terça-feira, 28 de setembro de 2010

“Vivemos em pleno estado democrático”


26.09.2010

No debate dos presidenciáveis da TV Record, a candidata Dilma Rousseff reiterou sua posição em defesa das liberdades de imprensa e de expressão no Brasil, em vez do silêncio imposto pelas ditaduras. No entanto, Dilma afirmou que não deixará de se defender dos ataques da imprensa sempre que julgar necessário.

“Tenho uma trajetória de vida que me leva a um posicionamento muito claro. Vivi um período negro do Brasil e prefiro as vozes críticas da democracia do que o silêncio das ditaduras”, disse Dilma, rechaçando a tese de que a democracia esteja sob ameaça no Brasil. “Vivemos em pleno estado democrático de direito.”

A candidata rejeitou o clima de ódio que seu adversário tenta criar na reta final da eleição e censurou a “oposição raivosa” deflagrada contra o governo Lula. Sobre a exibição da imagem do presidente Lula no programa eleitoral do adversário do PSDB, Dilma apontou a contradição.

“Considero muito estranho que o candidato Serra use a imagem do presidente Lula à noite e, durante o dia, fale mal do presidente. Fizeram uma oposição bastante raivosa, mas não usamos a prática do ódio. Sempre achamos que a esperança vence o medo”, disse.

Privatização

A candidata Dilma Rousseff defendeu enfaticamente a meritocricia e o profissionalismo na indicação de cargos da administração pública. Lembrando a falta de engenheiros no Ministério de Minas e Energia, quando o assumiu o cargo em 2003, ela explicou que a falta de pessoal também alcançava as agências reguladoras.

Dilma denunciou ainda a falta de regras para setores privatizados pelo governo do PSDB. “Na área de Minas e Energia, as agências estavam bastante precárias, sem plano de cargos e salários. Privatizaram setores sem fazer marco regulatório, o que tornava o serviço das agências bastante complicado”, afirmou Dilma, respondendo ao candidato José Serra.

Segundo ela, este é um dos motivos para o racionamento de energia que prevaleceu no Brasil durante 8 meses. “Eu sou integralmente favorável a fazer cargos de carreira nos ministérios também. Um dos motivos pelo qual este país passou por um racionamento foi o Ministério de Minas e Energia não ter feito planejamento adequado. E isso aconteceu quando você [Serra] era ministro do Planejamento.”

Acusações sem provas

Dilma garantiu que, se eleita, não permitirá que as denúncias de tráfico de influência dentro Casa Civil fiquem sem resposta. Segundo ela, todas as acusações serão apuradas de forma rigorosa, caso a Polícia Federal não conclua as investigações este ano.

“Ninguém está acima de qualquer suspeita. O que é importante é que não se deixe nada sem apurar. Sem sombra de dúvida, se o governo não concluir a apuração tanto do caso da Receita, quanto da Casa Civil, eu irei investigá-lo até o fim”, assegurou Dilma.

Ela afirmou que as instituições devem ser fortalecidas para que sejam capazes de apurar e punir quem, em vez de servir ao Estado, se serve do Estado. Neste sentido, acrescentou, o governo Lula fortaleceu a Polícia Federal.

“Quem está investigando é a Polícia Federal que, desta vez, tem todas as condições e autonomia. [A denúncia] Chega à Justiça, porque se faz um inquérito fundamentado em investigações. Só assim se pode condenar e punir as pessoas”, alertou Dilma.

Acompanhe aqui a cobertura diária da campanha de Dilma pelo Twitter.
*****
Fonte:http://www.dilma13.com.br/noticias/entry/dilma-vivemos-em-pleno-estado-democratico/

A intoxicação midiática da eleição

TERÇA-FEIRA, 28 DE SETEMBRO DE 2010
Reproduzo artigo do professor João Quartim de Moraes, publicado no sítio Vermelho:

De caso pensado (porque bobos não são), os donos dos jornais e os plumitivos a seu serviço confundem o poder de imprimir com a liberdade de expressão. Nos jornais em que eles mandam, só se escreve o que eles deixam, só se expressa o que eles permitem. As “notícias” que divulgam são tão manipuladas quanto a escolha de seus articulistas e colunistas. A maioria destes defende compactamente, alguns agressivamente, o ponto de vista e os interesses da direita liberal/pró-imperialista.

Como porém a importância de um jornal está diretamente relacionada com o número de seus leitores, os magnatas da mediática“abrem espaço”para opiniões diferentes, persuadindo os ingênuos de que são“pluralistas. Entre os colaboradores mais ou menos (em geral mais para menos do que para mais)“alternativos figuram dois políticos defensores do verde: F. Gabeira e Marina Silva, articulistas da Folha dita branda.

Mas o apoio unânime que Marina tem recebido por parte do cartel mediático não há de ser principalmente motivado pelo desejo de proteger os micos-leões dourados, lobos-guará e outras espécies em extinção. Mesmo porque ela é, como dizem os gringos, "only the second best" da direita bicéfala (PSDEMB). O problema é que o candidato desta, "the first best", continua sem fôlego para subir a serra de um eventual 2º turno; a última esperança da direita é que a candidata da "onda verde" arranque uns pontinhos suficientes para deixar Dilma aquém de 50,01% dos votos válidos, impedindo-a de ser eleita logo no primeiro turno.

Explica-se assim o caráter crescentemente provocador, em alguns casos no limite da histeria, assumido pela campanha do bloco neoliberal. O senador ultra-reacionário Borrausen (ou coisa parecida), que há alguns anos atrás queria "acabar com a raça do PT", agora mandou Lula "lavar a boca", num ato evidente de projeção psicopatológica, já que é ele o especialista em vomitar impropérios. Mas o ataque mais compacto vem da tropa de choque mediática. Criptofascistas, democratas” tartufos, bonecos de mola da direita cavernícola, às ordens dos donos da Veja, da Folha, do Estadão, da Rede Globo et caterva, aceleram a escalada das baixarias e intensificam o fustigamento da candidata apoiada por Lula.

Na campanha presidencial de 2002, Serra apelou sem sucesso para o argumento do medo: se Lula vencesse, voltaria a hiperinflação e com ela o caos econômico e as convulsões sociais. Lula venceu, sem que nenhuma das previsões catastróficas dos urubus da direita tenha se verificado. Em 2010, o candidato da reação neoliberal começou a campanha evitando recorrer ao mesmo método. Mas diante da derrota iminente, ele e sua tropa, com forte apoio dos profissionais da intoxicação mediática, partiram para o ataque histérico. Dez dias antes das eleições de 3 de outubro, esses ventríloquos do medo promoveram duas iniciativas, uma no Rio de Janeiro, outra em São Paulo, com objetivos sombriamente convergentes.

No Rio, o Clube Militar, "preocupado com o panorama político brasileiro", deu um rosnado de alerta, promovendo um Painel com tema sugestivo: "A democracia ameaçada: restrições à liberdade de expressão". Em geral esse Clube se manifesta para defender a impunidade aos torturadores e elogiar o golpe de 1964. Teria mudado de atitude? Infelizmente, não. O ele que pretende é atribuir ao "Foro de São Paulo" a “intenção” de restringir a liberdade de expressão nos países latino-americanos, inclusive no nosso. Os“processos de intenção têm atrás de si uma longa e tenebrosa história, boa parte da qual nos porões da ditadura. Quanto ao fundo, não surpreende que os militares reacionários chamem liberdade de expressão o monopólio exercido sobre os grandes meios de comunicação pelos magnatas da desinformação. Afinal, não são ingratos: não esqueceram do decisivo apoio que esses magnatas prestaram ao golpe de 1964.

Em São Paulo, um pelotão composto, segundo o Estadão (que lhes esposou a causa, se é que não a estimulou) de "juristas, acadêmicos e artistas, além de políticos tucanos", mas integrado também por jornalistas e outros intelectuais da direita, lançou um Manifesto em Defesa da Democracia, que se abre em tom grandiloquente: "Em uma democracia, nenhum dos Poderes é soberano. Soberana é a Constituição, pois é ela quem dá corpo e alma à soberania do povo".

A primeira frase chafurda no óbvio. A segunda apenas exibe a mesquinharia liberal do Manifesto. Contrariamente ao que pretende a direita (tanto a pós-moderna quanto a cavernícola), é o povo que é corpo e“alma da Constituição. Ele é a fonte de todos os poderes, inclusive o poder constituinte originário, o mais fundamental de todos, que é anterior a toda e qualquer instituição. Consta que um dos manifestantes, o jurista Miguel Reale Júnior, chegou a afirmar que "Lula age como um fascista". Que ironia! Nos anos 1930, Miguel Reale Sênior foi um dos principais teóricos do integralismo, versão brasileira do fascismo. Foi nomeado em 1941, em pleno Estado Novo, sob protesto dos estudantes anti-fascistas, catedrático de Filosofia do Direito da mesma Faculdade em que se reuniram os "democratas" do medo.

É exatamente no momento em que o povo se prepara para exercer pelo sufrágio universal a autoridade suprema que lhe cabe sobre a coisa pública que o bloco militar/mediático/liberal faz ressoar as trombetas do Apocalipse. Comprova-se que a única ameaça à democracia provém dos que se consideram ameaçados pelo veredicto das urnas.
*****
Fonte:http://altamiroborges.blogspot.com/

As mentiras midiáticas no Clube Militar

Postado por Miro

Reproduzo artigo de Mário Augusto Jakobskind, publicado no sítio Direto da Redação:

O Clube Militar serviu de cenário na semana que passou para um espetáculo dos mais deprimentes e que confirmou a quantas anda a saúde do jornalismo de mercado. Lá falaram, sem o menor constrangimento, para um público constituído sobretudo de militares da reserva, a maioria apoiadora do golpe de 64, Merval Pereira, de O Globo, Reinaldo Azevedo, da revista Veja, e um tal de Rodolfo Machado Moura, diretor de Assuntos Legais da Associação Brasileira de Rádio e Televisão (Abert).

Nunca vi tanta mentira e manipulação da informação em um curto espaço de duas horas como o apresentado no Clube Militar. Seria impossível enumerar todas as baboseiras levantadas pelos palestrantes. Algo que depõe contra o jornalismo brasileiro.

Para se ter uma idéia, o amestrado colunista de O Globo afirmou enfaticamente que o eleitorado brasileiro é constituído por “60% de analfabetos funcionais sem condições de discernir entre o bem e o mal”. Elitismo em mais alto grau e com base em informação sabe-se lá de que fonte. Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD)-2009, o número de analfabetos funcionais no Brasil não ultrapassa os 20%. De onde, então, o cascateiro Merval Pereira tirou esse percentual? Possivelmente do ódio que nutre a quem não aceita o seu ideário e de O Globo.

Merval Pereira, como querendo justificar que a ideologia de seu jornal e demais veículos da mídia de mercado não consegue convencer os brasileiros, culpou os supostos analfabetos “que Lula se aproveita para convencer”, pelo resultado das recentes pesquisas. Para Merval, o “bem” quer dizer votar em José Serra ou Marina Silva. O “mal” é o “outro lado”... Não tem coragem de dizer isso abertamente, mas está implícito.

E tem muito mais. Todos os três palestrantes, sob aplausos dos militares sem comando, usaram uma linguagem de ódio e calúnias sem provas contra Lula e demais integrantes do governo. Não disfarçaram, estavam se sentido em casa, ainda mais com o apoio do Instituto Millenium, uma entidade bancada por empresários, nos moldes de outras criadas antes de 64 para respaldar o golpe.

Merval Pereira, tentando posar de moderado em comparação a Reinaldo Azevedo, que faz o gênero bobo da corte, do tipo que arranca risos com o seu radicalismo patronal, deixou claro sua posição contra a obrigatoriedade do diploma para o exercício profissional chegando a afirmar o absurdo de que se trata de “um viés corporativo” associando a exigência ao desejo do governo Lula em controlar a mídia. Não explicou exatamente o que tem a ver uma coisa com a outra.

Merval desinformou também ao lembrar erradamente que o governo Lula propôs a criação do Conselho Federal de Jornalismo, quando isso não aconteceu. A proposta foi da diretoria da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), sendo rejeitada por mais diversos setores, muitos deles sem conhecer exatamente o projeto. Merval revelou desinformação. Foi um mau jornalista.

O obscuro Azevedo considerou a oposição ao governo Lula “sem vergonha e mixuruca”, confirmando que os meios de comunicação estão ocupando o espaço da oposição, mas, segundo ele, na “defesa da Constituição”. O colunista da revista Veja usou inclusive termos ofensivos ao Presidente Lula, arrancando aplausos.

Há uma visível disputa na extrema direita de qual jornalista consegue mais adeptos. Além do filósofo reprovado por uma banca da USP, Olavo de Carvalho, Reinaldo Azevedo tenta de todas as formas ocupar o espaço, disputado também por Diego Mainardi, hoje, como Olavo de Carvalho, vivendo no exterior. Arnaldo Jabor corre por fora.

Vale ainda um comentário sobre o Instituto Millenium, apoiador do seminário “A democracia ameaçada: restrições à liberdade de imprensa” realizado no Clube Militar. No fundo, bem lá no fundo, empresários que apoiaram a repressão policial na época da ditadura não se conformam com os novos tempos no Brasil e na América Latina. Decidiram então bancar o Instituto Millenium, uma entidade que ressurge do lixo da história do Instituto Brasileiro de Ação Democrática (IBAD), criada para apoiar o golpe de 64.

E qual a associação que se pode fazer entre o referido instituto e os militares sem comando que assistiram o destilar de ódios dos três palestrantes? Empresários financiadores da repressão temem a abertura dos arquivos da época da ditadura que naturalmente vão mostrar oficialmente como agia o setor por detrás do pano, apoiando ações assassinas do Estado, como a Operação Bandeirantes. Como nesta história aparecem também alguns militares que agiram ilegalmente, os financiadores, aí sim verdadeiros culpados, se escondem e colocam na linha de frente alguns militares delinquentes. Nada a ver com a corporação militar.

É por aí que se pode entender a associação entre o Instituto Millenium e os militares que foram ouvir Merval Pereira, Reinaldo Azevedo e o representante da Abert, Rodolfo Machado Moura. Ou seja, vale tudo para alcançar os objetivos, até mentiras como as apresentadas pelos três palestrantes no Clube Militar.

Em tempo: O Estado de S.Paulo abriu o jogo em editorial recomendando voto em José Serra, enquanto a Folha de S.Paulo desancou sobre a candidatura Dilma Rousseff, mas dizendo que não apoia nenhum candidato. Vale então o dito popular: me engana que eu gosto. O Globo até agora nada em editorial, mas em compensação aumenta a quantidade de páginas de críticas a Lula e a Dilma Rousseff.
****
Fonte:http://altamiroborges.blogspot.com/

Cláudio Lembo e a mídia engajada

Reproduzo entrevista concedida ao jornalista Bob Fernandes, do Portal Terra:

"Dramático será o dia 4 de outubro, porque não teremos mais partidos políticos, só um movimento social coordenado pelo hoje presidente Lula... A mídia está engajada e tem um candidato, o Serra, com isso se perdeu o equilíbrio e é desse embate que nasce a intranquilidade, mas ela é transitória".

A análise é do ex-governador de São Paulo, Cláudio Lembo, em conversa com o portal Terra na manhã desta quarta-feira (15). Atual secretário municipal dos Negócios Jurídicos de São Paulo, Cláudio Lembo, do DEM, enfrentou uma gravíssima crise: a dos ataques do PCC em maio de 2006, quando era o governador do Estado.

Então, em meio ao embate com o Primeiro Comando da Capital, Lembo disse em entrevista ao Terra Magazine viver um momento de catarse depois de ter sido instado pela burguesia - também “hipócrita - a valer-se do "olho por olho" na reação aos ataques do PCC. Ainda à época desabafou com a colunista Mônica Bergamo:

"Nós temos uma burguesia muito má, uma minoria branca muito perversa".

Quatro anos depois, nova eleição presidencial e o ensaio de uma crise política.

Erenice Guerra, chefe da Casa Civil fustigada por denúncias, assina uma nota oficial e chama José Serra, do PSDB, de "candidato aético e já derrotado". Fernando Henrique Cardoso, ex-presidente da República, evoca o líder fascista Mussolini ao referir-se ao presidente Lula como "chefe de uma facção". Lula, por seu lado, prega “extirpar o DEM”e os Bornhausen, cujo chefe, Jorge, já defendeu um dia "acabar com essa raça", a do PT.

Diante desse cenário, o Terra ouviu o ex-governador de São Paulo. Abaixo, a conversa:

Nas últimas horas, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso evocou Mussolini para se referir ao presidente Lula, o ex-dirigente do DEM, Jorge Bornhausen, aconselhou o presidente Lula a "não ingerir bebida alcoólica antes dos comícios", palavras dele, sendo de Bornhausen a famosa frase sobre o PT, "vamos acabar com essa raça". O presidente agora devolveu falando em "extirpar o DEM", e a chefe da Casa Civil fez uma nota oficial chamando o candidato da oposição de "aético e já derrotado". Como o senhor, experimentado também em crises, vê isso?

É interessante porque a campanha ocorria com normalidade. E abruptamente aconteceram situações novas. Todas, quase todas, nasceram no ventre do próprio governo. Não foi a oposição que criou a complexidade da Casa Civil. Portanto, o que está se vivendo nasce também de equívocos do próprio governo.

Como o senhor interpreta o cenário todo?

É transitório e próprio dos momentos que se aproximam da eleição. Mas o dramático será no dia 4 de outubro.

Por quê?

Porque não teremos mais partidos políticos, só um movimento social coordenado pelo hoje presidente Lula, o que é ruim para a democracia. Ou seja, o partido que é coordenado pelo presidente da República sobreviverá muito mais como movimento social do que como partido, porque ele não é orgânico.

E a oposição?

A oposição terá um resultado mau, muito ruim no pleito, e sai sem voz, sem maior possibilidade de apontar os erros do governo, de ser e fazer oposição. Também por erros da própria oposição.

E o papel da mídia? Qual é, qual deveria ser?

A mídia se engajou, a mídia tem um candidato…

Qual candidato?

O candidato do PSDB, o Serra…

E qual a consequência disso? Isso esquenta a conversa de botequim das últimas horas?

A mída está engajada, tem um candidato que é o Serra e com isso se perdeu o equilíbrio, vem o desequilíbrio, é desse embate que nasce a intranquilidade. Mas ela é transitória. Havendo só um grande vencedor no pleito, que é o movimento social, e estando a mídia engajada como que está disso nasce essa intranquilidade.

Quando se chega a termos como “Mussolini, "candidato aético já derrotado" e "bêbado"...
*****
Fonte:http://altamiroborges.blogspot.com/

Cuidado: lista dos e-mails da baixaria contra a Dilma


De onde vem tanta baixaria, amigo navegante ?

O Conversa Afiada reproduz e-mail do Stanley Burburinho, o reparador de iniquidades:

Para facilitar a divulgação nesta última semana de campanha, fiz uma compilação dos emails falsos que circulam nesta campanha sobre Dilma Rousseff e seus respectivos desmentidos. Cada link remete ao leitor ao texto em questão. Espalhem, é importante:

A morte de Mário Kosel Filho: http://migre.me/1pfAb
A Ficha Falsa de Dilma Rousseff na ditadura: http://migre.me/1pfCc
O porteiro que desistiu de trabalhar para receber o Bolsa-Família: http://migre.me/1pfEJ
Marília Gabriela desmente email falso: http://migre.me/1pfSW
Dilma não pode entrar nos Estados Unidos: http://migre.me/1pfTX

Foto de Dilma ao lado de um fuzíl é uma montagem barata: http://migre.me/1pfWn
Lula/Dilma sucatearam a classe média (B) em 8 anos: http://migre.me/1pfYg
Email de Dora Kramer sobre Arnaldo Jabor é montagem: http://migre.me/1pfZH
Matéria sobre Dilma em jornais canadenses é falsa: http://migre.me/1pg1t
Declarações de Dilma sobre Jesus Cristo – mais um email falso: http://migre.me/1pg2F
Fraude nas urnas com chip chinês – falsidade que beira o ridículo: http://migre.me/1pg58
Vídeo de Hugo Chaves pedindo votos a Dilma é falso: http://migre.me/1pg6c
Matéria sobre amante lésbica de Dilma é invenção: http://migre.me/1pg7p
****
Fonte:http://www.conversaafiada.com.br/politica/2010/09/27/cuidado-lista-dos-e-mails-da-baixaria-contra-a-dilma/

Análise :As balas de prata: haverá segundo turno?

publicada sexta-feira, 24/09/2010 às 19:51 e atualizada terça-feira, 28/09/2010

ATUALIZAÇÃO IMPORTANTE

Sexta passada escrevi o texto que se lê abaixo, explicando que a ”bala de prata” (o tal gesto desesperado de Serra, para forçar segundo turno) não era uma. Eram várias. Seguiram trajetórias e ritmos diferentes. E a somatória dessas balas – escrevia eu – produziu , sim, algum efeito: interrompeu a subida de Dilma e criou uma leve tendência de alta para Marina Silva.

Mostrei aos leitores, ainda, porque considerei sempre um erro menosprezar a capacidade de reação de Serra e de seus aliados midiáticos – como você pode ler aqui. Há dois ou três meses, bato nessa tecla. Alguns blogueiros e comentaristas me consideram exageradamente pessimista. Prefiro dizer que sou realista.

A decisão sobre haver ou não segundo turno – tenho dito sempre – deve se dar por margem muito estreita. Isso apesar de, nos Estados, os lulistas estarem em franca vantagem.

Pois bem, as notícias que chegaram da Barão de Limeira – na noite de segunda-feira – mostram que o “DataFolha” vai dar mais um alento a Serra: Marina cada vez mais perto de 15%, Serra mais perto de 30% e Dilma chegando a seu provável piso de 45% ou 46%.

Via twitter, o Renato Rovai – com suas boas fontes – é quem nos trouxe a informação, ainda antes do jornal de terça-feira rodar na gráfica. Vale a pena ler aqui a análise de Rovai em seu blog.

O quadro atual aponta para uma decisão no olho mecânico.

Claro que podemos desconfiar do DataFolha. Pelos números do Vox (tracking de segunda), Serra está com 24%, Marina com 13% e Dilma ainda nos 49% – o que indicaria margem mais tranquila para vitória petista no primeiro turno.

De toda forma, nunca é saudável brigar com os fatos. E o fato principal é: há uma tênue onda verde em marcha que – associada a ouros fatores – talvez seja suficiente para garantir segundo turno.

O que explica esse quadro? As balas de prata em série, como eu tentava explicar já na sexta-feira, no texto que se segue…

===

(texto originalmente publicado dia 24 de setembro - quando, pelo DataFolha, Dilma tinha 49%, Serra 28% e Marina 12%)

Blogueiros e comentaristas passaram o último mês discutindo qual seria e quando chegaria a tal “bala de prata” lançada pela candidatura de Serra, no gesto desesperado de levar a eleição para o segundo turno.

Não percebemos, mas ela talvez já tenha vindo. Não era uma só, eram várias as balas de prata que passaram zunindo em muitas direções. Fizeram algum efeito: travaram o crescimento de Dilma, e deram algum alento a Marina.

Podemos listar aqui as balas de prata que já foram lançadas, e seguem a fazer eco na sociedade brasileira:

- o terrorismo da palavra nas igrejas; é um discurso difuso, para o qual a campanha de Dilma parece não ter-se preparado; segue a fazer estragos, com ecos na internet, levando eleitores evangélicos e católicos conservadores – especialmente na classe média de grandes cidades - a abraçar a candidatura de Marina;

- a campanha difamatória na internet; conduzida diretamente pelos tucanos (no caso dos videos recém-lançados no youtube), ou por uma militância conservadora difusa (que há meses abastece a rede com e-mails absurdos e maldosos), essa campanha serve mais para dar argumentos a quem já era contra Dilma e o PT;

- o terrorismo midiático; essa é a bala de prata mais manjada, e a mais fácil de responder, até pelo aprendizado que ficou de eleições passadas; ainda assim, provoca algum estrago; calculo que nesse setor ainda há os últimos ricochetes a aparecer na semana derradeira antes de 3 de outubro; a última aposta (depois dos casos da Receita e de Erenice) é a história do “autoritarismo petista”, numa tentativa de fazer parte dos eleitores apostarem num segundo turno.

Parece-me que o efeito dessas balas vai-se sentindo aos poucos: elas atingem de forma diferente as várias camadas da população. A maior parte do público acompanha a eleição com distanciamento, e leva 3 a 4 dias para se inteirar de boatos que atingem os mais engajados em poucas horas.

O serrismo a essa altura depende dessa somatória de balas de prata para sangrar (ainda que timidamente) a candidatura de Dilma. E aposta todas as fichas em reforçar a imagem de Marina. Já disse aqui algumas vezes que, para Serra, basta tirar votos de Dilma, ainda que eles não se transfiram para o tucano.

O efeito parece não ser suficiente para mudar o quadro a ponto de forçar segundo turno. Serra precisaria subir para perto de 30%, e Marina para algo em torno de 15%.

Não há, a não ser pelo DataFolha (suspeito?), sinais de que esse movimento se confirmará.

A favor da tese de que a eleição já estaria liquidada, há ainda o quadro eleitoral nos Estados - cada vez mais favorável ao lulismo:

- Tarso (PT) avança no Sul (e o petista Paim parece ter recuperado força para ganhar uma vaga no Senado);

- no Rio, Cabral deve arrasar Gabeira, e Cesar Maia corre risco de ficar em quarto lugar na disputa pelo Senado;

- em Pernambuco e no Amazonas, Maciel (DEM) e Artur Virgilio (PSDB) caminham para derrotas historicas na disputa pelo Senado;

- até no Paraná, o quadro parece complicado para os tucanos, a ponto de Beto Richa (PSDB) travar na Justiça a divulgaçãoo de novas pesquisas que devem trazer Osmar Das (PDT) cada vez mais forte na disputa pelo governo do Estado; para o Senado, devem ser eleitos Requião (PMDB) e Gleisi (PT).

Ou seja, o bombardeio midiático e conservador na internet concentrou-se em Dilma, e descuidou-se das disputas estaduais – o que pode facilitar a vida do lulismo.

Restaria uma incógnita: São Paulo.

Aqui, mais indícios de coisas estranhas nas pesquisas. E, de novo, o DataFolha em campo.

O instituto da Folha traz Alckmin praticamente imbativel, com 51%, e Mercadante com 23%. O Vox Populi acaba de trazer números díspares: Alckmin 40% e Mercadante com 28%. Pelo Vox, poderíamos caminhar para segundo turno em São Paulo: o que seria mais um indicativo de que as balas de prata arranharam Dilma, mas não contiveram o lulismo – o que pode levar a uma derrota ainda mais arrasadora de PSDB/DEM.

Por último, um dado importante: o PT entrou com ação para suspender a lei que exige dois documentos na votação, um indicativo de que o partido espera dificuldades para seu eleitorado – mais concentrado nas camadas populares – por conta dessa exigência. Já ouvi gente calculando que Dilma pode perder 1 de cada 10 votos por conta dos dois documentos.

Façamos uma conta. Se, apesar do bombardeio que ainda virá na última semana, a candidata petista chegar com algo em torno de 49% ou 50% dos votos totais no dia 3, poderia em tese ver sua votação recuar para 45% dos votos totais por conta das dificuldades provocadas pela exigência de dois documentos. Serra, tudo indica, não deve passar dos 28%, e Marina pode chegar a 14% se a onda verde pegar. Temos anda 1% para os outros candidatos. Teríamos, portanto, nos votos totais: Dilma 45% X outros candidatos 42%.

Minha aposta é que Dilma, se confirmar vitória no primeiro turno, deve obtê-la por uma margem pequena: algo em torno de 52% ou 53% dos votos válidos.

Se a onda verde crescer (hoje ainda é marolinha, mas será empurrada pela mídia), e o terrorismo midiático reaparecer na véspera da eleição, não acho impossível haver segundo turno – ainda que por margem muito estreita.

O quadro deve ser acompanhado com muita cautela até o dia 3.

A vitória de Dilma no primeiro turno é hoje a hipótese mais provável, mas não está garantida.
****
Fonte:http://www.escrevinhador.com.br/

A carta aberta de juristas em defesa de Lula

27 de setembro de 2010
Reproduzo o que me foi sugerido por dois leitores:

Em uma democracia, todo poder emana do povo, que o exerce diretamente ou pela mediação de seus representantes eleitos por um processo eleitoral justo e representativo. Em uma democracia, a manifestação do pensamento é livre. Em uma democracia as decisões populares são preservadas por instituições republicanas e isentas como o Judiciário, o Ministério Público, a imprensa livre, os movimentos populares, as organizações da sociedade civil, os sindicatos, dentre outras.

Estes valores democráticos, consagrados na Constituição da República de 1988, foram preservados e consolidados pelo atual governo.

Governo que jamais transigiu com o autoritarismo. Governo que não se deixou seduzir pela popularidade a ponto de macular as instituições democráticas. Governo cujo Presidente deixa seu cargo com 80% de aprovação popular sem tentar alterar casuisticamente a Constituição para buscar um novo mandato. Governo que sempre escolheu para Chefe do Ministério Público Federal o primeiro de uma lista tríplice elaborada pela categoria e não alguém de seu convívio ou conveniência. Governo que estruturou a polícia federal, a Defensoria Pública, que apoiou a criação do Conselho Nacional de Justiça e a ampliação da democratização das instituições judiciais.

Nos últimos anos, com vigor, a liberdade de manifestação de idéias fluiu no País. Não houve um ato sequer do governo que limitasse a expressão do pensamento em sua plenitude.

Não se pode cunhar de autoritário um governo por fazer criticas a setores da imprensa ou a seus adversários, já que a própria crítica é direito de qualquer cidadão, inclusive do Presidente da República.

Estamos às vésperas das eleições para Presidente da República, dentre outros cargos. Eleições que concretizam os preceitos da democracia, sendo salutar que o processo eleitoral conte com a participação de todos.

Mas é lamentável que se queira negar ao Presidente da República o direito de, como cidadão, opinar, apoiar, manifestar-se sobre as próximas eleições. O direito de expressão é sagrado para todos imprensa, oposição, e qualquer cidadão. O Presidente da República, como qualquer cidadão, possui o direito de participar do processo político-eleitoral e, igualmente como qualquer cidadão, encontra-se submetido à jurisdição eleitoral. Não se vêem atentados à Constituição, tampouco às instituições, que exercem com liberdade a plenitude de suas atribuições.

Como disse Goffredo em sua célebre Carta: Ao povo é que compete tomar a decisão política fundamental, que irá determinar os lineamentos da paisagem jurídica que se deseja viver. Deixemos, pois, o povo tomar a decisão dentro de um processo eleitoral legítimo, dentro de um civilizado embate de idéias, sem desqualificações açodadas e superficiais, e com a participação de todos os brasileiros.

ADRIANO PILATTI - Professor da PUC-Rio

AIRTON SEELAENDER – Professor da UFSC

ALESSANDRO OCTAVIANI - Professor da USP

ALEXANDRE DA MAIA – Professor da UFPE

ALYSSON LEANDRO MASCARO – Professor da USP

ARTUR STAMFORD - Professor da UFPE

CELSO ANTONIO BANDEIRA DE MELLO – Professor Emérito da PUC-SP

CEZAR BRITTO – Advogado e ex-Presidente do Conselho Federal da OAB

CELSO SANCHEZ VILARDI – Advogado

CLÁUDIO PEREIRA DE SOUZA NETO – Advogado, Conselheiro Federal da OAB e Professor da UFF

DALMO DE ABREU DALLARI – Professor Emérito da USP

DAVI DE PAIVA COSTA TANGERINO – Professor da UFRJ

DIOGO R. COUTINHO – Professor da USP

ENZO BELLO – Professor da UFF

FÁBIO LEITE - Professor da PUC-Rio

FELIPE SANTA CRUZ – Advogado e Presidente da CAARJ

FERNANDO FACURY SCAFF – Professor da UFPA e da USP

FLÁVIO CROCCE CAETANO - Professor da PUC-SP

FRANCISCO GUIMARAENS – Professor da PUC-Rio

GILBERTO BERCOVICI – Professor Titular da USP

GISELE CITTADINO – Professora da PUC-Rio

GUSTAVO FERREIRA SANTOS – Professor da UFPE e da Universidade Católica de Pernambuco

GUSTAVO JUST – Professor da UFPE

HENRIQUE MAUES - Advogado e ex-Presidente do IAB

HOMERO JUNGER MAFRA – Advogado e Presidente da OAB-ES

IGOR TAMASAUSKAS - Advogado

JARBAS VASCONCELOS – Advogado e Presidente da OAB-PA

JAYME BENVENUTO - Professor e Diretor do Centro de Ciências Jurídicas da Universidade Católica de Pernambuco

JOÃO MAURÍCIO ADEODATO – Professor Titular da UFPE

JOÃO PAULO ALLAIN TEIXEIRA - Professor da UFPE e da Universidade Católica de Pernambuco

JOSÉ DIOGO BASTOS NETO – Advogado e ex-Presidente da Associação dos Advogados de São Paulo

JOSÉ FRANCISCO SIQUEIRA NETO - Professor Titular do Mackenzie

LENIO LUIZ STRECK - Professor Titular da UNISINOS

LUCIANA GRASSANO – Professora e Diretora da Faculdade de Direito da UFPE

LUÍS FERNANDO MASSONETTO - Professor da USP

LUÍS GUILHERME VIEIRA – Advogado

LUIZ ARMANDO BADIN – Advogado, Doutor pela USP e ex-Secretário de Assuntos Legislativos do Ministério da Justiça

LUIZ EDSON FACHIN - Professor Titular da UFPR

MARCELLO OLIVEIRA – Professor da PUC-Rio

MARCELO CATTONI – Professor da UFMG

MARCELO LABANCA – Professor da Universidade Católica de Pernambuco

MÁRCIA NINA BERNARDES – Professora da PUC-Rio

MARCIO THOMAZ BASTOS – Advogado

MARCIO VASCONCELLOS DINIZ – Professor e Vice-Diretor da Faculdade de Direito da UFC

MARCOS CHIAPARINI - Advogado

MARIO DE ANDRADE MACIEIRA – Advogado e Presidente da OAB-MA

MÁRIO G. SCHAPIRO - Mestre e Doutor pela USP e Professor Universitário

MARTONIO MONT’ALVERNE BARRETO LIMA - Procurador-Geral do Município de Fortaleza e Professor da UNIFOR

MILTON JORDÃO – Advogado e Conselheiro do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária

NEWTON DE MENEZES ALBUQUERQUE - Professor da UFC e da UNIFOR

PAULO DE MENEZES ALBUQUERQUE – Professor da UFC e da UNIFOR

PIERPAOLO CRUZ BOTTINI - Professor da USP

RAYMUNDO JULIANO FEITOSA – Professor da UFPE

REGINA COELI SOARES - Professora da PUC-Rio

RICARDO MARCELO FONSECA – Professor e Diretor da Faculdade de Direito da UFPR

RICARDO PEREIRA LIRA – Professor Emérito da UERJ

ROBERTO CALDAS - Advogado

ROGÉRIO FAVRETO – ex-Secretário da Reforma do Judiciário do Ministério da Justiça

RONALDO CRAMER – Professor da PUC-Rio

SERGIO RENAULT – Advogado e ex-Secretário da Reforma do Judiciário do Ministério da Justiça

SÉRGIO SALOMÃO SHECAIRA - Professor Titular da USP

THULA RAFAELLA PIRES - Professora da PUC-Rio

WADIH NEMER DAMOUS FILHO – Advogado e Presidente da OAB-RJ

WALBER MOURA AGRA – Professor da Universidade Católica de Pernambuco

******
Fonte:http://www.viomundo.com.br/politica/a-carta-aberta-de-juristas-em-defesa-de-lula.html

PSOL divulga nota se solidarizando com o PT e atacando setores evangélicos

27 de setembro de 2010

Nota do PSOL/PE sobre os ataques de forças conservadoras contra o PT


*Leia abaixo alguns trechos da Nota:

As forças mais conservadoras presentes na sociedade brasileira articulam-se neste período eleitoral para atacar duramente o Partido dos Trabalhadores. O objetivo indisfarçável é atingir a sua candidata à presidência da República a partir de um confronto nitidamente ideológico e assim abrir espaços para o avanço de outra candidatura que vem se aventurando a absorver e representar abertamente um brutal retrocesso na consciência social do povo brasileiro.

Em Pernambuco esta articulação pôde ser vista, dentre outras manifestações, em uma carreata que seria promovida por pastores de algumas denominações evangélicas no município de Jaboatão. O objetivo explícito é “satanizar” o PT e sua candidata à presidência, a partir de temas que entram em confronto direto com o Estado laico que todas as forças progressistas, republicanas e democráticas do nosso país têm a obrigação de defender. O mote de defesa da família usado nesta campanha é conhecido e, como em outros momentos da história brasileira, funciona como aríete para arrombar as portas da República e, conseqüentemente, atacar os direitos humanos.

Neste sentido, o diretório estadual do PSOL-PE, através de sua candidatura ao governo do Estado, externa publicamente que suas diferenças com o PT e o governo Lula não se confundem com as dos setores que fazem esta campanha, e solidariza-se com o Partido dos Trabalhadores especificamente contra esta campanha ideológica claramente retrógrada, direitista e oportunista. Reafirmamos que temas relativos aos direitos humanos são universais e indivisíveis e precisam ser defendidos por todos os atores sociais que comungam de forma honesta seu compromisso com a dignidade humana.

*Para ler o texto na íntegra:www.blogdafolha.com.br/index.php/materias/13082-psol-divulga-se-solidarizando-com-o-pt-e-atacando-evangelicos

*****
Fonte:www.blogdafolha.com.br

Todos os emails falsos sobre Dilma Rousseff


Do blog "SEJA DITA VERDADE", 27 de setembro de 2010


Para facilitar a divulgação nesta última semana de campanha, fiz uma compilação dos emails falsos que circulam nesta campanha sobre Dilma Rousseff e seus respectivos desmentidos. Cada link remete ao leitor ao texto em questão. Espalhem, é importante:

A morte de Mário Kosel Filho: http://migre.me/1pfAb

A Ficha Falsa de Dilma Rousseff na ditadura http://migre.me/1pfCc

O porteiro que desistiu de trabalhar para receber o Bolsa-Família http://migre.me/1pfEJ

Marília Gabriela desmente email falso http://migre.me/1pfSW

Dilma não pode entrar nos Estados Unidos http://migre.me/1pfTX

Foto de Dilma ao lado de um fuzíl é uma montagem barata http://migre.me/1pfWn

Lula/Dilma sucatearam a classe média (B) em 8 anos: http://migre.me/1pfYg

Email de Dora Kramer sobre Arnaldo Jabor é montagem http://migre.me/1pfZH

Matéria sobre Dilma em jornais canadenses é falsa: http://migre.me/1pg1t

Declarações de Dilma sobre Jesus Cristo – mais um email falso: http://migre.me/1pg2F

Fraude nas urnas com chip chinês – falsidade que beira o ridículo:
http://migre.me/1pg58

Vídeo de Hugo Chaves pedindo votos a Dilma é falso: http://migre.me/1pg6c

Matéria sobre amante lésbica de Dilma é invenção: http://migre.me/1pg7p
.
****
Fonte:http://www.sejaditaverdade.net/blog2/?p=2091