sábado, 26 de março de 2011

Haddad defende que programas habitacionais tenham estimativa de demanda por escolas

26/03/2011
Educação
Daniel Mello
Repórter da Agência Brasil

São Paulo
– O ministro da Educação, Fernando Haddad, defendeu hoje (26) que os programas habitacionais, tanto do governo federal como dos governos estaduais, façam o planejamento prévio da demanda por infraestrutura de educação. “Se você prever a demanda potencial de educação, o [Ministério da Educação] MEC pode entrar simultaneamente [construindo as escolas], enquanto constroem as casas”, disse após participar de um seminário sobre falta de vagas em creches, na Cidade Ademar, zona sul paulistana.

Durante o evento, o ministro falou sobre o papel da educação infantil e respondeu questões e ouviu reivindicações da comunidade. Também estava presente o secretario municipal de Educação de São Paulo, Alexandre Schneider.

Haddad ressaltou ainda a importância dos convênios com entidades privadas para a ampliação do tamanho da rede de creches. “Nesse momento não podemos abrir mão da ajuda da sociedade civil organizada”, afirmou.

Segundo ele, essas instituições podem oferecer serviços tão bons quanto as mantidas diretamente pelo Estado. “A creche conveniada pode ser muito bem organizada, seguindo todos os parâmetros estabelecidos”.

Edição: Fernando Fraga
****
Fonte:http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2011-03-26/haddad-defende-que-programas-habitacionais-tenham-estimativa-de-demanda-por-escolas

Mais da metade dos portadores de transtorno bipolar não recebem tratamento

26/03/2011 - 17h06
Flávia Albuquerque
Repórter da Agência Brasil

São Paulo
– Mais da metade dos portadores de transtorno bipolar - 57,3% - não recebem tratamento, de acordo com um estudo mundial que avaliou 61.392 pessoas acima de 18 anos em 11 países. Em todo o mundo, 2,4% da população é acometida pela doença. No Brasil foram avaliadas mais de 5 mil pessoas concentradas na região metropolitana de São Paulo, das quais 42,7% estavam sendo tratadas. O transtorno bipolar traz ao indivíduo oscilações de humor entre depressão e euforia e pode causar irritabilidade, agressividade e ideias suicidas.

Segundo a coordenadora de Epidemiologia do Instituto de Psiquiatria da Universidade de São Paulo (USP) e responsável pela pesquisa no Brasil, Laura Helena de Andrade, muita gente não é diagnosticada e por ser uma doença grave, com muitas consequências na vida da pessoa, acarreta piora na qualidade de vida, incapacitação e possível agravamento da doença.

“Para mais pessoas serem diagnosticadas é preciso haver campanhas de esclarecimento, treinamento do profissional de saúde no atendimento primário que recebe a pessoa com problemas de comportamento com álcool e drogas, e o transtorno bipolar não é reconhecido”.

Laura ressaltou que 10% dos casos detectados no ano anterior à entrevista são graves e que geralmente os transtornos psiquiátricos são quadros crônicos que começam cedo na vida e por isso há prejuízos no desenvolvimento pessoal, educacional e profissional. No caso do transtorno bipolar, há uma repetição dos casos, que com o tempo se tornam cada vez mais graves e frequentes. “Compromete a vida toda do indivíduo e da família. O quadro é grave porque pode ser associado a taxas maiores de suicídio”, explicou.

O psiquiatra e coordenador do Programa de Transtornos Afetivos do Instituto de Psiquiatria, Ricardo Alberto Moreno, explicou que o portador de transtorno bipolar deve ser tratado por toda a vida com estabilizadores de humor, e não só nos surtos de depressão ou estado misto, que variam entre euforia e depressão. “Muitas vezes o médico recebe o paciente em estado de depressão e diagnostica como depressão unipolar erroneamente sem levar em consideração episódios anteriores ao do quadro atual. Se o paciente apresentar episódios de mania, euforia ou hipomania e depressão é fechado o diagnóstico de transtorno bipolar”.

Moreno ressaltou que o tratamento tem uma eficácia boa. Com o medicamento estabilizador de humor ministrado corretamente diminui-se muito a chance de novas crises ao longo da vida e isso faz com que o indivíduo tenha uma volta à sua vida normal ou próximo disso.

O garçom Rangel Lemes Antônio contou que antes de a doença ser diagnosticada ele vivia dentro de casa e não queria fazer nada, até que sua mãe procurou um especialista. Segundo ele, os momentos de depressão eram comuns e de repente se alteravam para euforia. “Depois do tratamento tive mais autoestima e o bipolar estabilizado é capaz de trabalhar. A sensação é a de me sentir normal, sem deficiência nenhuma. Na verdade tudo funcionava, só a cabeça não. Agora está funcionando até demais”.

O coordenador do Programa de Transtornos Afetivos do Instituto de Psiquiatria explicou que a doença se manifesta no início da vida adulta e na adolescência. “Nesse período as crises sucessivas podem comprometer o desenvolvimento da pessoa, e a cada crise o indivíduo sofre perdas importantes em todos os sentidos”.

Além disso, há as doenças que podem caminhar junto com o transtorno como o abuso no uso de álcool e das drogas, que pioram o quadro porque há o somatório do prejuízo de duas doenças ao mesmo tempo. “Podem aumentar as crises, os comportamentos de risco, a baixa adesão ao tratamento, fora a deterioração física ao longo do tempo. O importante é estabelecer estratégias diferenciadas tratando cada doença com os recursos disponíveis”, recomenda.

O psiquiatra destacou que a postura da família é muito importante porque ambos sofrem com as consequências da patologia, por isso é importante educar as pessoas que rodeiam o portador sobre o que é o transtorno bipolar. “Temos que lidar com alguns aspectos: a ignorância e a desinformação, o preconceito, inclusive instruindo o paciente de que ele não pode cair nessa armadilha. Eu costumo dizer que o transtorno bipolar é um aspecto da vida do paciente, mas não a vida toda dele”.

Edição: Fernando Fraga
****
Fonte:http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2011-03-26/mais-da-metade-dos-portadores-de-transtorno-bipolar-nao-recebem-tratamento

Dilma visitará Portugal em um delicado momento da política interna do país

26/03/2011
Renata Giraldi
Repórter da Agência Brasil

Brasília
– A presidenta Dilma Rousseff desembarca na próxima terça-feira (29) em Portugal para uma viagem de apenas dois dias ao país. Ela chega a Lisboa no momento em que os portugueses tentam contornar a crise interna política e econômica. Dilma tem reuniões com o presidente português, Aníbal Cavaco Silva, e o primeiro-ministro demissionário, José Sócrates, que renunciou ao cargo no último dia 23.

Porém, a visita de Dilma a Portugal registra uma situação especial, que é o fato de ela estar acompanhada do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que será homenageado por três entidades portuguesas. No entanto, a presidenta também tratará de questões políticas na visita a Portugal, que vive um momento delicado.

Em meio a severas dificuldades econômicas, o Parlamento português rejeitou de forma unânime um pacote de medidas de austeridade. A decisão contrariou o primeiro-ministro, que apresentou sua renúncia ao cargo, na última semana. Porém, o presidente português decidiu que até a escolha do sucessor, ele será mantido com plenos poderes.

Independentemente do impasse político em Portugal, Lula deve ser homenageado em solo português. Em Coimbra, o ex-presidente receberá o título de doutor honoris causa pela Universidade de Coimbra – uma das mais antigas do mundo, criada no século 13.

Lula também será homenageado pela Confraria do Vinho do Porto, uma organização criada em 1982, que premia aqueles que atuam em favor da difusão, promoção e consolidação da bebida. Também deverá receber um prêmio do Centro Norte-Sul do Conselho da Europa, uma instituição acadêmica que premia os defensores dos direitos humanos e que trabalham pela cooperação entre os povos.

Dilma acompanhará Lula apenas em Coimbra, no dia 30, quando o ex-presidente receberá o título de honoris causa, concedido pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. A universidade, nos oito cursos que dispõe, reúne mais de 22 mil alunos. A faculdade mais tradicional é a de direito.

A viagem de Dilma a Portugal será a segunda ao exterior da presidenta. No final de janeiro, ela esteve na Argentina. Nos próximos dias 12 a 15 de abril, Dilma irá à China para uma série de atividades cujas discussões serão dominadas pelas questões econômicas e comerciais.

Edição: Fernando Fraga
***
Fonte:http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2011-03-26/dilma-visitara-portugal-em-um-delicado-momento-da-politica-interna-do-pais

Milhares de pessoas se manifestam em Londres contra cortes do governo

26/03/2011
Do OPERA MUNDI
Efe | Londres


Milhares de pessoas se manifestam neste sábado (26/03) em Londres contra os cortes públicos propostos pelo governo britânico. Este será o maior protesto convocado na capital desde a manifestação de 2003, quando houve o ato contra a Guerra do Iraque.

A confederação sindical britânica Trade Union Congress (TUC, na sigla em inglês) organizou a manifestação e antecipa que terá a participação de mais de 100 mil pessoas, que partirão às 8h de Brasília de Embankment até o Hyde Park, onde sindicalistas e políticos falarão por volta das 10h30 de Brasília.

crise na Europa

Professores, enfermeiros, membros do Serviço Nacional de Saúde, funcionários de prefeituras e outros empregados do setor público se unirão a estudantes e aposentados neste grande protesto contra as medidas de austeridade do governo.

Os participantes procedem de distintos locais de todo o país, por isso as forças da ordem colocarão nas ruas de Londres cerca de 4,5 mil policiais.

A Administração de coalizão formada por conservadores e liberal-democratas insiste que estas medidas de austeridade são necessárias para reduzir o enorme déficit público do Reino Unido.

O TUC insiste que se trata de uma manifestação pacífica e que terá um ambiente "familiar". O secretário-geral do TUC, Brendan Barber, disse neste sábado que muitas pessoas que se opõem ao ato argumentarão que os manifestantes são minoria.

Barber dirá no Hyde Park que há uma alternativa aos "brutais" cortes do gasto público, já cerca de 170 mil funcionários municipais podem perder o emprego.

"Hoje diremos (ao primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron): não vamos deixar que destrua o que demoramos gerações para construir. Sejamos claros perante estes brutais cortes. Isto custará empregos em grande escala", disse o secretário-geral do TUC.
****
Fonte:http://operamundi.uol.com.br/conteudo/noticia/MILHARES+DE+PESSOAS+SE+MANIFESTAM+EM+LONDRES+CONTRA+CORTES+DO+GOVERNO_10745.shtml