superior do Ministério da Educação (MEC), Luiz Cláudio Costa, disse que já houve uma evolução dessa taxa desde 2008 e destacou que o número anual de formandos triplicou no país na ultima década.

“Como saímos de um patamar muito baixo, a nossa evolução, apesar de ser significativa, ainda está distante da meta que um país como o nosso precisa ter”, avalia. Para Costa, esse cenário é fruto de um gargalo que existe entre os ensinos médio e o superior. A inclusão dos jovens na escola cresceu, mas não foi acompanhada pelo aumento de vagas nas universidades, especialmente as públicas. “ Isso [acabar com o gargalo] se faz com ampliação de vagas e nós começamos a acabar com esse funil que existia”, afirmou ele.

Costa lembra que o próximo Plano Nacional de Educação (PNE) estabelece como meta chegar a 33% da população de 18 a 24 anos matriculados no ensino superior até 2020. Segundo ele, esse patamar está, atualmente, próximo de 17%. Para isso será preciso ampliar os atuais programas de acesso ao ensino superior, como o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni), que aumentou o número de vagas nessas instituições, o Programa Universidade para Todos (ProUni), que oferece aos alunos de baixa renda bolsas de estudo em instituições de ensino privadas e o Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies), que permite ao estudantes financiar as mensalidades do curso e só começar a quitar a dívida depois da formatura.

“O importante é que o ensino superior, hoje, está na agenda do brasileiro, das famílias de todas as classes. Antes, isso se restringia a poucos. Observamos que as pessoas desejam e sabem que o ensino superior está ao seu alcance por diversos mecanismos", disse o secretário.

Os números da OCDE mostram que, na maioria dos países, é entre os jovens de 25 a 34 anos que se verifica os maiores percentuais de pessoas com formação superior. Na Coreia do Sul, por exemplo, 58% da população nessa faixa etária concluiu pelo menos um curso universitário, enquanto entre os mais velhos, de 55 a 64 anos, esse patamar cai para 12%. No Brasil, quase não há variação entre as diferentes faixas etárias.

O diagnóstico da pesquisadora da Universidade de São Paulo (USP) e especialista no tema Elizabeth Balbachevsky é que essa situação é reflexo dos resultados ruins do ensino médio. Menos da metade dos jovens de 15 a 17 anos está cursando o ensino médio. A maioria ou ainda não saiu do ensino fundamental ou abandonou os estudos. “Ao contrário desses países emergentes, a população jovem que consegue terminar o ensino médio no Brasil [e que teria condições de avançar para o ensino superior] é muito pequena”.

Como 75% das vagas em cursos superiores estão nas instituições privadas, Elizabeth defende que a questão financeira ainda influencia o acesso. “Na China, as vagas do ensino superior são todas particulares. Na Rússia, uma parte importante das matrículas é paga, mas esses países desenvolveram um esquema sofisticado de financiamento e apoio ao estudante. O modelo de ensinos superior público e gratuito para todos, independentemente das condições da família, é um modelo que tem se mostrado inviável em muitos países”, comparou ela.

A defasagem em relação outros países é um indicador de que os programas de inclusão terão que ser ampliados. Segundo Costa, ainda há espaço – e demanda – para esse crescimento. Na última edição do ProUni, por exemplo, 1 milhão de candidatos se inscreveram para disputar as 123 mil bolsas ofertadas. Elizabeth sugere que os critérios de renda para participação no programa sejam menos limitadores, para incluir outros segmentos da sociedade.

“Os dados mostram que vamos ter que ser muito mais ágeis, como estamos sendo, fazer esse movimento com muita rapidez porque, infelizmente, nós perdemos quase um século de investimento em educação. A história nos mostra que a Europa e outras nações como os Estados Unidos e, mais recentemente, os países asiáticos avançaram porque apostaram decididamente na educação. O Brasil decidiu isso nos últimos anos e agora trabalha para saldar essa dívida”, disse a pesquisadora.

Para concorrer em pé de igualdade com as potenciais mundiais, o Brasil terá que fazer um grande esforço para aumentar o percentual da população com formação acadêmica superior. Levantamento feito pelo especialista em análise de dados educacionais Ernesto Faria, a partir de relatório da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), coloca o Brasil no último lugar em um grupo de 36 países ao avaliar o percentual de graduados na população de 25 a 64 anos.

Os números se referem a 2008 e indicam que apenas 11% dos brasileiros nessa faixa etária têm diploma universitário. Entre os países da OCDE, a média (28%) é mais do que o dobro da brasileira. O Chile, por exemplo, tem 24%, e a Rússia, 54%. O secretário de Ensino Superior do Ministério da Educação (MEC), Luiz Cláudio Costa, disse que já houve uma evolução dessa taxa desde 2008 e destacou que o número anual de formandos triplicou no país na ultima década.

“Como saímos de um patamar muito baixo, a nossa evolução, apesar de ser significativa, ainda está distante da meta que um país como o nosso precisa ter”, avalia. Para Costa, esse cenário é fruto de um gargalo que existe entre os ensinos médio e o superior. A inclusão dos jovens na escola cresceu, mas não foi acompanhada pelo aumento de vagas nas universidades, especialmente as públicas. “ Isso [acabar com o gargalo] se faz com ampliação de vagas e nós começamos a acabar com esse funil que existia”, afirmou ele.

Costa lembra que o próximo Plano Nacional de Educação (PNE) estabelece como meta chegar a 33% da população de 18 a 24 anos matriculados no ensino superior até 2020. Segundo ele, esse patamar está, atualmente, próximo de 17%. Para isso será preciso ampliar os atuais programas de acesso ao ensino superior, como o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni), que aumentou o número de vagas nessas instituições, o Programa Universidade para Todos (ProUni), que oferece aos alunos de baixa renda bolsas de estudo em instituições de ensino privadas e o Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies), que permite ao estudantes financiar as mensalidades do curso e só começar a quitar a dívida depois da formatura.

“O importante é que o ensino superior, hoje, está na agenda do brasileiro, das famílias de todas as classes. Antes, isso se restringia a poucos. Observamos que as pessoas desejam e sabem que o ensino superior está ao seu alcance por diversos mecanismos", disse o secretário.

Os números da OCDE mostram que, na maioria dos países, é entre os jovens de 25 a 34 anos que se verifica os maiores percentuais de pessoas com formação superior. Na Coreia do Sul, por exemplo, 58% da população nessa faixa etária concluiu pelo menos um curso universitário, enquanto entre os mais velhos, de 55 a 64 anos, esse patamar cai para 12%. No Brasil, quase não há variação entre as diferentes faixas etárias.

O diagnóstico da pesquisadora da Universidade de São Paulo (USP) e especialista no tema Elizabeth Balbachevsky é que essa situação é reflexo dos resultados ruins do ensino médio. Menos da metade dos jovens de 15 a 17 anos está cursando o ensino médio. A maioria ou ainda não saiu do ensino fundamental ou abandonou os estudos. “Ao contrário desses países emergentes, a população jovem que consegue terminar o ensino médio no Brasil [e que teria condições de avançar para o ensino superior] é muito pequena”.

Como 75% das vagas em cursos superiores estão nas instituições privadas, Elizabeth defende que a questão financeira ainda influencia o acesso. “Na China, as vagas do ensino superior são todas particulares. Na Rússia, uma parte importante das matrículas é paga, mas esses países desenvolveram um esquema sofisticado de financiamento e apoio ao estudante. O modelo de ensinos superior público e gratuito para todos, independentemente das condições da família, é um modelo que tem se mostrado inviável em muitos países”, comparou ela.

A defasagem em relação outros países é um indicador de que os programas de inclusão terão que ser ampliados. Segundo Costa, ainda há espaço – e demanda – para esse crescimento. Na última edição do ProUni, por exemplo, 1 milhão de candidatos se inscreveram para disputar as 123 mil bolsas ofertadas. Elizabeth sugere que os critérios de renda para participação no programa sejam menos limitadores, para incluir outros segmentos da sociedade.

“Os dados mostram que vamos ter que ser muito mais ágeis, como estamos sendo, fazer esse movimento com muita rapidez porque, infelizmente, nós perdemos quase um século de investimento em educação. A história nos mostra que a Europa e outras nações como os Estados Unidos e, mais recentemente, os países asiáticos avançaram porque apostaram decididamente na educação. O Brasil decidiu isso nos últimos anos e agora trabalha para saldar essa dívida”, disse a pesquisadora.

*****
Fonte:http://jc3.uol.com.br/blogs/blogjamildo/canais/noticias/2011/04/21/brasil_tem_menor_indice_de_populacao_com_diploma_universitario_entre_os_emergentes_

Dicas para pegar a estrada no feriadão

21.04.2011
Do BLOG DE JAMILDO

Foto: Priscila Buhr/ JC Imagem

Do NE10

A Operação Semana Santa nas estradas de Pernambuco inicia, de fato, nesta quarta-feira (20), quando o feriadão começa para muitos pernambucanos. O Departamento de Estradas e Rodagem (DER) montou um esquema especial desde o último dia 11 com o lançamento da campanha "Quem dirige com responsabilidade evita acidentes, protege a si próprio e aos outros". A operação segue até o próximo domingo (25).

A partir desta quinta, 172 policiais irão trabalhar no monitoramento das rodovias. Na rota das praias, estarão de prontidão 31 homens no Litoral Sul, enquanto 72 PMs estarão na mesma área no dia 24. No Litoral Norte, 24 PMs trabalharão nos dias 21, 22 e 23, enquanto 45 homens estarão mobilizados na mesma área no dia 24.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) vai retirar os obstáculos existentes em frente aos postos de fiscalização de Moreno, São Caetano e Gravatá para melhorar o fluxo na BR-232. Está prevista ainda uma ação de agentes rodoviários, desta quinta até sábado, no trecho da BR-232, em Gravatá, quando acontecem shows na cidade. Uma das faixas da via local terá o fluxo invertido nesses dias, do início da noite até as 23h.

REVISÃO
- O condutor deve conferir se os faróis e para-brisas estão funcionando e se os pneus e o motor estão em boas condições. É importante verificar a situação do estepe, macaco, triângulo, chave de roda e outros equipamentos usados nas emergências.

DOCUMENTAÇÃO - Antes de viajar, o motorista deve verificar a sua documentação e a do veículo, além se informar sobre a distância que vai percorrer e os pontos de paradas, como postos de combustíveis e restaurantes.

CHUVA - O motorista deve aumentar a distância do veículo à frente e observar que o limite de velocidade sobre a via considera condições ideais de circulação. O condutor deve evitar freadas bruscas, pois isso pode provocar o efeito de aquaplanagem, que é quando os pneus do veículo perdem aderência com solo.

SINALIZAÇÃO - É importante seguir a sinalização e evitar ultrapassagens perigosas.

PARADAS - A recomendação é parar pelo menos a cada três horas, para evitar cansaço.

À NOITE - É bom evitar a circulação durante a noite, inclusive por causa de assaltos e outros crimes.

DISTÂNCIA - Em condições normais recomenda-se manter uma distância média de 20 metros do veículo à frente. Nas vias de baixa velocidade ou nas aproximações para ultrapassagem, respeite a distância mínima de 5 metros. Na ultrapassagem de motociclistas, nunca se aproximar a menos de 2 metros. A distância lateral para ultrapassar ciclista deve ser de 1,5 m, no mínimo.

ÁLCOOL - Não é recomendada a ingestão de bebida alcoólica, pois dirigir sob a influência de álcool provoca diminuição da noção do risco, levando o motorista a cometer imprudências

******

Petista volta a sugerir a sua expulsão

21.04.2011
Do BLOG DA FOLHA
Postado por José Accioly

alt

Por Carol Brito
Da Folha de Pernambuco

As duras críticas do Fernando Ferro (PT) não foram bem digeridas pelo deputado federal João Paulo (PT). Ele reagiu e disparou que, se suas declarações forem consideradas “um crime” pelo partido, eles devem abrir um processo para expulsá-lo. “Que crime pode haver de responder a uma pergunta de um repórter sobre a minha gestão na cidade? Eu não tenho controle das manchetes que sai no outro dia nos jornais. Se é crime dizer que, durante épocas de chuvas, eu nunca me ausentei na cidade, é só eles montarem um processo na Comissão de Ética do partido e me expulsarem”, rebateu.

Para João Paulo, faltou respeito e sensibilidade a Ferro nas declarações. Em seguida, cobrou respeito à sua história de militância política. “Eu não sou qualquer um. Eu tenho uma história de 40 anos de militância que antecede ao PT. Eu nunca tratei ele com falta de respeito. Não é humano ele me tratar como oportunista, ele conhece a minha história. Se ele tivesse algum comentário para fazer, me procurasse antes e não a Imprensa. Ele não me perguntou absolutamente nada”, afirmou. O petista revelou que tentou entrar em contato com Ferro por duas vezes, mas que o celular estava desligado.

João Paulo também voltou a tocar na polêmica ausência do prefeito João da Costa (PT), durante o período de chuvas, tentando justificar as suas declarações. “Eu acho que o gestor tem um compromisso com a população e com seu sofrimento. É muito importante a cidade ter um prefeito à sua frente em períodos como este”, analisou.

Indagado se estaria isolado no partido, como afirmou Fernando Ferro, João Paulo desviou do assunto e adiantou que espera o posicionamento do presidente estadual do partido, Pedro Eugênio, sobre sua situação. “Eu não posso dizer que estou isolado e nem que cheguei à situação-limite. Cabe a eles agora responder. Se o sentimento deles é esse, resta agora tomarem as providências necessárias”, analisou.

Esta não é a primeira vez que João Paulo insinua a abertura de um processo para expulsá-lo da legenda, após receber críticas de correligionários. Na anterior, foi devido às críticas recebidas após afirmar que João da Costa não cumpriu o acordo para homenagear o engenheiro Luiz Arnaldo (já falecido) no Parque Dona Lindu.
*****