Pesquisar este blog

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

IRINEU MESSIAS , PEDRO EUGÊNIO 1314 e ISALTINO NASCIMENTO 13500

ISATINO NASCIMENTO 13500 e PEDRO EUGÊNIO 1314

Dunga, sobre Dilma Roussef: “ela não fugiu”


Alex está careca de saber que o Dunga bate pesado


Dunga poderia ter dito a Serra o que disse a Alex Escobar, da Globo, durante a Copa: “tu és um cagão de merda!” Preferiu ser mais comedido.

Serra usou Dunga para atacar Dilma por susposta “falta de experiência”.

O gaúcho rebateu: “talvez ele esteja deseperado“. E preferiu afagar Lula: “O Lula também não tinha experiência e tem 80% de popularidade. Ele está fazendo o que os outros não fizeram em cem anos.”

Ao falar da Dilma, Dunga deu uma canelada no Alex, digo, no Serra…: ”Quando o Brasil precisou da Dilma ela não fugiu, lutou aqui pela democracia. Alguns correram.”

E ainda tirou onda sobre a comeptência do tucano paulista: “São Paulo não tem problema? Alaga mais que Veneza, ônibus são incendiados todos os dias.”

Dunga falou com exclusividade ao “Diario de S. Paulo”. O texto foi reproduzido pelo Nassif.

===

Usado como exemplo pela campanha de José Serra no rádio para criticar a falta de experiência da candidata do PT Dilma Rousseff, o ex-treinador da seleção brasileira Dunga respondeu bem ao seu estilo. Em entrevista exclusiva ao DIÁRIO, Dunga rebateu a comparação feita pela campanha de Serra entre ele e Dilma. “O Serra tem experiência. É um craque para governar o Brasil. A Dilma não. É que nem o Dunga. Nunca foi técnico de nenhum time, foi para a seleção e deu no que deu”, diz uma pessoa não identificada.

Comparação

É só ver os meus resultados e comparar. Quando eu fui campeão da Copa América e da Copa das Confederações, ele me elogiou. Agora crítica. Talvez ele esteja desesperado.

Defeitos

Eu acho que ele deveria assumir os seus defeitos para depois achar defeito nos outros.

Problemas

São Paulo não tem problema? Alaga mais que Veneza, ônibus são incendiados todos os dias. Só o fato de São Paulo ter decidido na última hora o estádio da Copa já diz tudo. Por que ele está preocupado comigo?

Lula

O Lula também não tinha experiência e tem 80% de popularidade. Ele está fazendo o que os outros não fizeram em cem anos.

Dilma
Dilma é uma mulher e pode ser a primeira mulher presidente do Brasil.

Democracia

Quando o Brasil precisou da Dilma ela não fugiu, lutou aqui pela democracia. Alguns correram.

Política

Para mim isso é natural (ser citado na propaganda). Se eles falassem o que deixaram de fazer seria melhor para o eleitor escolher.


***************
Fonte: www.escrevinhador.com.br

Eleições presidenciais: Querem melar o jogo

publicada quinta-feira, 02/09/2010
Por Izaías Almada

O dia seguinte, ou como diria o grande jornalista e dramaturgo Otávio Frias Filho, “the day after”, o dia 04 de outubro de 2010, não será um dia só de festas, mas – sobretudo – deverá ser um dia de reflexão. Reflexão e atenção redobrada, eu acrescento.

O entusiasmo que toma conta de mais da metade do eleitorado brasileiro, quando estamos a um mês do primeiro turno das eleições, por poder retomar as praças e as ruas do Brasil com grandes comícios e festas, não deve jogar areia nos olhos daqueles que querem fazer do Brasil um país menos injusto socialmente e mais forte e soberano economicamente.

Cerro fileira com aqueles que consideram, com toda razão, que não se deve cantar a vitória antes da hora, mas tudo indica que a candidata Dilma Roussef poderá vencer as eleições ainda no primeiro turno. Se isso ocorrer, reitero, o dia 04 de outubro passa a ser o primeiro dia de um país que quer dar mais um passo em direção à maioridade. E que se preparou para isso nos últimos oito anos fazendo alguns deveres de casa de há muito exigidos e há muito esquecidos.

Mas será também o primeiro dia para a união das forças de sustentação do novo governo. Isso se essa sustentação de forças não se fizer necessária antes das eleições, tal o desespero da oposição e de seu candidato José Serra que, anunciando a “hora da virada” entrou no perigoso terreno do vale tudo.

As últimas notícias do destemperado candidato começam a formar um quadro, apoiado pela velha mídia, de “governo bandido” de “gente que é capaz de tudo”, de “nova república sindicalista” e coisas do gênero. Já se retoma o tema (tentado semanas atrás antes da vertiginosa queda de Serra nas pesquisas) da impugnação da candidatura, sempre lembrando que um grupo de militares já foi “avisado” na semana passada das intenções do Partido dos Trabalhadores em transformar o país numa ditadura (sic). E de que um ministro direitista e falastrão do STF já andou dando pitacos de que podem contar com o Judiciário para o que der e vier.

Não podemos nos esquecer de que uma eventual e quase certa vitória de Dilma Roussef não significa que poderosos interesses econômicos contrariados aqui e ali ficarão à espera do seu cadafalso. Ou que livros que provam a nefasta ação da privataria contra o povo brasileiro sejam detalhados com o nome das contas dos piratas em paraísos fiscais. Ou que o Departamento de Estado dos EUA esteja a fingir que está morto e pouco interessado no jogo.
Há no ar um cheiro de medo, dos que vêm enganando o roubando o povo brasileiro, e de esperança, daqueles que encontram no governo Lula e de sua provável sucessora uma possibilidade de continuidade e mudanças ainda para melhor.

O Brasil do passado irá resistir de todas as maneiras, pois sabe que pode ficar, no mínimo, mais oito anos fora do poder. De agora até o próximo dia 03 de outubro toda a atenção será pouca, pois tudo indica que querem melar o jogo. E depois, se for o caso, o povo nas ruas terá que garantir a posse de Dilma Roussef.

Izaías Almada é escritor, dramaturgo e roteirista cinematográfico, É autor, entre outros, dos livros TEATRO DE ARENA, UMA ESTÉTICA DE RESISTÊNCIA, da Boitempo Editorial e VENEZUELA POVO E FORÇAS ARMADAS, Editora Caros Amigos.

Fonte: http://www.escrevinhador.com.br/

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva decidiu limitar a compra de terras por estrangeiros e empresas brasileiras controladas por estrangeiros.



Fonte: Blog do Fernando Augusto Botelho

Rodrigo Vianna, Leandro Fortes, Débora Silva, Luis Nassif, Paulo Henrique Amorim, Emir Sader, e Brizola Neto (8 vídeos)



Fonte: Blog do Fernando Augusto Botelho

O TICO-TICO NO FUBÁ DA MÍDIA GOLPISTA



Fonte: Blog de Fernando Augusto Botelho

LUÍS NASSIF:"Como será a bala de prata na campanha"

por luisnassif, dom, 05/09/2010

Qual a bala de prata, a reportagem que será apresentada no Jornal Nacional na quinta-feira que antecederá as eleições, visando virar o jogo eleitoral, sem tempo para a verdade ser restabelecida e divulgada?

Ontem, no Sarau, conversei muito com um dos nossos convivas. Para decifrar o enigma, ele seguiu o seguinte roteiro:

1. Há tempos a velha mídia aboliu qualquer escrúpulo, qualquer limite. Então tem que ser o episódio mais ignóbil possível, aquele campeão, capaz de envergonhar a velha mídia por décadas mas fazê-la acreditar ser possível virar o jogo. Esse episódio terá que abordar fatos apenas tangenciados até agora, mas que tenham potencial de afetar a opinião pública.

2. Nas pesquisas qualitativas junto ao eleitor médio, tem sobressaído a questão da militância de Dilma Rousseff na guerrilha. Aliás, por coincidência, conversei com a Bibi que me disse, algo escandalizada, que coleguinhas tinham falado que Dilma era "bandida" e "assassina". Aqui em BH, a Sofia, neta do meu primo Oscar, disse que em sua escola - em Curitiba - as coleguinhas repetem a mesma história.

As diversas pesquisas de Ibope e Datafolha devem ter chegado a essa conclusão, de que o grande tema de impacto poderá ser a militância de Dilma na guerrilha. A insistência da Folha com a ficha falsa de Dilma e, agora, com a ficha real, no Supremo Tribunal Militar, é demonstração clara desse seu objetivo. Assim como a insistência de Serra de atropelar qualquer lógica de marketing, para ficar martelando a suposta falta de limites da campanha de Dilma – em cima de um episódio que não convenceu sequer a Lúcia Hipólito.

Aliás, o ataque perpetrado por Serra contra Lúcia – através do seu blogueiro – é demonstração cabal da importância que ele está dando à versão da falta de limites, mesmo em cima de um episódio que qualquer avaliação comezinha indicaria como esgotado.

A quebra de sigilo é apenas uma peça do jogo, preparando a jogada final.

A partir daí, meu interlocutor passou a imaginar como seria montada a cena.

Provavelmente alguém seria apresentado como ex-companheiro de guerrilha, arrependido, que, em pleno Jornal Nacional, diria que Dilma participou da morte de fulano ou beltrano. Choraria na frente da câmera, como o José Serra chora. Aí a reportagem mostraria fotos da suposta vítima, entrevistaria seus pais e se criaria o impacto.

No dia seguinte, sem horário gratuito não haveria maneiras de explicar a armação em meios de comunicação de massa.

Será um desafio do jornalismo brasileiro saber quem serão os colunistas que endossarão essa ignomínia – se realmente vier a ocorrer -, quem serão aqueles que colocarão seu nome e reputação a serviço esse lixo.

Essa loucura - que, tenho certeza, ocorrerá - será a pá de cal nesse tipo de militância de Serra e de falta de limites da mídia. Marcará a ferro e fogo todos os personagens que se envolverem nessa história. Incendiará a blogosfera. Todos os jornalistas que participarem desse jogo serão estigmatizados para sempre.

Todas essas possibilidades são meras hipóteses que parte do pressuposto da falta de limites total da velha mídia.

Mas a hipótese fecha plenamente.

Fonte: portal do Luís Nassif

Jogo Sujo , Teorias : Jonas, o “conspiratório”, acha que a bala de prata de Serra virá pela internet!

publicada segunda-feira, 06/09/2010 às 00:50 e atualizada segunda-feira, 06/09/2010 às 00:21

Jonas, o “conspiratório”, liga-me de Brasília. Está preocupado com a nota publicada por um blogueiro da “Veja”, e que parece mais um aviso: “Nos próximos dias, será jogado o maior lance de José Serra na campanha até aqui: a tentativa definitiva de fazer o brasileiro se indignar com Dilma, Lula & Cia por causa da quebra de sigilo de sua filha e de outros tucanos.”

Dilmista contumaz, Jonas tem umas teorias malucas. A de hoje é que a “bala de prata” de Serra não virá pela “Veja”, nem pela “Globo”…

(Jonas) – Vocês, blogueiros, ficam animados com o contraponto da internet à mídia tradicional, mas já pensaram que a bala de prata do Serra pode vir justamente daí?

(Escrevinhador) – Da velha mídia? Mas Jonas, o que eles falam não cola no povão, todos jornais só tratam desse caso da Receita e as pesquisas nem se mexem.

(Jonas) – É, mas eles vão pegar mais pesado semana que vem, tá todo mundo sabendo. E, se forem espertos, vão usar uma tática diferente; o guru indiano parece que foi contratado pra isso.

- Não entendi.

(Jonas) – Vão atacar pela internet. Já imaginou um vídeo produzido pelas Organizações Itagiba, rodando como viral pela internet, bombado pela turma do Serra?

- Mas que loucura, Jonas…

(Jonas) – Pensa bem: a Globo não vai precisar botar as digitais. O vídeo aparece no youtube, bomba por um ou dois dias. Depois, o “JN” faz reportagem falando do vídeo, repercutindo a história. Não ficarão as iniciais da velha mídia.

- Você pirou de vez. Vídeo do que?

(Jonas) – O povo aqui de Brasília fala de dois assuntos: um batom na cueca no caso da Receita, tipo uma câmera escondida escancarando envolvimento de petistas no dossiê que foi encomendado pelos tucanos de Minas; e um depoimento emocionado da mãe de algum soldado morto na ditadura, em ataques da esquerda.

- Jonas, a Dilma não participou de ataque nenhum.

(Jonas) – A gente sabe, mas até explicar…

- Não cola.

(Jonas) – Lembra em 2006, você tava na Globo. A turma do “JN” recebeu um dia antes as fotos do delegado Bruno, com a grana dos aloprados. Mas a direção no Rio disse que a Globo só daria a história se outros jornais dessem. Aí o delegado vazou pra quatro jornalistas, fingindo que as fotos tinham sido roubadas da mesa. No mesmo dia, a Globo deu no “Jornal Nacional”, mas já tinhas fotos desde o dia anterior.

- É verdade.

(Jonas) – Agora, vão fazer igualzinho. A Globo vai se fingir de morta, mas se o vídeo bombar na internet, aí o Ratzinger entra com tudo.

- Jonas, até você chama o cara de Ratzinger?

(Jonas) Aprendi com você.

- E o PT tá parado nessa história? Acha que não estão preocupados?

(Jonas) Acho que deviam usar o programa da Dilma para fazer uma vacina, preparar o povão para os ataques sujos que virão.

- Ah, você virou marqueteiro também? Falando em “vacina”. He, he…

(Jonas)- Está subestimando minha teoria, é? Espere e verá.

- Aquele abraço.
*********

Fonte: http://www.escrevinhador.com.br/

Qual será o golpe final da Globo? O que fazer a respeito?

5 de setembro de 2010 às 15:28
por Luiz Carlos Azenha

Bala de prata. Há muito se especula sobre bala de prata. Qual será a “bala” atirada pelo consórcio Organizações Globo/Folha/Estadão/PSDB/DEM na véspera do primeiro turno, em 2 de outubro de 2010, para tentar mudar o quadro eleitoral? Em 2006 foram as fotos do dinheiro apreendido com os aloprados do PT, que teriam tentado comprar um dossiê contra o então candidato a governador José Serra. Ninguém tratou do conteúdo do dossiê: as ambulâncias superfaturadas compradas durante a gestão de Serra no Ministério da Saúde. Aliás, a Globo passou a tratar aquele dossiê como “falso dossiê”, quando todas as informações oficiais mostram que o esquema das ambulâncias superfaturadas vicejou durante a administração Serra.

Naquela ocasião, as fotos “vazaram” justamente na antevéspera da eleição, para que pudessem ser publicadas na véspera, estrelando a edição do Jornal Nacional. Foi obra do delegado Edmilson Bruno, cuja conversa com os jornalistas na hora do vazamento se tornou um clássico da conjunção carnal entre fonte e mídia, com o delegado sugerindo o uso de photoshop, instruindo repórteres sobre como proceder com a divulgação das informações, contando que ia mentir para o superior hierárquico sobre a fonte do vazamento e se referindo a uma “foto da Globo” — tudo isso sob o silêncio complacente dos “profissionais” da mídia.

Para ouvir a conversa gravada, clique aqui.

Na opinião de Luís Nassif, a bala de prata deste ano terá relação com o envolvimento de Dilma Rousseff na resistência ao regime militar. Também acho que seja o mais provável, dado que conheço inúmeros casos de gente que decidiu não votar na candidata do PT depois de receber por e-mail “notícias” (obviamente falsas) sobre crimes atribuídos à candidata. Não é outro o motivo das correntes de e-mail que tem sido bombardeadas diuturnamente na rede contra Dilma: preparar o terreno para alguma ação de grande alcance, provavelmente no Jornal Nacional. Ou seja, quando a bala de prata for disparada funcionará como uma espécie de confirmação. Registro que muita gente recém-chegada ao mundo da rede devota profunda credibilidade à palavra escrita e, por não encontrar na rede fontes de desmentido, tende a acreditar que “onde há fumaça há fogo”. Estranho, portanto, que a campanha de Dilma não tenha preparado algum tipo de vacina preventiva contra as mentiras.

É óbvio que não sabemos exatamente o que vai acontecer, nem quando. Como tem sido assim na história das eleições brasileiras, tudo indica que acontecerá de novo. O que me leva à pergunta seguinte: qual deve ser a consequência para a concessão pública de rádio ou de TV que embarcar na disseminação da mentira? Uma campanha para o cancelamento de assinaturas (das publicações das Organizações Globo), apoiada pelas centrais sindicais, pelos movimentos sociais e pela blogosfera? Uma campanha de boicote aos anunciantes, patrocinada pelas centrais sindicais, pelos movimentos sociais e pela blogosfera? Ações coletiva na Justiça? Punição, dentro das regras já existentes, às concessões que praticarem crimes eleitorais?

Deixo a questão em aberto para que vocês reflitam e façam sugestões. Vou sugerir ao Altamiro Borges, do Centro de Mídia Alternativa Barão de Itararé, que pense em articular algum movimento coletivo que deixe claro, desde já, que tentativas de fraude eletrônica antecipada das eleições de 2010 terão consequências práticas aos que forem patrocinadores dela.
*****

Fonte: http://www.viomundo.com.br/opiniao-do-blog/qual-sera-o-golpe-final-da-globo-o-que-fazer-a-respeito.html

Folha de S. Paulo: Dilma vendia Marlboro para bebê fumante

5 de setembro de 2010 às 20:57
Folha de S. Paulo: Dilma vendia Marlboro para bebê fumante

por Luiz Carlos Azenha

Diante da manchete da Folha neste domingo – Consumidor de luz pagou R$ 1 bi por falha de Dilma –, em que o jornal faz campanha por José Serra requentando notícia velha e dando tom sensacionalista e pretensamente “popular” à denúncia, os tuiteiros lançaram uma campanha para criar futuras manchetes para o jornal.

Para acompanhar as sugestões, clique aqui.

A minha favorita é essa: Dilma inventou a segunda-feira. Mas não consegui descobrir quem criou. Podem me ajudar a encontrar?

*****

Vou acrescentando aqui minhas favoritas:

Dilma atirou o pau no gato (@ludelfuego)

Dilma mudou Orkut pra pior (@MarcelaOhana)

Dilma inventou a vuvuzela (@camilalpav)

Perícia revela: Dilma tem um terceiro mamilo (@m2rcio)

Dilma vendia Marlboro para bebê fumante (@rayssagon)

******
Fonte; www.viomundo.com.br