Pesquisar este blog

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Onde está o assassino de Maristela Just?

10.01.2011
DO blog "acertos de contas"
NÓS NÃO ESQUECEMOS

procurado

Em junho do ano passado, depois de forte pressão, o assassino de Maristela Just, José Ramos Lopes Neto, foi condenado a cumprir pena de 79 anos, depois de 21 anos de enrolações jurídicas que fizeram com que o cidadão tivesse uma vida normal, como se nada tivesse ocorrido.

José Ramos matou a ex-mulher, Maristela Just, e ainda atirou em Nathalia e Zaldo Just, seus filhos, que sobreviveram. Fizemos uma entrevista com os dois, que contaram como tudo ocorreu.

O julgamento ocorreu, mas José Ramos fugiu, como era de se esperar, e ainda continua foragido.

Nós não esquecemos. Esperamos que a polícia também não.

****

Fonte:http://acertodecontas.blog.br/atualidades/por-onde-anda-o-assassino-de-maristela-just/

Governo Federal expulsou em 8 anos quase 3 mil servidores por corrupção

10/1/2011
Do MSN NOTÍCIAS
Por Estadão.com.br

SÃO PAULO
- Em nota divulgada nesta terça-feira,10, a Controladoria-Geral da União anunciou que vai levar o Governo Federal a aplicar punições expulsivas a 2.969 agentes públicos por envolvimento em práticas ilícitas, no período entre janeiro de 2003 e dezembro de 2010. Os dados constam do último levantamento realizado pela Controladoria-Geral da União (CGU), que consolida as informações sobre demissões, destituições de cargos comissionados e cassações de aposentadorias aplicadas a servidores públicos do Poder Executivo Federal. Do total de penas expulsivas no período, as demissões somaram exatos 2.544 casos; as destituições de cargos em comissão, 247, e as cassações de aposentadorias, 178. Veja aqui o relatório das punições expulsivas.

Somente no ano de 2010, foram 521 os servidores penalizados por práticas ilícitas no exercício da função, o que representa um aumento de (18,94%) em relação ao ano anterior (2009), que apresentou um total de 438 agentes públicos expulsos do serviço público. O principal tipo de punição aplicada em 2010 também foi a demissão, com 433 casos. Foram aplicadas ainda 35 penas de cassação de aposentadoria e 53 de destituição de cargo em comissão.

No acumulado dos últimos oito anos (2003 a 2010), o principal motivo das expulsões foi valer-se do cargo para obtenção de vantagens, respondendo por 1.579 casos, o que representa (33,48%)do total. A improbidade administrativa vem a seguir, com 933 casos, e as situações de recebimento de propina somaram 285 e os de lesão aos cofres públicos, 172.

A intensificação do combate à impunidade na Administração Pública Federal é uma das diretrizes do trabalho da Controladoria-Geral da União, que coordena o Sistema de Correição da Administração Pública Federal.
****
Fonte:http://estadao.br.msn.com/ultimas-noticias/artigo.aspx?cp-documentid=27189517

O anonimato na internet

10.01.2011
Do BLOG DA CIDADANIA
Por Eduardo Guimarães


Durante a campanha eleitoral do ano passado, foram surgindo exemplos de abusos cometidos através da internet e não só contra candidatos, mas, também, contra homossexuais, negros, nordestinos, mulheres e até contra a presidente da República, Dilma Rousseff.

Esses fatos geraram uma discussão pública sobre a possibilidade de se usar o anonimato na rede para cometer crimes de toda sorte. A sociedade assiste, perplexa, a internet ser usada de uma forma que pode até destruir vidas. Surgem, pois, idéias sobre controle.

Essa discussão levanta uma militância aguerrida que luta exatamente pelo oposto, ou seja, para que a internet seja território livre de qualquer tipo de controle, pois grandes grupos econômicos e os países ricos quereriam mesmo é censurar, valendo-se daqueles que sentem medo de um meio de comunicação que pode se converter em arma.

Há um argumento fortíssimo a favor dos que repelem com fervor qualquer tipo de ameaça ao anonimato: o Wikileaks, por exemplo, não existiria sem os anônimos que contribuem consigo. Mesmo que a guarda do registro dos internautas fique com o Estado, países como os EUA poderiam retaliar as fontes de Julian Assange.

Surge um dilema, pois. Como tornar a internet mais segura, coibindo pregações nazistas contra negros e homossexuais ou proposições de linchamento moral e até físico contra pessoas, que podem despertar loucuras latentes, sem retirar o que tem de melhor na rede, a liberdade de expressão?

A militância contra o controle sobre a internet não admite lei específica nenhuma. É uma postura que lembra a dos grandes meios de comunicação, que não admitem qualquer tipo de intervenção do Estado sobre uma atividade que é exercida inclusive sob sua concessão.

À primeira vista, porém, os dois lados parecem estar certos. Contudo, um deles deve estar errado, ainda que boa parte dos seus argumentos seja válida.

Há várias denúncias de que gente como o banqueiro Daniel Dantas costuma processar qualquer leitor de blog que lhe faça críticas políticas e decorrentes de acusações públicas contra si. Mesmo não ganhando, constrange quem quiser criticá-lo.

Por outro lado, neonazistas montam perfis em redes sociais e vão crescendo aos milhares de seguidores com pregações racistas, xenofóbicas e homofóbicas; mulheres são difamadas por companheiros frustrados; crianças são aliciadas por pedófilos; golpes múltiplos são aplicados.

Em primeiro lugar, o que se precisa determinar é se o crescimento dos crimes citados no parágrafo anterior é parelho com o crescimento da internet no Brasil. A sensação de que tais crimes aumentam pode decorrer meramente da rápida inclusão digital que ocorre no país.

Mas e se os crimes de anônimos estiverem crescendo além da inclusão digital? Não significará que os controles existentes não estão funcionando e que, para permitir o anonimato do bem, pavimenta-se o caminho do anonimato do mal?

Se o crescimento dos crimes for menor do que o da inclusão digital haverá apenas que dotar de maiores recursos as instâncias policiais e judiciais existentes. Do contrário, haverá, sim, que discutir leis que possibilitem identificar pedófilos, neonazistas, golpistas e difamadores mais facilmente.

A sociedade tem o direito de fazer essa escolha conscientemente, sendo colocada diante dela em um plebiscito, por exemplo. Queremos uma liberdade de expressão que se converta em liberdade de destruição? Quem tem o direito de falar por todos, nesse caso?

Os que militam em defesa do atual nível de anonimato na internet precisam se dispor ao diálogo e ao debate, bem como os que temem esse anonimato por facilitar crimes de todo tipo.

Ninguém ganhará um debate como esse no grito. Pode ser travado em clima de boa vontade ou de confronto, mas será travado – quer queiram, quer não. Entendo, porém, os militantes da causa da liberdade na rede. Não os culpo pela paixão, pois sou apaixonado por minhas causas.

Todavia, como já disse, o limite da liberdade de cada um é o direito do outro. E não se pode tentar intimidar quem pensa diferente difamando-o ou patrulhando-o, fazendo-lhe acusações só por discutir o que não se quer.

O patrulhamento do pensamento alheio não pode ser usado para pregar liberdade de expressão. Criar-se-ão, cada vez mais, milícias virtuais destinadas a intimidar quem ouse discordar desses grupos.

Sempre que surgem essas anomalias, as vítimas do patrulhamento vão ficando pelo caminho e em determinado ponto se tornam tantas que acaba sendo possível fazer leis mais duras do que o necessário.

Visando o aprofundamento nessa questão, ao fim desta semana participarei de uma reunião com militantes da causa do anonimato na rede. Em seguida, participarei de encontro com defensores da sua maior normatização.

O que deve valer, em uma discussão dessa importância, não são as pessoas, mas o interesse coletivo. Não importa quem defende o que. É uma discussão que deve permanecer aberta e que, acima de tudo, tem que ser travada.

Não se pode aceitar o argumento de que propor tal discussão significa “fornecer combustível” para um dos lados. É um argumento antidemocrático que vem sendo usado pela grande mídia para se apropriar de concessões públicas e agir como partido político.
****
Fonte:http://www.blogcidadania.com.br/2011/01/o-anonimato-na-internet/

O que faço com o meu twitter?

07 de janeiro de 2011
Do Blog do Rovai

Publico a seguir uma crônica de Adriana Delorenzo, que me fez rir o suficiente pra não levar mais tão a sério certas coisas da internet. O twitter dela é @dridelorenzo

Às vezes me sinto uma caixa vazia, oca, sem conseguir processar tanta informação. Twitters, facebook, Orkut, MSN, tanta gente querendo se comunicar, mas no fundo…

só aparência.

As fotos mais descoladas, nos lugares mais loucos. Tudo isso pra quem ver pensar: nossa quero ser seu amigo, assim também vou me descolar.

Basta fazer uma análise. Veja só… ai que saudade, precisamos marcar aquela, adorei te ver aquele dia, nossa foi demais. E para por aí. Será que realmente esse papo evolui? Ou será que encontros na rua, passando ali na hora do almoço correndo, com quinze minutos pra voltar para firma merecerão o mesmo afeto? Como ser simpático em mensagens de texto cada vez mais curtas? Como não ser seco, babaca e dizer o mesmo que todo mundo? Como ser original?

Aliás originalidade está bem difícil nessas redes sociais. Mas, enfim, isso é o que menos importa. O importante é formar uma rede, ou transportar a real para um espaço digamos mais público. Com espectador. Com um toque de voyeurismo. É possível descobrir se a pessoa está grávida, quem é o pai, quando vai ser o chá de bebê, se já existem irmãozinhos, quando vai nascer, se a gravidez está saudável. Ver a felicidade de todos os membros da rede e saber onde a futura criança vai viver. Será no facebook?

Às vezes parece que um número de telefone já não basta. É muito próximo. Antes batia-se na porta, sem acanhamento, sem campainha. Mas agora nem sino, nem interfone. Muito menos um telefonema. Tudo começa assim com longas conversas pelo messenger. Madrugadas, altos papos. Ele lá. Ela, a quilômetros de distância. Ele aqui. Ele no andar de baixo. Ela em cima. Elas no subsolo do hemisfério norte.

Tem sentido tudo isso?

Não passa de papo de um excluído de redes sociais. Será possível uma política pública para inclusão social em redes. Afinal nada mais rentável…

Em poucos minutos o perfil está traçado. Sabe-se tudo o perfume, se é doce, mais picante ou floral. Os livros, isso se der sorte de a pessoa ainda ler. Porque em tempos de internet a literatura ganhou 140 toques. Um romance como As Mil e uma Noites, com seus três volumes, talvez já tenha perdido seu encanto.

Aliás, encantar-se é um belo verbo, pois tem a beleza do canto com o charme do encantamento. Ah, Chico Buarque, se você soubesse como o mercado já te abomina. São coisas tão anacrônicas, preconceito, pobreza, perseguição, política. Para quê?

Há coisas tão mais simples, não se preocupe minha filha, dirão. Uma boa maquiagem, um belo traje, aquela bolsa.

O que seremos? O que farei? Haverá tempo e pessoas para eu me relacionar? Ou ficarei só, lendo todos os romances do Mia Couto?

Serei eu anacrônica, chata, que não atrai ninguém…. nenhum leitor. O mais triste fim da poesia. Nenhum leitor, nenhum autor, nenhum escritor, nenhum prosador, nenhum compositor, nenhum seguidor…

O que faço com o meu twitter?
****
Fonte:http://www.revistaforum.com.br/blog/2011/01/07/o-que-faco-com-o-meu-twitter/

Planalto não pode ser conivente com desconstrução de Lula

10 de janeiro de 2011
Da REVISTA FÓRUM
Por Renato Rovai

A mídia tradicional já escolheu sua estratégia para tentar abater Lula e Dilma até 2014. Parece coisa de maluco começar a pensar na sucessão presidencial na primeira semana de um novo mandato. Mas é disso que se trata.

O discurso dos colunistas do estabilishment está afiadinho. Cada um de sua maneira (leia com atenção certas colunas) começa a demonstrar que Dilma está imprimindo um novo ritmo no governo e que Lula era um cara mais folgado, relaxado, que não gostava de cumprir prazos etc.

Não à toa, a foto que tem sido usada para sustentar imageticamente esse discurso tem sido a em que o ex-presidente aparece na sacada de sua casa com uma camiseta sem mangas.

A análise intramuros que esse grupo do colunismo deve estar fazendo é que mesmo Dilma não fazendo um grande governo, Lula seria imbatível em 2014 caso sua imagem não sofra um grande desgaste nos próximos anos.

O pior é que pelo que apurei em conversas com gente que tem acesso ao circulo palaciano, isso está sendo considerado bom por alguns assessores próximos da presidenta.

Eles estariam avaliando que essa diferenciação entre Dilma e Lula que a mídia está fazendo garante personalidade política à presidenta. E que não é exatamente um problema Lula perder um naco de seu capital político, já que não trabalham com a hipótese de que ele deveria voltar em 2014.

Essa análise é tão inteligente quanto a que levou o PT a abrir mão da prefeitura de BH num acordo com Aécio para que o então governador de Minas apoiasse uma candidatura do partido na sua sucessão.

Ou seja, é idiotice pura.

Se a mídia tradicional conseguir desgastar Lula, ela vai babando para cima de Dilma. Que não terá em quem se apoiar.

Lula forte é a melhor salvaguarda da presidenta eleita. É o Pelé no banco de reservas, como disse o ministro Gilberto Carvalho.

A tese de que tudo bem deixar bater em Lula para elogiar Dilma não pode ser aceita pelo atual governo.

O ideal seria que a própria Dilma botasse um ponto final nisso com uma declaração contundente. Se a intenção for deixá-la fora disso, no mínimo um dos seus ministros fortes precisa sair em defesa do ex-presidente e dizer que não há um outro estilo melhor agora do que o anterior. De que são estilos diferentes. E ponto.

Até porque se essa tese avançar estará se cometendo uma baita injustiça com o torneiro mecânico. E também porque o sucesso dessa operação pode ser fatal não para o futuro de Lula, mas principalmente para o de Dilma.
****
Fonte:http://www.revistaforum.com.br/blog/2011/01/10/planalto-nao-pode-ser-conivente-com-descontrucao-de-lula/

"Crucifixogate":Ministra desmente “Folha” pelo twitter! Jornal queria usar religião contra Dilma

09/01/2011
Do blog de Rodrigo Vianna

Só ele pode nos no salvar!

Estranhei quando vi a “reportagem” da “Folha” logo cedo nesse domingo: os jornalistas Valdo Cruz, Simone Iglesias e Breno Costa trouxeram - no pé de uma matéria na página A9 – a informação de que Dilma retirara o crucifixo do gabinete e a Bíblia da mesa de trabalho do Palácio do Planalto.

Uma pulga atrás da orelha: por que o jornal não deu foto, mostrando o gabinete “antes” (com crucifixo e Bíblia) e “depois” (sob a intervenção da malvada presidenta atéia)?

E, se o fato era tão importante (a ponto de os editores botarem em primeira página), por que os repórteres incluíram a informação no pé e não na abertura do texto? Jabuti não sobe em árvore – é o que dizem. O assunto talvez não interessasse aos jornalistas que assinaram a matéria, mas certamente interessou aos donos do jornal. E certamente interessa à direita que trouxe a religião para o centro do debate político, sob os auspícios de Serra, na última campanha eleitoral. É uma forma de mandar o recado: nós avisamos, ela é a favor do aborto, não é religiosa, esses comunistas são perigosos!

Pois bem. Isso estava evidente. Mas o mais interessante veio no começo da tarde. A minstra-chefe da Secom, Helena Chagas, usou o twitter para desmentir a “Folha”. Entendam bem: a ministra não minimizou, não tentou explicar a decisão (que, aliás, seria legítima) de retirar curcifixo e Bíblia. Não! A ministra, simplesmente desmentiu o jornal!

E o curioso: desmentiu não com nota oficial, mas pelo twitter!!!

O que disse Helena Chagas:

- “Pessoal, só esclarecendo:a presidenta Dilma não tirou o crucifixo da parede de seu gabinete.A peça é do ex-presidente Lula e foi na mudança”;

- “Aliás,o crucifixo,que Lula ganhou de um amigo no início do governo,é de origem portuguesa.Mais:Dilma também não tirou a bíblia do gabinete.”;

- “A bíblia está na sala contígua, em cima de uma mesa – onde, por sinal, a presidenta já a encontrou ao chegar ao Planalto. Por fim…”;

- “…um último detalhe:embora goste de trabalhar com laptop,a presidenta não mudou o computador da mesa de trabalho.Continua sendo um desktop.”

Ou seja: segundo a ministra, a “Folha” errou no factual!

A “Folha” pode detestar a Dilma, e pode até achar que deve insuflar a direita religiosa. Mas, pra isso, precisa se ater aos fatos!

De todo jeito, sejamos cuidadosos: vamos aguardar as explicações do jornal da família Frias…

Esse espisódio, do “crucifixogate”, tem tudo pra entrar na mesma lista do “bolinhagate”, do grampo sem áudio e da ficha falsa da Dilma! Com um detalhe extra: ao desmentir o jornal pelo twitter, Helena Chagas não deixa de mandar um recado pra turma da Barão de Limeira – vocês já não estão com essa bola toda.

Humilhante: o maior jornal (?!) do país desmentido pelo twitter!
****
Fonte:http://www.escrevinhador.com.br/

Orçamento do Ministério da Saúde para 2011 será o maior desde 1995, calcula ONG

10/01/2011
Da Agência Brasil

Brasília
- Levantamento feito pela organização não governamental Contas Abertas mostra que o Ministério da Saúde terá para 2011 um orçamento de R$ 77 bilhões, o maior valor já registrado desde o primeiro governo de Fernando Henrique Cardoso, em 1995, cuja verba era de R$ 91,6 bilhões.

Segundo o secretário da ONG Contas Abertas, Gil Castelo Branco, a saúde se tornou uma das áreas que mais desagradaram os brasileiros durante o governo do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em 2003, primeiro ano do mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a verba destinada à área da Saúde foi de R$ 44,6 bilhões. No final do governo, o valor alcançou R$ 67,5.

Gil Castelo Branco diz que dos R$ 77 bilhões destinados à saúde, R$ 68 bilhões é voltado para o Fundo Nacional da Saúde, que é o gestor financeiro dos recursos do Sistema Único de Saúde (SUS), por onde é feito os repasses para estados, municípios, além do Distrito Federal.

O principal programa orçamentário do Ministério da Saúde é o de Assistência Ambulatorial e Hospitalar Especializada. O segundo programa do Ministério da Saúde mais bem contemplado com verba para este ano é o de Atenção Básica em saúde.

Edição: Talita Cavalcante
****
Fonte:http://agenciabrasil.ebc.com.br/home?p_p_id=56&p_p_lifecycle=0&p_p_state=maximized&p_p_mode=view&p_p_col_id=column-3&p_p_col_pos=1&p_p_col_count=8&_56_groupId=19523&_56_articleId=3160080

Troca do RG pela nova identidade com chip começa no próximo dia 17

10.01.2011
Daniella Jinkings
Repórter da Agência Brasil

Brasília
– A troca da cédula de identidade (RG) pelo novo cartão do Registro de Identidade Civil (RIC) vai começar no próximo dia 17. As pessoas selecionadas serão convocadas por carta a partir desta semana.

De acordo com o Ministério da Justiça, os habitantes de Brasília, Rio de Janeiro e Salvador serão os primeiros a receber as cartas. As cidades de Hidrolândia (GO), Ilha de Itamaracá (PE), Nísia Floresta (RN) e Rio Sono (TO) também fazem parte do projeto piloto, e o início da convocação terá início ainda no primeiro semestre.

A nova identidade foi lançada em dezembro, mas o período de transição de governo atrapalhou o início do processo de troca. Segundo o Ministério da Justiça, os cartões das pessoas selecionadas já estão prontos, pois foram feitos com base nos cadastros repassados pelos estados.

O ministério também informou que os cidadãos escolhidos para a troca do documento foram escolhidos aleatoriamente pelos estados. A estimativa é que este ano 2 milhões de brasileiros façam a substituição.

O RIC é um cartão magnético, com impressão digital e chip eletrônico, que incluirá informações como nome, sexo, data de nascimento, foto, filiação, naturalidade e assinatura, entre outros dados. O Ministério da Justiça estima que a substituição da carteira de identidade será feita, gradualmente, ao longo de dez anos.

A emissão do RIC em 2011 será custeada pelo Ministério da Justiça, por isso, a pessoa não precisará pagar pela troca. Segundo o ministério, o investimento no primeiro ano será de cerca de R$ 90 milhões.

Edição: Nádia Franco
****
Fonte:http://agenciabrasil.ebc.com.br/home?p_p_id=56&p_p_lifecycle=0&p_p_state=maximized&p_p_mode=view&p_p_col_id=column-4&p_p_col_pos=2&p_p_col_count=7&_56_groupId=19523&_56_articleId=3160320

Lupi: Congresso é soberano para decidir sobre reajuste de mínimo

10/01/2011
Vinicius Konchinski
Repórter da Agência Brasil

São Paulo - O ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, afirmou hoje (10) que o Congresso Nacional é que vai definir o valor do salário mínimo. Segundo ele, os parlamentares vão discutir a proposta de R$ 540 para o piso nacional e, se alterarem, o governo acatará a decisão. “O Congresso é soberano”, disse Lupi em entrevista coletiva durante evento na capital paulistas. “O que o Congresso definir nós todos teremos que aceitar, porque é o Congresso que decide.”

Na semana passada , o ministro da Fazenda, Guido Mantega, havia dito que qualquer aumento na proposta de R$ 540 seria vetado. Lupi, entretanto, ratificou que a discussão sobre o salário mínimo está aberta. “A política é uma casa de diálogo. O governo apresentou sua proposta, mas o Congresso tem competência para discuti-la e fazer emendas.”

O ministro mesmo disse que defendeu um reajuste maior. Lupi afirmou que, para ele, o piso deveria ser de R$ 560, porém disse que sua proposta foi vendida nas discussões internas do governo federal. “Eu tinha um projeto de se chegar a R$ 560, mas fui vendido. O governo decidiu por R$ 540 e eu, como sou membro do governo, tenho que acatar a vontade da maioria.”

No mesmo evento, durante a inauguração do Núcleo de Informação e Apoio aos Trabalhadores Brasileiros Retornados do Exterior, no bairro da Liberdade, o deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), o Paulinho da Força, disse que apresentará uma emenda à medida provisória que reajustou o salário mínimo. A finalidade é alcançar os R$ 580. Presidente da Força Sindical e do mesmo partido de Lupi, Paulinho acredita que o salário mínimo vai ser alterado. “Vai aumentar com certeza, afirmou o deputado.”

Paulinho disse que a emenda será apresentada no dia 2 de fevereiro, logo após o recesso do Congresso. Além dela, o deputado afirmou que apresentará uma proposta de reajuste de 10% para o benefício dos aposentados que ganham mais de um salário mínimo por mês.

Edição: Talita Cavalcante
*****
Fonte:http://agenciabrasil.ebc.com.br/home;jsessionid=42FFB8915C47BF29D76D3153D0A7EAFF?p_p_id=56&p_p_lifecycle=0&p_p_state=maximized&p_p_mode=view&p_p_col_id=column-1&p_p_col_count=1&_56_groupId=19523&_56_articleId=3160044

Quando vale a pena parcelar o IPVA e o IPTU?

10.01.2011
DO MSN NOTÍCIAS
Por InfoMoney, InfoMoney

SÃO PAULO – Pagar os impostos à vista para garantir os descontos é sempre uma boa opção para quem quer economizar. Mas, para quem não fez o planejamento financeiro adequado,´dá para parcelar os débitos e quitá-los ao longo do ano. Contudo, esse parcelamento pode pesar durante meses no bolso de quem não costuma se planejar e uma pergunta pode surgir: até que ponto vale a pena parcelar impostos como o IPTU e o IPVA?

Os proprietários de veículos licenciados em São Paulo têm desconto de 3% para o pagamento à vista do imposto ou a opção de pagar em até três vezes o débito. Já quem escolher pagar o IPTU em cota única terá desconto de 6% ou tem a opção de parcelar em 10 vezes iguais. Dependendo do valor do débito, ficar três ou dez meses pagando pode não ser uma opção financeiramente saudável. “Quem pagar parcelado precisa ajustar o orçamento à parcela”, acredita o professor de Finanças do Insper, Ricardo Rocha.

Para ele, muitos contribuintes acabam não percebendo o peso que o parcelamento, no caso do IPTU, que é mais longo, pode ter no orçamento. E não atentam a isso quando buscam um bem para comprar. No caso dos imóveis, o imposto pode até comprometer a renda dos mais desatentos. “Como os imóveis, principalmente em São Paulo, estão se valorizando, daqui a pouco a despesa com o IPTU vai ser muito próxima a do aluguel”, afirma.

O mesmo ocorre com o carro, na avaliação do professor. “Nem sempre a pessoa compra um veículo compatível com a renda e estilo de vida. Ou ele tem um carro com padrão inferior ao que poderia ter ou, o que é pior, um com padrão superior ao que pode”.

E quando vale a pena?

O parcelamento dos impostos vale a pena quando o orçamento não dá conta de pagar à vista. “Se você tem caixa, o pagamento à vista sempre vale a pena”, ressalta o sócio-diretor da Divisão de Auditoria da Crowe Hortwath RCS, Alfredo Ferreira Marques Filho. Somente para quem não tem reservas ou não fez um planejamento é que o parcelamento vale a pena.

Mas até mesmo na hora de optar pelas prestações é preciso planejamento. “O ideal é que o contribuinte só comprometa um terço do orçamento com financiamentos, incluindo o parcelamento dos impostos”, afirma Marques.

Se, no fim, o que vale mesmo é pagar à vista, então, talvez um empréstimo possa resolver o problema. Na avaliação dos especialistas consultados, essa opção não deve passar pela cabeça dos contribuintes. “Nenhuma taxa hoje vai lhe custar menos que 2% ou 2,5%, mesmo o crédito consignado”, afirma Marques. “As pessoas devem evitar usar crédito para pagar imposto”, completa Rocha.

Sem dinheiro em caixa e sem a possibilidade de contratar crédito, o que resta é mesmo parcelar o valor dos impostos, mas com planejamento, sem estourar o orçamento.

Precavendo-se

Para não acabar cometendo algum erro nas finanças pessoais, os especialistas recomendam aos contribuintes já irem se planejando para o pagamento dos impostos de 2012. Isso mesmo: planejar-se durante um ano inteiro é melhor que apertar o cinto no início do ano.

“Para quem não tem disciplina de investir, sugiro que criem caixinhas, a do IPVA e a do IPTU, para ir depositando todo o mês determinada quantia para quitar os impostos à vista”, sugere Rocha. Assim, em 2012, você garante o desconto e uma sobra de recursos, que devem ser guardados para o próximo ano.

O professor ainda ressalta que os contribuintes devem ficar de olho nos benefícios que podem garantir mais descontos no imposto. Em todo o estado de São Paulo, por exemplo, quem pedir nota fiscal ao realizar compras pode garantir desconto no IPVA. Para tanto, é necessário que o proprietário indique o veículo que deve receber o desconto no sistema da Nota Fiscal Paulista. Neste ano, 314 mil paulistas garantiram uma economia de R$ 57,097 milhões.

Já para quem é da capital paulista é possível garantir desconto no IPTU com a Nota Fiscal Eletrônica – emitida por prestadores de serviços, como colégios, escolas de idiomas, academias de ginástica, cabeleireiros, hotéis, estacionamentos, lavanderias, entre outros. Assim como no IPVA, os contribuintes devem fazer a indicação do imóvel que será beneficiado com o abatimento. Neste ano, 40 mil imóveis receberão o desconto.
****
Fonte:http://dinheiro.br.msn.com/tributos/artigo.aspx?cp-documentid=27184116

O que é preciso para ser feliz?

10.01.2011
Enviada por uma amiga, via email

Você já reparou como enfrentamos diariamente uma tempestade de estímulos, informações e influências? São muitas: você precisa disso, tem de comprar aquilo”, tem de ler tal livro, você deve assistir aquele filme, tem de melhorar”, tem de estar atualizada, tem de”. Ufa! Se deixar, a sociedade cria um zilhão de necessidades prá gente

Ou seja, nos dá um zilhão de tarefas. Resultado: chega um momento em que as pessoas ficam realmente perdidas num mar de atividades que não representam uma verdadeira conexão com a alma. Sim, porque satisfação só existe quando há um elo com a necessidade verdadeira. A falsa necessidade exige nossos esforços, nos esgota e não recompensa. Sabe o que eu tenho sentido? Que todas as pessoas precisam ter um centro. Caso contrário, o mundo as leva a um caminho que não tem nada a ver com elas.

Então, vamos lá: chegou a hora. Centre-se no silêncio do seu mundo interior. Diga não a tudo que está à sua volta e que não tenha uma conexão direta e profunda com sua alma. Não permita que terceiros façam escolhas por você. Deixe as influências caminharem. Esse é um dos segredos da serenidade. Continue: pergunte, lá no fundo, do que é que você precisa realmente para ser feliz. Confronte-se já! Gente, vocês não imaginam como essa atitude faz toda a diferença.

Sabe aquelas pessoas que comem compulsivamente, engordam e acham que está tudo bem? Pois é, isso denuncia que algo está errado. Isso significa que, nas profundezas da alma, há uma insatisfação, que é fruto de necessidades não atendidas. Amadureça! Assuma as próprias responsabilidades. É você com você. “Ai, estou gorda e viciada”, “Ai, porque a doença da minha filha está acabando comigo”... O que é isso? Você já parou para confrontar o seu eu?

Puxa vida, eu percebo como as pessoas vivem em busca de coisas passageiras: lutar pela reputação, por ser chique, por ser bacana, por não poder errar... Mas será que esses sentimentos que surgem dispersam sua energia ou têm a ver com a sua alma, lhe fazem sentir-se bem? Avalie! Vamos dar uma parada hoje! Promova um momento de confronto consigo mesma. Olhe para você.

Estabeleça uma nova disciplina em favor da sua alma, da sua libertação, da sua paz. E não me venha com problema e choradeira, porque isso não resolve nada. Fica na lamentação e não se encara. Fica na culpa e não se encara. Fica no “deveria”. Não, ninguém deve nada!
***

ETA anuncia cessar-fogo permanente e internacionalmente verificável

10/01/2011
Do UOL NOTÍCIAS
Em Bilbao (Espanha)

O grupo terrorista ETA anunciou nesta segunda-feira "um cessar-fogo permanente e de caráter geral, que pode ser verificado pela comunidade internacional como compromisso firme", com "um processo de solução definitivo e com o final do confronto armado".

Em comunicado publicado na edição digital do jornal basco "Gara", o grupo armado afirma que a declaração de "cessar-fogo permanente e de caráter geral", é o "compromisso firme do ETA com um processo de solução definitivo e com o final do confronto armado".

A nota, datada de 8 de janeiro, assinala que o "processo democrático" para o final da violência deve resolver o "núcleo do conflito", que o grupo terrorista situa na questão da "territorialidade e no direito de autodeterminação".

A organização afirma que "concorda" com as declarações de Bruxelas, formuladas por um grupo de mediadores internacionais, e de Guernica, assinadas por vários partidos bascos, nas quais era reivindicado um cessar-fogo unilateral, permanente e verificável internacionalmente.

O ETA diz ainda que a solução "chegará através de um processo democrático que tenha a vontade do povo basco como máxima referência e o diálogo e o direito de autodeterminação, que são o núcleo do conflito político".

Este comunicado é o oitavo pronunciamento realizado pelo grupo terrorista no último ano e a 12ª proclamação da cessação da violência realizada pelo grupo armado que começou sua atividade para conseguir a independência do País Basco da Espanha há cinco décadas.

No dia último dia 5 de setembro, em comunicado divulgado pela cadeia britânica "BBC", o ETA havia anunciado a cessação das "ações armadas ofensivas".
****
Fonte:http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/efe/2011/01/10/eta-anuncia-cessar-fogo-permanente-e-internacionalmente-verificavel.jhtm