Pesquisar este blog

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Globo endossa farsa de Serra e telejornais desmascaram a ambos

21 de outubro de 2010

Do blog do Eduardo Guimarães (Aqui para ler)

Se ainda não assistiu, assista, mais abaixo, ao trecho do Jornal do SBT que desmascara a farsa encenada por José Serra e pela Globo no Rio durante suposta “agressão” ao tucano.

O vídeo mostra que ele foi atingido por objeto leve como uma bolinha de papel e que só simulou ter sentido o impacto depois de receber uma chamada no celular.

Segundo o médico Jacob Kligerman, que examinou Serra, o tucano disse ter sentido náuseas e tonturas após a agressão. O médico, ex-secretário de saúde na gestão de Cesar Maia, afirmou não ter visto nenhum ferimento aparente no candidato, mas decidiu encaminhá-lo para a tomografia por precaução.

Um detalhe sobre o médico Jacob Liegerman, que participou da farsa: ele foi diretor-geral do Instituto Nacional do Câncer durante o governo FHC. A ficha dele pode ser lida aqui

Enfim, assista ao vídeo e julgue você mesmo. Em seguida, continue lendo.



Assistiu? Bem, então agora esqueça por um momento as suas preferências políticas e olhe para a imagem abaixo. É uma justaposição das imagens de dois cidadãos brasileiros. Dois homens com direitos e deveres iguais. Não só como cidadãos, mas como membros da espécie humana.

Você diria que os dois foram agredidos? Pergunto isso porque são as únicas vítimas que apareceram em quase todas as reportagens de telejornais da noite nas tevês abertas, com exceção da reportagem de um telejornal, o Jornal Nacional, da Globo.

Na reportagem do principal telejornal da maior concessão pública de televisão aberta do Brasil, apenas um dos lados teve a sua versão contada e os seus feridos exibidos, o lado dos tucanos, lado que o leitor pode ver como ficou meramente olhando à direita da imagem acima – e dos fatos.

Já a imagem do lado esquerdo é do telejornal da Record. Esse telejornal, como os das outras emissoras, mostrou também a outra versão dos fatos, a versão do PT, omitida pela Globo.

E mais: entre outros, o telejornal da tevê Record mostrou que, nessa história toda, se alguém foi realmente agredido esse alguém, ao menos pelo que foi apresentado ao público, não foi o candidato tucano.

Mas não importa. O que importa é que a Globo, de forma criminosa, ilegal, em afronta à equidade na disputa eleitoral não deu o lado do PT nessa história, sonegando a imagem do militante petista agredido pelos tucanos e que aparece acima com o supercílio dilacerado.

A Globo criou dois tipos de brasileiros: o tipo que recebe toda a deferência possível de uma concessão pública por supostamente ter sido agredido enquanto que outro cidadão agredido de fato, e com os mesmos direitos do primeiro, simplesmente é deletado do rol de vítimas.

Resta saber se o conjunto da sociedade perceberá este fato e o que fará diante de tal afronta. Seja qual for o resultado desse julgamento, o país o conhecerá em pouco mais de uma semana. E é possível que as novas pesquisas estejam indicando a resposta.
***
Fonte:http://www.sejaditaverdade.net/blog2/?p=2821

A verdade por trás do caso Amaury/Dossiê


Do blog do Nassif (Aqui para ler)

20.10.10

Para entender melhor o inquérito da Polícia Federal sobre a quebra do sigilo fiscal dos tucanos.

As investigações foram encerradas na semana passada, inclusive com a tomada de depoimento do repórter Amaury Jr por mais de dez horas.

A conclusão final do inquérito foi a de que Amaury trabalhou o dossiê a serviço do Estado de Minas e do governador Aécio Neves – como uma forma de se defender de esperados ataques de José Serra.

Em negociação com o Palácio, a cúpula da Polícia Federal decidiu segurar as conclusões para após as eleições, para não dar margem a nenhuma interpretação de que o inquérito pudesse ter influência política.

No entanto, a advogada de Eduardo Jorge – que tem acesso às peças do inquérito por conta de uma liminar na Justiça – conseguiu as informações. Conferindo seu conteúdo explosivo, aparentemente pretendeu montar um antídoto. Vazou as informações para a Folha, dando ênfase ao acessório – a aproximação posterior de Amaury com a pré-campanha de Dilma – para diluir o essencial – o fato de que o dossiê foi fogo amigo no PSDB.

Neste momento – segundo informações de repórteres de Brasília com acesso a investigadores – discute-se na PF a oportunidade ou não de uma coletiva para colocar as peças no devido lugar.

Aparentemente, a operação de Eduardo Jorge acabou sendo um tiro no pé. A partir de agora, não haverá como a velha mídia ignorar o inquérito e suas conclusões.

***

Fonte:http://www.sejaditaverdade.net/blog2/?p=2784


"Receita Tucana”


***
Fonte:http://www.escrevinhador.com.br/

Propaganda de Serra contra Dilma induz o eleitor ao erro

Este não é nenhum email apócrifo. Faz parte da campanha oficial de José Serra contra Dilma Rousseff. A primeira vez que eu assisti foi durante os intervalos do debate eleitoral da REDETV no domingo. É uma propaganda feita clara e especificamente para induzir o eleitor ao erro.

O comercial traz uma série de reportagens do jornal gaúcho Zero Hora sobre o que os tucanos afirmam ser a “catástrofe de Dilma” a frente da Secretaria de Finanças do município de Porto Alegre em 1988. As imagens mostram em seqüência uma série de jornais antigos, enquanto o narrador fala da suposta incompetência da candidata do PT em gerir os recursos financeiros na época. Há duas insinuações claras: corrupção e incompetência.

Veja o polêmico comercial aqui.

Não dá para entender a falta de dinheiro em caixa na capital gaúcha sem compreender o contexto sócio-econômico da época:

Dilma e a Prefeitura de Porto Alegre

As eleições municipais foram as primeiras que aconteceram após a redemocratização do país. Os prefeitos eleitos cumpriram um mandato de apenas 3 anos para que o calendário eleitoral pudesse ser acertado como é nos dias de hoje.

Dilma Rousseff era filiada ao PDT e apoiou Alceu Collares, o primeiro prefeito negro de Porto Alegre. Grande parte do programa de governo de Collares foi redigida na casa de Dilma.

De acordo com a pesquisadora Nara Magalhães, autora do livro O Povo Sabe Votar – Uma Visão Antropológica, havia em 1985 uma grande identificação popular com Alceu Collares. Os eleitores viam no pedetista alguém de origem simples e sem muito dinheiro, um igual (link).

Quando Collares assume a prefeitura no ano seguinte, Dilma torna-se a primeira mulher secretária das finanças do município de Porto Alegre. Dilma saiu do cargo em setembro de 1988 para se dedicar à campanha de Carlos Araújo, seu marido na época.

A propaganda do PSDB fala que Dilma saiu, “pois não agüentou o rojão”. Ledo Engano. Ela deixou o cargo para cuidar da campanha do esposo. O vídeo mostra 4 recortes de jornal da época e as respectivas datas. Notem que, apenas no primeiro recorte, datado de 07 de julho de 1988, Dilma era secretária de finanças. Nos outros 3, matérias de outubro e novembro daquele ano, Dilma já estava na campanha de Carlos Araújo. O engano ao eleitor já começa por aí.

Mas, por que faltou dinheiro na prefeitura de Porto Alegre e o que aconteceu de fato? Esta é a grande questão a ser explicada.

O Brasil e a década de 70

Os anos 70 foram prósperos para a economia brasileira. Acontecia o chamado “milagre econômico brasileiro”, em que o PIB crescia algo em torno de 10% ao ano. As taxas de crescimento do governo Lula já fazem lembrar o “milagre econômico brasileiro”. Não sou eu quem diz, é a Revista Exame (link).

Naquela época, o crédito era barato e abundante. Para fechar as contas, a maioria absoluta das prefeituras brasileiras buscava empréstimos e emitiam títulos públicos para liquidar suas dívidas no final do mês. Não havia problemas, a economia era abundante e os juros, baixos.

A situação começou a mudar com as duas crises do petróleo que assolaram os anos 70. Os países árabes, grandes exportadores do produto, decidiram rever os lucros e o preço do barril saltou de uma hora para outra. Como o petróleo (gasolina e seus derivados) é a matriz energética que move a economia do planeta, em poucos meses, com a subida abrupta no preço do produto, a economia global começou a se desregular. A conseqüência foi o final dos empréstimos baratos. Os juros começaram a subir – e muito.

Sem ter muito que fazer, as prefeituras passaram a se endividar cada vez mais para conseguir honrar seus compromissos. É assim que os municípios brasileiros chegam à primeira eleição democrática em 1985: completamente endividados.

Os anos 80 – A década (econômica) perdida

A situação das prefeituras ficava cada vez mais complicada. Além dos problemas externos da década passada, fatores oriundos dos anos 80 também colaboravam com a crise: a inflação galopante e o aumento cada vez maior da dívida pública nacional. A crise do México em 1982 veio agravar ainda mais as contas públicas.

De acordo com Marco Aurélio Stumpf Gonzáles, autor da Análise do Perfil da Arrecadação Municipal em Porto Alegre, “os governos municipais brasileiros são muito dependentes de recursos oriundos de outros níveis de governo. Por exemplo, considerando o País inteiro, 84,9% dos recursos municipais provinham de transferência”. Porto Alegre, segundo o autor, recebia 44% de seus recursos de fora, contra 35% dos tributos próprios (Link –pg. 13). O restante vinha de endividamento.

Dentre todas as formas de arrecadação municipal, a principal é o Imposto Predial Territorial Urbano, o IPTU. Quando uma prefeitura precisa aumentar seu caixa, aumenta o valor do IPTU cobrado dos munícipes. Muitas cidades-turísticas fazem isso até hoje para conseguir caixa para suas obras.

Além do alto nível de endividamento e da crise mexicana, o Brasil sofria com o problema crônico da hiper inflação. Em 1988 a inflação cresceu 933% ao ano. O país, recém-saído da ditadura, enfrentava uma crise que duraria toda a década de 80. Ao final do governo Collares em Porto Alegre, o Brasil já havia, em poucos anos, passado por 3 programas econômicos fracassados: o Plano Cruzado, o Plano Cruzado II e o Plano Bresser.

Neste último, o Plano Bresser, nome dado devido ao seu autor, o Ministro da Fazenda Luiz Carlos Bresser-Pereira, todos os preços foram congelado por 60 dias para dar um alívio aos cofres públicos. O governo federal também estava endividado. A alta inflação fazia com que a União também não fechasse suas contas no final do mês e era deste caixa, através de repasses, que saia a maior parte das verbas dos municípios brasileiros.

Mas Porto Alegre possuía 35% de recursos próprios, certo? Não é bem assim. A alta da inflação prejudicava diretamente os trabalhadores. Todos os gráficos mostram que é a partir de 1988 que o desemprego começa a ficar preocupante no Brasil. A partir daquele ano os índices de desemprego só cresceram até atingirem seu auge no governo Fernando Henrique Cardoso. Veja este gráfico que mostra o índice na região metropolitana de Porto Alegre, retirado desta pesquisa (link).

Com o trabalho começando a ficar escasso, o primeiro corte que as famílias fizeram foi no pagamento de impostos. A inadimplência era alta também entre os trabalhadores, pois tudo precisava ser comprado em grande quantidade e estocado para fazer frente à hiper inflação. Os caixas das prefeituras, que já estavam “minguados” desde a década passada, levaram o seu “tiro de misericórdia”. Sem dinheiro, os salários dos funcionários públicos começaram a atrasar. Sem salários, as greves explodiram em todo o país.

Nesta reunião em 1984, o jornalista e poeta Mário Quintana discutia uma greve na Assembléia no Sindicato dos Bancários de Porto Alegre:

A combinação ENDIVIDAMENTO + HIPER INFLAÇÃO + ALTA DA INADIMPLÊNCIA + JUROS ALTOS foi decisiva para o atraso dos salários na prefeitura de Porto Alegre em 1988. Não existiam muitas soluções para a secretária Dilma Rousseff na época. O que ela poderia ter feito? Endividado ainda mais a prefeitura? Ter demitido? Ter cortado de outros serviços públicos essenciais?

As prefeituras não conseguiram sair sozinhas daquela situação. Porto Alegre, por exemplo, precisava da ajuda. A situação de endividamento dos Estados não era diferente das prefeituras. Veja esta Tabela retirada deste outro trabalho (link):


Ainda sim, quem acabou pagando o funcionalismo de Porto Alegre no final de 1988 e no início de 1989 – agora com um novo prefeito e nova administração – foi o Estado do Rio Grande do Sul.

Conquistas de Alceu Collares como prefeito

Engana-se quem pensa que o povo gaúcho não entendeu toda aquela situação e resolveu penalizar Alceu Collares. Em 15 de março de 1991, o pedetista tomou posse no Palácio Piratini como governador do Estado. Dilma Rousseff, pela sua atuação frente a graves problemas na prefeitura, não foi esquecida. Em 1993 Dilma tornou-se a primeira mulher secretaria de Minas, Energia e Comunicação do Rio Grande do Sul.

Mesmo com a “turbulência econômica” dos anos 80, Alceu Collares conseguiu imprimir algumas marcas como prefeito:

- foi em Porto Alegre, justamente em 1988, que começa a tomar forma o Orçamento Participativo (link):

- Apesar das greves do funcionalismo, Alceu Collares, já quase no final do mandato de prefeito, conseguiu implantar o plano de carreira do funcionalismo municipal (link);

- Em uma época em que as palavras “ecologia” e “sustentabilidade” ainda não estavam em moda, Collares foi um dos primeiros prefeitos brasileiros a criar uma lei para restringir a emissão de poluentes (link)

Serra se diz economista. Ao aprovar um comercial nestes moldes contra a sua adversária, ou age de má fé pura e simplesmente, ou nunca de fato estudou economia para valer.

***

Fonte:http://www.sejaditaverdade.net/blog2/?p=2776

Serra ofendeu o povo e a história da Bolívia

19 de outubro de 2010

Chegou na minha caixa de entrada um importante e esclarecedor email que uma amiga me escreveu. Por isso vou compartilhar aqui no blog para todos repassarem, esclarecendo o e chamando atenção para o preconceito absurdo que José Serra tem com o povo boliviano.

Segue:

Peço o favor de fazer circular esta mensagem, que é fruto da indignação de uma cidadã boliviana que assistiu ao debate da Rede TV! de domingo passado, quando o candidato José Serra ofendeu acintosa e deliberadamente o povo boliviano, sem ter demonstrado qualquer gesto de respeito ou gratidão pelo país que o acolheu em julho de 1964 e graças ao governo democrático da época, que lhe concedeu um documento de viagem nacional (negado pela embaixada brasileira de La Paz a todos os exilados, por orientação da ditadura) lhe foi possível o seu asilo político na França.

Quero manifestar meu protesto veemente pela falta de postura de uma pessoa que, depois de ter se beneficiado da solidariedade de um país, o condena, ainda mais conhecendo (ou, pior, deveria conhecer) a verdadeira história da expansão da produção das drogas em escala industrial, durante a ditadura sanguinária de Hugo Banzer Suárez, com dinheiro do BID (mais de meio milhão de dólares) que deveria ter sido destinado à cultura de algodão, em 1976, para atender à demanda do mercado dos Estados Unidos (“La veta blanca”, de René Bascopé Aspiazu, 1983; “Com a pólvora na boca”, de Julio José Chiavenatto, 1984), mas acabou desviado para atender aos interesses dos comparsas do ditador, ávidos de virar milionários, da noite para o dia, com a conivência dos governos aliados (inclusive dos Estados Unidos).

Uma pessoa dessas, aliás, jamais reconhecerá qualquer tipo de débito pessoal ou político, portanto, não merece credibilidade alguma, seja qual for a sua formação ideológica ou sua posição política, já que serve aos interesses de quem lhe convier na ocasião.

Sou filha de um ex-exilado político boliviano, o sindicalista Juan Colombo Vargas, que peregrinou contra a sua vontade por diversos países latinoamericanos nas décadas de 1960 e 1970 enquanto sua família passava dificuldades e corria riscos de vida em La Paz. Quando o saudoso presidente Hernán Siles Zuazo (da Unidad Democrática Popular – UDP) assumiu democraticamente o mandato constitucional conquistado nas urnas (outubro de 1982), depois de uma sucessão de generais assassinos e vinculados ao narcotráfico, todos patrocinados pelo governo dos Estados Unidos e pelas ditaduras que na época executavam o Plan Cóndor (Argentina, Bolívia, Brasil, Chile e Uruguai), graças a isso pude voltar a conviver, mesmo que por poucos anos, com meu saudoso pai, falecido em 1989, por problemas cardíacos.

Foi ele que me ensinou que, independentemente de gostarmos ou não do presidente eleito democraticamente do país que por ventura nos acolhesse, devêssemos guardar sempre gratidão a essa nação, ao seu povo e sobretudo à sua história. Nunca morei no Brasil, mas leio e escrevo o português por ser casada há duas décadas com um professor brasileiro que escolheu a Bolívia para formar sua família. E assim estamos educando nossos três filhos, com profundo amor pela Bolívia, pelo Brasil e pelo povo latinoamericano, que tem a mesma história de lutas e tragédias, e os mesmos sonhos de liberdade, justiça social e solidariedade.

Ivana Colombo
***
Fonte:http://www.sejaditaverdade.net/blog2/?p=2761

Aparelhamento tucano: Soninha Francine ganha até R$ 8 mil para ser conselheira da Cetesb


Soninha é integrante da coordenação da campanha de Serra.

Do Jornal da Tarde (Aqui para ler)

Conselhos abrigam aliados de tucanos

Fabio Leite

As empresas estatais paulistas empregaram até o início do ano em seus conselhos de administração ao menos dez ex-parlamentares de partidos que apoiam a candidatura presidencial do ex-governador José Serra – alguns saíram em função da eleição e outros permanecem nos cargos.

A lista inclui a ex-vereadora e ex-subprefeita Soninha Francine (PPS), coordenadora de internet da campanha do tucano, lotada até hoje no conselho da Companhia Ambiental de São Paulo (Cetesb). Ela nega motivação política na nomeação.

Além do PPS e do PSDB, a relação inclui políticos que ficaram sem mandato do DEM, PMDB e PTB, cujos diretórios estadual (no caso peemedebista) ou nacional apoiam Serra. Alguns deles são de Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte e Tocantins.

Todos recebem, por reunião mensal, entre R$ 3,5 mil e R$ 4,4 mil, o chamado jetom. Como o regulamento permite até 2 sessões remuneradas por mês, eles podem acumular até R$ 7 mil e R$ 8,8 mil no período.

O JT obteve nomes dos conselheiros a partir de balanços de 2009 das estatais publicados em Diário Oficial até abril deste ano, mês no qual Serra renunciou ao governo para disputar à Presidência, sendo substituído por Alberto Goldman (PSDB).

Na lista, há seis políticos que já deixaram os conselhos este ano para saírem candidatos, assumir mandato eletivo ou trabalhar nas campanhas. É o caso, por exemplo, do ex-secretário-geral da Presidência no governo FHC e tesoureiro nacional do PSDB, Eduardo Graeff, auxiliar de comunicação na campanha de Serra. O tucano aparecia como conselheiro da Cetesb até abril deste ano, mas, segundo o governo, já deixou o cargo.

Junto com Soninha até hoje na Cetesb estão ainda os ex-deputados federais Koyu Iha (PSDB-SP) e Ney Lopes de Souza (DEM-RN). Todos ganham jetom de R$ 3,5 mil, o que corresponde a 30% do salário dos diretores da companhia, atualmente em R$ 11,8 mil. Em dezembro, todos os conselheiros recebem o equivalente a dois jetons de gratificação.

Já o suplente de senador João Faustino (PSDB-RN), que era subsecretário da Casa Civil, recebia até julho jetons da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), de R$ 3,5 mil, e da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU), de R$ 4,4 mil. Ele só deixou o cargo há três meses para assumir mandato por conta da licença do senador Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN).

Quem também esteve em conselho – Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano (Emplasa) – até o limite permitido pela lei eleitoral (março) foi o ex-deputado federal Márcio Fortes (PSDB-RJ), que atua como um dos arrecadadores da campanha de Serra. Ele se afastou do cargo para ser vice de Fernando Gabeira (PV-RJ) na disputa ao governo do Rio.

Na Companhia de Desenvolvimento Agrícola (Codasp) estava o ex-deputado Edinho Araújo (PMDB), que renunciou para concorrer a federal. Na Dersa, CDHU e Empresa Metropolitana de Águas e Energia (Emae) estavam, respectivamente, ex-deputados Claury Silva (PTB), que era secretário de Esportes, e Ronaldo Pereira (PSDB-TO) e o ex-senador Geraldo Melo (PPS-RN), que, segundo o governo, deixaram os cargos este ano.

NÃO HÁ LOTEAMENTO, DIZ GOVERNO

Em nota enviada por e-mail, o governo estadual afirma que “não existe loteamento” político nas nomeações dos conselheiros de administração das empresas estatais paulistas e destaca que “75% dos cargos dos conselhos são ocupados por representantes ligados diretamente ao governo”.

“Não existe ‘loteamento’ e a administração dessas empresas, a exemplo das demais sociedades de economia mista, públicas e privadas, é realizada em conjunto pelo Conselho de Administração e Diretoria Executiva, conforme previsto na Lei Federal nº 6.404/76”, diz a nota oficial. Segundo o governo, “é importante lembrar que o conselho não têm caráter executivo” e “o papel dos conselheiros é deliberar e auxiliar na formulação de políticas e diretrizes gerais de longo prazo que norteiam as estratégias de negócios” das empresas. A assessoria do governo destaca que a gestão das empresas “cabe aos membros das diretorias executivas, que também ocupam cargos nos conselhos das empresas que administram, e cuja seleção é exclusivamente baseada em perfil técnico.”

De acordo com o governo, os critérios adotados para o preenchimento das vagas nos conselhos são os seguintes: “a presidência é reservada ao secretário da pasta à qual a empresa é vinculada; as demais vagas são ocupadas pelo diretor-presidente da empresa, por servidores graduados do Poder Executivo, por acionistas minoritários e membros independentes, por representantes da sociedade civil com perfil técnico, econômico ou político, e por representantes dos empregados.”

Em um quadro com dados atualizados, o governo afirma que existem hoje 223 conselheiros em 21 empresas paulistas, sendo “75% dos cargos ocupados por representantes ligados diretamente ao governo”. Segundo os dados, há 16 secretários de governo ocupando a presidência das estatais, 98 servidores graduados do Executivo, 7 acionistas minoritários, 35 “representantes da sociedade civil com perfil técnico, econômico ou político”, entre outros.

‘NÃO PERGUNTARAM MEU PARTIDO’, AFIRMA SONINHA

Nomeada no conselho da Cetesb, a ex-subprefeita da Lapa, Soninha Francine (PPS), negou haver favorecimento político na sua indicação e disse não ver problema em acumular a função com a coordenação da campanha do tucano José Serra à Presidência. “Ninguém me perguntou a qual partido eu era filiada, mas sabiam da minha experiência na área ambiental, como jornalista, vereadora e subprefeita”, disse ela, que após a entrevista por telefone twittou: “JT prepara matéria sobre conselheiros de empresas públicas…”

***
Fonte:http://www.sejaditaverdade.net/blog2/?p=2770

"A tomografia da fita crepe": desabafo de um eleitor tucano envergonhado

21/10/2010
"A campanha de Serra é repulsiva, e acabou por afugentar do PSDB gente que, como eu, tradicionalmente opta pelo partido".

NÃO SEI SE alguém se surpreendeu com as últimas pesquisas, que parecem consolidar a caminhada de Dilma rumo ao Palácio do Planalto.

Eu não.

A campanha de Serra é repulsiva, e acabou por afugentar do PSDB gente que, como eu, tradicionalmente opta pelo partido.

O episódio de ontem no Rio é apenas mais um de uma lista de pequenas trapaças de Serras. Ele é provavelmente a primeira pessoa no mundo a fazer tomografia por receber uma fita crepe na cabeça. O médico que o atendeu disse, constrangido, que o exame acusara o que todo mundo já sabia. Não havia problema nenhum.

Serra aproveitou para fazer fotos no hospital, em meio a extemporâneas e descabidas declarações de paz e amor hippie. “Não entendo política como violência”, disse ele. Serra entende política como uma forma de triturar todo mundo para chegar à presidência. O melhor quadro do PSDB para suceder FHC era Pedro Mallan, que foi sabotado de todas as formas por Serra.

Serra quer ser muito ser presidente. O problema é que os brasileiros não querem que ele seja.

Em farisaísmo, a tomografia da fita crepe equivale à célebre frase de Monica Serra segundo a qual Dilma é a favor de matar criancinhas. Não conheceríamos a capacidade de jogar baixo de Monica se um repórter não estivesse presente para registrar a ação maldosa da candidata a primeira-dama.

Dilma deve ganhar menos pelos seus méritos e até menos pelo apoio do Lula do que pelos vícios da campanha vale-tudo de Serra.

Ele tem que sair de cena para que o PSDB se renove.

É possível que ele arraste Aécio na queda, agora que repousam sobre o mineiro as esperanças de operar uma reviravolta. Dilma bateu Serra no primeiro turno, e Aécio disse que vai mudar isso. Faz alguns mandatos já que quem ganha em Minas leva a presidência, e por isso as esperanças se reabriram.

Só falta Aécio combinar com os mineiros.

A última pesquisa mostra que a distância de Dilma sobre Serra em Minas se ampliou em vez de diminuir.

Serra talvez possa culpar Aécio se a virada não aparecer, eassim prosseguir, como um interminável Galvão da política, mais alguns anos em sua louca cavalgada rumo à presidência, num titânico duelo de vontades contra os brasileiros.
***
Fonte:http://www.cartamaior.com.br/templates/postMostrar.cfm?blog_id=6&post_id=585

LULA ESPETA EM SERRA A SÍNTESE DE UMA CAMPANHA FEITA DE CALÚNIAS E MENTIRAS: FARSANTE!

No discurso mais duro de toda a campanha eleitoral, pronunciado no Rio Grande do Sul, o Presidente da República desmascara o candidato demotucano no caso da "agressão" em Campo Grande. Lula denunciou a cumplicidade do médico que atendeu o ex-governador de São Paulo e comparou o tucano ao goleiro Rojas. Todos os ingredientes apontam para um episódio que pode significar a pá de cal numa candidatura cujo derradeiro lastro de coerencia advém do apoio que recebe da extrema direita religiosa, política e midiática.

FALA LULA:

"A mentira que foi produzida ontem pela equipe de publicidade do candidato José Serra é uma coisa vergonhosa. Ontem deveria ser conhecido como dia da farsa, dia da mentira". (Leia o discurso de Lula: 'Dia da Mentira'; leia também a repercussão da farsa no Twiter e na web: '‘Na bolinha de papel tava escrito: "Não se larga um lider ferido na estrada" Ass: Paulo Preto'. E não perca:'A tomografia de uma fita crepe', o desabafo de um eleitor tucano envergonhado).

INDIGNAÇÃO MOBILIZA INTELIGENCIA BRASILEIRA

"...a agressividade da campanha do adversário tem produzido movimentos sólidos de unidade em torno da candidatura Dilma, por parte de uma esquerda que estava dispersa desde 2002" (Inês Nassif; Valor, 21-10)

-dia 25, 2º feira, na Filosofia da USP,às 18 hs, gigantesco ato suprapartidário de apoio a Dilma. (Leia mais sobre manifestos e o intercurso entre Serra e a extrema-direita religiosa e política)
(Carta Maior, 22-10)
***
Fonte:http://www.cartamaior.com.br/templates/index.cfm

Lula, peça inquérito policial, peça!

O presidente Lula reagiu muito bem ao classificar de “mentira descarada” a pantomima serrista da “concussão cerebral com bolinha de papel”. Em entrevista, hoje, Lula disse que o episódio “deixou o dia de ontem marcado como o dia da farsa, o dia da mentira”.

No Estadão, o presidente “disse ter visto imagens das redes Record e SBT. Segundo ele, Serra foi atingido por uma bolinha de papel e seguiu caminhando por mais 20 minutos, quando recebeu um telefonema “de algum assessor da publicidade da campanha que o sugeriu para parar de caminhar e por a mão na cabeça para criar um factoide”.

Lula comparou ainda o candidato tucano ao ex-goleiro Roberto Rojas, que em 1989 fingiu ter sido atingido por um foguete no Maracanã, suspendendo a partida entre Brasil e Chile pelas eliminatórias. Após uma câmera da rede Globo ter flagrado que o foguete não acertou o atleta, o Chile foi desclassificado das eliminatórias e suspenso da edição seguinte.”

Acho que Lula fez muito bem em dar estas declarações. Só quero lembrar que, na ocasião, a armação foi descoberta porque a polícia e a própria Fifa investigaram. E a polícia, agora, onde está que não abriu inquérito?

Afinal, segundo o médico e amigo de mais de 40 anos, Jacob Klingerman – que emprestou o seu apartamento para Serra esconder-se em 64, segundo o jornalista Cláudio Kuck – diz em O Globo que “uma pancada destas” pode causar “um edema cerebral”.

Portanto, é caso de polícia. E já! Aliás, se o presidente pedir o inquérito, quero ver ficarem com estas apelações de que ele está incitando atos de violência.

Polícia, perícia e verdade, contra a farsa!
***
Fonte:http://www2.tijolaco.com/

A farsa de Serrra, armação ilimitada!!!


A farsa montada por Serra com a bolinha de papel que levou na cabeça, ontem, no Rio, já está mais do que desmontada, mas cada vídeo novo que surge reforça ainda mais a armação.

Neste da TV Record, fica ainda mais nítida a trajetória da bolinha e sua leveza pela maneira como bate na cabeça de Serra e volta para trás. Um objeto mais pesado, capaz de provocar um ferimento (que não houve) ou tontura (como alegou o tucano) cairia imediatamente atrás do tucano e não voltaria como revela a imagem.

A dor de cabeça do Serra foi provocada pela pesquisa do Ibope, que confirmou a dianteira de Dilma apontada pelo Vox, que ele tentou desqualificar. Aliás, ele tenta o mesmo agora contra o Ibope, classificando a pesquisa de “estranha”.
***
Fonte:http://www2.tijolaco.com/

Vídeo em que Serra é atingido por objeto leve não mostra momento de suposta agressão

Sequência em que Serra fala ao telefone e põe a mão esquerda na cabeça aconteceu depois de o tucano, dentro da van, ter colocado bolsa de gelo na cabeça.

Luciana Nunes Leal, de O Estado de S.Paulo

RIO - Simpatizantes da campanha da petista Dilma Rousseff divulgaram nesta quinta-feira, 21, um vídeo, rapidamente transformado em hit na internet, que procura provar que o tucano José Serra simulou ter sido ferido durante caminhada no calçadão de Campo Grande, zona oeste do Rio, na quarta-feira, 20, mas teria sido atingido por uma simples bolinha de papel.

O vídeo reproduz as imagens levadas ao ar pela emissora de televisão SBT sobre a tumultuada caminhada de Serra pelo calçadão, quando militantes do PT e do PSDB entraram em confronto e transformaram a programação de campanha em uma briga generalizada. A sequência mostra que Serra leva a mão esquerda à cabeça, sem nenhum ferimento aparente, depois de falar ao telefone e vinte minutos após ter sido atingido pela bolinha.

As imagens exibem momentos diferentes da caminhada, editados na ordem em que aconteceram. Primeiro, é possível ver cartazes com mensagens contra Serra e depois cenas das portas das lojas sendo fechadas por causa da confusão. Em seguida, aparece o momento em que a bolinha de papel - ou de adesivos amassados - atinge a cabeça do tucano. Serra continua a caminhada. O vídeo mostra cenas de brigas e empurrões entre os militantes. A cena seguinte é a van do candidato deixando o local da briga. O vídeo mostra então Serra, duzentos metros adiante, tentando retomar a caminhada, ao lado do candidato derrotado ao governo do Rio Fernando Gabeira (PV).

O vídeo do SBT não mostra, no entanto, o momento, acompanhado pela reportagem e registrado em fotos pelo Estado, em que Serra leva a mão direita à cabeça e, amparado por um segurança, é levado até a van da campanha. Nenhum objeto que pudesse ter sido arremessado contra Serra foi captado nas imagens ou visto pela equipe de reportagem. Na versão dos tucanos, este foi o momento em que Serra foi atingido por um objeto pesado não identificado, provavelmente um rolo de papelão. Também não foi possível ver nenhum ferimento no candidato.

A sequência exibida pelo SBT em que Serra fala ao telefone e põe a mão esquerda na cabeça aconteceu depois de o tucano, dentro da van, ter colocado bolsa de gelo na cabeça e ter dito aos fotógrafos que ficou "meio grogue".

Transformado em febre na internet, o vídeo de Serra atingido pela bolinha de papel ganhou o nome de Serra-Rojas, uma menção ao goleiro chileno Roberto Rojas, que fez um corte proposital no supercílio ao simular ter sido atingido por um sinalizador durante jogo com a seleção brasileira, no Maracanã, em 1989. Até o presidente Lula usou a comparação, ao dizer que o ferimento de Serra não passou de uma "mentira".

Fernando Gabeira, que passou a maior parte da caminhada próximo a Serra, disse nesta quinta não ter visto o objeto que teria atingido o tucano, mas descreveu que foi "arremessado de distância mais ou menos curta, de trás para frente e de cima para baixo". "Ouvi o barulho de um choque e vi um impulso de Serra para frente. Ele pôs a mão na cabeça e disse 'estou tonto'. Minha preocupação era que estivesse sangrando, mas vi que não tinha sangue e me tranquilizei. Paramos a van logo e voltamos para a rua, logo adiante, para mostrar que a caminhada não tinha terminado", contou Gabeira.

Sobre a versão de que Serra simulou um ferimento depois de ter sido atingido apenas por uma bolinha de papel, Gabeira reagiu: "Não é verdade, não é o que as imagens mostram."
***
Fonte:http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,video-em-que-serra-e-atingido-por-objeto-leve-nao-mostra-momento-de-suposta-agressao,628005,0.htm

Ibope: tendência do eleitor é oposta à do 1º turno

Por Jose Roberto de Toledo

Seção: Eleição para presidente

21.outubro.2010

O Ibope indica que dobrou a diferença de Dilma Rousseff (PT) sobre José Serra (PSDB) na última semana. Houve recuperação da petista e queda do tucano.

Dilma tem hoje praticamente a mesma vantagem que tinha nesta época no primeiro turno: 56% contra os 55% de 23 de setembro. Nos 10 dias entre a pesquisa e a votação de 3 de outubro, ele caiu, Marina Silva (PV) subiu, e a eleição precisou de um novo turno.

Desta vez há uma diferença importante. No primeiro turno, Dilma vinha em queda nesta fase da campanha. Agora, seu movimento é ascendente. Mais do que o tamanho da vantagem, é o movimento do eleitorado que favorece a petista.

Há indicativos de que a questão religiosa voltou a influenciar o eleitor, mas no sentido oposto. Na rodada anterior do Ibope, Dilma tinha estabilizado entre católicos e evangélicos. Nesta, ela cresceu entre os cristãos e caiu entre agnósticos, ateus e seguidores de outras religiões.

Pelos números, as ações da petista para recuperar o apoio de lideranças evangélicas e católicas surtiram efeito. Isso incluiu a divulgação de uma carta rejeitando mudar a legislação sobre o aborto -o que pode ter lhe tirado votos entre quem é a favor da liberação da prática, algo mais comum entre agnósticos e ateus.

Ao mesmo tempo, Serra caiu nos segmentos religiosos. Pode ser apenas fruto da recuperação dos eleitores por Dilma. O tucano, porém, perdeu mais votos cristãos do que a petista ganhou.

Isso indica que sua queda no segmento pode ter sido consequência da divulgação de notícias de que sua mulher teria feito aborto nos EUA, quando estavam exilados. As buscas no Google pelo binômio “Serra + aborto” suplantaram as pelo binômio “Dilma + aborto” na última semana.

Sejam quais forem as causas, Serra tem uma tarefa mais difícil do que Dilma. Para encurtar a distância que o separa da petista, ele precisa reverter a tendência do eleitorado. Brigar contra a inércia requer novas armas. O rolo no Rio pode ser uma delas: associar medo/insegurança à rival. Dura missão para uma bolinha de papel.
***
Fonte:http://blogs.estadao.com.br/vox-publica/2010/10/21/ibope-tendencia-do-eleitor-e-oposta-a-do-1%C2%BA-turno/

Ato de juristas e intelectuais a favor de Dilma Rousseff lota teatro de faculdade católica

Anunciado como um ato de intelectuais e juristas em prol da candidatura Dilma, participaram do evento essencialmente políticos e aliados históricos do PT. Foto: Leonardo Soares/AE

Por Rodrigo Alvares

19.outubro.2010

Leonardo Soares/AE

Em um ato organizado por intelectuais e juristas de São Paulo em apoio à candidatura da petista Dilma Rousseff à Presidência da República, o auditório do teatro da PUC-SP na noite desta terça-feira ficou lotado de militantes e aliados de primeira hora da petista. Presente ao evento, o ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos afirmou que “os juristas e intelectuais que estão com Lula, estão com Dilma”.

Mais tarde, no palco, Thomaz Bastos disse que “Dilma é um projeto cuja causa final é a erradicação da miséria no Brasil. Representados por Michel Temer – candidato a vice-presidente na chapa da petista – e pelo coordenador da campanha José Eduardo Martins Cardozo, mais de 100 juristas tiveram um manifesto lido no palco. “A lei de aborto não impede o aborto. O que impede aborto é política social, é Bolsa Família!”, disse Frei Betto.

Embora tenha sido anunciado como um ato de intelectuais e juristas em prol da candidatura Dilma, participaram do evento essencialmente políticos e aliados históricos do PT. Professores universitários, educadores e pesquisadores lançaram um manifesto no qual defendem “a educação pública”. A nota, assinada por intelectuais como Antônio Cândido, Fábio Konder Comparato, Marilena Chauí e Alfredo Bosi, quer as assinaturas de outros profissionais da área contra o que chama de “propostas e os métodos políticos da candidatura Serra”.

Para o senador e candidato derrotado ao governo de São Paulo Aloizio Mercadante, “temos visto essa prática a partir dos porões e das gráficas do submundo. Quem temos visto ao lado do Serra? Os monarquistas. Hoje em dia, não tem como fazer política com medo. Por isso que hoje o que sobrou para o Serra é a bandeira do ódio”.

De acordo com a ex-prefeita e senadora eleita por São Paulo Marta Suplicy, “foi muito bem colocada essa questão do retrocesso. Essa é uma das eleições mais sórdidas que já enfrentamos”.

Dentro do auditório do Teatro da Tuca, o vereador Gabriel Chalita abriu os trabalhos dizendo que “nós assistimos uma das campanhas mais feias deste segundo turno. Serra disse no debate que Dilma o criticava, mas de frente e não no submundo.Temos de escolher a política do atraso, do medo, ou a política da esperança”.

Pouco antes das 19h, membros da assessoria de campanha de Dilma abordavam políticos e juristas ligados ao PT para gravarem depoimentos ao programa da presidenciável, mas nenhum deles aceitou aparecer.

Padre Lancellotti realiza ato pró-Dilma neste sábado

Com participação ativa na campanha de Dilma Rousseff em São Paulo desde o início do segundo turno, o padre Júlio Lancellotti falou que “Serra é o pai do higienismo em São Paulo”. Acrescentou que “a igreja não tem tutela sobre a consciência do povo”. Pouco antes, ele distribuiu panfletos para divulgar a realização de um ato no próximo sábado na Igreja de Santos Apóstolos, na capital paulista, em defesa da candidata. No convite, intitulado “Os cristãos e a defesa da verdade e da justiça nas eleições 2010″, o padre, a professora Marilena Chauí e Dom Angélico escrevem:

“Como cristãos, sabemos da nossa responsabilidade com a transformação da sociedade e a construção do Reino. Estamos convidando todo o povo da região da Brasilândia para refletir sobre o papel dos cristãos nas eleições. ‘Se nos calarmos, até as pedras gritarão’, encerra o panfleto, evocando um trecho da bíblia (Lc 19,40).
***
Fonte:http://blogs.estadao.com.br

Rodrigo Alvares

A candidata petista à Presidência da República, Dilma Rousseff, repudiou na tarde desta quarta-feira a agressão sofrida pelo adversário tucano José Serra no Rio de Janeiro. Depois de fazer um périplo por cidades de São Paulo, Dilma fez, em Ferraz de Vasconcelos, um apelo para que a militância aja sem ódio e com fraternidade.

adilma.jpg


Dilma circulou em carro aberto em Ferraz de Vasconcelos. Foto: Sérgio Neves/AE

“Quero deixar claro da minha parte, que o PT repudia esses atos de violência”, e acrescentou que o partido no Rio já emitiu nota contra o que aconteceu. “Uma campanha é um momento de festa democrática, porque nós não somos um povo deprimido. Então, não é possível que a gente tenha campanhas difamatórias, nem manipuilando, e eu quero fazer um apelo à militância: que ela sobretudo se paute pelo princípio da solidariedade e fraternidade. Nós temos de dar exemplo. Repito que lamento o que aconteceu. Não faço campanha no submundo, não divulgo panfletos apócrifos, não divulgo mentiras nem calúnias”, finalizou.

Quebras de sigilos de tucanos

“Eu vejo como uma coisa que nós sempre reafirmamos. O grave nessa história é quem quebrou o sigilo e quando”, disse a petista. “O sigilo, como a PF diz, foi quebrado em setembro e outubro de 2009, quando não havia nem pré-campanha. O jornalista declarou que ele fez o trabalho dentro de um conflito entre dois candidatos á Presidência dos tucanos. Ele afirma isso à PF. Nós não quebramos sigilo fiscal de ninguém”.

Sobre Amaury Ribeiro, Dilma afirmou: “Este jornalista, nesse período, era pago pelo jornal O Estado de Minas e não era possível, a partir daí, você dar um salto mortal para a minha campanha, que começou em março. Este sigilo, se foi feita alguma coisa errada, ela se deu num quadro que não é da nossa campanha.

Dilma também afirmou que não vai acusar ninguém e instou os jornmalistas a investigar “direitinho”.”Qualquer tentativa de colocar isso na minha cam panha eu acho, primeiro uma injustiça, em segundo, uma tentativa de crciar eleitoralmente o fato, e terceiro, eu o repudio de má fé.”

Polêmica sobre agressão sofrida por Serra repercute na web

Por Bruno Siffredi

Seção: Eleições

21.outubro.2010 14:16:55

Bruno Siffredi


A agressão que o candidato do PSDB, José Serra, afirma ter sofrido na tarde de quarta-feira, 20, durante a caminhada na Zona Oeste do Rio de Janeiro, está ganhando grande repercussão na internet. Por volta do meio dia, o assunto já havia alcançado os primeiros lugares nos tópicos mais comentados do Twitter mundial.

A propaganda eleitoral do presidenciável tucano transmitida nesta quinta-feira, 21, usou imagens da confusão nas ruas do Rio para criticar a militância do partido da rival, Dilma Rousseff (PT).

Milhares de mensagens publicadas no Twitter, usando a hashtag #serrarojas, contestam a versão da campanha do tucano. Trechos da reportagem produzida pela equipe do SBT, que mostra um objeto que aparenta ser leve atingindo a cabeça de Serra, estão sendo reproduzidos no site de vídeos Youtube. Assista:


A hashtag é uma referência ao episódio envolvendo o ex-goleiro da seleção chilena, Roberto Rojas, que foi banido do futebol após simular ter sido atingido por fogos de artifício lançados pelo público durante uma partida entre as seleções de Chile e Brasil.

Pelo seu Twitter, a coordenadora da campanha de Serra para a internet, Soninha Francine (PPS), criticou a edição das imagens da equipe de televisão, que supostamente mostram o momento da agressão. “A edição do SBT faz parecer um passeio. E uma encenação. Nem sinal das cenas de horror que aparecem aqui”, disse, referindo-se a outro vídeo com imagens amadoras registradas no mesmo dia.
***
Fonte:www.escrevinhador.com.br

O Caso Amaury: A turma de Aécio, furiosa com o PSDB-SP

Um diretor do jornal “Estado de Minas” e um jornalista de Brasília reúnem-se, hoje à tarde, numa discreta confeitaria em Brasília.

O assunto da conversa: o depoimento de Amaury Ribeiro Jr. na Polícia Federal. Amaury realizou no ano passado amplo levantamento sobre as atividades de Serra e de pessoas próximas a Serra. Na época, Amaury trabalhava para o jornal “Estado de Minas” – próximo de Aécio. A investigação teria como objetivo municiar a turma de Aécio para enfrentar os dossiês supostamente montados por Serra contra o então governador de Minas. Depois, Amaury abandonou o jornal, e teria se aproximado da pré-campanha de Dilma – sem nunca ter-se integrado à campanha petista. Esse era o assunto da conversa hoje, em Brasília.

De repente, o papo é interrompido por um telefonema. O diretor do “Estado de Minas” atende o celular. Do outro lado da linha, furiosa, está Andréa Neves – a poderosa irmã de Aécio. Andréa está brava com a turma do PSDB de São Paulo, especialmente brava com Eduardo Jorge (que já foi secretário de FHC, e é arrecadador da campanha de Serra). Ela fala tão alto, no desabafo com o diretor do jornal mineiro, que o jornalista de Brasília – ali na mesa da confeitaria - consegue ouvir a voz de Andréa, a saltar do celular.

Por que Andréa (e, por extensão, Aécio) está furiosa?

Porque foi Eduardo Jorge quem vazou para jornais de São Paulo o teor do depoimento de Amaury Ribeiro Jr. Amaury não teria falado uma palavra sobre Aécio ou Minas. Teria assumido toda a história sozinho. Andréa e Aécio querem saber: por que EJ (como é chamado nos bastidores tucanos) vazou uma versão do depoimento que – em última instância – pode jogar a bomba no colo de Aécio?

Serra precisa, desesperadamente, de Minas Gerais para equilibrar o jogo no segundo turno. A capa da “Veja” – essa semana – cumpriu essa papel: apresentar Aécio de forma simpática, como o fator que pode resolver a eleição em favor de Serra. É como se a ‘Veja” e Serra dissessem a Aécio: “venha com a gente, rapaz, que voc~e será bem tratado! Serra deve ter prometido mundos e fundos ao mineiro: preferência para concorrer em 2014, fim da reeleição, muito mais.

Só que as feridas de Aécio ainda sangram. A forma como Serra barrou a pretensão do mineito, de decidir a candidatura tucana em prévias, deixou sequelas. Serra acenou com dossiês. Barrou Aécio na marra. Agora, tudo isso vem à tona, de novo, com a história do depoimento de Amaury.

Não interessava a Serra vazar essa história agora! Por que, então, EJ jogou contra o interesse de Serra? O motivo seria Serra ter protegido Paulo Preto – quando EJ está em guerra com Preto?

Corte rápido para o outro lado do campo. Uma boa fonte liga-me de Brasília para informar que – na primeira semana do segundo turno – Lula teria dedicado boa parte de seus esforços (com a ajuda providencial de Ciro Gomes) para arrancar de Aécio um compromisso: não entrar de cabeça na campanha de Serra.

O que Aécio vai escolher: ajudar Serra, acreditando que o paulista cederá lugar a ele em 2014? Ou fingir-se de morto, ajudar (ainda que indiretamente) Dilma e virar o líder da oposição?

A irritação de Andréa Neves, na ligação de hoje, dá uma boa pista do que deve acontecer: as relações entre Serra e Aécio desandaram.

Acabo de escrever esse texto e fico sabendo da nota que acaba de ser divulgada pelo PSDB sobre o caso. Está recheada de acusações ao PT. Mas quem conhece os bastidores da política tucana sabe: é uma forma dos tucanos apagarem incêndio e acalmarem a turma de Aécio.

Leiam matéria abaixo, e tirem suas conclusões:

O PSDB divulgou uma nota nesta quinta-feira, 21, afirmando que o jornalista Amaury Ribeiro Jr. não ligou o ex-governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), ao episódio da quebra de sigilo de tucanos e de pessoas ligadas ao candidato do PSDB à Presidência, José Serra.

Amaury Ribeiro Jr. admitiu em seu depoimento ter pago pelos dados fiscais do vice-presidente do PSDB, Eduardo Jorge Caldas Pereira, da filha de José Serra, Verônica, e de seu marido, Alexandre Borges.

De acordo com a nota, “em nenhum momento o jornalista disse ter feito qualquer investigação com o objetivo de proteger o governador de Minas de ações de pessoas ligadas ao governador Serra.”

O presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra, que assina a nota, acusa o PT de montar uma “farsa” para “esconder as vergonhosas e inaceitáveis ações que ocorreram verdadeiramente dentro do comitê da campanha da candidata Dilma Rousseff, em Brasília”. Guerra também criticou a Polícia Federal por não ter divulgado a íntegra dos depoimentos.

Leia a íntegra da nota

O Brasil assiste atônito à mais grave evidência de uso político e partidário das instituições do Estado, agravada pela manipulação de documentos oficiais sob responsabilidade direta do Poder Público.

Primeiro, o presidente da República anuncia ao País que a Polícia Federal se pronunciará sobre a investigação a respeito da quebra do sigilo fiscal de integrantes do PSDB, numa demonstração explícita de que o conteúdo do posicionamento de uma investigação policial, que se pretendia isenta e sigilosa, seria favorável ao seu partido, o PT.

O Brasil então quer saber:

Se o assunto é tão relevante a ponto de merecer a participação direta do presidente da República, por que a Polícia Federal não divulgou a íntegra dos depoimentos?

A resposta é simples. A leitura dos depoimentos joga por terra toda a farsa montada pelo PT para esconder as vergonhosas e inaceitáveis ações que ocorreram verdadeiramente dentro do comitê da campanha da candidata Dilma Rousseff, em Brasília.

Nas últimas 24 horas o PT, o presidente Lula e a candidata Dilma Rousseff usaram de todos os meios para dizer aos brasileiros que a criminosa ação de venda e de vazamento de dados sigilosos da Receita Federal ocorreu a partir de uma disputa interna do PSDB entre José Serra e Aécio Neves. Disseram isso publicamente a jornalistas e aos eleitores brasileiros.

A candidata Dilma Rousseff afirmou literalmente que o jornalista sob investigação, Amaury Ribeiro Júnior, em seu depoimento à Polícia Federal, teria declarado “que fez o trabalho dentro de um conflito entre dois candidatos à presidência dos tucanos”. Dilma avalizou perante o País inteiro a versão de que o vazamento de dados fiscais da família de José Serra foi uma iniciativa com o objetivo de proteger o governador Aécio Neves contra dossiês feitos por pessoas ligadas ao governador Serra.

A leitura do depoimento prestado pelo jornalista à Polícia Federal, no entanto, revela exatamente o contrário e joga por terra a tentativa do PT de fraudar a verdade: em nenhum momento o jornalista disse ter feito qualquer investigação com o objetivo de proteger o governador de Minas de ações de pessoas ligadas ao governador Serra.

O depoimento é inequívoco ao mostrar as digitais dos responsáveis por negociações e estratégias inaceitáveis num processo de disputa eleitoral de um País democrático. Os nomes estão declarados pelo jornalista e não são de tucanos, e sim do PT.

O depoimento do jornalista Amaury Ribeiro Júnior traz revelações importantes e necessárias para conhecimento e reflexão dos eleitores brasileiros. São elas:

1- O jornalista diz textualmente que houve pelo menos duas reuniões de integrantes do comitê da campanha de Dilma Rousseff, com data, hora e endereços identificados em Brasília, com o objetivo de contratar serviços de espionagem contra José Serra.

2- Que o comitê da candidata Dilma analisou propostas financeiras feitas para contratação de serviços de espionagem contra integrantes do próprio PT e contra integrantes do PSDB.

3- Que havia uma disputa interna por poder entre dirigentes do PT dentro do comitê da candidata em Brasília.

4- E, por fim, o jornalista atribui claramente a Rui Falcão, do PT, o vazamento dos dados fiscais obtidos por ele.

O depoimento do jornalista revela mais:

Que a obtenção dos dados fiscais ocorreu no final de setembro em data na qual Amaury Ribeiro Júnior, não trabalhava mais para o jornal Estado de Minas. Documentos da empresa mostram que o jornalista encontrava-se em férias, tendo voltado em 14 de outubro para pedir demissão.

Que enquanto trabalhava no jornal, suas despesas eram custeadas pela empresa e, durante o período das férias, suas despesas passaram a ser custeadas por pessoas. Quem pagava as despesas de Amaury? Por que ele sempre passava por Brasília antes de seguir para São Paulo, conforme demonstra a investigação?

As perguntas que o País quer ver respondidas são de quem era o dinheiro que despachante Dirceu Rodrigues Garcia disse à Polícia Federal ter recebido em sua conta corrente em agosto deste ano?

O presidente da República e Dilma Rousseff devem ainda explicar ao País quem autorizou a integrantes do comitê da candidata a fazer negociações de contratos para espionagem e que envolveriam até a contratação de transporte de dinheiro de Caixa 2, conforme afirmou o jornalista em seu depoimento à Polícia Federal.

Todos, incluindo o PSDB, esperam os esclarecimentos que se fazem necessários e urgentes ao País.

Senador Sérgio Guerra

Presidente Nacional do PSDB

Brasília, 21 de outubro de 2010.

***

Fonte:http://escrevinhador.com.br/


8 de outubro de 2010 às 3:22

Rodrigo Guéron: As estratégias do fascismo e a candidatura Serra

Da caixa de correio do Viomundo:

As estratégias do fascismo e a candidatura Serra.

Rodrigo Guéron

Professor UERJ

Paul Virilio, filósofo e arquiteto francês, conta no seu livro “Guerra e Cinema” que as primeiras fotos que correram o mundo com alguns dos horrores dos campos de concentração nazistas foram distribuídas por ordem do próprio Goebbels, ministro da propaganda de Hitler. Em seguida, Goebbels divulgou uma nota à imprensa do mundo inteiro declarando-se “horrorizado com o tipo de propaganda que fazem contra nós estes comunistas e judeus”.

Enquanto John McCain, o candidato conservador à presidência dos Estados Unidos, recusou alguns ataques fundamentalistas a Obama em certos momentos da campanha eleitoral, no Brasil José Serra alimenta e navega satisfeito na onda de difamações, calúnias e terror psicológico contra a candidatura Dilma Roussef. Sua campanha, depois de trazer o fundamentalismo religioso para o debate eleitoral, de colocar sua mulher na rua dizendo que a Dilma “mata criancinhas”, usou uma manchete mentirosa do Globo que dizia que a Dilma ia assinar um documento contra a União Civil Gay (o que não aparecia no próprio corpo da notícia) para posar de “ liberal” e dizer que era a favor dessa união.

Ontem, a polícia federal entrou numa gráfica que imprimia mais de 2 milhões de panfletos que acusavam a Dilma de “aborteira”, falsamente assinados pela CNBB, mas feitos por ordem de um bispo ( com dinheiro de quem?). Enquanto isso Serra e Tasso Jereissati ( que acaba de ser derrotado na eleição para senador) iam a uma missa no Ceará onde panfletos semelhantes eram distribuídos ( neste caso diziam que a Dilma era “ aborteira”, que tinha ligações com as Farcs, era corrupta etc e tal). Um padre se indignou, disse aos fiéis que aqueles panfletos não tinham nada a ver com a igreja e com aquela celebração ( que era para São Francisco…). Jereissati então começou a ofender o padre, chamou o de “padre petista” e militantes do PSDB foram atrás do religioso que teve que sair da igreja protegido.

Quando Lula reclamou dos ataques que Dilma tem sofrido da imprensa, quando disse que esta age como partido político e que tem candidato, mas se apresenta como “imparcial”, foi acusado de ser “contra a liberdade de imprensa”. Por outro lado ninguém viu no jornal Nacional, nem no Globo, nem na Veja (uma pequena nota na FSP), que Serra mandou desligar a câmera numa entrevista para a jornalista Marcia Peltier, dizendo que aquele tipo de pergunta não respondia, que ia embora e era para fingir que ele não tinha estado ali. As imagens do Serra fazendo isso foram entregues ao próprio pela direção da CNT ( que vergonhoso gesto para um jornalista…), mas o áudio, gravado no celular de um outro jornalista que estava na platéia, está na rede.

Imaginem se fosse a Dilma que tivesse mandado desligar a câmera? Íamos ver as imagens repetidamente no Jornal Nacional e similares durante dias. Dilma é então acusada de ser uma “ameaça a liberdade de imprensa” por aqueles que censuram, manipulam e até inventam fatos contra a sua campanha. O fascismo sempre agiu assim, acusa os outros do que está fazendo. Goebels, como vimos, pousou de vítima dos judeus e comunistas que estava exterminando.

Dilma também foi acusada, no início da campanha, de “mandar preparar dossiês contra Serra e a sua família”: dossiês que ninguém leu. Enquanto isso os que fizeram essa acusação despejam um dossiê gigante e ininterrupto de calúnias contra ela. A tática de propaganda fascista é esta da confusão, da acusação, da repetição de uma mentira sistemática até virar verdade, da demonização e escolha de bodes espiatórios. O fascismo é violento não apenas porque mente e cassa a palavra das pessoas ( como houve com Maria Rita Kehl, demitida do Estadão apenas por ter escrito que a elite brasileira não admite que os votos dos pobres tenham o mesmo peso que os dela); é mais do que isso: o fascismo usa uma estratégia de afetos de medo e ódio, disseminando-os de forma que cada uma das pessoas se torna não apenas vítima, mas agentes mesmo deste afetos: é uma mobilização política que passa por dentro dos corpos, dos desejos, do sistema nervoso das pessoas, e ganha essa dimensão macro porque é antes micropolítica. Fascismo não é apenas proibir as pessoas de dizer ou fazer algo, fascismo é forçá-las a falar e fazer algo.

Cada uma das grandes corporações de comunicação do país, onde predominam 4 ou 5 famílias oligárquicas ( os Marinhos, os Frias, Os Mesquita, os Civita…) foi fundamental na mobilização entre as classe médias e as elites que levou ao golpe militar de 64, com uma estratégia muito semelhante a usada hoje pela campanha Serra. A exceção é a não menos proto fascista revista Veja, simplesmente porque não existia na época. Estes grupos cresceram e se solidificaram no Regime Militar, enquanto os que se opunham ao Regime desapareceram ( por exemplo o “Ultima Hora”, e também o “ Correio da Manhã” que chegou a apoiar o golpe mas começou a fazer oposição aos militares logo depois). Ainda nesta tática de confusão da propaganda, estas corporações de comunicação apresentam-se como grandes vítimas da ditadura. De fato, a partir do final de 68, no AI-5, instalaram-se nas redações censores oficiais do regime. Mas antes, nos primeiros quatro anos que se seguiram ao golpe que ajudaram a promover (entre 64 e 68), cada um desses “veículos de comunicação” apoiava e promovia a onda de prisões e cassações que acontecia entre líderes políticos, sindicais, professores (expulsos das universidades) e assim por diante . As organizações Globo, como sabemos, foi mais longe de todas: de 1966 até o início dos anos 80 lia um editorial todo dia 31 de março no Jornal Nacional relembrando e apoiando a “ os ideais da revolução de 64” .

É esta gente e esta estratégia que quer derrotar a qualquer preço a candidata Dilma Roussef

E aqui talvez para não abusar do leitor, eu deveria encerrar meu texto. Mas não consigo não acrescentar mais um parágrafo para falar do quanto o golpe de 64 teve a ver com o ódio e o medo que causava nas elites a participação de trabalhadores na política que na época crescia a cada ano (o discurso da “ameaça da república sindical” repetido por Serra agora), de como o Brasil começava a se democratizar e os sindicatos conseguiam alguns ganhos para os trabalhadores, do fato do problema de origem escravocrata da concentração da terra ( e das relações de trabalho) ter sido colocado em questão pelas ligas camponesas e como Jango foi acusado de “comunista” por ensaiar um tímida reformas agrária, e de como Paulo Freire (um dos primeiros intelectuais presos depois do golpe) sofreu a mesma acusação por liderar um programa que alfabetizou 400 mil pessoas em Pernambuco, e assim por diante. E o mais notável: como que nos anos de grande crescimento econômico do regime militar a miséria do país só aumentou? Como o Brasil terminou este período como a nação industrializada mais desigual do mundo?

Não dá para separar a violência política do regime militar da violência do modelo econômico. Assim como não dá para separar a violência contra a candidatura Dilma da violência contra os pobres; e também da violência contra as mulheres; a propósito foi no governo Lula que foi criada e aprovada a lei Maria de Penha.

Não há neutralidade possível nas eleições do dia 31 de outubro para quem busca um Brasil mais justo, solidário e democrático.

****

Fonte:http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/rodrigo-gueron-as-estrategias-do-fascismo-e-a-candidatura-serra.html

18 de outubro de 2010 às 4:34

Tânia Bacelar: O voto do Nordeste

Da caixa de correio do Viomundo:

O voto do Nordeste: para além do preconceito

Tânia Bacelar de Araujo

A ampla vantagem da candidata Dilma Rousseff no primeiro turno no Nordeste reacende o preconceito de parte de nossas elites e da grande mídia face às camadas mais pobres da sociedade brasileira e em especial face ao voto dos nordestinos. Como se a população mais pobre não fosse capaz de compreender a vida política e nela atuar em favor de seus interesses e em defesa de seus direitos. Não “soubesse” votar.

Desta vez, a correlação com os programas de proteção social, em especial o “Bolsa Família” serviu de lastro para essas análises parciais e eivadas de preconceito. E como a maior parte da população pobre do país está no Nordeste, no Norte e nas periferias das grandes cidades (vale lembrar que o Sudeste abriga 25% das famílias atendidas pelo “Bolsa Família”), os “grotões”- como nos tratam tais analistas – teriam avermelhado. Mas os beneficiários destes Programas no Nordeste não são suficientemente numerosos para responder pelos percentuais elevados obtidos por Dilma no primeiro turno : mais de 2/3 dos votos no MA, PI e CE, mais de 50% nos demais estados, e cerca de 60% no total ( contra 20% dados a Serra).

A visão simplista e preconceituosa não consegue dar conta do que se passou nesta região nos anos recentes e que explica a tendência do voto para Governadores, parlamentares e candidatos a Presidente no Nordeste.

A marca importante do Governo Lula foi a retomada gradual de políticas nacionais, valendo destacar que elas foram um dos principais focos do desmonte do Estado nos anos 90. Muitas tiveram como norte o combate às desigualdades sociais e regionais do Brasil. E isso é bom para o Nordeste.

Por outro lado, ao invés da opção estratégica pela “inserção competitiva” do Brasil na globalização – que concentra investimentos nas regiões já mais estruturadas e dinâmicas e que marcou os dois governos do PSDB -, os Governos de Lula optaram pela integração nacional ao fundar a estratégia de crescimento na produção e consumo de massa, o que favoreceu enormemente o Nordeste. Na inserção competitiva, o Nordeste era visto apenas por alguns “clusters” (turismo, fruticultura irrigada, agronegócio graneleiro…) enquanto nos anos recentes a maioria dos seus segmentos produtivos se dinamizaram, fazendo a região ser revisitada pelos empreendedores nacionais e internacionais.

Por seu turno, a estratégia de atacar pelo lado da demanda, com políticas sociais, política de reajuste real elevado do salário mínimo e a de ampliação significativa do crédito, teve impacto muito positivo no Nordeste. A região liderou – junto com o Norte – as vendas no comercio varejista do país entre 2003 e 2009. E o dinamismo do consumo atraiu investimentos para a região. Redes de supermercados, grandes magazines, indústrias alimentares e de bebidas, entre outros, expandiram sua presença no Nordeste ao mesmo tempo em que as pequenas e medias empresas locais ampliavam sua produção.

Além disso, mudanças nas políticas da Petrobras influíram muito na dinâmica econômica regional como a decisão de investir em novas refinarias (uma em construção e mais duas previstas) e em patrocinar – via suas compras – a retomada da indústria naval brasileira, o que levou o Nordeste a captar vários estaleiros.

Igualmente importante foi a política de ampliação dos investimentos em infra-estrutura – foco principal do PAC – que beneficiou o Nordeste com recursos que somados tem peso no total dos investimentos previstos superior a participação do Nordeste na economia nacional. No seu rastro,a construção civil “bombou” na região.

A política de ampliação das Universidades Federais e de expansão da rede de ensino profissional também atingiu favoravelmente o Nordeste, em especial cidades médias de seu interior. Merece destaque ainda a ampliação dos investimentos em C&T que trouxe para Universidades do Nordeste a liderança de Institutos Nacionais – antes fortemente concentrados no Sudeste – dentre os quais se destaca o Instituto de Fármacos ( na UFPE) e o Instituto de Neurociências instalado na região metropolitana de Natal sob a liderança do cientista brasileiro Miguel Nicolelis que organizará uma verdadeira “cidade da ciência” num dos municípios mais pobres do RN ( Macaíba).

Igualmente importante foi quebrar o mito de que a agricultura familiar era inviável. O PRONAF mais que sextuplicou seus investimentos entre 2002 e 2010 e outros programas e instrumentos de política foram criados ( seguro – safra , Programa de Compra de Alimentos, estimulo a compras locais pela Merenda Escolar, entre outros) e o recente Censo Agropecuário mostrou que a agropecuária de base familiar gera 3 em cada 4 empregos rurais do país e responde por quase 40% do valor da produção agrícola nacional. E o Nordeste se beneficiou muito desta política, pois abriga 43% da população economicamente ativa do setor agrícola brasileiro.

Resultado: o Nordeste liderou o crescimento do emprego formal no país com 5,9% de crescimento ao ano entre 2003 e 2009, taxa superior a de 5,4% registrada para o Brasil como um todo, e aos 5,2% do Sudeste, segundo dados da RAIS.

Daí a ampla aprovação do Governo Lula em todos os Estados e nas diversas camadas da sociedade nordestina se refletir na acolhida a Dilma. Não é o voto da submissão – como antes – da desinformação, ou da ignorância. É o voto da auto- confiança recuperada, do reconhecimento do correto direcionamento de políticas estratégicas e da esperança na consolidação de avanços alcançados – alguns ainda insipientes e outros insuficientes. É o voto na aposta de que o Nordeste não é só miséria (e, portanto, “Bolsa Família”), mas uma região plena de potencialidades.
***
Fonte:http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/tania-bacelar-o-voto-do-nordeste.html

"Esta bolinha de papel tem muito mais importância do que aparenta"

Bonifa , internauta no Blog do Luís Carlos Azenha

Esta bolinha de papel tem muito mais importância do que aparenta. É difícil um momento como este, em que a blogosfera pode desafiar toda a imprensa de direita com tanta superioridade. Toda a imprensa de direita -toda- foi encurralada pela blogosfera como nunca dantes neste país, graças a esta bolinha de papel. Que poderão fazer para sair desta sinuca? Nada. Chamar especialistas? Não podem. Teriam que chamar um cientista e com cientistas é pão-pão, queijo-queijo. O projétil é tão leve que qualquer um de senso comum sabe que era inofensivo. E enquanto a imprensa de direita se debate em sua confusão, a blogosfera multiplica seus ataques como inúmeras abelhas enfurecidas.
***
Fonte:http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/lula-pede-autopsia-da-bolinha-de-papel.html
21 de outubro de 2010 às 17:24

Lula pede autópsia da bolinha de papel

Lula acusa Serra de mentir e simular agressão em tumulto no Rio

quinta-feira, 21 de outubro de 2010 15:31

da Reuters, na MSN Notícias

PORTO ALEGRE (Reuters) – O presidente Luiz Inácio Lula da Silva acusou nesta quinta-feira o candidato do PSDB à Presidência, José Serra, de mentir por conta do que considerou uma simulação de agressão que teria sido feita por ele durante confronto entre militantes do PT e tucanos na véspera.

“A mentira que foi produzida ontem pelo esquema publicitário do José Serra é uma coisa vergonhosa. Passaram o dia inteiro vendendo que esse homem tinha sido agredido”, disse Lula a jornalistas, após a inauguração do dique seco do Polo Naval de Rio Grande, no Rio Grande do Sul.

Lula contou que após saber do incidente entre militantes das duas legendas durante evento de Serra na zona oeste do Rio de Janeiro, chegou a pensar em entrar em contato com dirigentes do PT para que se solidarizassem com o tucano, mas mudou de opinião após ver imagens feitas pelo SBT.

A reportagem da emissora sobre o tumulto mostra o tucano sendo atingido na cabeça pelo que parece ser uma bolinha de papel. De acordo com a reportagem, cerca de 20 minutos depois de ser atingido, Serra recebe um telefonema e leva a mão à cabeça.

Segundo a assessoria de imprensa da campanha de Serra, o candidato do PSDB foi atingido por um “pesado objeto”, sentiu-se mal e cancelou o restante dos eventos de campanha no Rio. O tucano foi levado para uma clínica onde fez exames e recebeu recomendação médica de repouso por 24 horas.

“Nenhum candidato, novo ou velho, tem o direito de mentir de forma descarada como o PSDB fez ontem, achando que atrás da tela tem um bando de pessoas que não entendem nada”, atacou Lula.

O presidente comparou o episódio com o do ex-goleiro da seleção do Chile Roberto Rojas, que durante uma partida contra o Brasil em 1989 no Maracanã, válida pelas eliminatórias da Copa do Mundo do ano seguinte, fez um corte proposital no supercílio quando um foguete foi lançado por uma torcedora no gramado.

O jogo foi suspenso e, depois que a farsa foi descoberta o Chile, que precisava da vitória para se classificar para o Mundial, foi declarado derrotado e foi suspenso dos Mundiais de 1990 e 1994. Rojas foi banido do futebol e anistiado anos depois.

(Reportagem de Sinara Sandri)

PS do Viomundo: Nesta mesma entrevista, Lula pediu aos telespectadores que assistiam à Record e ao SBT

***

Fonte:http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/lula-pede-autopsia-da-bolinha-de-papel.html

Leitor: O twitter e a bolinha de papel

21 de outubro de 2010 às 16:23

Por Erik Haagensen
show details 4:16 PM (1 minute ago)

O twitter hoje está impagável:

Del_Pozzo Gilberto Del’ Pozzo
#Fodeo RT @livino #Folha de S. Paulo:Polícia encontra pacote com 500 folhas de papel A4 em comitê de Dilma #BolaDePapelFacts #bolinhadepapel

caio_feitosa Caio Feitosa
BOMBA: Serra diz que cidadão que for pego portando papel será indiciado por porte ilegal de arma. #serrafacts

mozartfaggi mozart
Ultimo boletim médico: Serra não tem nada na cabeça. #SerraRojas #bolinhadepapel

livino Livino
Militante que atirou #bolinhadepapel em Serra é condenado a uma semana sem recreio. #BolaDePapelFacts

fabconde Fabricio Condé
#BolinhaDePapel: R$0,50. Tomografia em Clinica Particular R$700,00. Ver a Verdade vencer a Mentira: Nao tem preço. #Brasil13 #SerraRojas

caiocard Caio Cardoso
Nunca antes na história desse país se viu uma #boladepapel derrubar uma máscara tão perfeitamente. #BolaDePapelFacts #SerraRojas

DanielCruz733 Daniel Cruz
RT @Plinio Na bolinha de papel tava escrito: “Não se larga um lider ferido na estrada” Ass: Paulo Preto #serrarojas #BolaDePapelFacts

ironjr Iron Júnior
por debypio
Quem nunca errou que atire a 1a #bolinhadepapel ! #serrarojas #serramilcaras

Rafael_213 ‘_Rafael_’
Serra disse que se ganhar, vai proibir a venda de papel A4. #serrarojas #serramilcaras #bolinhadepapel

livino Livino
#Globo: Serra promete tomógrafos em todas as escolas do país. #BolaDePapelFacts #bolinhadepapel

carlac_gomes @carlagomes
Ibope confirma! #Bolinhadepapel é mais popular que o #serrarojas!! PSDB analisa a possibilidade de substituir o candidato!

Del_Pozzo Gilberto Del’ Pozzo
Em 2002 a esperança venceu o medo, agora a #bolinhadepapel desmascarou a mentira,a #mídia e o #Serra e juntos. #serraRojas #boladepapelfacts

kristian_pascoa Kristian Páscoa
#ALERTA: Quando a criançada descobrir q #BolinhaDePapel dá 24h de repouso as escolas ficarao vazias. #SerraRojas

lelocaspar Ismael Caspar
“Fita crepe é o caralho! Meu nome é #bolinhadepapel ,porra!” #SerraRojas #boladepapelfacts

livino Livino
Pedra vence tesoura, tesoura vence papel, papel vence Serra. #BolaDePapelFacts #bolinhadepapel

ozeguerra José Guerra
#bolinhadepapel pesando 2k = 500 folhas de papel A4. Se Indio da Costa estiver falando a verdade, Serra foi atingido pelo dossiê do Aécio.

rodolfomarconi Rodolfo Marconi
Isso pq a #bolinhadepapel era branca, pq se fosse preta ja iam falar que foi o Paulo ..

kmahayri Kalil Mahayri
se uma #bolinhadepapel fez Serra ir ao hospital … uma borracha provavelmente o faria finjir de mortoo!

livino Livino
Mas lembrem-se: nada de tentar embarcar em avião com #bolinhadepapel, hein?

peteroliveira17 Peter Oliveira
Eu sou contra este ato de violência. Hoje foi uma #BolinhadePapel. e amanha? Confetes, Serpentinas? onde esse mundo vai parar? #serrarojas

eulerdn Euler
A bala de prata era uma #bolinhadepapel

livino Livino
Serra vai denunciar o governo brasileiro à ONU por programa secreto de enriquecimento de celulose. #BolaDePapelFacts #bolinhadepapel

deozita Deo Gabiatti
by cyber2010cybele
É, ainda bem que foi uma bolinha de papel. Se fosse um aviãozinho iam dizer que foi um ataque terrorista. #serrarojas #boladepapelfacts

caiocard Caio Cardoso
Nunca antes na história desse país se viu uma #boladepapel derrubar uma máscara tão perfeitamente. #BolaDePapelFacts #SerraRojas

NarleyResende Narley Neto
by Tiago_Rossini
Fita crepe nega envolvimento e diz não conhecer bolinha de papel. #boladepapelfacts #serrarojas

JoaoCarlos2010 João Carlos
by bafhell
Serra é lerdo mesmo. Bush escapou de sapatada. Serra é atingido por bolinha de papel #boladepapelfacts #serrarojas

Lais_MD Laís Meireles Duarte
RT @Bella_Azevedoo A Chamex está sendo investigada pela Polícia Federal por dar suporte para ataques terroristas. #boladepapelfacts / hahaha

opetista O Petista
by ayeshaluc
De olho no apoio de Marina, PT promete que de agora em diante, só bolinhas de papel reciclado. #serrarojas #boladepapelfacts

thiago_yure thiago yure
by sfsteiger
Dilma enfrentou a ditadura e agüentou tortura. Serra não agüenta nem bolinha de papel. Frouxo #boladepapelfacts #serrarojas

thiagocarames Thiago Caramês
by giliate
O Globo:”Agressor é preso portando uma bola de papel calibre A4. O homem é vizinho do primo do cunhado da filha da Dilma” #boladepapelfacts

ErikaABL Erika Lima
by vieira707
“O exame de ‘bolística’ determinou que o projétil saiu de um chumaço de Maxprint, calibre A4.” #BolaDePapelFacts :uma comédia!

ary_jr ary jr.
by AMMIRaMIL
Iranianos lançam projeto de enriquecimento de celulose. #BolaDePapelFacts

FabiaPessoa Pessoa
Após ser atingido por bola de papel, Serra recupera a memória e lembra quem é o Paulo Preto #boladepapelfacts #SerraRojas

criscarreiro Cris Carreiro
by caiocard”video absolve rolo de fita e acusa bola de papel q nega vinculo partidário!” #serrarojas #boladepapelfacts
8 minutes ago Favorite Retweet Reply

***

Fonte:http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/leitor-o-twitter-e-a-bolinha-de-papel.html