terça-feira, 15 de março de 2011

A sucursal da Casa Branca

15.03.2011
Do blog de Altamiro Borges


Reproduzo artigo de Leandro Fortes, publicado no blog "Brasília, eu vi":

Entre todas as bizarrices expostas pelo WikiLeaks, a mais interessante é a revelação, sem cerimônias, de que a Embaixada dos Estados Unidos mantinha (mantém?) uma verdadeira sucursal informal no Brasil, na qual se revezavam jornalistas (de uma só tendência, é verdade), a elaborar análises políticas – todas furadas, diga-se de passagem.

Na redação da embaixada brilharam, primeiro, os colunistas Diogo Mainardi, da Veja, e Merval Pereira, de O Globo. Segundo despacho de Arturo Valenzuela, secretário adjunto de Estado para Assuntos do Hemisfério Ocidental, em 2009, o “renomado colunista político” Mainardi, em almoço privado (?), disse que uma coluna propondo que a ex-candidata presidencial do Partido Verde (PV) e ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva se tornasse candidata a vice do tucano José Serra havia nascido “de uma longa conversa” entre os dois, Serra e Mainardi, na qual o ex-governador de São Paulo afirmara que Marina seria sua “companheira de chapa dos sonhos”.

De acordo com Valenzuela, Serra alinhou naquela conversa com Mainardi as mesmas vantagens que o colunista, mais tarde, iria listar em sua coluna: a história de vida e as “credenciais esquerdistas impecáveis” de Marina poderiam bater o apelo pessoal de Lula aos brasileiros pobres e colocar Dilma Rousseff em desvantagem com a esquerda. Ao mesmo tempo, a vice verde ajudaria Serra a “mitigar” sua associação com o governo de Fernando Henrique Cardoso. Mainardi ainda preconizou que, mesmo sem sair como vice, Marina poderia apoiar Serra num segundo turno contra Dilma. Também apostou que Aécio Neves iria se juntar à chapa de Serra. Um profeta, como se vê.

A mesma lengalenga Arturo Valenzuela ouviu do colunista Merval Pereira, que rememorou uma conversa tida entre ele, Merval, e Aécio Neves, um dia antes do jornalista se reportar à Embaixada dos EUA, em 21 de janeiro de 2010. Ou seja, informação quentíssima! A Merval, informou Valenzuela à Casa Branca, Aécio Neves teria dito estar “firmemente compromissado” em ajudar Serra de qualquer maneira, inclusive se juntando à chapa. Uma chapa Serra-Neves, opinou Merval Pereira ao interlocutor americano, venceria fácil. “(Merval) Pereira pessoalmente acredita que não só Neves concorreria com Serra, mas que Marina também apoiaria Serra em um segundo turno”. Outro profeta.

Agora, sabemos pelo WikiLeaks que Humberto Saccomandi, editor de notícias internacionais do jornal Valor Econômico, acompanhado do analista político Rafael Cortez, da Tendências Consultoria, também foram convocados pela sucursal da Embaixada a analisar a candidatura de Dilma, mas estes acertaram: a subida de Dilma Rousseff nas pesquisas iria favorecê-la no congresso nacional do PT, no fim de fevereiro de 2010, onde se esperava que ela anunciasse sua candidatura oficialmente.

Classificados de “críticos mais duros de Rousseff”, os jornalistas William Waack, da TV Globo, e Hélio Gurovitz, da revista Época, também foram à Embaixada dos Estados Unidos dar pitaco, mas em clima de torcida organizada pró-Serra. Waack descreveu para o Consulado Geral, em São Paulo, sua ida a um fórum de negócios do qual José Serra, Dilma Rousseff, Aécio Neves e Ciro Gomes tinham participado. A análise, não fosse surreal, é pouco mais do que rasa. “De acordo com Waack, Gomes foi o mais forte no geral, Neves o mais carismático, Serra desligado, mas claramente competente (grifo meu), e Rousseff, a menos coerente”, escreveu, à Casa Branca, o embaixador Thomas Shannon, editor-chefe da sucursal. Crítica duríssima, essa de Waack.

Helio Gurovitz, diretor da Época, foi mais adiante ao se reportar à Embaixada do EUA. Descreveu o Brasil como similar ao Chile (onde a esquerdista Michelle Bachelet perdeu a eleição para o direitista Sebastián Piñera). Argumentou que a “base social do país” se desenvolveu de maneira que esta “base” – seja lá o que for isso, o povo é que não era – preferiria alternar partidos no poder para manter continuidade (sic), em vez de manter um partido no poder no longo prazo, “com isso provocando uma guinada na direção daquele partido no espectro político”. O embaixador, creio, não entendeu nada. Mas registrou, por via das dúvidas.

Com analistas assim, não é a toa que o governo Obama se encontra na situação que está.
****
Fonte:http://altamiroborges.blogspot.com/2011/03/sucursal-da-casa-branca.html

Forças Armadas do Uruguai pedem para ver vídeo sobre militares

15/03/2011
Da FOLHA.COM
DA ANSA, EM MONTEVIDÉU


O chefe de Estado-Maior da Defesa do Uruguai, José Bonilla, pediu para assistir ao vídeo nos quais três supostos militares ameaçam juízes e promotores por conta da prisão de oficiais que violaram os direitos humanos durante a ditadura no país (1973-1985).

A informação é do jornal uruguaio "Ultimas Noticias", segundo o qual Bonilla teria se encontrado com um dos três comandantes das Forças Armadas, que também solicitou acesso às gravações.

Segundo o periódico "El País", Bonilla já descartou que oficiais, aposentados ou em atividade sejam os autores do vídeo, já que "o estilo dos militares" não é fazer ameaças.

O presidente José Mujica confirmou ontem ter visto a gravação, ainda que tenha se negado a fazer qualquer tipo de comentário.

Em janeiro deste ano, um grupo de militares uruguaios aposentados pediu ao alto comando das Forças Armadas a defesa de ex-oficiais presos por violações aos diretos humanos durante a ditadura. A demanda que foi negada.

Eles ainda ameaçaram usar medidas "extremas, que não desejariam chegar jamais" caso o pedido não fosse atendido.

Desde 2006, 12 oficiais, entre eles o ex-ditador Gregório Alvarez (1981-1985), cumprem prisão em uma cadeia especial para militares por crimes cometidos durante o regime, alguns dos quais continuam sob investigação.

Em fevereiro deste ano, foi reaberta a investigação de casos de crimes cometidos durante a ditadura no país.
****
Fonte:http://www1.folha.uol.com.br/mundo/888982-forcas-armadas-do-uruguai-pedem-para-ver-video-sobre-militares.shtml

Novo viaduto da Pan-Nordestina será liberado nesta quarta-feira

15.03.2011
Do JORNAL DO COMMÉRCIO


Depois de dois anos de obras e vários atrasos, os viadutos da Avenida Pan-Nordestina, no Complexo de Salgadinho, em Olinda, Região Metropolitana do Recife, serão concluídos nesta quarta-feira (15). Os elevados compõem o complexo rodoviário de Salgadinho e apenas o viaduto leste estava liberado ao tráfego de veículos. No viaduto oeste os carros poderão circular a partir das 15h30.

Com a liberação dos elevados que interligam a PE-15 e a PE-01 (mais conhecida como Avenida Pan-Nordestina), a circulação na área vai mudar completamente. O viaduto leste terá o tráfego invertido, passando a ser usado no sentido Recife-Olinda. Já o viaduto oeste, o último a ser liberado, receberá o tráfego na direção Olinda-Recife. As duas pistas locais oeste (próximo à Avenida Presidente Kennedy), assim como a rotatória localizada embaixo dos elevados, só ficarão prontas em um mês. O mesmo prazo vale para o projeto de paisagismo.

A circulação para os motoristas que pretendem acessar a Avenida Presidente Kennedy, saindo de Olinda ou do Recife, continua a mesma. Quem parte do Recife precisa fazer o retorno improvisado em frente ao Atacadão Extra. Em seguida, entrar à direita na Rua Cônego Xavier Pedrosa e à esquerda na Rua Professor Agamenon Magalhães, chegando à Presidente Kennedy. Os motoristas que saem de Olinda também fazem o mesmo trajeto a partir da Rua Cônego Xavier Pedrosa. Somente depois que a rotatória ficar pronta, o acesso à Presidente Kennedy voltará ao normal.
****
Fonte:http://jc.uol.com.br/canal/ultimas/index.php

Contra invasão ocidental, Gaddafi ameaça se aliar com Al Qaeda

15/03/2011
Da FOLHA.COM
DA EFE, EM ROMA
COM AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS

O ditador líbio, Muammar Gaddafi, advertiu aos governos ocidentais que, se houver uma intervenção militar estrangeira em seu país, a Líbia vai se aliar à rede terrorista Al Qaeda. A declaração foi dada em uma entrevista ao jornal italiano "Il Giornale".

"A Líbia sairá da aliança internacional contra o terrorismo, nos aliaremos com a Al Qaeda e declararemos a Guerra Santa", ameaçou Gaddafi, caso os governos ocidentais se comportem "conosco" como o fizeram no Iraque.

O ditador disse se sentir "traído" por seu até agora amigo, o primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi.

Gaddafi afirmou ainda que o presidente francês, Nicolas Sarkozy, tem uma espécie de "desordem mental" porque "disse coisas que só um louco poderia dizê-las".

"Estou realmente surpreso com a atitude de meus amigos europeus. Dessa forma, eles puseram em perigo e danificaram uma série de grandes acordos sobre segurança e cooperação econômica que tínhamos", ressaltou o ditador líbio.

Na mesma entrevista em que ameaça se aliar à Al Qaeda, Gaddafi criticou os rebeldes líbios que buscam derrubá-lo do poder e os considera aliados de Osama bin Laden, líder da rede terrorista islâmica.

"Negociar com os terroristas de Osama bin Laden não é possível. Eles mesmos não acreditam no diálogo. Sua ideia da situação em Benghazi é equivocada", ressaltou Kadafi, referindo-se à segunda maior cidade da Líbia, atualmente em poder dos rebeldes do país.

Segundo o ditador, o Conselho Nacional de Transição Interino (CNTI), autoridade formada pelos rebeldes líbios em Benghazi, "é como se fosse a Al Qaeda".

Gaddafi afirmou que a oposição dos rebeldes é uma "causa perdida": "Há duas possibilidades: render-se ou escapar".

"Esses terroristas utilizam os civis como escudos humanos, inclusive as mulheres", declarou o ditador. Ele acrescentou que suas tropas avançam rapidamente em direção a Benghazi "para combater o terrorismo".

"As ordens às nossas tropas são cercá-los. Se eles se renderem, não vamos matá-los", disse.

AMEAÇAS

Na semana passada, Gaddafi, declarou que haveria uma revolta armada contra os países ocidentais caso estes criassem uma zona de exclusão imposta pelo ocidente e pela ONU. Em entrevista à TV turca TRT, Gaddafi disse que esses países têm o objetivo de "tomar o petróleo líbio".

"Se eles tomarem esta decisão, será útil para a Líbia, porque o povo líbio verá a verdade, que o que eles querem é assumir o controle da Líbia e roubar seu petróleo", disse Gaddafi na quarta-feira da semana passada. "Então o povo líbio pegará em armas contra eles", afirmou.

Países ocidentais discutiram a possibilidade de impor uma zona de restrição a voos sobre a Líbia, para impedir ataques aéreos de forças leais ao governo contra rebeldes. Mas na reunião do G8, nesta quarta-feira, a proposta da França fracassou.

Em discurso transmitido pela TV estatal líbia horas antes da entrevista à TV turca, Gaddafi acusou "forças externas" de estarem fomentando as insurreições que estão ocorrendo no país. Ele disse que governos europeus e a rede Al Qaeda estão incitando a juventude da Líbia a aderir à revolta contra seu governo.

O ditador líbio Muammar Gaddafi acusou os países ocidentais de levarem a cabo um 'complô colonialista' contra seu país e descartou negociar com o Conselho Nacional que os rebeldes constituíram em Benghazi, ao qual negou legitimidade e relacionou com a organização terrorista Al Qaeda.

Em outro discurso, também na semana passada, o ditador disse que os países ocidentais 'querem colonizar a Líbia novamente', citando em particular Estados Unidos, Reino Unido e França.

Ao ser questionado sobre a possibilidade de negociar com o Conselho Nacional, dos rebeldes, Gaddafi gargalhou e respondeu que 'não há um Conselho Nacional'.

O líder líbio também assinalou que os ex-membros de seu governo que se somaram ao Conselho "foram retidos pela força" e "ameaçados de morte", de modo que sua única saída foi comprometer-se com os insurgentes.

'Não são livres, são prisioneiros', acrescentou Gaddafi antes de negar que combata seu próprio povo: 'é uma mentira dos países colonialistas. É um complô colonialista'.

Em outra entrevista, veiculada pela emissora estatal líbia, Gaddafi afirmou que o objetivo do complô é o controle do petróleo do país e acusou os rebeldes de 'traição', voltando a afirmar que eles são apoiados pela rede terrorista Al Qaeda.
****
Fonte:http://www1.folha.uol.com.br/mundo/888833-contra-invasao-ocidental-gaddafi-ameaca-se-aliar-com-al-qaeda.shtml

PSB descarta fusão com ''partido do Kassab'' antes de 2012 e esfria acordo

15.03.2011
Do MSN NOTÍCIAS, estadao.com.br
Por Julia Duailibi

"Dilema. Kassab: ideia de coligação enfraquece planos de lançar terceira força partidária para se contrapor à polarização PSDB-PT ".Werther Santana/AE

A cúpula do PSB começou a defender a coligação, e não mais uma fusão, como saída para o partido se aliar ao PDB (Partido da Democracia Brasileira), sigla a ser criada pelo prefeito paulistano, Gilberto Kassab (DEM). Integrantes da executiva nacional e líderes do PSB no Congresso pretendem postergar qualquer discussão sobre a fusão para depois da eleição municipal de 2012.

Em jantar na casa do governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, há cerca de 15 dias, a ideia foi lançada pelas principais lideranças do PSB como a alternativa 'mais sensata' no momento. A proposta enfraquece os planos de Kassab de lançar neste ano uma terceira força partidária, que faria um contraponto à polarização entre PSDB e PT nas próximas eleições.

'Não há necessidade de discutir a incorporação ou a fusão neste momento', afirmou Casagrande, para quem a discussão após 2012 'é mais madura'. 'Não vamos antecipar o debate, mas vamos nos manter próximos', completou o governador.

'Ano que vem tem eleição. Dá-se impressão de que essa é uma tática ou estratégia para burlar a Justiça. No momento, preferimos que Kassab crie o partido e, lá na frente, se for conveniente, vamos sentar e conversar', disse Antonio Carlos Valadares (SE), líder do PSB no Senado.

A nova legenda é uma saída política para que o prefeito e aliados possam deixar o DEM, ou outros partidos, sem terem o mandato questionado na Justiça por infidelidade partidária. A lei permite a troca de sigla em caso de migração para uma nova legenda. A ideia inicial era criar um partido e depois promover a fusão com PSB, que é da da base do governo federal.

Pecha. Mas, apesar de ter sido o plano número 1 de Kassab, a tese da fusão tem perdido força. 'Criou-se uma pecha muito grande de que seria um partido ponte', afirmou um aliado do prefeito. Ficar na nova legenda seria uma solução positiva para o vice-governador Guilherme Afif Domingos (DEM). Integrante do primeiro escalão do governo de Geraldo Alckmin (PSDB), Afif poderia acompanhar Kassab sem migrar para um partido aliado do governo federal.

Para os advogados envolvidos na criação do PDB, a coligação é, no momento, a melhor saída, justamente por não dar o caráter de que foi uma estratégia criada para se burlar a Justiça.

Apesar do debate da fusão ter esfriado, a cúpula do PSB é a favor da vinda de Kassab, principalmente por avaliar que a chegada do prefeito fortalece a legenda no Sudeste. Para pessebistas, no entanto, o efeito colateral seria uma descaracterização do partido ao incorporar o prefeito e aliados - Kassab poderia levar até 27 deputados que não teriam ligação com a formação socialista da sigla. No PSB, também há dúvidas sobre o desgaste de se aliar a um projeto que, na avaliação das lideranças, já nasce com a marca de 'partido da janela'.

'Levantou-se a possibilidade de fazermos agora um acordo nacional de coligação e, depois da eleição de 2012, fazermos a incorporação', afirmou o primeiro-vice-presidente do partido, Roberto Amaral. Para o senador Rodrigo Rollemberg (DF), a 'incorporação' só deve ser discutida depois de o prefeito viabilizar o novo partido. 'Primeiro, Kassab tem uma lição de casa a ser cumprida, que é a criação do novo partido. A partir daí, vamos discutir. Fala-se em aliança para 2012 e, depois, incorporação.'

O adiamento da discussão sobre a fusão não significa veto para a entrada de Kassab no PSB. 'Se Kassab quiser vir para o PSB agora, será muito bem-vindo. Mas fazermos a fusão neste momento, desta maneira, não é boa solução', disse um líder da sigla.

O ZIGUE-ZAGUE DO PREFEITO


Derrota

Após o fracasso de José Serra , na eleição de 2010 e a vitória de Geraldo Alckmin (PSDB) na disputa pelo governo paulista, Kassab inicia negociações para deixar o DEM, aliado dos tucanos.

Resta um

Kassab quer disputar o governo paulista em 2014, quando Alckmin deverá concorrer à reeleição. O prefeito, então, avaliou que deveria migrar para a base de Dilma e procurou o PMDB.

Adeus, oposição

Rodrigo Maia e Agripino Maia, do DEM, tentaram manter Kassab no partido, mas, mesmo após não ter se entendido com o PMDB, o prefeito de São Paulo manteve seus planos de sair.

Nova sigla

Kassab acertou com o governador Eduardo Campos (PE) o ingresso no PSB, aliado de Dilma, mas, para evitar problemas com a lei, decidiu criar um novo partido, o PDB.
****
Fonte:http://estadao.br.msn.com/ultimas-noticias/artigo.aspx?cp-documentid=28006080

Assaltante morto depois de fazer refém por duas horas

15/03/2011
Redação do DIARIODEPERNAMBUCO.COM.BR, Garanhuns
Júlio Jacobina/DP/D.A Press/Reprodução TV Globo
Com informações do repórter Raphael Guerra


Um homem terminou assassinado numa operação realizada na noite de ontem para por fim a um assalto a uma farmácia na cidade de Garanhuns, Agreste de Pernambuco. O estabelecimento foi invadido por dois homens e a funcionária Edivânia Galdino, de 37 anos, foi feita refém por duas horas, sendo ameaçada com uma faca.

A polícia chegou e começou a negociar com um dos assaltantes, identificado como Leonardo Bezerra da Silva, de 21 anos. Um policial aproveitou um momento de descuido do rapaz, quando ele colocou a vítima em sua frente de joelhos, e atirou na cabeça dele, que morreu na hora. Segundo a polícia, o rapaz teria sido preso na semana passada e teria envolvimento com drogas.

A atendente de farmácia foi levada em estado de choque a um hospital da cidade. O outro bandido consegiu fugir antes do desfecho do caso.

De acordo com Erlan Cardoso, gerente da farmácia Drogavivo, localizada na avenida Rui Barbosa, o assalto começou por volta das 21h quando havia na loja três clientes, um deles um policial militar a paisano. Ao sair do estabelcimento, o PM foi visto com uma arma na mão por policiais que passavam em uma viatura e pensaram se tratar de um bandido. Desfeito o mal entendido, todos os policiais e mais policiais civis e bombeiros, totalizando 20 homens, participaram da operação. Ainda segundo o gerente, a funcionária trabalhava na farmácia há dois meses.
****
Fonte:http://www.diariodepernambuco.com.br/vidaurbana/nota.asp?materia=20110315083425

Reforma política para ampliar a democracia

14/03/2011
Do site da FUNDAÇÃO PERSEU ABRAMO
Por Paulo Teixeira
Fonte Folha de S.Paulo - Tendências e Debates - 13/3/2011

A Câmara acaba de instalar uma comissão especial para tratar da reforma política. A iniciativa coincide com um momento em que cresce a consciência da necessidade de um revigoramento de nosso sistema político e eleitoral.

O Brasil tem uma democracia representativa de massas, mas o sistema pode ser aperfeiçoado, com medidas que reduzam os custos das campanhas e deem sentido programático às disputas.

A crescente preponderância do poder econômico nos processos eleitorais tem provocado profundas distorções nas instituições legislativas e executivas. Amplos setores da sociedade são alijados das disputas eleitorais, em função dos altos custos das campanhas. Tal fato é facilmente observável nas disputas por cargos executivos em todos os níveis e, principalmente, nas eleições proporcionais.

A interferência do grande capital privado nas eleições é uma das principais fontes das crises políticas que vivemos nos últimos tempos. O uso de caixa dois e favorecimentos a candidatos ligados ao capital resultam em aumento do tráfico de influência e da corrupção no âmbito da administração pública.

O financiamento público vai explicitar os custos do sistema político, não os transferindo para o Estado, via contratos. O único compromisso da pessoa eleita, seja em que esfera for, será com o eleitor. Financiamento público pode não ser perfeito, mas ajudará a limitar as fraudes e facilitará a fiscalização.

O sistema de votação atual é uninominal, em que um eleitor vota num candidato, sem ter em vista a cultura programática. Isso enfraquece os partidos. Daí a necessidade do voto partidário, que vai fortalecer os partidos e permitir mais racionalidade ao debate eleitoral.

Garante-se, assim, mais nitidez partidária e programática, tirando o caráter personalista do sistema atual, em que candidatos apresentam propostas voluntaristas, clientelistas, ilusórias. Caberá aos partidos mudar o seu funcionamento, com garantia de democracia interna.

Precisamos rejeitar soluções mistificadoras, como as do voto distrital e do "distritão". Este quebra o pluralismo, a proporcionalidade, acentua a influência do poder econômico e exacerba o personalismo.

O voto distrital transforma o Congresso em espaço para assuntos paroquiais e permite que uma minoria social detenha a maioria parlamentar, eliminando o princípio "a cada eleitor, um voto", que preserva o caráter plural do Parlamento.

Necessitamos de estímulos à representação feminina e de negros nos três níveis de representação legislativa, além de mecanismos que aprofundem a participação da população na política, via plebiscitos e referendos, como nas democracias mais avançadas.

As mudanças que preconizamos fortalecem nossa democracia, dão mais transparência ao nosso sistema representativo e, sobretudo, asseguram mais agilidade e legitimidade nos mecanismos de expressão de toda a sociedade. Eis o desafio do Congresso Nacional.

Paulo Teixeira é deputado federal (PT-SP) e líder do PT na Câmara.
****
Fonte:http://www.fpa.org.br/artigos-e-boletins/artigos/reforma-politica-para-ampliar-democracia

Geração de empregos formais no país em fevereiro é recorde para o mês

15/03/2011
Roberta Lopes
Repórter da Agência Brasil

Caged Economia Ministério do Trabalho e Emprego empregos formais

Brasília - O Brasil gerou 280.799 empregos formais em fevereiro deste ano, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados hoje (15) pelo Ministério do Trabalho. Esse saldo representa um recorde para meses de fevereiro.

No período, o número de pessoas demitidas (1,51 milhão) e o de contratadas (1,79 milhão) também foi recorde. Em janeiro, as admissões somaram 1,65 milhão e as demissões, 1,49 milhão.

O ministério revisou de 152.091 para 167.943 o número de empregos gerados em janeiro, em função das vagas declaradas pelas empresas fora do prazo. No ano, o saldo é de 448.742, já com os ajustes.

Os setores que mais contribuíram para o saldo positivo em fevereiro foram os de serviços (134.342), da indústria de transformação (60.098) e da construção civil (30.701). "A construção civil passou muito tempo estacionada e começou a dar os primeiros passos em janeiro", disse o ministro do Trabalho, Carlos Lupi.

Ele destacou também a criação de empregos na indústria de transformação, "que cresceu acima da média”. Segundo ele, além desses setores, os de produtos alimentícios e educação devem ter destaque em março.

A Região Sudeste foi a que gerou o maior número de postos de trabalho, 165.523; seguida pelo Sul (59.095) e Centro-Oeste (32.255).

Os estados que tiveram os maiores saldos de emprego foram São Paulo (105.803), Minas Gerais (36.053) e o Rio Grande do Sul (20.380).

A meta para 2011 é de geração de 3 milhões de empregos formais.

Edição: Juliana Andrade // A matéria foi ampliada às 12h45
***
Fonte:http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2011-03-15/geracao-de-empregos-formais-no-pais-em-fevereiro-e-recorde-para-mes

ELEIÇÕES - PT fará mapeamento em municípios de PE

15.03.2011
Da FOLHA DE PERNAMBUCO
Por MARILEIDE ALVES


Pensando nas eleições municipais de 2012, o PT estadual dá início no próximo dia 18 a uma série de encontros para discutir a situação política de cada município.

Aproveitando a maratona do governador Eduardo Campos (PSB), o partido aporta no Sertão, na cidade de Salgueiro. “Vamos ouvir os companheiros do Sertão, fazer uma análise da situação política, as perspectivas, a situação do partido e as dificuldades de cada município”, informou o presidente estadual do PT, Pedro Eugênio, ontem, após a primeira reunião da executiva sob sua presidência.

Dentro do plano de ação, o PT estadual vai mapear os municípios prioritários. Nas discussões políticas o partido vai deixar claro que os atuais donos dos mandatos terão prioridade na reeleição. A sigla pretende ainda ampliar o número de gestores no Estado e o leque de alianças. “Nos municípios que temos prefeitos queremos manter. Em outros, vamos lançar candidatura própria e ver os que podemos ser aliados. Vamos analisar tudo isso”, disse Eugênio.

O petista contou ainda que no início do próximo mês será realizado um seminário de planejamento estratégico para elaborar o plano de ação do PT para 2011/2012. O objetivo, segundo Eugênio, é “balizar todas as ações do PT para esse período”. “É um planejamento onde traçaremos objetos, metas, estratégias, que deveremos utilizar nas diversas áreas do partido: comunicação, organização política...”, disse o presidente.

Outros pontos discutidos na reunião foram as inserções partidárias e os espaços federais que o partido pretende ocupar.
***
Fonte:http://www.folhape.com.br/index.php/caderno-politica/625634?task=view

Duplicação da BR-408 aprovada na Assembleia

15.03.2011
Da FOLHA DE PERNAMBUCO
Caderno POLÍTICA


Outro projeto do Governo garante mais de R$ 1,5 milhão à SDS

GRANDE maioria dos deputados acatou a proposta enviada pelo Executivo

Na primeira sessão após o Carnaval, ontem, os deputados aprovaram na Assembleia Legislativa, dois projetos do Executivo, um deles referente à duplicação e restauração da BR-408, rodovia de acesso à Arena da Copa de 2014. De número 61/2011, a referida proposição requisita autorização para supressão de cobertura vegetal em área do entorno da estrada de forma a acelerar as obras.

Apenas o deputado estadual Daniel Coelho, filiado ao PV, votou contra. O verde comparou um eventual voto com o Governo à concessão de um “cheque em branco”, alegando que o projeto não trazia mapas capazes de auxiliar os parlamentares a entender no que estavam votando.

Presidente da Comissão de Meio Ambiente, o deputado Sebastião Rufino (PSB) reagiu, lembrando que a discussão foi feita no colegiado e que, embora a assessoria tivesse cobrado os referidos mapas, “não chegaram a tempo”. O democrata Maviael Cavalcanti rebateu, em apoio a Daniel, cobrando que, “pelo menos, o presidente da Comissão deveria estar a par”. Maviael relatou que, muitas vezes, se vota num projeto ali sem se saber no que está votando.

Presidente da Comissão de Administração, o deputado Aluísio Lessa (PSB) fez questão de realçar a importância da matéria para que fossem agilizadas as obras. Ex-secretário estadual de Articulação Política, Lessa lembrou a responsabilidade da gestão socialista com seus projetos e defendeu a parceria do Legislativo com o Executivo. O texto recebeu pareceres favoráveis das comissões de Constituição, Legislação e Justiça, Administração, Finanças e Meio Ambiente.

Sem polêmica, também foi aprovado o Projeto de Lei Ordinária de número 48/2011, igualmente de autoria do Executivo, que autoriza a abertura de crédito especial ao Orçamento Fiscal do Estado no valor de R$ 1.540.144,00 em favor da Secretaria de Defesa Social. A solicitação tem a finalidade de incluir no Plano Plurianual 2008/2011 o Programa 0071 - Gestão da Defesa Civil no Estado.

OPOSIÇÃO

Líder da bancada de oposição, o deputado Antônio Moraes (PSDB) levou à tribuna, ontem, denúncia recebida sobre equipamentos paralisados, supostamente há seis meses, no Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA) de Serra Talhada, entre tratores, retroescavadeiras, tratores de esteira. O tucano considerou “lamentável” que não estejam sendo operados. “Pedi ao IPA que nos explique a razão de equipamentos não estarem sendo utilizados e que botem as máquinas para funcionar”. O também oposicionista Daniel Coelho levantou o debate sobre a instalação de uma usina nuclear no Sertão do Estado, como já foi ventilado, manifestando-se contrário. Entre os apartes, os de Carlos Santana (PSDB) e Raimundo Pimentel (PSB) consideraram inoportuno o momento, tendo em vista a situação de desastre do Japão utilizada como referência.

***

Fonte:http://www.folhape.com.br/index.php/caderno-politica/625632?task=view

MEIO AMBIENTE:Secretário, enfim, é nomeado

15.03.2011
Da FOLHA DE PERNAMBUCO
Por ARTHUR CUNHA

Anunciado oficialmente secretário do Meio Ambiente no dia 20 de janeiro, o jornalista Sérgio Xavier (PV) só será nomeado no Diário Oficial de hoje, segundo o próprio adiantou, ontem. De acordo com o presidente estadual verde, a demora se deu porque ele queria se afastar formalmente do comando de duas empresas, inclusive, com a formatação de novos contratos sociais. Uma delas, a SX Comunicação, presta serviço de clipagem eletrônica ao Governo, entre outros órgãos. Xavier queria se resguardar para não ser acusado, pela oposição, de receber do Estado por meio de duas fontes: como titular do primeiro escalão e como proprietário de uma empresa terceirizada.

Nos bastidores, aliados de Sérgio Xavier argumentaram que o grupo ligado ao deputado estadual Daniel Coelho (PV) estaria procurando eventuais “podres” do secretário de Meio Ambiente para comprometer sua permanência no Governo - os dois grupos rivalizam dentro da legenda. Esse seria um dos motivos para a demora na nomeação do jornalista, que pediu ao governador Eduardo Campos (PSB) um tempo para oficializar os desligamentos antes de assumir a pasta. Daniel Coelho foi contra a migração do PV para a base “eduardista”
****
Fonte:http://www.folhape.com.br/index.php/caderno-politica/625633?task=view

Nova regra para cortar luz passa a valer a partir desta terça-feira em todo o País

15.03.2011
Da Folha de Pernambuco


A partir de hoje, as distribuidoras de energia elétrica de todo o País devem começar a cumprir a Resolução 414 da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Com isso, o corte em unidades consumidoras só poderá ocorrer em horário comercial e em até 90 dias de vencimento da fatura em aberto. A resolução diz ainda que a unidade consumidora deverá ser avisada com 15 dias de antecedência sobre o corte. De acordo com o diretor de Operações da Provider, Aloysio Accioly, em meio às principais mudanças está a obrigatoriedade de abertura dos postos de atendimento presencial em localidades com mais de dez mil unidades consumidoras.

“Em todo o País, os municípios de maior porte, normalmente, já contam com os postos de atendimentos presenciais. Nos de menor porte, já que grande parte da população é de baixo poder aquisitivo, o atendimento se limita ao call center mas, depois da resolução, as distribuidoras terão que disponibilizar o atendimento presencial”, explicou. Ainda de acordo com Accioly, as cidades que possuem até dez mil clientes terão quatro horas diárias de atendimento, pelo menos, uma vez por semana.

De acordo com a assessoria de Imprensa da Companhia Energética de Pernambuco (Celpe), a empresa já cumpre a determinação e disponibiliza mais de 200 postos de atendimento presencial para pouco mais de três mil clientes. Ainda de acordo com a Resolução 414, desde o dia 1º deste mês, as distribuidoras devem fazer a religação de energia da unidade consumidora da área urbana em, no máximo, 24 ho­ras. Antes, o prazo era de 48 horas. Outra mudança é o prazo de ligação nova, que caiu de três para dois dias úteis em clientes do grupo B e de dez para sete dias úteis em clientes do grupo A.

A partir do dia 15 de junho, os municípios com até duas mil unidades consumidoras terão atendimento de oito horas diárias, pelo menos uma vez na semana. Em setembro, até o dia 15, as distribuidoras deverão ter instalados postos de atendimento em localidades com até duas mil unidades consumidoras. O Grupo Provider tem know-how comprovado, no Brasil e no Exterior, para auxiliar as distribuidoras de energia a cumprirem as novas exigências da Aneel. Entre os serviços prestados pelo grupo estão gestão de atendimento telefônico e call center, gestão de atendimento presencial, ligação nova, interrupção do fornecimento (corte) e leitura de consumo.
****
Fonte:http://www.folhape.com.br/index.php/noticias-geral/33-destaque-noticias/625703-nova-regra-para-cortar-luz-em-vigor

COLUNA POLÍTICA DA FOLHA DE PERNAMBUCO

15.03.2011
Do BLOG DO MAGNO
Coluna de hoje na Folha

João Paulo no PSB

Há algo no ar além de avião de carreira na sucessão de 2012 no Recife. Um interlocutor privilegiado do governador Eduardo Campos deixou vazar que o destino do deputado João Paulo não está escrito na estrela do PT nem nas legendas trabalhistas PTB e PDT.

Se João da Costa não reagir até outubro, um ano antes do pleito, e até lá o PT não se entender e continuar dividido, Eduardo pode fazer uma jogada de mestre: abrigar João Paulo no PSB e com ele levar o partido a disputar a PCR em faixa própria. Loucura? Viagem na maionese? Alucinação? Em política, tudo é possível.

E o governador, ao apoiar o ex-prefeito, o tiraria, automaticamente, da disputa estadual em 2014, ficando o caminho aberto para uma negociação entre os três pré-candidatos mais próximos hoje ao Governo – o ministro Fernando Bezerra Coelho e os senadores Armando Neto e Humberto Costa.

“Ninguém arma melhor o xadrez político do que o governador, que teve como mestre Miguel Arraes”, lembra esse mesmo interlocutor. Independente do que vier a ocorrer, o fato é que nenhum aliado do prefeito João da Costa acredita mais nas chances dele melhorar a sua popularidade e se firmar dentro da base governista como candidato à reeleição. Também o que se ouve entre as quatro paredes nas Princesas é a avaliação de que João Paulo é um candidato fortíssimo, quase que imbatível.

NAS RUAS– Independente do que o PSDB decida – se entra com candidato próprio ou se alia ao PPS – o ex-deputado Raul Jungmann está construindo a sua candidatura nas ruas, andando, no contato direto com a população. Desde que perdeu a eleição para o Senado, Jungmann tem concentrado seu trabalho no Recife. Inserido nas questões locais, o pós-comunista quer chegar em outubro, um ano antes da eleição, na liderança das pesquisas entre os candidatos da oposição.

Presídio sonrisal - Só agora, depois de três meses da transferência, o Governo descobre que a penitenciária de Mossoró não tem a menor segurança para manter entre suas grades o traficante Fernandinho Beira-Mar, um dos presos de mais alta periculosidade do País. Lá, as rachaduras são visíveis, porque usaram na obra material de baixa qualidade.

Coluna já havia antecipado - O ministro da Integração, Fernando Bezerra Coelho, anda ancho da vida depois que o jornal O Globo, na edição do último domingo, o apontou como um dos auxiliares mais eficientes da presidente Dilma. Em comentário há mais de 30 dias, este colunista já havia antecipado esse mesmo sentimento no Governo em razão do desempenho de Bezerra nas enchentes do Rio.

Caos no Sul - O novo desafio do ministro Fernando Bezerra está no Sul do País. As fortes chuvas que caem naquela região desde a última quinta-feira já deixaram mais de vinte mil pessoas desabrigadas. Onze mortes foram confirmadas, sendo nove no município gaúcho de São Lourenço do Sul e duas em Antonina, já no Paraná.

Cofre lacrado - Da mesma forma que Dilma fechou o caixa da União para os Estados, o governador Eduardo Campos não tem liberado um tostão do dinheiro azul e branco para os municípios. Os seminários regionais, que começam na próxima quinta-feira, por Petrolina, servirão apenas de planejamento. Grana? Nem pensar!

CURTAS –

CAMPEÃO– A família Mendonça terá enormes dificuldades de eleger o prefeito de Belo Jardim nas eleições do ano que vem por causa do enorme desgaste do prefeito Marco Coca-Cola. É o campeão em desaprovação no interior nordestino.Coluna de hoje na Folha


João Paulo no PSB

Há algo no ar além de avião de carreira na sucessão de 2012 no Recife. Um interlocutor privilegiado do governador Eduardo Campos deixou vazar que o destino do deputado João Paulo não está escrito na estrela do PT nem nas legendas trabalhistas PTB e PDT.

Se João da Costa não reagir até outubro, um ano antes do pleito, e até lá o PT não se entender e continuar dividido, Eduardo pode fazer uma jogada de mestre: abrigar João Paulo no PSB e com ele levar o partido a disputar a PCR em faixa própria. Loucura? Viagem na maionese? Alucinação? Em política, tudo é possível.

E o governador, ao apoiar o ex-prefeito, o tiraria, automaticamente, da disputa estadual em 2014, ficando o caminho aberto para uma negociação entre os três pré-candidatos mais próximos hoje ao Governo – o ministro Fernando Bezerra Coelho e os senadores Armando Neto e Humberto Costa.

“Ninguém arma melhor o xadrez político do que o governador, que teve como mestre Miguel Arraes”, lembra esse mesmo interlocutor. Independente do que vier a ocorrer, o fato é que nenhum aliado do prefeito João da Costa acredita mais nas chances dele melhorar a sua popularidade e se firmar dentro da base governista como candidato à reeleição. Também o que se ouve entre as quatro paredes nas Princesas é a avaliação de que João Paulo é um candidato fortíssimo, quase que imbatível.

NAS RUAS– Independente do que o PSDB decida – se entra com candidato próprio ou se alia ao PPS – o ex-deputado Raul Jungmann está construindo a sua candidatura nas ruas, andando, no contato direto com a população. Desde que perdeu a eleição para o Senado, Jungmann tem concentrado seu trabalho no Recife. Inserido nas questões locais, o pós-comunista quer chegar em outubro, um ano antes da eleição, na liderança das pesquisas entre os candidatos da oposição.

Presídio sonrisal - Só agora, depois de três meses da transferência, o Governo descobre que a penitenciária de Mossoró não tem a menor segurança para manter entre suas grades o traficante Fernandinho Beira-Mar, um dos presos de mais alta periculosidade do País. Lá, as rachaduras são visíveis, porque usaram na obra material de baixa qualidade.

Coluna já havia antecipado - O ministro da Integração, Fernando Bezerra Coelho, anda ancho da vida depois que o jornal O Globo, na edição do último domingo, o apontou como um dos auxiliares mais eficientes da presidente Dilma. Em comentário há mais de 30 dias, este colunista já havia antecipado esse mesmo sentimento no Governo em razão do desempenho de Bezerra nas enchentes do Rio.

Caos no Sul - O novo desafio do ministro Fernando Bezerra está no Sul do País. As fortes chuvas que caem naquela região desde a última quinta-feira já deixaram mais de vinte mil pessoas desabrigadas. Onze mortes foram confirmadas, sendo nove no município gaúcho de São Lourenço do Sul e duas em Antonina, já no Paraná.

Cofre lacrado - Da mesma forma que Dilma fechou o caixa da União para os Estados, o governador Eduardo Campos não tem liberado um tostão do dinheiro azul e branco para os municípios. Os seminários regionais, que começam na próxima quinta-feira, por Petrolina, servirão apenas de planejamento. Grana? Nem pensar!

CURTAS –

CAMPEÃO– A família Mendonça terá enormes dificuldades de eleger o prefeito de Belo Jardim nas eleições do ano que vem por causa do enorme desgaste do prefeito Marco Coca-Cola. É o campeão em desaprovação no interior nordestino.

CRIMES– O procurador-geral de Justiça, Aguinaldo Fenelon, tem trabalhado para fortalecer o Grupo de Combate às Organizações Criminosas, do MP, que ainda este mês terá uma ação dirigida no combate à sonegação fiscal. No caminho certo!

REFERÊNCIA– Na relação com a Imprensa, os secretários de Eduardo deveriam seguir o exemplo do chefe da Casa Civil, Tadeu Alencar. Não deixa uma só ligação sem retorno, atende todas as vezes que pode e está sempre disponível.

'O óleo e o perfume alegram o coração; assim o faz a doçura do amigo pelo conselho cordial'. (Provérbios 27-9).

***

Fonte:http://www.blogdomagno.com.br/templates/blogdomagno/index.php?cod_pagina=75397&coluna=1

DEM: Funeral hoje, e os braços de Aécio e Eduardo amanhã

15.03.2011
Do BLOG DO MAGNO

De Divane Carvalho, no seu blog, a respeito da convenção do DEM para eleger sua direção nacional:

''Dividido, fraco e sem ter a amálgama do poder para se fortalecer, ao DEM só resta sumir do mapa político, até porque nunca aprendeu a ser oposição. Por isso, bem ao estilo pragmático dos ex-pefelistas, os democratas começam a se arrumar para chegar ao governo ou bem perto dele. No PSDB de Aécio Neves ou no PSB de Eduardo Campos.''


***

Kassab, amplitude e pluralidade

15.03.2011
Do BLOG DE JAMILDO
Por Luciano Siqueira


Em política, se é certo que tudo pode acontecer, é igualmente certo que em alguns casos é melhor esperar para conferir – sem precipitações. É o que se dá com a movimentação do prefeito Gilberto Kassab (DEM), de São Paulo, supostamente no sentido de formar nova legenda partidária e, desse modo, transferir-se para a base de apoio ao governo Dilma. No meio do caminho, a interlocução com correntes de esquerda, destacadamente o PSB do governador Eduardo Campos.

O DEM naturalmente se sente incomodado com isso. Pode perder o governo da maior cidade do país, terceiro PIB nacional (atrás apenas da União e do estado de São Paulo), de importante influência na cena política. E, dessa forma, se enfraquecer mais ainda, desmilinguido que saiu das últimas eleições gerais.

De outra parte, à esquerda, registram-se manifestações de desacordo em relação à possível mudança de posição do prefeito paulistano. A deputada Luiza Erundina, por exemplo, tem manifestado desconforto com a aproximação de Kassab com o seu partido, o PSB.

Confirmando-se a fundação do novo partido – que, especula-se, contaria inicialmente com cerca de vinte deputados federais – e o deslocamento de Kassab e seguidores para o centro-esquerda, a rigor não se tratará de fenômeno original na cena política. Num país marcado por enormes desigualdades e diversidades regionais, em cuja história institucional não pontificam legendas partidárias sólidas e duradouras (exceção do Partido Comunista que se mantém ativo há exatos oitenta e nove anos), o surgimento de novos partidos de características meramente conjunturais, assim como a transferência de grupos políticos de um campo a outro tem sido comum. Basta que se examine a ampla base de sustentação do governo Dilma e, na província, do governo Eduardo Campos, para se constatar que parte considerável dos que hoje se aliam à esquerda esteve perfilada no centro-direita na “era FHC” (para não retroagirmos mais longe).

A questão é se cabe ou não às correntes de esquerda que nucleiam o projeto nacional em curso devem ou não agregar novos apoios. Parece óbvio que sim, tal como se acontecesse em meio a um confronto aberto entre exércitos poderosos e, num dado instante, destacamentos do inimigo, por razões diversas, resolvessem migrar para nossas hostes. Não teria sentido solicitar aos novos aliados que voltassem às fileiras inimigas e combatessem contra nós. Trata-se, pois, de alteração na correlação de forças – saudável, desde que as novas adesões não signifiquem mudança de rumo, nem alteração substancial do programa estabelecido.

Superar definitivamente os entraves de cunho neoliberal que travam o desenvolvimento do país implica juntar forças as mais amplas possíveis, administrando com habilidade e consequência a complexa pluralidade estabelecida na coalizão governista – que ganhará reforço se o prefeito paulistano e seu grupo confirmarem a propalada travessia.

PS: PS: Luciano Siqueira é médico e deputado estadual pelo PCdoB.
Site e Blog
****
Fonte:http://jc3.uol.com.br/blogs/blogjamildo/canais/artigos/2011/03/15/kassab_amplitude_e_pluralidade_94903.php?utm_source=twitterfeed&utm_medium=twitter