sábado, 26 de fevereiro de 2011

Do lixão ao Oscar, Tião quer despertar consciências em Hollywood

26/2/2011
Do MSN NOTÍCIAS e Agênca EFE
Por Fernando Mexía


Los Angeles (EUA.), 26 fev (EFE).- Protagonista do documentário indicado ao Oscar "Lixo Extraordinário" e trabalhador em um aterro sanitário no Rio de Janeiro, Sebastião Carlos dos Santos, o Tião, procura despertar consciências em Hollywood para melhorar a qualidade de vida dos que reciclam lixo no Brasil.

Tião, de 32 anos, aterrissou pela primeira vez em Los Angeles esta semana para assistir como uma estrela a mais da sétima arte à entrega das estatuetas no Teatro Kodak, uma gala que lhe aflige e da qual espera desfrutar, embora sem esquecer qual é seu papel na cerimônia.

"É muito gratificante e maravilhoso tudo o que está acontecendo", comentou Tião em entrevista concedida à Agência Efe no hotel Mondrian, na Sunset Boulevard.

"Isto é muito maior do que tinha pensado, todo o mundo parece famoso. Mas é uma coisa que vai passar, terminará, e tenho que ter os pés no chão e não perder o contato com a realidade", explicou.

O líder do Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR) se transformou nas últimas semanas no grande estandarte brasileiro pela defesa dos direitos a um trabalho e a condições de vida dignas para os que, assim como ele, cresceram aproveitando o que outros jogam fora.

Sua história como catador de lixo desde os 11 anos de idade em Jardim Gramacho, um dos maiores lixões do mundo, foi relatada no filme "Lixo Extraordinário", produção britânica e brasileira que conquistou um lugar entre os candidatos a melhor documentário.

Desde que a indicação foi divulgada, em 25 de janeiro, Tião deixou para trás o anonimato para saltar às páginas dos jornais e aos programas das emissoras de TV brasileiras, uma mudança que tenta assimilar e aproveitar pelo bem dos seus.

"Eu não sou um ator. Estou aqui por um documentário que contou a vida real e para dar notoriedade ao nosso coletivo", indicou Tião, que, se puder, não deixará passar a ocasião de falar às grandes estrelas do cinema mundial sobre o que podem fazer pelos trabalhadores dos lixões no Brasil.

"É muito importante estar com Angelina Jolie e Brad Pitt ou outras celebridades que podem se envolver nesta causa, porque isto te dá maior visibilidade, é muito importante ter seu apoio", assinalou o catador.

Tião passeará pelo tapete vermelho vestido com um fraque criado com exclusividade pelo estilista brasileiro Pedro Cardoso e terá a companhia de seu representante, Jackie de Botton, que usará um traje de Marta Macedo produzido com materiais coletados em Jardim Gramacho.

"Lixo Extraordinário" concorrerá pela estatueta com "Exit Through the Gift Shop", "Gasland", "Restrepo" e "Inside Job", o documentário que parte como favorito, embora Tião não perca a esperança: "Sou otimista".

Segundo Tião, o primeiro efeito da repercussão do filme já está sendo observado no Brasil, onde as pessoas estão deixando de tratar os trabalhadores dos aterros sanitários como "lixo".

"Agora há respeito", afirmou, antes de apontar que ainda resta muito a ser feito. EFE
****
Fonte:http://entretenimento.br.msn.com/artigo.aspx?cp-documentid=27821902

Filho de Kadafi reconhece "erros" e afirma necessidade de negociação amistosa

26/2/2011
Do MSN NOTÍCIAS e Agência efe.com


Argel, 26 fev (EFE).- Seif el Islam, filho do líder líbio Muammar Kadafi, afirmou neste sábado que a situação na Líbia é "excelente" nos três quartos de seu território, embora tenha aceitado que existe "uma vontade interior de mudança" no país, ao tempo que anunciou "reformas" em todos os níveis da administração.

Em uma entrevista à emissora "Al Arabiya", Seif el Islam Kadafi reconheceu igualmente que existiram "erros na gestão da crise" e assegurou que "é preciso uma negociação amistosa para fazer uma nova Líbia".

"Não há futuro para os líbios à margem da reconciliação, já que é preciso construir a Líbia de amanhã", assinalou Seif el Islam que, até antes da rebelião, era considerado o mais provável sucessor de Kadafi à frente do poder.

Além disso, anunciou "mudanças em todas as esferas" da administração e ressaltou que o país está "em um cruzamento de caminhos" e que "é preciso construir uma nova Líbia".

"A situação nos três quartos do país, que representam a metade da população, é normal, excelente", sustentou e acrescentou que a incitação à revolta "vem do exterior, inclusive há uma vontade interior de mudança".

Fathi Tarbul, membro do comitê popular que controla Benghazi e um dos líderes da revolta popular, assegurou neste sábado que as Forças leais a Kadafi controlam apenas 15% do país.

"Kadafi está vivendo os últimos momentos e esperamos o final de seu regime nos próximos dias", afirmou Tarbul, um advogado de 39 anos, que foi detido no dia 15 de fevereiro. EFE
****
Fonte:http://noticias.br.msn.com/artigo.aspx?cp-documentid=27823956

Do senador Magno Malta, sobre o projeto contra a homofobia: “Querem legalizar a pedofilia, o sado-masoquismo”

26.02.2011
Do site PODER ON LINE
De Jorge Félix e Tales Faria

Nesta semana o deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) fez seu discurso de estreia na Câmara anunciando-se como o primeiro homossexual assumido do Congresso Nacional, “sem homofobia internalizada”, e que terá como prioridade no mandato a luta pelos direitos de LGBTs (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros).

A senadora Marta Suplicy (PT-SP) conseguiu desarquivar o projeto que criminaliza a homofobia.

Novos tempos?

Quem sabe…

O senador evangélico Magno Malta (PR-ES), que integra a auto-denominada Frente da Família, argumenta que a aprovação do projeto implicaria a legalização da pedofilia, do sado-masoquismo e da bestialidade.

Numa rápida entrevista ao Poder Online, no Cafezinho do Senado, ele diz não ter dúvidas de que o projeto será arquivado:

****

Fonte:http://colunistas.ig.com.br/poderonline/2011/02/26/do-senador-magno-malta-sobre-o-projeto-contra-a-homofobia-querem-legalizar-a-pedofilia-o-sado-masoquismo/

Comentários de internauta sobre a matéria acima.

Denald26/02/2011 16:16

Mas não é esta a questão que está sendo tratada aqui, não me propus a escrever aqui de como os homens enxergam isso ou aquilo, mas de como Deus enxerga e diz em sua Palavra. E se você crê que a Bíblia é a Palavra de Deus, convém analisar a prática sob esse ponto de vista, ou descartá-la de vez para ter a opinião pública ou sua vontade própria como bússolas de sua vida. A responsabilidade é sua e é você quem terá de prestar contas de seus atos a Deus.
Entenda que o que escrevo aqui não é uma crítica à pessoa homosexual, mas à prática da homossexualidade, e também não estou me baseando no modo como a sociedade aceita ou deve aceitar determinadas práticas. Não sou melhor do que qualquer pessoa e jamais poderia me colocar na posição de juiz. Eu mesmo sou suscetível a qualquer prática mais ou menos prejudicial ou contrária à Palavra de Deus e, como todo e qualquer ser humano, estou incluído na condenação genérica da qual a Bíblia fala e que coloca todos nós na mesma condição: pecadores necessitados de um Salvador. Portanto, não são seres humanos falhos que devemos tomar como referência, mas o que Deus diz em Sua Palavra.Portanto, o ponto aqui não é o que a sociedade aceita, o que as leis dizem do ponto de vista de uma relação civil entre duas pessoas ou o que as pessoas querem fazer por escolha própria. O ponto é: Deus aceita a homosexualidade como algo normal para Ele? Não. Deus pode amar um ateu, mas não irá amar o ateísmo, contrário à Sua própria existência. Ele pode amar o homossexual, mas não irá amar o homosexualismo, contrário ao Seu plano original da Criação:
Disse Jesus: “Porém, desde o princípio da criação, Deus os fez macho e fêmea. Por isso deixará o homem a seu pai e a sua mãe, e unir-se-á a sua mulher, E serão os dois uma só carne; e assim já não serão dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem.” Mc 10:6-9
Assim como Deus faz, devo amar e respeitar todas as pessoas, independente do estilo de vida ou preferência sexual que escolheram, mas isso não implicará que eu deva aceitar ou concordar com suas práticas ou com o modo de vida que escolheram. Você queria saber o que a Bíblia diz do homosexualismo e eu não poderia amenizar o que encontro ali.
Lembre-se de que qualquer verdadeiro cristão deve proceder como o Senhor Jesus procedeu quando andou neste mundo: Ele sempre amou o pecador e detestou o pecado. Todas as pessoas devem ser amadas como Deus as ama, independente de seu modo de vida. Mas amá-las não implica em aceitar seu modo de vida, principalmente quando temos diante de nós um testemunho claro daquilo que Deus pensa sobre o assunto.

Com fama de excêntrico e de orientação nacionalista, Khadafi tirou Líbia do isolamento

26.02.2011

Da BBC BRASIL

Por Aindan Lewis, BBC News

O líder líbio Muamar Khadafi

Khadafi tem por hábito ter fotos de líderes africanos nas roupas

Ameaçado pelos protestos que se espalham pela Líbia há cerca de uma semana, o coronel Muamar Khadafi, de 68 anos, é o líder há mais tempo no poder tanto na África quanto no mundo árabe.

Ele está no comando da Líbia desde que depôs o rei Idris 1º, em 1969, em um golpe de estado sem derramamento de sangue, quando tinha 27 anos.

Conhecido por seu estilo extravagante de se vestir e pelas guarda-costas do sexo feminino, o líder líbio também é tido como um político habilidoso, que conseguiu tirar seu país do isolamento diplomático.

Em 2003 – depois de passar duas décadas sendo visto como país pária – Trípoli assumiu responsabilidade pelo atentado contra um voo da PanAm sobre a cidade escocesa de Lockerbie, em 1988, abrindo caminho para que a ONU suspendesse suas sanções contra a Líbia.

Meses depois, o regime de Khadafi abandonou os esforços para desenvolver armas de destruição em massa, o que também facilitou a aproximação com o Ocidente.

Por causa das duas medidas, Khadafi deixou o isolamento e passou a ser aceito pela comunidade internacional, ainda que com ressalvas.

“Ele é único em seu discurso, em seu comportamento, em suas práticas e em sua estratégia”, disse à BBC o analista de política líbia Saad Djebbar. “Mas é um politico astuto, e um sobrevivente político.”

Raízes beduínas

Nos anos 70, Khadafi desenvolveu uma filosofia política nacionalista

Khadafi nasceu no deserto líbio, perto de Sirte (norte) em 1942. Em sua juventude, ele admirava o líder egípcio e nacionalista árabe Gamal Abdel Nasser.

Seus primeiros planos para derrubar a monarquia líbia começaram durante seus estudos militares, e ele recebeu treinamento militar na Grã-Bretanha antes de retornar à cidade líbia de Benghazi e iniciar ali o golpe que o levaria ao poder, em 1º de setembro de 1969.

Em seu Livro Verde, lançado nos anos 1970, Khadafi expôs sua filosofia política, apresentando uma alternativa nacional ao socialismo e ao capitalismo, combinada com aspectos do islamismo.

Em 1977, ele criou o conceito de "Jamahiriya" ou "Estado das massas", em que o poder é exercido através de milhares de "comitês populares".

Khadafi gosta de prezar tradições locais em público. Quando visita outros países, acampa em uma luxuosa tenda beduína, típica dos povos de sua região.

Durante as viagens, o coronel é protegido por guarda-costas mulheres - que diz serem menos dispersivas do que os homens.

O coronel também recebe políticos e personalidades que visitam o país em uma tenda beduína. Durante os encontros, ele é conhecido por se proteger das moscas com um crina de cavalo ou com um leque feito de uma folha de palmeira.

Khadafi recebe líderes de estado em uma tenda beduína

'Cachorro louco'

O ex-presidente americano Ronald Reagan chamou o líder líbio de "cachorro louco" e, em 1986, autorizou um ataque aéreo a Trípoli e a Benghazi em resposta a um ataque a bomba contra uma discoteca em Berlim Ocidental, que matou dois militares americanos e uma mulher turca e que, segundo os Estados Unidos, teria sido realizado por agentes líbios.

Os bombardeios americanos mataram 45 soldados e funcionários públicos e 15 civis. Entre estes estava uma filha adotiva de Khadafi, que teria ficado bastante abalado.

Nos anos 1990, rejeitado em seus esforços para unir o Mundo Árabe, o líder líbio se voltou para a África, propondo a criação de um país-federação no continente, nos moldes dos Estados Unidos.

Para promover a ideia, ele passou a se vestir usando roupas que carregavam emblemas do continente ou retratos de líderes africanos.

Mas no fim da década, com a Líbia em dificuldades por causa das sanções econômicas impostas pelos Estados Unidos, Khadafi se viu forçado a assumir a autoria do atentado de Lockerbie e de outros atentados, para lentamente restabelecer o diálogo do país com os Estados Unidos.

"Não haverá mais guerras, ataques ou atos de terrorismo", disse o coronel ao celebrar 39 anos no poder.

Desafios domésticos

O coronel enfrenta a maior crise política desde que subiu ao poder

Em seu país, o coronel se apresenta como o guia espiritual da nação, supervisionando o que diz ser uma versão local de democracia direta.

Na prática, segundo os críticos, Khadafi mantém controle absoluto e autoritário da Líbia. Dissidências ou críticas foram duramente reprimidas e a mídia do país sempre foi rigorosamente controlada pelo governo.

A Líbia tem uma lei que proíbe atividades em grupo baseadas em ideologias políticas que sejam opostas à revolução de Khadafi.

Segundo a organização internacional Human Rights Watch, o regime prendeu centenas de pessoas por violarem a lei e sentenciou algumas à morte. Também há relatos de tortura e desaparecimentos.

No entanto, acredita-se que o coronel esteja preparando terreno para a transição, por causa de sua idade avançada, mas não está claro quem poderia sucedê-lo.

Especula-se que um de seus filhos, Saif al-Islam Khadafi, seja o principal proponente de reformas no sistema.

Saif anunciou que se aposentará da política, mas as opiniões se dividem sobre se isso seria uma manobra tática para expandir seu apoio popular.

Enquanto isso, Khadafi prometeu que a maior parte dos ministérios do país será abolida e que os orçamentos destes serão entregues diretamente à população.

Mas as reformas são lentas na Líbia, mesmo que a economia do país tenha sido aberta ao investimento estrangeiro.

"Eles são muito cautelosos ao efetivar mudanças que possam prejudicar seu poder", diz o analista Saad Djebbar.

"Mas, ao mesmo tempo, eles estão cientes de que precisam fazer algo. É por isso que são muito, muito lentos."

****http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2011/02/110221_perfil_khadafi_cc.shtml

Fonte:

Ex-banqueiro caça ''tesouros''

26.02.2011
Do MSN NOTÍCIAS
Por Fernando Scheller, estadao.com.br


Um ex-banqueiro volta à casa de onde foi despejado para catalogar bens pessoais, obras de arte valiosas são perdidas e depois encontradas em cantos secretos da grande mansão e advogados protagonizam um empurra-empurra por desavenças sobre a preservação do imóvel. O que parece enredo de novela praticamente resume o movimento desta semana na mansão de Edemar Cid Ferreira, do falido Banco Santos.

Na última quarta-feira, o arquiteto italiano Alberto Sauro emitiu documento declarando que 42 obras de arte do ex-banqueiro, avaliadas em R$ 400 mil, não teriam sido encontradas na casa: entre os bens desaparecidos nos 4 mil metros quadrados da residência construída por R$ 140 milhões estavam urnas funerárias, imagens de fotógrafos renomados e obras de artistas pop.

Edemar foi à casa duas vezes nesta semana. Na quinta-feira, o clima entre seus advogados e Vânio Aguiar, fiel depositário do imóvel desde o despejo, no dia 20 de janeiro, esquentou. Houve empurra-empurra e por pouco as divergências não foram resolvidas no tapa. Precisou o advogado Caio Barbosa, nomeado perito no caso pelo juiz Régis Bonvicino, que emitiu a ordem de despejo, fazer papel de árbitro e acalmar os ânimos.

Ontem, o ex-banqueiro e seus advogados voltaram ao imóvel da Rua Gália, no Morumbi, em São Paulo. Sem a presença de Aguiar, percorreram corredores e vasculharam os diferentes cômodos em busca das obras perdidas. Segundo Rubens Tilkian, advogado de Edemar, 31 dos 42 itens dados como desaparecidos foram encontrados. A expectativa é que os demais reapareçam nos próximos dias - o ex-dono do Banco Santos tem autorização para entrar na casa para listar seus bens até sexta-feira.

O prédio e os bens nele contidos devem ser leiloados para ajudar no pagamento dos credores do Banco Santos, que quebrou em 2005, vítima de um rombo estimado na época em R$ 2,5 bilhões. Nas visitas desde o despejo, Edemar levanta os bens que considera de uso pessoal. Esses, após aprovação judicial, serão retirados da residência - o restante será revertido em favor da massa falida do banco.

Entretanto, as desavenças entre Edemar e Aguiar vão além do sumiço temporário das obras de arte - envolvem também a segurança e a manutenção do imóvel. O ex-banqueiro reclama que não teve acesso às imagens das câmeras de segurança - 60, no total - que monitoravam os cômodos da mansão até o dia 20 de janeiro. Após a saída de Edemar, parte das câmeras foi desativada e um novo conjunto de captação de vídeo foi instalado.

Procurado pelo Estado, o fiel depositário da mansão disse que não forneceu as imagens anteriores ao despejo porque não recebeu ordem judicial para isso. 'Quando isso ocorrer, eu entrego', disse.

Os advogados de Edemar pediram ontem formalmente a entrega das imagens. A solicitação inclui também acesso a documentos e computadores pessoais - incluindo o de Márcia, esposa do ex-banqueiro -, que teriam sido retirados do imóvel. Os representantes de Edemar reclamam ainda que o sistema de refrigeração da casa, vital para a conservação das obras de arte, foi temporariamente desligado.

A pedido de Bonvicino, o Gaeco - grupo do Ministério Público que combate o crime organizado - acompanha o caso do despejo. Entretanto, segundo um membro do Gaeco, até agora não foi encontrado indício de crime relacionado à administração do imóvel.
****
Fonte:http://estadao.br.msn.com/economia/artigo.aspx?cp-documentid=27820308

Surgem propostas de minirreforma tributária para acabar com injustiça fiscal

26/02/2011
Gilberto Costa
Repórter da Agência Brasil

Brasília
– A expressão “reforma tributária” talvez seja uma das mais controversas no vocabulário político e econômico recente do Brasil. De acordo com o consultor jurídico Rodrigo Pereira de Mello, o termo tem significados diferentes conforme quem defende as mudanças na legislação de impostos e contribuições pagas ao Estado.

Segundo ele, para empresários e a população em geral, o termo costuma corresponder à redução da carga tributária. Já para tributaristas, a reforma também pode significar correção de distorções, harmonização de regras e rearranjo das receitas da Federação (União, estados e municípios).

Além disso, a reforma tributária pode ser entendida como o esforço pela simplificação do sistema. “O discurso de posse da presidenta Dilma Rousseff tem claramente esse sentido”, diz Mello, que já foi procurador-geral adjunto da Fazenda Nacional.

O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), afirma que ainda não ouviu “oficialmente”, no Palácio do Planalto, sede do governo, qual será o sentido de reforma tributária que o Executivo vai propor, mas sabe que “a preocupação é enfrentar alguns gargalos e destravar a indústria, favorecer a exportação e gerar empregos”.

Costa não sabe se será agora que o governo enfrentará “questões mais profundas” e que envolvem “maior grau de articulação” ao defender a reforma tributária. A tendência, já apontada à Agência Brasil por analistas políticos, é fazer uma minirreforma dos tributos federais para desonerar a folha de pagamento das empresas.

“Eu espero que o debate sobre a desoneração da folha de pagamento seja feito com os trabalhadores”, ponderou José Lopez Feijóo, vice-presidente nacional da Central Única dos Trabalhadores (CUT). “Ao reduzir a contribuição patronal [para desonerar a folha de pagamentos], nós estamos reduzindo os recursos para a Previdência Social. Isso tem impacto. Se vão sair da folha [os tributos], tem que ser dito de onde virão, os recursos não podem ser reduzidos. Tem que ter uma garantia de que será uma transposição para permanência dos recursos para a seguridade”, alerta o sindicalista, que participa do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES).

Em dezembro do ano passado, o CDES entregou ao governo um diagnóstico sobre os problemas do sistema tributário. O primeiro problema apontado foi a carga de tributos mal distribuída entre impostos diretos e indiretos e os efeitos regressivos que fazem as pessoas mais pobres pagarem mais impostos. “O sistema é concentrador de renda e injusto”, reconhece Germano Rigotto, ex-governador do Rio Grande do Sul, que coordenou parte das discussões sobre reforma tributária no CDES.

Para Rigotto, o governo não esboça vontade de fazer uma reforma que ataque o problema da regressividade apesar de ter condições para isso. “Se não aprova no primeiro ano de mandato, fica muito mais difícil fazer depois. Eu não estou vendo mobilização para isso”, lamenta.

Para Adriano Biava, professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA/USP), a “injustiça tributária” vai perdurar enquanto não se fizer uma ampla reforma. Em sua opinião, iniciativas nesse sentido contrariam interesses de diversos setores, inclusive os de governadores estaduais que perderiam o poder de conceder isenção de impostos a determinados setores.

“Se perguntarmos se há necessidade de reforma tributária, há unanimidade nacional. Quando se faz qualquer proposta, a unanimidade é desfeita. Os estados estão pensando mais em seus caixas. Não há uma visão nacional e nem de justiça social”, lamenta Biava.

“Se vamos fazer uma reforma para valer alguns interesses, [essa reforma] vai ter que ficar a serviço dos interesses da sociedade”, concorda Feijóo, da CUT.

Edição: Lana Cristina
****
Fonte:http://agenciabrasil.ebc.com.br/home;jsessionid=E0B5435D730E3F2F80BA8662264F20EB?p_p_id=56&p_p_lifecycle=0&p_p_state=maximized&p_p_mode=view&p_p_col_id=column-1&p_p_col_count=1&_56_groupId=19523&_56_articleId=3198926

Navio com 148 brasileiros deixa a Líbia e já está a caminho da Grécia

26/02/2011
Pedro Peduzzi
Repórter da Agência Brasil

Brasília
- O navio com 148 brasileiros, 48 portugueses, 20 espanhóis e um tunisiano que estava em Benghazi, na Líbia, já está a caminho da Grécia, onde deverá chegar às 2h de amanhã (27) – horário de Brasília, segundo o Ministério das Relações Exteriores.

A chegada deles ao Brasil está prevista para segunda-feira (28). Antes disso, a embaixada brasileira na Grécia prestará serviços de assistência, como o fornecimento da segunda via de passaporte e autorização de retorno ao país em voo fretado, no caso daqueles que não tiverem documentos.

O Itamaraty informou que o navio deixou a Líbia na manhã de hoje (26), depois de um atraso em decorrência do mau tempo e do mar agitado na costa do país. A viagem deverá durar cerca de 17 horas. Todos os brasileiros estão bem e não há nenhum relato de atendimento a feridos.

O navio, de bandeira grega, está sob responsabilidade da construtora Queiroz Galvão, que tem negócios na Líbia. Relatos de parentes dos brasileiros informam que autoridades líbias retiveram muitos passaportes de estrangeiros que viviam no país. Desde o dia 15, a população da Líbia protesta pedindo o fim do governo de Muammar Khadafi.

Organizações não governamentais estimam que mais de 700 pessoas morreram nos confrontos entre manifestantes e forças policiais. Também há denúncias de violação de direitos humanos e crimes contra a humanidade.

Edição: João Carlos Rodrigues
***
Fonte:http://agenciabrasil.ebc.com.br/home;jsessionid=237667B909689AD6D65FA38D0910FD1F?p_p_id=56&p_p_lifecycle=0&p_p_state=maximized&p_p_mode=view&p_p_col_id=column-1&p_p_col_count=1&_56_groupId=19523&_56_articleId=3198866

Brasil já tem mais de 205 milhões de linhas de telefones celulares

25/02/2011
Sabrina Craide
Repórter da Agência Brasil

Brasília
- Com 2,2 milhões de novas habilitações em janeiro, o Brasil chegou a 205,15 milhões de assinantes do serviço de telefonia móvel no fim do mês passado.

A teledensidade, que é a relação do número de celulares habilitados a cada 100 habitantes, ficou em 105,74 em janeiro. O maior índice continua sendo na Região Centro-Oeste, onde existem 126,3 celulares para cada 100 habitantes.

A maioria dos acessos em operação no país (82,32%) são referentes a linhas pré-pagas e 17,68% são pós-pagos. Os terminais 3G (banda larga móvel) totalizaram, em janeiro de 2011, 22,5 milhões de acessos.

Edição: João Carlos Rodrigues
****
Fonte:http://agenciabrasil.ebc.com.br/home;jsessionid=08F1882EAF9AED8848C148E0A374F967?p_p_id=56&p_p_lifecycle=0&p_p_state=maximized&p_p_mode=view&p_p_col_id=column-3&p_p_col_pos=4&p_p_col_count=7&_56_groupId=19523&_56_articleId=3198635

Ministra quer sociedade mobilizada contra a exploração sexual de crianças e adolescentes

25/02/2011
Alana Gandra
Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro
- A ministra de Direitos Humanos, Maria do Rosário, convocou hoje (25) a sociedade brasileira para fazer uma mobilização permanente, a partir do carnaval, com a finalidade de preservar e fazer respeitar os direitos da criança e do adolescente em todo o país.

Ela lançou esta tarde, no Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, a campanha de carnaval para o enfrentamento da violência sexual contra crianças e adolescentes. “Essa campanha é uma das primeiras ações que nós estamos fazendo este ano, para enfrentarmos juntos - governo federal, municípios, estados e a sociedade brasileira - a exploração sexual”. O lançamento da campanha ocorreu simultaneamente em 17 aeroportos brasileiros.

A ideia da ministra é estender a ação, também, às estradas e rodoviárias do país. O carnaval foi escolhido para iniciar a campanha porque, segundo Maria do Rosário, as crianças e adolescentes ficam mais vulneráveis à exploração sexual em épocas festivas.

A bola é o símbolo da campanha, porque além do seu significado lúdico, ela traduz o compartilhamento de uma responsabilidade, que é combate à violência sexual contra os menores de idade, disse a ministra. “Começa no carnaval, segue o ano inteiro. E o símbolo é a nossa bola, porque nós já estamos também no ritmo da Copa [do Mundo de Futebol], para dizer que a Copa será para o Brasil um momento de proteção das crianças”.

A ministra atribuiu o aumento de denúncias no carnaval à situação de vulnerabilidade da infância nessa época do ano. Deixou claro, entretanto, que isso não tem ligação com as escolas de samba. “Escola de samba, em geral, é um lugar em que as pessoas cuidam muito das crianças. Mas, a questão do álcool, das drogas, corre solta e traz maior vulnerabilidade. Muitas crianças também ficam sozinhas. E isso é muito preocupante. Nós temos, todos, que assumir a responsabilidade com as crianças brasileiras”.

A ministra ressaltou que a presidenta Dilma Rousseff não quer que o governo se limite a fixar políticas de apoio às crianças, mas que empreenda ações práticas. “Tem que agir”, sublinhou. Ela externou preocupação com os cerca de 2,5 milhões de atendimentos feitos pelo serviço gratuito Disque Direitos Humanos, o Disque 100, registrados entre maio de 2003 e dezembro do ano passado.

A campanha, disse Maria do Rosário, é para que o Brasil não “acostume seu olhar” e considere a exploração de menores uma coisa natural. “A sociedade tem que estar vigilante e não pode aceitar essa situação”, afirmou. “Criança não é objeto de consumo. Criança é vida. Criança não é para sofrer nenhuma forma de violência”, completou.

Até maio, a secretaria vai trabalhar as ações que serão lançadas pela presidenta Dilma Rousseff no Dia Nacional de Combate à Violência e Exploração Sexual. Essas ações serão desenvolvidas por todos os ministérios.

“O objetivo é fortalecer os conselhos tutelares, garantir esse trabalho. Punir os responsáveis. Mas, por outro lado, trazê-los [os menores] para uma condição de vida diferente, melhor, respeitar a dignidade humana e, ao mesmo tempo, impedir que novas crianças entrem numa vida tão terrível e destruidora como essa”, disse.

A ministra também confirmou que pretende disputar o cargo de presidente do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda). “Eu tenho muita vontade de fazer isso”.

Edição: Aécio Amado
****
Fonte:http://agenciabrasil.ebc.com.br/home;jsessionid=0A167C121799D8442096B38565CD6ED6?p_p_id=56&p_p_lifecycle=0&p_p_state=maximized&p_p_mode=view&p_p_col_id=column-4&p_p_col_pos=5&p_p_col_count=7&_56_groupId=19523&_56_articleId=3198644